Avalanche Tricolor: Porto Alegre, 44º


Grêmio 1 x 1 São Luis
Gaúcho – Porto Alegre

O Guaíba que apelidamos de rio, apesar de ser um estuário, compõe um dos cenários mais bonitos de Porto Alegre. O pôr-do-sol visto de alguns pontos estratégicos da cidade é uma atração. Porém, o sol no verão da capital gaúcha chega a ser cruel. A terra do frio, assim conhecida nacionalmente, vira um inferno.

Obrigar atletas profissionais a jogarem futebol nestas condições é um crime. E este foi cometido na tarde desta quarta-feira, em Porto Alegre. Não sei a justificativa para tal – e mesmo que saiba não serei convencido de que a decisão não foi absurda -, mas Grêmio e São Luis, assim como Porto Alegre e Santa Cruz, foram a campo às cinco horas da tarde, em pleno horário de verão. Não por acaso, as duas partidas se encerraram com o mesmo placar: um suado empate de 1 a 1 – sem trocadilho.

No momento em que os jogadores esboçavam esforço, a Climatempo anunciava 37º, temperatura oficial; dentro do gramado chegava a 40º; e a sensação térmica, 43º. Ninguém joga decentemente nestas condições, mesmo que o árbitro da partida tenha feito três paradas técnicas – as duas primeiras, aliás, não compensadas nos acréscimos.

Joga menos ainda uma equipe em reconstrução como é o caso do Grêmio que necessita entrosar aqueles que chegaram com aqueles que ganharam posição de titular. Dos 11 que começaram a partida, seis são “novatos”: Maurício, Ferdinando, Hugo e Borges contratados neste ano e Joílson e Lúcio, entrando na equipe apenas agora. Sem contar o prejuízo com a perda do talento de Souza por quase seis meses, após lesão grave no Gre-Nal.

Uma situação tão cruel que o comentarista da TVCOM, ex-jogador Batista, que aguardava o início do jogo na cabine do estádio Olímpico, não resistiu ao calor. Desmaiou diante da câmera. Voltou bem em seguida. Mas não chegou a levar em consideração este aspecto no momento de avaliar o futebol jogado pelas duas equipes.

Ainda bem que ao fim de tudo, o Grêmio encerra mais uma rodada como líder e mantém a incrível invencibilidade de quase um ano e meio dentro do estádio Olímpico – o nosso caldeirão.

Um comentário sobre “Avalanche Tricolor: Porto Alegre, 44º

  1. Palhaçada… Estava ouvindo agora pouco a entrevista com o Servidor Carlos Eduardo, tenho mais de 5 solicitações (mais de 4 anos) para poda/remoção de 2 arvores enormes, podres, sem raiz (pois a mesmo foi cortada pela Sabesp) prestes a cair e ate agora nada.

    No ultimo contato, disseram não ter pessoal / equipamentos para a remoção.

    Na hora que cair, traga vários “Sacos Pretos” para pelo menos removerem as vitimas.

    Cid Silveira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s