Avalanche Tricolor: entendi o recado, Everson!

 

Avaí 2×2 Grêmio
Brasileiro – Estádio da Ressacada, Florianópolis/SC

 

336b0918-697c-4aa9-81d7-b2b6b0185b24.jpg.640x360_q75_box-141,18,883,434_crop_detail

Everson Passos aqui embaixo, ao lado do Roberto Nonato, no estúdio da CBN

 

Esta Avalanche não escrevo para você, caro e raro leitor. E tenho certeza de que você entenderá. Também peço encarecidamente aos amigos que reproduzem esta Avalanche em seus blogs dedicados ao Grêmio que poupem seus leitores das minhas palavras, mesmo porque não vou falar do resultado desta noite de domingo. O que falarei aqui é algo muito particular que não gostaria de ver exposto especialmente à sanha intolerante que toma conta da sociedade contemporânea. Mas preciso escrever. Para mim sempre foi a melhor maneira de arrancar a tristeza do coração.

 

Hoje, vou dedicar esta Avalanche a um colorado. Um cara que era capaz de vestir a camisa encarnada (ou estilizada) na alegria e no sofrimento. Nos momentos extremos em que seu time vencia, especialmente quando vencia o meu, ou diante de derrotas copiosas. Ele fazia questão de mostrar-se solidário nesses instantes. Solidário a sua paixão, como muitos de nós torcedores costumamos ser.

 

Falo aqui de Everson Passos, que morreu sexta-feira, dia 27 de outubro, após ter sofrido, há três meses, um derrame cerebral que o tirou a consciência e o desconectou da vida. Foi meu colega na CBN e teimo em acreditar que chegou a trabalhar com o pai lá na Rádio Guaíba de Porto Alegre. Se não o fez, com certeza conheceu meu pai enquanto atuava como jornalista no Rio Grande do Sul, pois o pai foi nosso assunto em comum em mais de uma oportunidade.

 

Ele falava pouco, resmungava muito, dizia certas verdades e nunca nos deixava ser levado pela ilusão das vitórias. E não falo aqui das coisas do futebol, não. É dá vida mesmo. O Everson tinha os dois pés no chão (a não ser quando estava montado em uma bicicleta) e nos colocava no devido lugar sempre que nos atrevêssemos devanear.

 

Chegava a ser engraçado na maneira de se portar diante dos fatos. Olhava de revesgueio, como costumamos dizer lá no Rio Grande, tinha um ar desconfiado e nas poucas palavras que proferia dizia muito.

 

Ao meu lado apresentou algumas edições do Jornal da CBN quando se revelava ainda mais rigoroso com a leitura dos textos. O mesmo rigor que usava no momento de redigir ou editar as reportagens. Um rigor que não se voltava aos colegas, mas a ele próprio.

 

Foi esse mesmo rigor que fez com que ele decidisse voltar para o Rio Grande do Sul. Deixou a rádio e São Paulo porque acreditava que tinha uma missão muito mais importante: cuidar da mãe que vivia sozinha desde a morte do pai. O destino lhe pregou uma peça. Poucos meses depois de chegar a terra natal sofreu o derrame e a mãe ficou para lhe dar carinho e apaziguá-lo até a morte.

 

E mesmo na morte, Everson não deixou de ser Everson.

 

Ao morrer com apenas 51 anos, sem precisar dizer uma só palavra, nos manda um recado ao estilo dele. Escancara a fragilidade do ser humano e nos faz ver como desperdiçamos nossos momentos com picuinhas, desentendimentos baratos entre amigos, colegas de trabalho, torcedores e mesmo irmãos, pais e mães. É como se estivesse nos dizendo: vai cuidar da sua vida!

 

Valeu, Everson! Anotei o recado.

8 comentários sobre “Avalanche Tricolor: entendi o recado, Everson!

  1. Caro Milton

    Muito obrigado pelas palavras, mas principalmente pela atitude. Emocionantes suas palavras nesse momento de despedida.
    Um forte abraço … muito sensibilizado e emocionado

    João Castanheira Filho

  2. Lindo texto e reflexão Milton!!! E uma linda homenagem!!!Aonde ele estiver estará amparado pelas boas lembranças que deixou pela sua passagem entre nós. Minha solidariedade aos colegas e familiares pois para quem fica a saudade é imensa!!Abraços

  3. Sábias e carinhosas palavras a um colega e amigo, meu caro Milton. Um exemplo a todos nós seres humanos. Não poderia deixar de fazer este registro que me deixou bastante sensibilizado, mesmo não tendo conhecido pessoalmente o Everson. Minha solidariedade a você e a todos os colegas e familiares.

  4. CONHECI O PAI DO SENHOR MILTON JUNG, GREMISTA COMO EU. CONHECI PRINCIPALMENTE O EVERSON PASSOS DA SILVA, MEU COMPADRE, MEU AMIGO MAIOR, VIBRAMOS COM SEU INGRESSO NA PUC-RS, CURSO DE HISTORIA, APÓS CONSEGUIU TRANFERÊNCIA PARA O CURSO DE JORNALISMO- SEU OFÍCIO-TRABALHO AQUI EM PORTO ALEGRE NA RADIO GUAÍBA, EM NA BAND. DEUS NOS REUNIU AGORA, NA HORA DA PARTIDA, ABRAÇO AOS AMIGOS DO MEU MAIOR AMIGO. E DA-LHE GRÊMIO, QUE ELE TAMBÉM GOSTAVA, ACREDITEM, EM VOCÊS, TAMBÉM.ABRAÇO.

  5. QUERO CORRIGIR, QUEM TRABALHOU NA RADIO GUAIBA, E NA BAND, FOI O EVERSON, POIS SOU BANCÁRIO, E ACREDITEM ELE AMAVA VOCÊS TODOS, POR INCLÍVEL QUE POSSA Parecer.kakaka,abraços.

  6. Soube tardiamente da passagem do Everson, mas fomos vizinhos por vários anos aqui em São Paulo. Ele também amava os cachorros, que tirava das ruas e cuidava – e como! -, e sofria com eles. Com aquele olhar tímido e poucas palavras, eu adorava ouvi-lo na CBN, onde se transformava e se impunha.
    Esteja com Deus, Everson.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s