Conte Sua História de São Paulo 465 anos: a fábrica de doces de São Miguel Paulista

 

Por Arnaldo Bispo do Rosário
Ouvinte da CBN

 

 

Em criança, na Vila Nitro Operária, pertinho de minha casa, em São Miguel Paulista, havia uma pequena fábrica de bolos e doces. Sua provocante chaminé, logo de manhã, lançava ao ar aromas de baunilha, canela, chocolate, avelã e outras fragrâncias de guloseimas de dar água na boca, saídos do forno ainda bem quentinhos. Acorria que eu, Itamar, Dorival, Marcos e Cia Bela não tínhamos dinheiro algum para comprar aquilo ou, como dizia meu pai, “andávamos mais lisos do que popô de santo”, mas com faro e salivação de constranger cão perdigueiro. Todavia, nem tudo estava perdido, pois, como marotos que éramos, descobrimos que o empreendimento, de pequeno porte, também se servia de lenha reciclada para acender a fornalha. Eureca! Eis ai a possível chave para termos acesso aquelas delícias!

 

A solução por nós encontrada, considerada nossa lamentável impecuniosidade crônica, era o escambo, ou seja, trocar madeira pelos aprazíveis confeitados, manjares de deuses. Assim, saíamos empurrando pelo bairro afora uma carriola com rodas de bicicleta — essas tomadas sob regime de cessão temporária do seu Zé, dono de um ferro-velho, na Rua da Maçonaria, mas sem seu consentimento. Procurávamos restos de poda, galhos e troncos secos, bem como tudo o que algum dia foi árvore, que descartados como inservível pudessem ser trocados por doces na tentadora fabriqueta.

 

Esbaforidos, perambulávamos como uma trupe mambembe, seduzidos pelo mito da recompensa, fruto justo do árduo trabalho, recolhendo toda madeira que encontrássemos pelo caminho. À tarde, após a aula, nos dirigíamos para a fábrica de delicias gastronômicas e trocávamos tudo o que havíamos coletado por bolos, broas e, principalmente, sonhos.

 

O tempo passou e alguns meninos daquela turminha — que tive a fortuna de conhecer e pertencer, com pureza de criança — já nem existem mais. Uma parte deles, frágeis como dentes-de-leão, no primeiro soprar do vento tiveram suas vidas e sonhos ceifados pelo aparato opressor do Estado ou pelas mãos implacáveis de agentes do tráfico de drogas, e jazem em sono profundo, restando, pois, na caverna da minha memória, um misto de nostalgia e indeléveis cicatrizes. Outros tiveram seus sonhos petrificados nas geleiras da antiga Febem ou cárceres correlatos, sem deixarem vestígios, rastros ou notícias, apenas lembranças.

 

Como nem tudo é só tristeza, muitos dos amigos daquele tempo são, hoje, chefes de família, repletos de responsabilidades, com breves noites para descanso e sono, pois acordam de madrugada ao som estridente do despertador, pulam de chofre da cama e, depois de um rápido banho e lépido café, seguem direto para o ônibus ou trem, rumo à lida, em busca do sustento da prole, alimentando o sonho de um futuro melhor e mais doce para si e, principalmente, para os seus.

 

De outra banda, uma diminuta parcela, os chamados resilientes (como é bom andar com quem nos ensina, pois aprendi esta palavra com uma pessoa inteligente!) conseguiram se formar professores, engenheiros, contadores, advogados, ou algo assim. Eu, por meu turno, na qualidade de advogado, continuo a trocar o meu labor – agora “madeira de lei” — por outros sonhos, individuais e coletivos. Assim, alicerçado na razão, emoção e tendo a palavra como instrumento, procuro atuar nos fóruns da vida para a realização desses sonhos, sobretudo, o da construção de uma pátria mais justa e de um mundo melhor, mais alegre e, de preferência, mais doce.

 

Nesta altura de minha existência, olhando pelo retrovisor e relembrando algumas das inúmeras lutas que participei, ombreado com outros trabalhadores como eu, muitas vezes, no exercício de meu mister, lutando para evitar que fossem despejados de suas casas por grileiros inescrupulosos, infectados pelo deletério vírus da ganância, percebi que ganhamos muitas, mas compreendi também que tudo aquilo que fiz, diante do latifúndio de desigualdade, não passa de um diminuto, tênue e fluído risco de giz.

 

Arnaldo Bispo do Rosário é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Venha participar desta série especial de aniversário da cidade: envie seu texto agora para contesuahistoria@cbn.com.br

3 comentários sobre “Conte Sua História de São Paulo 465 anos: a fábrica de doces de São Miguel Paulista

  1. Que texto, Arnaldo…uma linda história, parabéns!!
    Lembrei de um texto da Marina Colasanti ‘ O prato que vem feito’, fica a sugestão como uma sobremesa ao seu texto maravilhoso.
    Claudio e Milton arrasam como sempre.
    Abraço.

  2. Parabéns para o Arnaldo Bispo do Rosário! O texto é pura poesia. Detalhes de uma infância repleta de curiosidade e criatividade. Poética da infância. Me emocionei. Parabéns à todos os envolvidos na realização do Conte sua história. Abraço.

Deixe uma resposta para Lindalva Souza Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s