Avalanche Tricolor: a velha imagem na minha TV do quarto

Ponte Preta 0x0 Grêmio

Brasileiro – Moisés Lucarelli, Campinas/SP

O quarto que escolhi para assistir à estreia do Grêmio na série B era o mesmo da final de 2005. Está bem mais mobiliado e decorado, com espaços distribuídos para o vestir e o dormir, móveis bem acabados e feitos à medida. Antes era um vazio com uma cama de casal em uma ponta, um armário de roupa que quase não era capaz de acolher todas as vestes e, do outro lado, uma bancada simples de duas portas para sustentar a televisão de tubo — a que está pendurada na parede, atualmente, não traz as mais modernas funcionalidades nem apresenta-se com imagem de mega, ultra, super-qualidade, mas dá para o gasto.

Confesso que não fui parar no quarto por escolha própria. Foi a dinâmica da casa, no sábado à tarde, que  me fez deixar a sala onde costumo torcer pelo Grêmio — lá onde mantenho a cadeira do Olímpico  e as camisas de meus ídolos, que já foram assunto recente desta Avalanche. Porém, quando percebi que o espaço que ocupava era o mesmo em que assisti à “Batalha dos Aflitos”, entendi que poderia haver ali um sinal positivo, afinal, mesmo que por linhas tortas —- tivemos de contar com a incompetência do adversário, a destreza de Galatto e uma sorte inacreditável —, naquele ano nos tornamos campeões da Série B e fizemos história com um resultado aparentemente impossível, diante das circunstâncias.

Claro que os tempos são outros. O Grêmio mudou. Nós todos mudamos. Sou 17 anos mais maduro —- não que isso faça diferença quando eu esteja com o modo torcedor ativado. E os meninos, que acolheram o pai que chorava com o título de 2005, têm hoje vida própria. Dos dois, o mais velho foi quem se manteve ao meu lado nas partidas do Grêmio. Esteve comigo nesse sábado. E ficou bastante incomodado com o comentário que fiz pouco antes da cobrança de pênalti por Lucas Silva. Não que ele seja superticioso, mas parece ser adepto da máxima “no creo en brujas pero que las hay las hay”. Falei em voz alta: esse pênalti vai dizer muito do que será a Série B para o Grêmio, em 2022.

Minha sensação era que a chance de marcar um gol na metade do primeiro tempo, em partida que tínhamos superioridade técnica e contra uma equipe ainda abalada pelo rebaixamento no campeonato estadual, daria uma enorme tranquilidade na estreia do campeonato e começaríamos na ponta da tabela, mesmo jogando fora de casa. Ao mesmo tempo que desperdiçar aquela oportunidade seria a demonstração de que o destino está disposto a nos proporcionar mais uma saga forjada por sofrimento e dor. 

O que aconteceu na cobrança, o caro e cada vez mais raro leitor desta Avalanche, já deve saber a essa altura do campeonato — se não, basta olhar o placar no alto deste texto. Por sua vez, se minha premonição se confirmará, somente as próximas rodadas dirão. Por via das dúvidas, sexta-feira que vem já me programei: estarei na Arena para torcer pelo Grêmio. Quem sabe a imagem que verei, ao vivo, seja melhor do que a que passou na tela da minha velha televisão do quarto. 

2 comentários sobre “Avalanche Tricolor: a velha imagem na minha TV do quarto

  1. Olá Milton, ontem na preparação para assistir nossa estreia , fui ouvir algumas narrações antigas – como sempre faço – e me emocionei com o gol gol gol de seu pai num Flamengo x Grêmio no gol da virada marcado pelo loivo! Grande abraco

    • Foi o gol que o inspirou a criar o bordão “gol, gol, gol”, provocado pelo fato de a bola ter explodido no travessão, na linha do gol e depois subido novamebte até encontrar a rede. Bela lembrança!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s