Você é o melhor antídoto para o mau humor corporativo

 

agreement-2548139_960_720

 

Uma das colunas do TweetDeck, aplicativo que uso para administrar minhas contas do Twitter, reúne todos as publicações que incluem a expressão “mundo corporativo”. É uma maneira simples de saber o que comentam sobre programa que apresento na rádio CBN e leva este nome, e ao mesmo tempo uma forma de identificar como as pessoas encaram o cenário corporativo.

 

Sei que indignados escrevem mais e mais alto, mas é surpreendente a quantidade de pessoas que reclamam do que fazem e onde fazem. “Nojento”, “mafiosos”, “decepções”e “não é o meu mundo” foram apenas algumas das palavras que encontrei em uma rápido olhar na coluna antes de escrever este texto.

 

Se este não é o meu mundo, qual será? Para viver temos de ter algum dinheiro no bolso, por menos que seja. E para ter esse dinheiro, é preciso produzir. E para produzir, trabalhar. Pode ser em casa, na garagem, na oficina, no consultório ou na casa de máquinas. Trabalhar é preciso. E cada vez mais e por mais tempo. Portanto, cabe a nós mudarmos este ambiente.

 

Lembrei-me deste assunto porque nesta última semana entrevistei dois caras que me ajudaram muito a pensar como é possível transformar este cenário, mesmo que não sejamos os donos da empresa ou um líder de departamento.

 

O primeiro deles foi do Dr. Esdras Guerreiro Vasconcellos, psicólogo que recebi no Mundo Corporativo e trouxe algumas ideias sobre como conviver com o estresse. Ele fala em convívio porque não há como nem se deve eliminá-lo. Sem o estresse não se produz nada; já a perda do controle dele, pode destruir tudo. Foi um dos alertas que fez.

 

Quanto as dificuldades que levam tantos funcionários a reclamar do seu trabalho e da sua empresa, uma frase de Vasconcellos que nos ajuda a pensar como somos fundamentais nesta transformação:

 

“Se você sabe que na segunda-feira vai enfrentar tais e tais problemas na empresa, e você ainda não tem uma solução para eles, pare um instante e cuide pelo menos de você”

 

(leia mais e assista a entrevista completa com Dr. Esdras Vasconcellos)

 

Outra entrevista que me ajudou a refletir sobre essa relação de ódio com o mundo corporativo foi a gravada, nesta terça-feira pela manhã, com João Paulo Pacífico, do Grupo Gaia, convidado da série de podcast CBN Professional. Ele é adepto da psicologia positiva e trouxe vários rituais que os 60 funcionários do grupo são incentivados a realizar.

 

A identificação de momentos de gratidão no seu cotidiano, a importância de trocas de sorrisos, o convite para que se espalhe gentileza e a necessidade de se celebrar cada passo à frente são movimentos marcados pela simplicidade, mas capazes de mexer com algo muitas vezes doloroso: a falta de motivação para fazer o que fazemos.

 

Pode parecer ingênuo diante da crueza com que as relações de trabalho são mantidas, mas no caso da Gaia a coisa está funcionando, convenceu-me Pacífico.

 

Com você, vai depender do seu desejo genuíno de mudar.

 

Nem sempre haverá condições de trocar de empresa ou cargo, mas sempre será possível trocar a sua disposição. Independentemente do chefe mala, do colega marrento, do salário pífio e do cliente que não olha no seu olho, comece essa transformação na sua atitude diante das tarefas marcadas e das pessoas com as quais se relaciona.

 

Afinal, o problema já está posto e não vai mudar porque você reclama dele.

 

Mude você!

 

PS: a entrevista com o João Paulo Pacífico estará disponível, em breve, na lista de podcast da CBN

Mundo Corporativo: Clemente Nóbrega diz que líderes são responsáveis por criar ambientes que incentivem à inovação

 

 

O Brasil não é bom em inovação porque o ambiente não estimula esta prática e para que isso aconteça é necessário que se crie condições apropriadas como investir na meritocracia, reconhecendo quem produz, ter processos justos, clareza de propósito e respeito (inclusive à propriedade intelectual). A análise é do consultor Clemente Nóbrega que defende a necessidade de se ter líderes no país dispostos a realizar esta transformação. “Inovação não é simplesmente você associar as ideias a uma inspiração genial que alguém tem enquanto está no chuveiro, como o folclore sobre o tema diz, inovação pode ser aprendida, pode ser exercitada como uma atividade”, disse em entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da rádio CBN. Nóbrega é físico por formação, executivo e o autor do livro “A intrigante ciência das ideias que dão certo”(Alta Books)

 

O Mundo Corporativo vai ao ar às quartas-feiras, 11 horas, com transmissão ao vivo pelo site da rádio CBN. O programa é reproduzido aos sábados, no Jornal da CBN e tem as participações de Paulo Rodolfo, Douglas Matos e Débora Gonçalves.

Vamos deixar de tomar banho para lavar o carro?

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

4343386942_ce0084381e_z

 

A água como recurso escasso é hoje uma realidade que a maioria dos habitantes das grandes cidades brasileiras tem consciência. Em São Paulo, onde o problema aparece com maior gravidade, o governo se apressou em criar um novo nome (crise hídrica), mas demorou em tomar medidas contingenciais e estruturais necessárias.

 

O jornalista André Trigueiro no programa Fim de Expediente, da rádio CBN, resumiu bem as faltas que geraram a atual falta d’água. Todas elas por culpa da civilização moderna que, se comparada às mais avançadas da antiguidade, perde de 7×1. Impermeabilizamos o solo, construímos sem priorizar a ventilação e a iluminação natural, usamos água potável para limpeza de calçadas e latrinas, misturamos a coleta de lixo, e cobramos a água de forma coletiva na maioria dos edifícios. Ao mesmo tempo, formamos engenheiros que tratam o lixo como lixo, e economistas que deveriam administrar recursos naturais como a água, as matérias primas e a energia como escassos, mas são iludidos pela abundância dos mesmos.

 

Acrescentaria à lista de Trigueiro um puxão de orelha no governo e outro na população.

 

Da parte da Prefeitura e do Estado, a inépcia em controlar o adensamento urbano e o desmatamento nas áreas dos mananciais. Verdadeiros crimes ambientais. Submissão a interesses comerciais e eleitoreiros.

 

Da população, que possui uma frota de seis milhões de veículos, nenhuma restrição à lavagem destes automóveis. É visível que não houve mudança na limpeza dos carros que estão circulando. Quanto mais novo e maior, mais limpo. É só sair à rua e conferir. O tema é grave, pois a lavagem convencional gasta de 300 a 500 litros por carro, a de WAP, máquina de jato, 90 litros, a de vapor 5 litros e à seco 1 copo, ou nada. Os preços para as lavagens convencionais são bem menores, e a oferta de serviços especiais ainda é incipiente.

 

Será que a nossa conhecida paixão pelo automóvel leva o seu dono a não tomar banho para lavar o carro?

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung, às quartas-feiras.

Mundo Corporativo: Elmano Nigri diz por que tem tanto funcionário insatisfeito na sua empresa

 

 

Nas empresas, trabalhamos com processos e pessoas. Processos, não reclamam. Pessoas, sim. Então, é preciso saber ouvi-las para que se melhore o clima organizacional e aumente a produtividade. Esse tem sido um dos trabalhos desenvolvidos por Elmano Nigri, presidente da consultoria Arquitetura Humana, que participou do programa Mundo Corporativo, da rádio CBN. Com base em pesquisas feitas em algumas das maiores corporações do mundo, o consultor relacionou os principais motivos que levam muitos profissionais a dizerem que estão insatisfeitos com a função que exercem: “primeiro, porque (eles) não são ouvidos; segundo, não se presta atenção neles; terceiro, porque não têm as características que foram definidas e comunicadas a eles; o caipira costuma dizer que ‘nóis combina, nós faz’ – é preciso que se combine com cada pessoa dentro da organização o que se espera dela”.

 

O Mundo Corporativo vai ao ar às quartas-feiras, às 11 horas, no site http://www.cbn.com.br e o programa é reproduzido aos sábados no Jornal da CBN. Os ouvintes-internautas podem participar pelo e-mail mundocorporativo@cbn.com.br e pelos Twitters @jornaldacbn e @miltonjung (#MundoCorpCBN).

Erro na Inspeção gera nova obrigação a atrasados

 (atualizado em 23.02, 10h48)

A prefeitura de São Paulo fez mais uma barbeiragem na inspeção veicular e decidiu jogar para o contribuinte a responsabilidade da solução do problema. Um erro no sistema de processamento de dados impedia o agendamento da inspeção pelos donos de veículos que não realizaram até 30 de janeiro o serviço referente ao ano de 2009. Hoje, a prefeitura anunciou que o proprietário que enfrentou esta dificuldade terá de comparecer na sede da Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente para comprovar o pagamento da taxa de desbloqueio e inserir seus dados no sistema eletrônico.

A taxa de desbloqueio no valor de R$ 44,18 é uma espécie de multa devido ao não cumprimento da obrigação da inspeção no ano passado. Depois de pagá-la, o proprietário tem de agendar o serviço em um dos postos da Controlar, empresa contratada pela administração municipal.

O site da Controlar informa que os boletos de pagamento para desbloqueio, emitidos entre os dias 1º e 4 de fevereiro, apresentaram erro no código de barras e o pagamento não estava sendo aceito na rede bancária. Continuar lendo

Política ambiental não é pedágio urbano

Na manchete, no lead, no destaque dos jornais e mídia em geral, aparece sempre a discussão sobre a criação do pedágio urbano confundindo muitas vezes o debate sobre implantação de Política de Mudanças Climáticas. No ano passado, durante a campanha eleitoral, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) quase teve um enfarte quando soube que o texto enviado à Câmara Municipal mantinha a expressão. Seus assessores correram a dizer que foi um erro no material encaminhado e o trecho que tratava do pedágio deveria ter sido extraído da proposta final do Executivo.

Nesta quarta 08.04, a Câmara Municipal de São Paulo aprovou, em primeira votação, o Plano Municipal de Política Ambiental que tem como objetivo reduzir o impacto da emissão de poluentes no meio ambiente. Fala-se em queda de 30% na emissão até 2012 com uma série de medidas como o incentivo ao transporte público (rodando com combustível mais limpo), promoção de serviços de carona solidária e uso de bicicleta, além da restrição de circulação de veículos.

Para Rachel Bidermann, coordenadora-adjunta do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas e coordenadora da equipe técnica de política municipal de mudanças climáticas, o que está em discussão na cidade de São Paulo é muito mais importante e não pode se resumir ao pedágio urbano. Em jogo, a qualidade de vida do cidadão.

Ouça a entrevista com Rachel Bidermann e deixe sua opinião