Mundo Corporativo: assistência técnica é essencial no agronegócio, diz o consultor João Hilário Jr.

 

 

“O produtor rural não é um consumidor nem uma indústria. Ele tem o modo dele atuar e representa um grande setor da economia brasileira e mundial”

 

Diante disso, o consultor João Hilário da Silva Júnior, da JHB2F, tem se dedicado a desenvolver ações e gerar oportunidades a empresas e indústrias com potencial para atuarem com o agronegócio brasileiro. Em entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da rádio CBN, Hilário explica as diferenças e semelhanças nas estratégias do B2C, B2B e B2F — ou seja, da indústria que se relaciona diretamente com o consumidor final, com outras indústrias ou com o fazendeiro. Uma das demandas identificadas no trabalho que realiza é de que os produtores rurais necessitam do trabalho de assistência técnica —- um dos pontos em que os prestadores de serviço são mais carentes.

 

O Mundo Corporativo é apresentado, ao vivo, às quartas-feiras, às 11 horas da manhã, no site e na página da CBN no Facebook. O programa é reproduzido aos sábados no Jornal da CBN e aos domingos, às 22h30, em horário alternativo. Colaboram com o Mundo Corporativo Juliana Causin, Rafael Furugem e Débora Gonçalves.

Mundo Corporativo: pessoas e empresas estão com fórmulas antigas para situações novas, diz Roberto Shinyashiki

 

 

“As pessoas estão com fórmulas antigas para situações novas e, infelizmente, a gente vê isso não só no empresário e no profissional, mas vê na administração, também”.

 

O alerta é do psiquiatra e empresário Roberto Shinyashiki que tem se dedicado a entender quais as novas demandas das empresas e dos negócios. Em entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da CBN, ele diz que a velocidade com que as mudanças ocorrem exige nova postura profissional tais como saber ler o interlocutor, entender o ser humano e perceber qual será a próxima necessidade do seu cliente.

 

Shinyashiki, autor do livro “Pare de dar murro em ponta de faca e seja você maior” (Editora Gente), convida as pessoas a reavaliarem seus conceitos e identificarem se não estão insistindo em soluções que não se adaptam às novas necessidades do mercado. Ao mesmo tempo, chama atenção das empresas para que mudem seus procedimentos e renovem seus líderes para que não percam seus principais valores:

 

“Os bons profissionais querem mais responsabilidade, eles querem trabalhar para um chefe que eles admiram; as pessoas não se despedem da empresa, se despedem do chefe, pedem demissão do chefe, demitem o chefe, as pessoas querem trabalhar em um lugar que elas aprendam”

 

O Mundo Corporativo pode ser assistido ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas, no site e na página da CBN no Facebook. O programa vai ao ar aos sábados, às 8h10, no Jornal da CBN, e aos domingos, às 11 da noite, em horário alternativo. Colaboram com o Mundo Corporativo Juliana Causin, Ricardo Gouveia e Débora Gonçalves

O futuro dos shoppings não deve ser visto sob ameaça, pois soluções são visíveis

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

elephant-1191266_960_720.jpg

 

O fechamento de grande número de Shopping Centers nos Estados Unidos ao mesmo tempo em que existe aqui uma taxa de ocupação abaixo do padrão, têm precipitado previsões pessimistas quanto ao futuro de nossos empreendimentos.

 

A realidade é que o futuro não deve ser visto sob ameaça, pois as soluções estão visíveis.

 

A inevitável adaptação ao mundo eletrônico e a absorção do omnichannel não é mais desconhecida. Separar os dois canais não é mais cabível. De outro lado, a ordem é ofertar produtos e serviços mais aderentes ao mundo físico que preencham as novas necessidades do consumo.

Isso foi constatado tanto no Congresso da ALSHOP, há uma semana em São Paulo, quanto na RECon The Global Retail Real Estate Convention da ICSC International Council of Shopping Centers, em Las Vegas, de 20 a 23 de maio.

No caso americano, os empreendimentos foram instalados em áreas suburbanas. Hoje, para atender aos “millennials” precisam se deslocar para áreas urbanas. Esse passado dá uma vantagem aos Shopping Centers brasileiros, que desde a origem procuraram centros de população adensada.

De acordo com Luiz Marinho, em artigo de Mercado & Consumo, que cobriu o evento de Las Vegas, 90 Shopping Centers investiram U$ 8 bilhões em revitalização, trocando produtos por experiência. Foram instaladas áreas de descanso, paisagismo, música agradável, com o intuito da maior permanência do consumidor sem a preocupação exclusiva do comercial. E até os nomes começaram a mudar. De “Shopping” ou “Mall”, para “Town Center” ou “Village”.

No Brasil, onde temos a incontestável aprovação do formato Shopping Center pela população e a vantagem da localização urbana desde a origem, não será difícil enfrentar as novas necessidades da demanda. Implantar o omnichannel, mudar o mix de lojas, focar no lifestyle e enfim passar de “produtos” para “experiência”.

Talvez nem pense em outro nome. Embora a Eliana Tranchesi, visionária, pensasse no conceito e na marca. Era a Vila Daslu.

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

No congresso nacional de lojistas de shopping o destaque foi o futuro da política e do varejo

 


Por Carlos Magno Gibrail

 

central-embassy-498560_960_720

 

As falas de políticos e lojistas, ouvidas no WTC, no evento da ALSHOP, convergiram para o futuro — como que deletando o presente nada recomendável.

 

Os presidenciáveis Alckmin, Amoedo e Rocha, apresentaram um discurso conciso das respectivas plataformas sem ataques pessoais aos adversários.

 

Será prenúncio de novos tempos?

 

Alckmin ressaltou a desproporção entre a máquina governamental e o meio privado. Em custos e eficiência. Enfatizando a vantagem da experiência administrativa que possui para consertar este desequilíbrio.

 

Amoedo defendeu a liberalidade econômica, social e comportamental. Acredita em nomes novos em todas as áreas políticas. Ressalta seu diferencial entre todos os candidatos ao descartar o “status quo” do profissionalismo político. Aposta que as necessárias reformas somente virão através de outros legisladores. Novos deputados e novos senadores.

 

Rocha enalteceu a competência empresarial, defendendo o liberalismo na economia e o tradicionalismo no comportamento. Abomina o sistema no qual o estado onera e algumas vezes interfere no mundo privado. Situação em que já foi vítima.

 

Neste contexto macro, o lojista Sergio Zimermam da PETZ contribuiu para a elucidação da questão tributária, pois é consensual que temos uma das maiores participações de impostos sobre o PIB. Não é verdade. O 34% de tributos no PIB do Brasil está na média mundial. O problema é que o Estado não entrega os serviços devidos e, além disso, a taxação de 50% sobre o consumo e 20% sobre a renda cria um disparate. Um peso tributário maior sobre os de menor renda, causando a distorção que poderia ser mais explícita se nos produtos e serviços se destacasse o montante de imposto.

 

No âmbito técnico do Congresso se constatou uma tendência de as cadeias de lojas concentrarem as operações em FRANQUIAS, em detrimento das lojas próprias. Uma estratégia para reforçar a necessária experiência de compra como diferencial ao mundo eletrônico e, ao mesmo tempo, viabilizar os resultados usufruindo das menores taxas para o sistema fiscal das sociedades no regime simples.

 

Neste setor de FRANQUIAS haverá reforço financeiro vindo pela Caixa, na palavra de seu presidente, Nelson de Souza, que expôs o lançamento de crédito específico e de baixo custo. Fruto da parceria ALSHOP com a Caixa, estimulada por Nabil Sayon e referendada por Souza, atento aos mais de 50 mil associados da ALSHOP.

 

Sob o aspecto de LIDERANÇA ressaltou-se a presença da mulher como força inovadora. Testemunhada na presença e na palavra das presidentes da Le Postiche, Nutty Bavaria e Amor aos Pedaços.

 

A necessidade de trabalhar o CLIENTE INTERNO X CLIENTE EXTERNO também foi um dos temas marcantes, apresentado pela Ideale e ABRH Brasil, por Peterson Coli e Eliana Aere.

 

Como INOVAÇÃO, Renato Claro da Kick Off trouxe o caso da Johnny Rockets que tem apresentado mudanças constantes no conceito, no cardápio e no tamanho como forma de manter o espírito original. O Rock de Elvis Presley e seus hambúrgueres.

 

O varejo que busca ATUALIDADE não pode descartar os Marketplaces. Sotero da B2W – Submarino, Americanas, Shoptime, e Bertolazzo do Magazine Luiza, não só demonstraram números e tendências irrecusáveis, como convidaram a todos a participar desse gigantesco universo. Pequenos, médios e grandes negócios e até mesmo os inexistentes podem procurá-los para atuar nesta multiplicidade de espaços de venda.

 

Para os Shopping Centers a tendência de aglutinar mais áreas de serviço e entretenimento deverá continuar. Um novo formato chamado de Power Center tem surgido com força. Consiste em agregar sobre grandes áreas operações populares de baixo preço. Entretanto a grande novidade é o início do e-commerce de shopping centers tradicionais.

 

O SPMarket, de acordo com Sylvio Carvalho Neto, diretor, já possibilita seus clientes comprarem via internet. Nos corredores, ouvia-se sobre o Cidade Jardim e a Multiplan estarem próximos do lançamento de suas plataformas de comércio eletrônico.

 

Enfim, pelo Congresso da ALSHOP tudo indica que podemos esperar um futuro melhor.

 

A tarefa é chegar lá.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

Mundo Corporativo: André Oliveira alerta que orgulho do empreendedor quebra a empresa

 

 

“Sabe o que quebra as empresas hoje, os pequenos negócios, é uma palavra chamada orgulho; às vezes as pessoa insistem no erro e não pedem ajuda: não tem nada de errado você parar de vender um produto ou mudar de ramo, não tem problema nenhum, faz parte do jogo” — a lição é de André Oliveira, empreendedor desde os tempos em que era um menino de calça curta e atualmente no comando da Credifácil, uma rede com mais de 100 lojas no Brasil. Ele começou vendendo sacolé com o irmão para comprar um presente para mãe, foi para a faculdade, montou seu negócio próprio, teve dificuldades financeiras, quebrou e recomeçou.

 

Entrevistado pelo jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da rádio CBN, Oliveira conta o que aprendeu ao longo de sua carreira: “não adianta você ser só querer ser um empreendedor, é necessário você ser ser um gestor”.

 

O Mundo Corporativo pode ser assistido, ao vivo, às quartas-feiras, 11h da manhã, pelo site e na página da CBN no Facebook. O programa vai ao ar, aos sábados, no Jornal da CBN, ou aos domingos, às 11h da noite, em horário alternativo. Colaboraram com o programa Gustavo Boldrini, Ricardo Gouveia e Débora Gonçalves.

Fundo árabe deverá dinamizar a SPFW de Paulo Borges

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

Osklen

 

As transformações de tecnologia, de comunicação e de comportamento pressionam mudanças nos desfiles de moda dos grandes centros lançadores de tendências. Enquanto isso, a SPFW recebe o capital árabe de Abu Dhabi, através da compra de 50,5% das ações da Luminosidade, braço da INBRANDS, pelo IMM participações, de propriedade do fundo de investimentos Mubadala Development Company.

 

 

Em tese esta capitalização deverá contribuir para que Paulo Borges, a estrela criativa do Morumbi Fashion, que acompanhou as mudanças para chegar até aqui com a SPFW45, desenvolva um modelo que responda aos desejos de consumo atuais — de acionistas, patrocinadores e consumidores.

 

 

A nova acionista possui 25% do Rock World S.A., dona da “Rock in Rio”, organiza o “Rio Open Tennis”, o “Cirque du Soleil” no Brasil e eventos de UFC.

 

 

Tudo indica que a espetacularização da Moda será levada em consideração. Cogita-se de expansão geográfica e de calendário, de venda de ingressos para atividades paralelas, e da convergência com espetáculos de música, esporte, arte e gastronomia.

 

 

São hipóteses relevantes.

 

 

O desfile de moda tem uma função importante dentro do setor. É um canal de comunicação e glamourização das marcas e produtos. Entretanto o ritmo padronizado que vinha sendo exercido passou a ser contestado em várias facetas.

 

 

Desde a dicotomia entre apresentar conceitos ou práticas — ou seja, roupas de passarela ou moda usável. Até as questões de hoje, entre o ver e o ver e comprar.

 

 

A distância entre o consumidor e o espetáculo, criando uma elitização em nome da profissionalização ainda é um ponto a ser resolvido.

 

 

Por essas arestas, acreditamos que sócios familiarizados com o espetáculo possam equacionar as questões que possibilitem maior relação e participação do consumidor com a moda.

 

 

Vamos aguardar.

 

 

Até a próxima SPFW.

 

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

Dia das mães é destaque e supera PIB

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

mall-2595002_960_720.jpg

 

No calendário comercial, o dia das mães é uma das datas mais importantes pela sua contribuição ao volume de negócios, e pela carga emocional que inspira.
É por isso que o resultado numérico é sempre acompanhado com avidez e agilidade. Algumas vezes em excesso, o que prejudica a necessária assertividade.

 

Entre as fontes de informação, temos a Serasa Experian que registrou vendas 5,7% maiores na semana antecedente e 5% no final de semana do dia das mães. Com destaque para a cidade de São Paulo, que apresentou respectivamente 6,5% e 6,8%.

 

O CNDL e o SCPC Brasil informam um crescimento nas vendas parceladas de 6 a 12 de maio 2018 de 2,86% em relação a 2017. Enquanto que o Boa Vista SCPC apresentou 4% de aumento contra 1,6% registrado no ano passado.

 

Dentre as várias entidades pertinentes ao setor, dedicamos especial atenção a ALSHOP, que congrega os lojistas de Shopping Centers, tão em evidência pela importância do formato e pelas novas características do mercado. A ALSHOP Associação de Lojistas de Shopping, sempre foi das primeiras a fornecer informações dos resultados pós-datas marcantes, embora tenha sido mais cautelosa com os dados deste ano.

 

O Diretor de Relações Institucionais, Luís Augusto Ildefonso, coordenou o levantamento dos dados referentes à Previsão e a Avaliação das Vendas para o dia das Mães. Tomou como base os 50 mil associados da ALSHOP, considerando um total de 70 mil entre tantos que mantem contato com a entidade.

 

Foram elencados os segmentos de Moda Feminina, Acessórios, Bolsas e Calçados, Cosméticos, Joias, Bijuterias e Perfumaria. Dentre estes, selecionados os mais representativos e desconsiderados os que se recusaram a fornecer dados.

 

Respostas extremas, para mais ou para menos, não foram tabuladas.

 

A pesquisa foi realizada por telefone, e 70 empresas participaram da amostra pesquisada.

 

A Previsão estimou crescimento de 6% e a Avaliação registrou aumento de 5% sobre 2017.

 

Até ontem, as análises indicavam que havia um compasso entre o varejo das mães e a economia brasileira, que crescia. Mas, com o dado de hoje que indica uma prévia do PIB com queda de 0,13%, o varejo em descompasso é destaque positivo.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

 

Igreja em shopping

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

22291390_171371716771931_6640151818550665693_o

Igreja Batista da Lagoinha, no shopping (foto: divulgação)

 

Em Betim – MG, o Shopping Monte Carmo, em atitude inovadora, abriga a Igreja Batista da Lagoinha, desde agosto de 2017.

 

O Estadão de domingo, em artigo que destaca mudança de foco do Shopping, traz o relato da inédita abertura de área para cultos religiosos.

 

Segundo Maria Chiara, autora da reportagem, a intenção do Monte Carmo visa a ocupação de espaços vazios — tema familiar ao Shopping, pois na abertura tinha apenas 12 lojas em área de 34 mil m2. Quando foi vendido pela Saphyr para a Sodepar a vacância era de 52%, em 2016. Hoje é de 15%.

 

A igreja passou a fazer parte do grupo de serviços que são oferecidos, como os Correios, a Receita Federal e a Faculdade Pitágoras. A esse respeito o testemunho do gerente Cesar Miranda ressalta:

 

“A igreja é um ‘case’ de sucesso, que se converteu em aumento de receita para inúmeras operações do shopping”

 

Acreditamos que mais do que um caso, esta pode ser uma questão de várias vertentes, diferentemente de mudança de foco ou de esquizofrenia dos shoppings, como citado por Márcia Sola do IBOPE.

 

Se há um consenso que mesmo as modernas empresas afeitas às novas tecnologias e propensas ao omni-channel e ao unified commerce também sofrem as consequências das mudanças e desejos do novo consumidor, não há unanimidade quanto ao caminho a seguir.

 

Uma das dificuldades ao prever o futuro é a impossibilidade de visualizar as quebras de paradigmas que virão, pois como sabemos a incerteza é a única certeza.

 

Ainda assim, neste caso de Betim, se creditarmos o depoimento de Miranda ao afirmar que houve benefícios a outras unidades, podemos inferir que esta cadeia positiva pode ser um condutor ao estilo de vida. E a experiência de compra dentro de um centro comercial homogêneo leva a um Lifestyle, que pode ser o caminho futuro.

 

Eliana Tranchesi foi quem melhor traduziu esta possibilidade com a Daslu. A volta ao futuro de Eliana pode ser a via de diferenciação.

 

O rígido lifestyle reflete bem a segmentação comportamental de hoje, com tribos hermeticamente alinhadas.

 

Que venham os shoppings por LIfestyle!

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

 

Mundo Corporativo: 7 princípios para encarar a nova economia

 

 


 
 

 

As empresas e carreiras estão vivendo um momento de transformação entre a velha e a nova economia, influenciadas fortemente pelo avanço das tecnologias. Quem não entender esse momento perderá valor na perspectiva do consumidor. O primeiro princípio para quem pretende estar pronto para esta evolução é colocar o cliente no centro da estratégia, segundo Renato Mendes, sócio da Orgânica, uma aceleradora de negócios, que auxilia empresas a se adaptarem a esse novo cenário:
 

 

“A gente costuma dizer que na nova economia a empresa vencedora não é a que tem a melhor ideia, é a empresa que melhor conhece o seu consumidor e vai criando soluções para esse cliente; muitas vezes ele não sabe o que ele quer, mas ele sabe a dor que ele sente”

 

 

Na entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, d rádio CBN, Mendes listou o que considera ser os sete princípios que devem ser seguidos por empresas e profissionais:
 

 

  1. Cultura do cliente

  2. Sim, é possível

  3. O novo sempre vem

  4. Vamos errar

  5. Postura de dono

  6. Viva bem no desconforto

  7. Foco e obsessão

 

 

Mendes é co-autor do livro “Mude ou Morra – tudo que você precisa saber para fazer crescer seu negócio e sua carreira na nova economia” (Planeta Estratégia), no qual teve a parceria de seu sócio Roni Cunha Bueno.

O Mundo Corporativo pode ser assistido ao vivo, no site ou na página da CBN no Facebook, às quartas-feiras, 11 horas; e é reproduzido aos sábados no Jornal da CBN e domingo, às 11 da noite, em horário alternativo. Colaboram com o programa Juliana Causin, Rafael Furugen e Débora Gonçalves.

Com tudo, é melhor apostar no Facebook

 


Por Carlos Magno Gibrail

 

mobile-phone-1917737_960_720

 

Mark Zuckerberg, presidente e principal acionista do Facebook, empresa que congrega o maior grupo mundial de mídia social, composto do Facebook Messenger, do Whatsapp e do Instagram, teve que se apresentar no dia 10 aos comitês de Comércio e Judiciário, do Senado e no dia 11 ao Comitê de Energia e Comércio da Câmara dos Representantes, nos Estados Unidos.

 

A acusação central era a influência exercida na votação do Brexit e na eleição de Trump, através da utilização ilegal de dados retirados do Facebook.

 

Concluiu-se que o caso da Cambridge Analytica não foi o único, ao mesmo tempo em que Mark não demonstrou abertura para a regulação. De outro lado se comprometeu a barrar as notícias falsas, embora duvide do sucesso no caso da influência estrangeira.

 

Hoje, na Folha, Helio Schwartsman lembra o aparecimento do “deep fake” graças ao avanço da tecnologia, ao possibilitar reproduções tão perfeitas que irão quase impedir aos técnicos de distinguir o falso do verdadeiro. Ao mesmo tempo ressalta que a linguagem que foi criada para facilitar o entendimento sempre teve que se precaver do falso.

 

Provavelmente o extremo a que se chegou ao aperfeiçoamento para extrair informações e deduções, junto com a falsificação esmerada, equipara-se à grandiosidade do universo alcançado pelas mídias sociais. Em particular ao Facebook, com dois bilhões de usuários no mundo. No Brasil, 80 milhões, correspondente a 40% do total da população, acessam diariamente a rede. Mensalmente, 55% ou 110 milhões de pessoas participam da rede social, das quais 90% usam celulares.

 

A relevância é que essa disponibilidade de plataforma e de acessos tem chamado a atenção de empresas que estão usando o Facebook através de suas fanpages e alternativas comerciais de divulgação.

 

Desde pessoas se conectando e vendendo serviços e produtos entre si até a divulgação paga a partir de R$ 1,00. Antecipando um futuro próximo da criação de um Market Place como já está sendo feito nos Estados Unidos, Inglaterra, Austrália e Nova Zelândia.

 

Entre acreditar na obsolescência e descrença do Facebook, é melhor apostar no potencial de oportunidades que ora se oferece.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung