Dia das mães é destaque e supera PIB

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

mall-2595002_960_720.jpg

 

No calendário comercial, o dia das mães é uma das datas mais importantes pela sua contribuição ao volume de negócios, e pela carga emocional que inspira.
É por isso que o resultado numérico é sempre acompanhado com avidez e agilidade. Algumas vezes em excesso, o que prejudica a necessária assertividade.

 

Entre as fontes de informação, temos a Serasa Experian que registrou vendas 5,7% maiores na semana antecedente e 5% no final de semana do dia das mães. Com destaque para a cidade de São Paulo, que apresentou respectivamente 6,5% e 6,8%.

 

O CNDL e o SCPC Brasil informam um crescimento nas vendas parceladas de 6 a 12 de maio 2018 de 2,86% em relação a 2017. Enquanto que o Boa Vista SCPC apresentou 4% de aumento contra 1,6% registrado no ano passado.

 

Dentre as várias entidades pertinentes ao setor, dedicamos especial atenção a ALSHOP, que congrega os lojistas de Shopping Centers, tão em evidência pela importância do formato e pelas novas características do mercado. A ALSHOP Associação de Lojistas de Shopping, sempre foi das primeiras a fornecer informações dos resultados pós-datas marcantes, embora tenha sido mais cautelosa com os dados deste ano.

 

O Diretor de Relações Institucionais, Luís Augusto Ildefonso, coordenou o levantamento dos dados referentes à Previsão e a Avaliação das Vendas para o dia das Mães. Tomou como base os 50 mil associados da ALSHOP, considerando um total de 70 mil entre tantos que mantem contato com a entidade.

 

Foram elencados os segmentos de Moda Feminina, Acessórios, Bolsas e Calçados, Cosméticos, Joias, Bijuterias e Perfumaria. Dentre estes, selecionados os mais representativos e desconsiderados os que se recusaram a fornecer dados.

 

Respostas extremas, para mais ou para menos, não foram tabuladas.

 

A pesquisa foi realizada por telefone, e 70 empresas participaram da amostra pesquisada.

 

A Previsão estimou crescimento de 6% e a Avaliação registrou aumento de 5% sobre 2017.

 

Até ontem, as análises indicavam que havia um compasso entre o varejo das mães e a economia brasileira, que crescia. Mas, com o dado de hoje que indica uma prévia do PIB com queda de 0,13%, o varejo em descompasso é destaque positivo.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

 

Igreja em shopping

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

22291390_171371716771931_6640151818550665693_o

Igreja Batista da Lagoinha, no shopping (foto: divulgação)

 

Em Betim – MG, o Shopping Monte Carmo, em atitude inovadora, abriga a Igreja Batista da Lagoinha, desde agosto de 2017.

 

O Estadão de domingo, em artigo que destaca mudança de foco do Shopping, traz o relato da inédita abertura de área para cultos religiosos.

 

Segundo Maria Chiara, autora da reportagem, a intenção do Monte Carmo visa a ocupação de espaços vazios — tema familiar ao Shopping, pois na abertura tinha apenas 12 lojas em área de 34 mil m2. Quando foi vendido pela Saphyr para a Sodepar a vacância era de 52%, em 2016. Hoje é de 15%.

 

A igreja passou a fazer parte do grupo de serviços que são oferecidos, como os Correios, a Receita Federal e a Faculdade Pitágoras. A esse respeito o testemunho do gerente Cesar Miranda ressalta:

 

“A igreja é um ‘case’ de sucesso, que se converteu em aumento de receita para inúmeras operações do shopping”

 

Acreditamos que mais do que um caso, esta pode ser uma questão de várias vertentes, diferentemente de mudança de foco ou de esquizofrenia dos shoppings, como citado por Márcia Sola do IBOPE.

 

Se há um consenso que mesmo as modernas empresas afeitas às novas tecnologias e propensas ao omni-channel e ao unified commerce também sofrem as consequências das mudanças e desejos do novo consumidor, não há unanimidade quanto ao caminho a seguir.

 

Uma das dificuldades ao prever o futuro é a impossibilidade de visualizar as quebras de paradigmas que virão, pois como sabemos a incerteza é a única certeza.

 

Ainda assim, neste caso de Betim, se creditarmos o depoimento de Miranda ao afirmar que houve benefícios a outras unidades, podemos inferir que esta cadeia positiva pode ser um condutor ao estilo de vida. E a experiência de compra dentro de um centro comercial homogêneo leva a um Lifestyle, que pode ser o caminho futuro.

 

Eliana Tranchesi foi quem melhor traduziu esta possibilidade com a Daslu. A volta ao futuro de Eliana pode ser a via de diferenciação.

 

O rígido lifestyle reflete bem a segmentação comportamental de hoje, com tribos hermeticamente alinhadas.

 

Que venham os shoppings por LIfestyle!

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

 

Mundo Corporativo: 7 princípios para encarar a nova economia

 

 


 
 

 

As empresas e carreiras estão vivendo um momento de transformação entre a velha e a nova economia, influenciadas fortemente pelo avanço das tecnologias. Quem não entender esse momento perderá valor na perspectiva do consumidor. O primeiro princípio para quem pretende estar pronto para esta evolução é colocar o cliente no centro da estratégia, segundo Renato Mendes, sócio da Orgânica, uma aceleradora de negócios, que auxilia empresas a se adaptarem a esse novo cenário:
 

 

“A gente costuma dizer que na nova economia a empresa vencedora não é a que tem a melhor ideia, é a empresa que melhor conhece o seu consumidor e vai criando soluções para esse cliente; muitas vezes ele não sabe o que ele quer, mas ele sabe a dor que ele sente”

 

 

Na entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, d rádio CBN, Mendes listou o que considera ser os sete princípios que devem ser seguidos por empresas e profissionais:
 

 

  1. Cultura do cliente

  2. Sim, é possível

  3. O novo sempre vem

  4. Vamos errar

  5. Postura de dono

  6. Viva bem no desconforto

  7. Foco e obsessão

 

 

Mendes é co-autor do livro “Mude ou Morra – tudo que você precisa saber para fazer crescer seu negócio e sua carreira na nova economia” (Planeta Estratégia), no qual teve a parceria de seu sócio Roni Cunha Bueno.

O Mundo Corporativo pode ser assistido ao vivo, no site ou na página da CBN no Facebook, às quartas-feiras, 11 horas; e é reproduzido aos sábados no Jornal da CBN e domingo, às 11 da noite, em horário alternativo. Colaboram com o programa Juliana Causin, Rafael Furugen e Débora Gonçalves.

Com tudo, é melhor apostar no Facebook

 


Por Carlos Magno Gibrail

 

mobile-phone-1917737_960_720

 

Mark Zuckerberg, presidente e principal acionista do Facebook, empresa que congrega o maior grupo mundial de mídia social, composto do Facebook Messenger, do Whatsapp e do Instagram, teve que se apresentar no dia 10 aos comitês de Comércio e Judiciário, do Senado e no dia 11 ao Comitê de Energia e Comércio da Câmara dos Representantes, nos Estados Unidos.

 

A acusação central era a influência exercida na votação do Brexit e na eleição de Trump, através da utilização ilegal de dados retirados do Facebook.

 

Concluiu-se que o caso da Cambridge Analytica não foi o único, ao mesmo tempo em que Mark não demonstrou abertura para a regulação. De outro lado se comprometeu a barrar as notícias falsas, embora duvide do sucesso no caso da influência estrangeira.

 

Hoje, na Folha, Helio Schwartsman lembra o aparecimento do “deep fake” graças ao avanço da tecnologia, ao possibilitar reproduções tão perfeitas que irão quase impedir aos técnicos de distinguir o falso do verdadeiro. Ao mesmo tempo ressalta que a linguagem que foi criada para facilitar o entendimento sempre teve que se precaver do falso.

 

Provavelmente o extremo a que se chegou ao aperfeiçoamento para extrair informações e deduções, junto com a falsificação esmerada, equipara-se à grandiosidade do universo alcançado pelas mídias sociais. Em particular ao Facebook, com dois bilhões de usuários no mundo. No Brasil, 80 milhões, correspondente a 40% do total da população, acessam diariamente a rede. Mensalmente, 55% ou 110 milhões de pessoas participam da rede social, das quais 90% usam celulares.

 

A relevância é que essa disponibilidade de plataforma e de acessos tem chamado a atenção de empresas que estão usando o Facebook através de suas fanpages e alternativas comerciais de divulgação.

 

Desde pessoas se conectando e vendendo serviços e produtos entre si até a divulgação paga a partir de R$ 1,00. Antecipando um futuro próximo da criação de um Market Place como já está sendo feito nos Estados Unidos, Inglaterra, Austrália e Nova Zelândia.

 

Entre acreditar na obsolescência e descrença do Facebook, é melhor apostar no potencial de oportunidades que ora se oferece.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

#ComunicarParaLiderar : comunicação agrega muito valor às marcas

 

 

group-912844_960_720

 

 

Comunicar bem faz bem — é uma das lições que se aprende ao analisar o desempenho das marcas mais valiosas no Brasil, segundo ranking anual BrandZ Brasil, divulgado pela WPP e Kantar Millward Brown.

 

 

Os bancos brasileiros que o digam.

 

 

O Bradesco, segundo na classificação, valorizou 58% de um ano para o outro, enquanto o Itaú, que pulou do quarto para o terceiro lugar, cresceu 42%. As duas marcas estão o tempo inteiro expostas ao público através de campanhas de comunicação em seus mais diversos formatos.

 

 

De acordo com os especialistas da Kantar, a comunicação agrega muito valor às marcas e quem mais se destacou neste quesito foi o Itaú.

 

 

Aliás, os bancos bombaram este ano — foi o segmento que teve o maior crescimento em relação a 2017, com 44% de valorização e representa agora quase 26% do total das marcas mais valiosas do Brasil.

 

 

A alta foi tão expressiva que Bradesco e Itaú se aproximaram do líder da classificação, a Skol, que hoje vale US$ 8,2 bilhões e se mantém no topo por mais um ano.

 

No total, 60 marcas foram avaliadas e juntas representam US$ 65 bilhões:

 

 

tabela-site

 

 

Além da análise de dados financeiros, avaliações de mercado e outras informações objetivas que ajudam na elaboração do ranking, os organizadores também levam em consideração o que as pessoas pensam sobre as marcas que compram — e aqui a comunicação ajuda muito, pois projetos bem elaborados mexem com a percepção do consumidor o que é considerado chave na determinação do valor da marca.

 

 

O pessoal da Kantar mostra que as marcas são uma combinação de desempenho de negócios, entrega de produtos, clareza de posicionamento, e liderança. E põe a comunicação entre os cinco princípios considerados vitais para o crescimento e sucesso delas no Brasil:

 

 

1.propósito muito claro
2.cultura de inovação
3.boa comunicação
4.experiência com a marca
5.amabilidade (atributos emocionais)

 

 

Sou fã de carteirinha deste assunto pois acredito na ideia que marcas, assim como pessoas, que investirem na melhoria da comunicação tendem a ter resultados melhores nos mercados em que atuam. Mais do que isso: ajudam a própria sociedade pois tornam as informações mais acessíveis e transparentes — e boa informação é essencial em meio a confusão de mensagens que vivemos. Ajuda a fazermos melhores escolhas.

 

 

Falamos sobre isto no livro Comunicar para liderar, que escrevi ao lado da Leny Kyrillos, onde apresentamos uma série de estratégias que podem ser realizadas para que empresas e profissionais desenvolvam essa competência.

 

 

Mais um destaque do ranking das marcas mais valiosas:

 

 

O setor de varejo cresceu de um ano para o outro especialmente pelo desempenho de Havaianas — que teve a maior valorização entre todas as marcas avaliadas (+ 156%) —, Magazine Luiza (+ 133%) e Arezzo (+ 101%).

 

 

Reproduzo aqui a explicação de Eduardo Tomiya — CEO da Kantar sobre o desempenho do Magazine Luiza.

 

 

“… o Magazine Luiza vem junto com o movimento forte do varejo omnichannel, apostam no e-commerce, com a vantagem de possuir loja física. A união do e-commerce com o varejo físico demonstrou resultados concretos”.

 

 

E se faço essa referência é para lembrar que a tese há muito é discutida no blog pelo meu colega Carlos Magno Gibrail, basta conferir as participações dele sobre o tema.

WhatsApp em rede de franquias: solução ou destruição?

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

cup-2884023_960_720

 

Os canais de comunicação nas redes de franquia refletem o que existe hoje em todas as formas de mídias sociais. A eficiência e agilidade disponibilizada pelos meios eletrônicos têm possibilitado utilizações tecnicamente perfeitas, ao lado de outras mal-intencionadas — informações falsas, críticas exageradas, assuntos impertinentes e grosserias.

 

O WhatsApp desponta como o canal mais usado pelas redes de franquias.

 

Pela facilidade e agilidade é um meio convidativo de enviar e receber informações. E é esta característica que tem originado a criação de grupos de franqueados dispostos a críticas e intromissões em ações e decisões da franqueadora — minando a relação de confiança e dedicação essencial ao sucesso do sistema de franquia.

 

Diante dessa realidade, temos informação que algumas empresas estão proibindo o uso do WhatsApp, e outras incentivando a sua utilização através de um canal oficial.

 

A experiência tem demonstrado que a proibição nem sempre é a medida mais eficiente. O incentivo ao uso de um Wapp do franqueador é melhor caminho, mas a solução definitiva sempre será o contato pessoal. Ou seja, é conveniente que se tenha uma abertura de comunicação permanente do franqueado com o franqueador além de reuniões presenciais com calendário anual.

 

Estas reuniões deveriam expor desempenhos de todos e exaltar os bons resultados, com a presença dos responsáveis pela gerência das lojas e dos franqueados, dirigidas pela franqueadora.

 

Um dos melhores preceitos de Walt Disney é:

 

“Trate seu funcionário como você gostaria que ele tratasse seu cliente”

 

E, a melhor estratégia de consumo hoje é:

 

“Omni channel” e “Unified Commerce” que possibilitam ao cliente usar todos os canais disponíveis para consumir e se comunicar com as marcas.

 

Portanto, por que não tratar o seu franqueado como se deve tratar o seu cliente?

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

Mundo Corporativo: a biografia de Vicente Falconi, o maior consultor de empresas do Brasil

 

 

Sem medição não há gestão. Essa é uma das muitas lições ensinadas pelo mais famoso consultor de empresas do Brasil, Vicente Falconi, personagem do livro escrito pela jornalista Cristiane Correa, entrevistada do programa Mundo Corporativo, da rádio CBN. Ela tem se dedicado a escrever a história dos principais empresários e gestores do país desvendando algumas das estratégias que transformaram as empresa em sucesso e identificando falhas que cometeram ao longo de suas carreiras.

 

Em “Vicente Falconi, o que importa é o resultado”, Correa descreve como o consultor ajudou o Brasil a escapar de um apagão que seria catastrófico para a economia nacional. Por outro lado, revela sua surpresa ao descobrir que o homem que salvou muitas empresas enfrentou dificuldades para tocar o seu próprio negócio.

 

O Mundo Corporativo pode ser assistido ao vivo, às quartas-feiras, no site e na página da CBN no Facebook. O programa vai ao ar, aos sábados, no Jornal da CBN e aos domingos, às 11 da noite, em horário alternativo. Participaram do programa Juliana Causin, Rafael Furugen e Débora Gonçalves.

Para reduzir tapumes em shopping, aplique a lição do Nobel de Economia

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

lost-places-2867627_960_720

 

Quando Feola, em 1958, instruía os jogadores do Brasil antes da partida com a Rússia estabelecendo a estratégia do jogo, Garrincha perguntou se ele havia combinado com os russos.

 

Garrincha, gênio reconhecido pelo futebol e ingênuo pelo comportamento, demonstrou racionalidade e estrutura cartesiana.

 

É fundamental ao elaborar uma estratégia reconhecer a importância do outro lado. E é complexo porque envolve pessoas e emoções em processo de negociação, mas é familiar a todos nós. Afinal, desde criança negociamos.

 

Durante muito tempo, a negociação foi considerada como um sistema de ganho e perda. Entretanto, John Nash, matemático e economista, através de experimento científico, que lhe deu o Nobel de Economia, provou que há técnicas de negociação que podem resultar naquilo que chamou de Equilíbrio de Nash.

 

O exemplo que balizou sua tese da Teoria dos Jogos foi o “Dilema do Prisioneiro”.

 

Dois criminosos são pegos em um delito pequeno embora tivessem cometidos crimes mais graves anteriormente. Foram colocados em salas separadas e submetidos a três escolhas:

 

– Se ambos não confessarem os crimes passados a condenação será de um ano pelos crimes pequenos;

 

– Se um acusar o outro dos crimes passados ele sai livre e o outro é condenado a 10 anos;

 

– Se ambos acusarem o outro dos crimes passados a condenação será de 5 anos para cada um

 

A incerteza da posição do outro leva à decisão de acusar o outro, e cada um levar cinco anos de condenação.

 

Entretanto, no conceito da Teoria dos Jogos, o que acontece na vida real é a repetição do jogo.

 

Quantificando a situação dos comparsas e considerando que se repita 10 vezes, teríamos 10×5 anos = 50 anos presos, mas se não confessassem 10×1 ¬= 10 anos de condenação.

 

Porém, o primeiro resultado irá identificar as posições, e as decisões seguintes estarão baseadas na confiança ou desconfiança sinalizadas. A repetição trará a melhoria das negociações tendendo para o “ganha – ganha”, que é o propósito da Teoria dos Jogos quando as opções e ofertas introduzidas ao processo são legítimas.

 

Trazendo as negociações baseadas na Teoria dos Jogos às locações em Shopping, onde temos três agentes – shopping, corretor e lojista – é preciso considerar que nenhuma ação unilateral irá melhorar o resultado.

 

O sucesso da negociação será dado pela cooperação das partes. Aliás, um bom tema para nossas abordagens futuras.

 

O insucesso será espelhado na quantidade de tapumes existentes nos shoppings.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

Varejo físico e virtual juntos e na moda

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

Amaro_Analia-9

 

Um novo formato de loja de moda em que após o processo convencional de escolha e venda o consumidor recebe a mercadoria comprada, em casa, tem despontado como novidade aprovada no varejo.

 

É um sistema que se destaca pela aceitação de um segmento de consumidores e por facilitar alguns itens do processo de comercialização tradicional.

 

O perfil do cliente para esse formato não é único. Ao juntar a experiência física de compra com a potencialidade de alternativas do virtual, serve tanto ao consumidor da geração 4D quanto ao conservador, que requer o contato com o produto e com a vendedora.

 

Sob o aspecto do processo de abastecimento, há um passo significativo para resolver um dos maiores problemas do varejo: a previsão de vendas da loja. A esse respeito, Eliya Goldrat, um dos maiores autores sobre processos industriais e comerciais, coloca o “gargalo” na indústria e a “previsão de vendas” no varejo como os grandes desafios destes processos.

 

Historicamente, esse formato de loja virtual na loja física surgiu há cerca de 20 anos, quando do primeiro boom da internet. Embora sem resultado positivo. Ainda era a época da miopia de marketing em que se dizia que roupa nunca seria vendida pela internet.

 

Da C&A, que foi uma das precursoras deste formato no início deste século até a AMARO, a nova pioneira, e a BASICO.COM tivemos uma evolução, ou melhor, uma revolução de hábitos e tecnologia que explicam o insucesso de ontem e o sucesso de hoje.

 

Para quem aposta nos multicanais e está atento ao “omni-channel” e ao “unified commerce” é aconselhável acompanhar mais este formato.

 

Sem miopia.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

Mundo Corporativo: políticas em favor da diversidade podem aumentar em até 15% resultados das empresas

 

 

Ao trabalhar em equipe, valorizando o conhecimento, entendendo o que cada um tem a contribuir e respeitando suas diferenças, as empresas tendem a se desenvolver mais e alcançar resultados melhores. É no que acredita Andreia Dutra, presidente da Sodexo On Site, empresa que historicamente desenvolve políticas que beneficiam a diversidade no ambiente de trabalho. Ela é uma das poucas mulheres a ocupar o cargo de CEO no Brasil.

 

Em entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da rádio CBN, Dutra disse que investir na diversidade de gênero, orientação sexual e raça “pode aumentar em até 15% o resultado financeiro da companhia”. Mais do que isso, essas ações afirmativas têm o poder de transformar a sociedade.

 

O Mundo Corporativo pode ser assistido, ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas, no site cbn.com.br ou na página da CBN no Facebook. O programa é reproduzido aos sábados, no Jornal da CBN, ou domingo, às 11 da noite, em horário alternativo. Colaboram com o Mundo Corporativo Juliana Causin, Rafael Furugen e Débora Gonçalves.