Mundo Corporativo: como organizar o voluntariado na sua empresa

 

“Hoje, fazer trabalho voluntário tem um valor enorme para os processos seletivos, demonstrar o que você faz, escrever isso no currículo até para ser admitido em uma grande universidade, tanto dentro do Brasil como fora do Brasil, tem um valor enorme” — Angela Dannemann, Itau Social

A ação voluntária tem sido valorizada dentro das empresas como uma das formas de aproximar colaboradores, formar equipes mais coesas e expressar propósitos que movem as organizações. Em entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da CBN, Angela Dannemann, superintendente do Itaú Social, destacou que o voluntariado traz benefícios para o colaborador, a empresa e a sociedade.

 

Dannemann identificou alguns caminhos que devem ser percorridos para que o voluntariado alcance seus objetivos, especialmente no público-alvo a que se destina. Para ela, o primeiro passo é a empresa entender o que já está acontecendo dentro da organização, a partir dos diversos interesses de seus colaboradores. Geralmente, descobre-se que ações voluntárias já são realizadas por alguns grupos de profissionais e o ideal é dar sequência a esses projetos, colaborando com experiências da própria organização:

“Trazer essas qualidades da gestão para uma ação voluntaria é muito valioso”.

Ao planejar as atividades é importante que se identifique o tamanho da equipe que está disposta a se engajar no programa, oferecer orientação estratégica, definir recursos, tempo de dedicação, material e infraestrutura necessários. Atuar com organização faz toda a diferença, mas Dannemann alerta:

“O voluntariado deve ter metas para alcançar, mas não pode ser colocar metas para o voluntário alcançar”

O Mundo Corporativo vai ao ar aos sábados, 8h10, no Jornal da CBN, e tem a colaboração de Gabriela Varella, Artur Ferreira, Rafael Furugen, Isabela Ares, Débora Gonçalves e Priscila Gubiotti.

Sua Marca: duas dicas de livros sobre marcas, mídias e comportamento

 

” … a gente tem de ter essas ferramentas, o investigativo, essa capacidade de pensar, e aí o que a gente lê é muito alimento para tudo isso” —- Cecília Russo

O papel da leitura na gestão de marcas e desenvolvimento de carreira é fundamental a medida que temos a necessidade de desenvolver o olhar crítico sobre as coisas, o que nos permite aprofundar a análise e buscar soluções para os desafios do negócio. Jaime Troiano e Cecília Russo falaram desse tema no quadro Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, com o jornalista Mílton Jung, na rádio CBN., e trouxeram duas indicações de livros que ajudam a refletir sobre a função das marcas na sociedade.

 

Um dos livros é “O fim da Idade Média e o Início da Idade Mídia”, de Walter Longo, publicado pela Alta Books, que discute o universo de informação no qual vivemos nos tempos atuais. Para Jaime Troiano, o livro alerta para o fato de que se temos uma quantidade enorme de dados à disposição é preciso estar preparado para extrair o que realmente nos interessa, fazendo deles uma ferramenta de desenvolvimento do seu negócio.

“O Big Data não é Big Ideia”

O outro livro é “A Era Do Ressentimento. Uma Agenda Para O Contemporâneo”, de Luis Felipe Pondé, publicado pela Leya Editora. Dentre tantas áreas da vida humana que o filósofo analisa em seu livro, Cecília Russo destaca um dos trechos do livro que se refere ao mundo das marcas:

“As marcas, portanto, deverão cumprir cada vez mais o papel de dizer o que é essencial como valor (e fazer esse valor valer, uma vez que seus produtos são confiáveis naquilo que ela diz representar) e separar o joio do trigo na vida dos contemporâneos desesperados por sentido que os prenda em vínculos incerto e dolorosos” (pag.104)

Ou seja, diz Russo, é a tese que os profissionais de branding defendem há algum tempo sobre o compromisso que as marcas têm de serem confiáveis, de dizerem, expressarem e agirem naquilo que acreditam ser, de forma genuína, verdadeira.

 

O Sua Marca Vai Ser Um Sucesso vai ao ar aos sábados, às 7h55 da manhã, no Jornal da CBN.

Conte Sua História de São Paulo: o relógio-cuco que marcou as horas da minha vida

 

Por Luiz carlos Silva
Ouvinte da CBN

 

Existem alguns objetos da nossa casa que marcam profundamente nossa vida. Lembro-me quando papai ganhou um relógio cuco. Todo final de semana, ele e o Sr. Heitor jogavam baralho, um jogo chamado Presidente. O jogo era silencioso e para quebrar a monotonia começavam acirrada discussão sobre política.

 

Após o término de uma partida, o Sr .Heitor levantou-se da poltrona irritado, pois tinha perdido, caminhou até a cozinha e trouxe uma caixa de papelão que foi colocada sobre a mesa. Quando viu que era um relógio cuco, papai marejou os olhos e deu um forte abraço no Sr.Heitor.

 

O relógio era de madeira maciça, envernizado, tinha vários entalhes artísticos; o pêndulo, a corrente e o peso eram cromados; os números eram em algarismo romano com um pequeno cristal colocado sobre cada um deles; os ponteiros eram dourados e brilhantes. Tinha sido fabricado na Inglaterra. Fomos advertidos por papai que jamais deveríamos dar corda no relógio, pois ele ficaria encarregado desta tarefa —- precavendo-se das nossas mãozinhas destruidoras.

 

Após ouvir as orientações de papai, sentamos no chão, embaixo do relógio e ficamos aguardando pacientemente o passarinho aparecer. O tic-tac constante enchia toda a sala e a nossa ansiedade aumentava a cada movimento do ponteiro, o silêncio era total, até o instante em que se abriu uma portinha e saiu um lindo passarinho de madeira com penas multicoloridas cobrindo o corpo e se pôs a cantar. A portinha fechou-se e saudamos o mais novo amiguinho do nosso lar com palmas e gritos.

 

Era o cuco que avisava mamãe quando tinha que nos dar algumas colheradas de um fortificante chamado “Emulsão Scoth” —- nessa hora, eu odiava o relógio e cheguei mesmo a praguejar o inocente passarinho. O agradável aroma de café sendo coado coincidia com os seis cucos emitidos pelo passarinho —- era a hora que o papai levantava-se para ir ao trabalho.

 

Os cucos acompanharam-me desde as primeiras letras aprendidas na cartilha Caminho Suave, na  Admissão, no ginásio e parte do primeiro ano do colegial. Era o relógio que controlava meu tempo de estudos. Foi o cuco que me acordou no primeiro dia de trabalho como office-boy numa Cia. de Seguros da cidade, assinalou o horário para encontrar com a minha primeira namorada e denunciava-me quando chegava atrasado em casa.

 

Saí de casa aos 17 anos para estudar no interior, ao regressar meses depois não encontrei mais o relógio. Disseram-me que havia quebrado e tinham doado para um carroceiro que passava constantemente na rua onde morávamos, em São Paulo. Olhei para a parede e restava apenas a marca com seu formato. Abaixei a cabeça com tristeza e ouvi alguns tic-tacs na minha imaginação.

 

Luiz Carlos Silva é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Escreva o seu texto e envie para contesuahistoria@cbn.com.br. 

Mundo Corporativo: psicóloga Marli Arruda dá dicas de como líderes e colaboradores têm de agir diante da crise do coronavírus

 

“Lógico, a gente tem de produzir , tem de continuar dando os resultados para a empresa, mas antes de tudo, antes de falar “você já entregou o relatório?”, “você já enviou o relatório X”, pergunte tá tudo bem, bom dia, como está você e a sua família” — Marli Arruda, psicóloga

O novo coronavírus está impondo os mais diversos desafios à humanidade, obrigando ao menos um terço da população a viver sob medidas restritivas e já tendo matado mais de meio milhão de pessoas. No cenário empresarial, um número incontável de profissionais foi levado a trabalhar em casa e se adaptar, muitas vezes sem nenhuma estratégia programada, à necessidade de atuar em equipe mesmo à distância. Gestores e líderes dessas equipes, por sua vez, tiveram de redobrar esforços para manter a produtividade e engajar o grupo, mesmo diante desta adversidade nunca antes vista.

 

A psicóloga organizacional Marli Arruda identificou alguns comportamento que precisam ser adotados por líderes e colaboradores neste momento. Em entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da CBN, mesmo que distante, ela diz que o gestor tem de se mostrar presente, demonstrando calma na relação com o seu time, tendo equilíbrio emocional para abordar os colaboradores e tomar decisões, demonstrar interesse genuíno pelo outro e exercitar a escuta ativa:

“… escuta o que a pessoa não fala, o que ela não consegue expressar de uma forma clara, o que tem nas nuances daquela comunicação.… é me preocupar e parar em ouvir a pessoa”.

Arruda faz uma analogia com as recomendações de emergência nos vôos quando somos lembrados que em caso de despressurização as máscaras cairão do teto e devemos primeiro colocar em si mesmo e depois nas crianças:

“As pessoas, agora, o que mais elas precisam é de um líder, alguém que tome à frente que diga, olha, vamos fazer dessa forma, … e dizer vamos por esse caminho e não por aquele caminho”.

Em relação aos colaboradores que estão em “home office”, Arruda sugere:

“A disciplina nesse momento ela é fundamental, e sempre comparar, lá no meu trabalho como eu estaria agora, o que eu estaria fazendo, então sempre fazer essa correlação para poder se manter disciplinado em casa porque há vários estímulos ali que podem dispersar e a pessoa perder a sua produtividade”.

Autora do livro “Estratégias em gestão de pessoas para colorir seus negócios —- manual prático para engajar equipes”, Arruda lista alguns cuidados para quem está em “home office”, seja o líder da equipe ou o colaborador:

—- mantenha uma comunicação uniforme: quando não há comunicação, há interpretação; quando há comunicação errada, há pânico

 

—- tem de engajar a família, explicar a situação e as suas necessidades

 

—- administrar bem o seu tempo diante dos muitos estímulos que temos em volta

 

—- estabelecer um período para olhar as noticias e responder as redes sociais

 

—- respeitar seus horários de trabalho, de almoço e fim de expediente

 

—- criar pausas durante o seu dia

 

— seja tolerante com você e com o outro

O Mundo Corporativo vai ao ar aos sábados, às 8h10 da manhã, no Jornal da CBN; aos domingos, às 10 da noite, em horário alternativo; e está disponível em podcast. Colaboraram com o Mundo Corporativo: Juliana Prado, Gabriel Damião, Rafael Furugen e Priscilla Gubiotti

Conte Sua História de São Paulo: o primeiro congestionamento antes mesmo de nascer

 

Thalita Pires
Ouvinte da CBN

 

 

Minha mãe, Vera Lucia, estava em trabalho parto para ter meu irmão mais novo, em 26 de abril de 1989. Eram seis horas da manhã. Ela estava em posição pélvica e a indicação era uma cesariana. O drama é que os partos da mamãe eram relâmpago. Eu nasci em duas horas, desde o momento em que ela sentiu a bolsa estourar.

 

Nós morávamos no Campo Limpo, na zona Sul. E o hospital era o São Luiz, do Itaim. Meu pai a colocou no carro e partiu. Imagine o trânsito. Minha mãe em trabalho de parto, apavorada e com o risco de meu irmão nascer dentro do carro em um posição que poucos obstetras aceitam fazer em parto normal. Os dois parados no congestionamento da periferia de São Paulo.

 

Não havia corredor de ônibus para cortar os outros carros. Papai cortou o que pode de caminho pelas quebradas entre o Campo Limpo e o Morumbi. Quando chegou a ponte do Morumbi para atravessar a Marginal Pinheiros: fechada. Havia se iniciado uma obra há pouco tempo para a construção da nova ponte. Na época as pontes João Dias e do Morumbi tinham duas faixas para ir e duas para voltar.

 

A opção de papai foi seguir até a João Dias ou a Bandeirantes, mas estava claro que não haveria tempo. De repente, ele viu o portão do canteiro de obras abrir para a passagem de um caminhão. Acelerou e invadiu o canteiro, pondo a correr um grupo de engenheiros e funcionários que estavam com plantas de papel na mão. Para abrir caminho minha mãe gritava: “meu filho está nascendo”. Acho que eles não entenderam porque responderam com uma sequência de nomes impublicáveis.

 

Após essa manobra ousada, eles chegaram a maternidade e foram recebidos pela obstetra que ainda teve tempo de fazer uma gracinha: “olha a bundinha do bebê aqui” …. E assim nasceu meu irmão mais novo, o Thomas.

 

Thalita Pires é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Escreva o seu texto e envie para contesuahistoria@cbn.com.br.

Mundo Corporativo: como fazer da casa um ambiente de trabalho melhor

 

office-932926_960_720

Ilustração: PIXABAY

 

“ …. pouco a pouco, fui entendendo que os fatores fundamentais são foco, disciplina e organização”. —- Carlos Júlio, Gestão Descomplicada da CBN

“Uma coisa importante é você dedicar tempo para eles (os filhos), você está em casa, muitos não vão entender que o pai está em casa e não está brincando com eles, então tem de estabelecer esses momentos durante o dia” — Milton Beck, CEO do Linkedin

 

 

Para combater a disseminação do coronavírus, milhares de trabalhadores foram obrigados a transformar um espaço de suas casas em ambiente corporativo. O Home Office, conceito que surgiu nos anos de 1990, com o objetivo de reduzir os custos de instalação de equipamentos e infraestrutura das empresas, de uma hora para outra foi imposto a gestores e colaboradores como estratégia para proteger a saúde física dos profissionais e financeira dos negócios.

 

Para ajudar nesta adaptação, o Mundo Corporativo da CBN ouviu a palavra de dois especialistas no tema: Milton Beck, CEO do Linkedin, e Carlos Julio, CEO do Echos Laboratório de Inovação e comentarista do quadro Gestão Descomplicada, que vai ao ar no Jornal da CBN 2ª edição.

 

A seguir, faço uma relação das dicas e comentários mais importantes que eles apresentaram durante a nossa entrevista:

  1. Comporte-se como se estivesse no trabalho — mesmo em casa, você está no trabalho, então mantenha rotina similares, como horário de acordar, tomar o café, trocar o pijama por uma roupa mais apropriada para a função que você vai exercer.

  2. Crie um espaço específico para trabalhar, mesmo que seja no seu quarto, e tente reproduzir nele algumas características do seu escritório: computador, telefone, cadeira confortável, ferramentas tecnológicas à disposição, água e café ao seu alcance.

  3. Faça uma agenda das tarefas do dia, defina logo cedo aquilo que você não pode deixar de fazer, identifique suas metas —- assim como você faria no seu escritórioCuidado para não se dispersar diante de uma série de outros estímulos que têm à disposição em casa.

  4. Respeite os horários de início e fim de expediente.

  5. Estar em Home Office não significa que você é trabalhador 24 horas ao dia

  6. Converse com sua família sobre como será seu ritmo de trabalho e a importância de não ser interrompido.

  7. Saiba que interrupções vão ocorrer, as crianças vão falar e o cachorro vai latir; aceite esses situações.

  8. Se tiver filhos pequenos, ajuste sua agenda e inclua atividades com eles.

  9. Crie momentos de pausa, para comer, pensar ou conversar com as pessoas na sua casa —- momentos de descompressão são importantes.

Recado para os líderes e gestores:

  1. Seja claro e comunique as mudanças organizacionais com rapidez.

  2. Esteja disponível para consultas a todo momento.

  3. Não exagere na quantidade de informações emitidas.

  4. Marque horários para conversar em grupo, oportunidade para fazer um balanço do que se fiz no dia anterior e do que terá de ser feito e para ouvir soluções que colaboradores tenham encontrado para o Home Office mais eficiente.

  5. Jamais esqueça que algumas conversas são confidenciais ou sensíveis e tanto o líder como sua equipe podem estar em ambientes com pessoas estranhas à empresa.

Ferramentas sugeridas para tornar o trabalho mais produtivo:

Slack —- permite trocar mensagens rapidamente entre membros de uma equipe e a criação de diversos grupos de trabalho, aumenta a produtividade das conversas de trabalho, excluindo a necessidade de e-mails ou mensagens via WhatsApp.

 

Skype —- serviço de chamada de voz e vídeo

 

Zoom —- serviço de vídeo conferência

 

Hangouts Meet do Google —- para equipes que precisam conversar por vídeo

 

Remote Pulse da SAP — ferramenta que mede a evolução do trabalho em tempo real.

 

Microsoft Teams —- serviço corporativo de mensagens

 

WeTransfer  —  programado compartilhamento de arquivos grandes pela Internet

 

Google Drive — serviço de armazenamento na nuvem de arquivos como textos, fotos, vídeos e músicas.


Acesse aqui os cursos gratuitos oferecidos pelo Linkedin

Conte Sua História de São Paulo: burros e cavalos ajudavam na coleta do lixo

 

 

Reinaldo Serrano
Ouvinte da CBN

 

 

Morava na rua Mariús, na Vila Paulina, zona leste de São Paulo. Era rua de terra. Difícil de acessar. Era 1969. E nos bairros afastados do centro, como o meu, os lixeiros usavam carroças puxadas a burro ou a cavalo. O lixo era recolhidos das latas deixadas do lado de fora da casa.

 

foto 1 naldo

 

Somente quando o asfalto chegou, caminhões da Ford passaram a ser usados na coleta. Se não me engano, tinham um caçamba com porta deslizante em cima e em forma de arco.

 

foto 4 naldo serra

 

Nos anos de 1970 mudaram o modelo de caminhão da coleta. A carroceria passou ser uma espécie de liquidificador grande e deitado para triturar o lixo. Eram caminhões Mercedes Benz. Lembro que perguntei ao meu pai a razão de haver cordas nas laterais do caminhão segurando maços de papelão. Ele disse que os garis separavam o papelão para vender ao ferro-velho — foi a primeira vez que ouvi aquela expressão: ferro-velho.

 

Começaram então a aparecerem os caminhões com prensa que compactavam o lixo. Eram Dodge e Ford de pequeno porte. Tinham alguns FNMs, também.

 

Quando estava com 15 anos, me admirei com um comboio que desfilava pela Marginal Tietê, formado de FNMS, já com a marca da Fiat estampada, e aqueles liquidificadores enormes na caçamba. Era novos e, imagino, seriam entregues à prefeitura. Foram os últimos modelos antes da terceirização da coleta.

 

foto 3 naldo serra

 

Antes, em 1972, outro fato que faz parte da história do lixo. Logo que entrei no primário, apareceu o Sujismundo, personagem que fazia tudo errado em termos de lixo e higiene pessoal. Foi uma campanha de conscientização que marcou a infância de muitos de nós.

 

Mais adiante, vieram os caminhões da Vega Sopave, considerados mais modernos. Não separavam papelões. Tudo era jogado na caçamba deixando-se de aproveitar os recicláveis.

 

Foto 5 naldo serra

 

Curioso como a instalação de uma empresa que lida com lixo pode ser incentivadora da ocupação de um bairro. Foi o que ocorreu com a Vega Sopave, em Brasilândia, que ofereceu moradia a seus empregados e levou considerável número de famílias para a região.

 

Minha família morou na Mooca e na região da Vila Prudente. Atrás do cemitério da Quarta Parada, onde hoje passa a avenida Salim Farah Maluf, havia um lixão a céu aberto. Quando ia a algum enterro, era possível ver aquele mundo de lixo perdido. Hoje, exportamos o lixo de uma cidade a outra, fazendo com que esse material que tratamos como resto transite cerca de 50 quilômetros para seu destino final.

 

Eu sou um lixólogo —- graças a observação dos caminhos do lixo em uma cidade como São Paulo, onde tudo é exponencialmente impactante, em todos os seus aspectos: humano, social, ambiental e econômico. Impactos que podem ser positivo ou negativos, que vão depender da maneira como lidamos com o lixo.

 

Reinaldo Serrano é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. As imagens que ilustram essa história fazem parte da coleção do autor.

Mundo Corporativo: Fabiano Barcellos diz como ter coragem para mudar

 

“O primeiro passo é você entender o que você não quer. É você responder para você o que você não quer. Dizer não para o que você não quer. E depois, em um segundo momento, começar a pensar no que você quer, começar a dizer mais sim para você do que sim para a sociedade, do que sim para o que os outros acham” — Fabiano Barcellos

Você está satisfeito com a profissão que exerce? Acha que está na hora de mudar? Para que essa transformação ocorra é preciso coragem, muita coragem. E para que essa coragem o leve para o destino que você deseja é necessário que se adote algumas estratégias. Sobre esse assunto, o empreendedor Fabiano Barcellos falou com o jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da CBN.

 

Autor de “Coragem para vencer —- descubra como mudar seus hábitos e realizar o dobro na metade do tempo” (Editora Planeta), Barcellos contou parte de sua experiência profissional, em que depois de três anos trabalhando como médico cardiologista decidiu investir em vendas online. Hoje, é um empreendedor sem que tenha abandonado o atendimento aos seus pacientes. De acordo com ele, ao acrescentar uma outra função no seu cotidiano pode se dedicar mais à medicina que considerava a ideal, com menos dias no consultório e mais tempo para cada um dos pacientes.

“A vida é curta de mais para você aceitar coisas que não te deixam felizes. Claro que a realização financeira é boa, é fundamental, mas hoje a coragem é … não importa onde você esteja .. você quer sair daí? Quer. Enche o peito, vai para cima, estuda, esteja perto das pessoas que você precisa estar e vai atrás dos seus objetivos”

Quatro dicas de Fabiano Barcellos para que a coragem apareça:

 

  1. Entenda o que você não quer;
  2. Pense o que você quer;
  3. Diga sim para você;
  4. Entre em movimento — busque meios, caminhos, ambientes e pessoas que  estejam onde você gostaria de estar

 

 

O Mundo Corporativo pode ser assistido, ao vivo, às quartas-feiras, às 11 horas, no Twitter (@CBNoficial) e na página da CBN no Facebook. O programa vai ao ar aos sábados, às 8h10, no Jornal da CBN ou domingos, às 10 da noite, em horário alternativo.

Sua Marca: cinco etapas da jornada do consumidor

 

“Normalmente é mais fácil, você preservar o consumidor que você já conquistou, que você entendeu, do que buscar novos consumidores. É mais barato …. o seu novo cliente é o seu cliente atual”. Jaime Troiano

A jornada do consumidor é um conceito que passou a pautar as estratégias dos gestores de marcas, pois a partir da identificação dos pontos de contato que o cliente tem com o produto ou o serviço obtém-se informações que proporcionarão experiências positivas, aumentando a possibilidade de se conquistar a fidelidade dele. No programa Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, Jaime Troiano e Cecília Russo destacaram cinco momentos que fazem parte desta jornada:

 

  • Descoberta — quando o consumidor toma consciência da marca
  • Consideração — quando a marca passa a fazer parte do seu leque de opções
  • Compra — quando é tomada a decisão e ocorre o relacionamento do ponto de vista transacional
  • Serviço — que pode ser com atendimento em pós-venda, troca de mercadorias, etc
  • Lealdade — quando se alimenta essa vinculação com consumidor para que ele volte a se relacionar com a marca

 

Jaime Troiano lembra de um aprendizado que o acompanha há algum tempo e pauta seu olhar sobre o tema da jornada do consumidor: não se escolhe a noiva no altar, ou seja, antes de decidir-se pela compra, o cliente quer conhecer a marca, criar uma relação, considerar aspectos positivos e negativos, e conversar com outras pessoas. O gestor tem de estar atento a todos esses momentos.

 

Já  Cecília Russo ensina:

“ (é preciso) ter ferramentas e pensar de que forma eu posso melhor alimentar todos esses momentos da jornada para que esse consumidor siga neste ciclo positivo ao meu lado”

O Sua Marca Vai Ser Um Sucesso vai ao ar aos sábados, às 7h55 da manhã, e tem apresentação de Mílton Jung

Conte Sua História de São Paulo: cantei e me apaixonei por Dóris Monteiro

 

Ricardo Luiz R. S. Porto
Ouvinte CBN

 

 

No Conte Sua História de São Paulo, o texto do ouvinte da CBN Ricardo Luiz Porto:
 

 

Dóris Monteiro era linda, absolutamente deslumbrante, pelo menos para aquele menino de mais ou menos 8 ou 9 anos, que a mãe levava para assistir às “chanchadas” da Atlântica, sempre um grande sucesso nos anos 1950 e até o início dos anos de 1960. Filmes dirigidos por Carlos Manga e estrelados por artistas como Oscarito,  Grande Otelo, o galã Cyl Farney, a “mocinha” Eliane Lage, Zé Trindade, Walter D’Avila, Zezé Macedo e tantos outros. Uma alegria para o menino.

 

E foi num destes filmes que de repente, surge na tela uma mulher linda, morena, vestida de branco e de luz ,que acompanhada só por um piano começa a cantar:

 

“… a noite está tão fria, chove lá fora…”

 

O menino ficou hipnotizado, paralisado, extasiado com a suavidade da voz e a beleza daquela mulher diante dos seus olhos. Uma Deusa! Esta imagem ficou de tal forma marcada em seu coração e mente que, ainda hoje, mais de 60 anos passados, o menino ainda se emociona.

 

Curiosamente, algumas décadas depois, já em São Paulo, o menino foi assistir a uma apresentação da Dóris Monteiro na boate do Hotel Maksoud. Assim que a Deusa entra, o menino sente um frio na barriga, o piano inicia as primeiríssimas notas de uma música muito familiar, e o menino não se contém e começa a cantar:

 

“… a noite está tão fria…”

 

A Deusa para, olha para o menino, sorri e o chama até o palco, que não era palco. Ele se levanta da mesa, pernas bambas e trêmulas e vai até ela com o coração descontrolado, mas pronto para ser entregue à sua legítima dona! Dóris sorri de novo, segura a mão do menino, fala alguma coisa que ele não ouve e nem escuta e começa a cantar:

 

“… a noite está tão fria…”.

 

Ao final o menino não foi capaz de falar uma palavra sequer, mas não era preciso seus olhos diziam tudo aquilo que só as Deusas podem entender!!

 

Ricardo Luiz Porto é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Escreva suas lembranças e envia para contesuahistoria@cbn.com.br.