Não vacinar seu filho é um risco à saúde dele e a de quem convive com ele

 

Nas caminhadas pelas férias, encontrei anúncios no interior do Metrô de Nova Iorque nos quais chama-se atenção para a importância da vacina contra a gripe. Na campanha, alerta-se o cidadão para o fato de a imunização salvar vidas — a dele próprio e a das pessoas com as quais ele tem contato. A ideia é mostrar que estar protegido de doenças contagiosas é uma responsabilidade que assumimos no convívio com a sociedade.

 

Dia desses, no Saúde em Foco, o Dr Luis Fernando Correia falou sobre o assunto com a Cássia Godoy e o Fernando Andrade, no Jornal da CBN. Tomo a liberdade de reproduzir o texto dele e ofereço o link do áudio para você conferir as informações. Vale a pena pensar sobre esse assunto, combater a desinformação e compartilhar com sua rede social:

 

Ouça aqui: “Não existe polêmica se a vacina é boa ou não: ela salva pelo menos 3 milhões de vidas por ano”

 

 

Um canal de humor na Internet publicou um vídeo sobre o que chamaram de polêmica das vacinas.

 

No vídeo em questão uma cientista tenta explicar como as vacinas funcionam e salvam vidas, e é rebatida por um personagem que diz que não acredita em vacinas, porém não traz nenhum argumento.

 

O vídeo, que tem um propósito jocoso, retrata o que acontece hoje em dia, principalmente no mundo virtual.

 

Por mais que a Ciência tente mostrar que as vacinas salvam pelo menos 3 milhões de vidas a cada ano, o movimento Anti-Vacina cresce. E por causa disso, doenças que já estavam erradicadas voltam a aparecer e a matar pessoas.

 

Em 2013, o Fórum Econômico Mundial já declarava que a Desinformação DIGITAL tinha se tornado uma ameaça à saúde mundial.

 

Atualmente, pesquisas apontam para que 13% da população em todo o mundo são resistentes à ideia de vacinar seus filhos. Na Europa, que vive uma epidemia continuada de Sarampo há alguns anos, essa resistência chega a 17%.

 

Brasil, Estados Unidos e outros países têm que correr atrás para recuperar níveis de cobertura vacinal de doenças que estavam erradicadas e com certificação da Organização Mundial da Saúde, como Sarampo e Poliomielite.

 

Trabalhos científicos já foram feitos e mostraram que os argumentos técnicos são ineficazes em combater essa campanha Anti-Vacina.

 

Está na hora de começarmos a falar as coisas de forma mais clara, já que pelo jeito não adiantam argumentos científicos para quem não os entende ou nem quer escutar.

 

Não vacinar seu filho além de colocar a vida dele em risco, pode matar uma criança que convive com ele, mas que por conta de uma doença imunológica ou um tratamento de câncer, por exemplo, não pode ser vacinada. Você que não vacinou seu filho será culpado por essa morte.

 

Muita gente ganha dinheiro vendendo pajelanças e terapias alternativas sem evidência científica de que funcionem. Chás, mel, ervas e outras coisas não substituem as vacinas. Não são capazes de gerar imunidade contra viroses como Sarampo, Meningite e outras, capazes de matar ou deixar sequelas graves.

 

A grande maioria das pessoas da geração Anti-Vacina, curiosamente está viva e bem de saúde. Sabem por quê? Foram vacinadas por seus pais.

 

Portanto, vamos deixar de escutar esses falsos profetas e de uma vez por todas ter em mente que não é “moderninho” ou inteligente deixar de vacinar seu filho.

 

Talvez fique difícil explicar depois porque ele tem um déficit neurológico ou outra sequela grave. Você terá que assumir que decidiu não dar a vacina.

Mundo Corporativo: prepare-se, seu próximo colega de trabalho será um robô

 

 

“Se você não quer ser substituído por um robô, não seja um robô” — Martha Gabriel

 

A medida que as máquinas foram realizando trabalhos que antes eram feitos pelos seres humanos — e vimos que elas faziam melhor do que nós — , tivemos a oportunidade de progredir intelectualmente, buscar novos conhecimentos e desenvolvermos melhores estratégias. Isso é histórico, não começou agora. A grande mudança que assistimos com a evolução da inteligência artificial é a velocidade com que ocorre. Hoje, o crescimento é exponencial e exige dos profissionais constante transformação, educação permanente e saber lidar com os “seres digitais” — expressão usada por Martha Gabriel, professora de inteligência artificial, entrevista pelo jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da CBN.

 

O certo é que todas as áreas serão impactadas pelo avanço da tecnologia e, muito provavelmente, seu próximo “colega de trabalho” será um robô, por isso é preciso estar preparado para tirar o melhor proveito desta parceria. Autora do livro “Você, eu e os robôs —- pequeno manual do mundo digital” (editora Atlas) , Martha Gabriel insiste na ideia de que em vez de repudiarmos a tecnologia, saibamos usá-la em nosso favor: “o ser humano mediano é empoderado pela tecnologia; ele é melhor do que o melhor cara naquele assunto específico sem tecnologia”. Ela alerta para a necessidade da criação de políticas públicas que ajudem as pessoas a se integrarem rapidamente na sociedade digital, pois a defasagem no conhecimento vai se transformar em uma questão econômica e social.

 

“Se você quer fazer diferença na era digital, aprenda a perguntar. Quanto mais você perguntar mais respostas vem, mais você tem pensamento crítico” — sugere Martha Gabriel.

 

O Mundo Corporativo é transmitido, ao vivo, quartas-feiras, 11 horas da manhã, no site da CBN e nos canais da CBN no Facebook e no Instragram. O programa vai ao ar aos sábados, no Jornal da CBN. Colaboram com o Mundo Corporativo Guilherme Dogo, Rafael Furugen e Débora Gonçalves.

Sua Marca: o conservadorismo das marcas no Dia dos Pais

 

 

As marcas tendem a ser conservadoras de mais quando falam dos pais, mantendo um discurso pautado no passado. A opinião é de Jaime Troiano e Cecília Russo ao analisarem o comportamento das marcas em relação ao Dia dos Pais. Outra constatação, baseada no movimento do comércio, é que mães e crianças valem mais do que pais. No programa Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, eles chamam atenção para o fato de que falar de paternidade — assim como de maternidade — é falar de verdades humanas, universais, profundas e quase arquetípicas.

 

O Sua Marca Vai Ser Um Sucesso vai ao ar aos sábados, às 7h55, no Jornal da CBN.

Mundo Corporativo: o feedback é positivo, diz Daniela do Lago

 

 

‘O feedback, apesar de ser uma crítica, visa o crescimento, é para a pessoa aprender, portanto ele é positivo” Daniela do Lago

O que você pensa quando um colega critica o seu trabalho? E quando o chefe chama para conversar sobre a sua performance? Tem gente que se assusta, tem quem não goste e acha que está sendo perseguido e tem o pessoal que aproveita esse momento e sai daquela conversa melhor do que entrou. Essa é a ideia do feedback, ferramenta muito usada nas empresas mas nem sempre feita com o planejamento necessário, segundo a consultora Daniela do Lago, entrevistada do jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da CBN.

 

Professora na área de gestão de pessoas, Daniela propõe algumas estratégias para quem dá e para quem recebe esta avaliação que deve ocorrer no cotidiano no trabalho. Autora do livro “Feedback —- receita eficaz em 10 passos” (Integrare), ela sugere que, ao receber o feedback, o colaborador use a estratégia dos três As — acolher, agradecer e analisar:

 

“Nem todo mundo que faz uma critica a você tem razão. Nem todo mundo. Agora não vá pensando que todo mundo está errado e só você é o correto nisso. E aí, para você conseguir gerar bem este terceiro A, que é o poder de análise, você tem de se conhecer; a pessoa que não se conhece está condenada a ser vítima”

 

O Mundo Corporativo vai ao ar aos sábados, no Jornal da CBN, e aos domingos, às 10h30 da noite, em horário alternativo. O programa tem a colaboração de Gabriela Varella, Rafael Furugen e Débora Gonçalves.

Mundo Corporativo: não tenha medo de compartilhar sua ideia, recomenda Glauter Jannuzzi

 

 

“Existe um mito talvez não só brasileiro, mas latino, de que se eu contar minha ideia para você, você vai roubar e vai fazer e eu vou ficar na mão. E isso é uma visão totalmente errada porque com isso várias ideias ficam engavetadas a vida inteira e nada acontece” – Glauter Jannuzzi

 

As enormes transformações que o ambiente de trabalho e negócios tem enfrentando exigem uma nova postura dos profissionais e empresas. Para Glauter Jannuzzi, diretor da comunidade de influenciadores da Microsoft, o compartilhamento de ideias e soluções é uma das características que precisam ser levadas em consideração no novo empreendedorismo. Em entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da CBN, Jannuzzi também falou de aspectos que prejudicam o desenvolvimento de projetos quando a visão do empreendedor não se adaptou às mudanças impostas pela economia criativa:

 

“Tem um monte de donos de negócio que não são empreendedores, não tem habilidades de marketing, de vendas; então é aí que esse novo empreendedorismo vem para proporcionar algo diferente para os clientes, uma nova experiência; uma experiência sem atrito, como a gente costuma dizer; uma experiencia que vai encantar”

 

O Mundo Corporativo vai aos sábados, às 8h10, no Jornal da CBN. O programa tem a colaboração de Gabriela Varella, Rafael Furugen e Débora Gonçalves.

Sua Marca: muito cuidado quando investir no branding da culpa

 

 

Somos muitas vezes movidos pela culpa e ao explorar esse sentimento algumas marcas tiveram sucesso na relação com o consumidor e aumentaram suas vendas. Apesar dessa estratégia já ter dado certo e ainda ser usada, é preciso muita sensibilidade. O alerta é de Jaime Troiano e Cecília Russo, em conversa com Mílton Jung, no quadro Sua Marca Vai Ser Um Sucesso.

 

“Tão bonita e cheirando igual a um homem” — dizia a publicidade para vender desodorante feito para mulheres. “Você vai deixar seu bebê com assadura?” —- perguntava a fabricante de fraldas. Esses são dois exemplos de anúncios do passado que apelavam para a culpa do consumidor.

 

Cecília Russo aliás chama atenção para o fato de que a mulher sempre foi o alvo preferencial desse tipo de ação e aproveita para chamar atenção dos gestores de marcas para o risco desta estratégia ser baseada em preconceitos: ”é preciso muito cuidado porque estamos trabalhando com o sentimento das pessoas e existem limites que precisam ser respeitados”.

 

O Sua Marca Vai Ser Um Sucesso vai ao ar aos sábados, às 7h55, no Jornal da CBN.

Mundo Corporativo: saiba como funciona uma mentoria de startup

 

 

No processo de inovação, o empreendedor precisa entender que o erro caminha ao seu lado e saber reagir diante dele, pois somente assim poderá ser bem sucedido mais rapidamente. Essa é uma das lições que os profissionais que estão à frente de startups aprendem quando aceitam compartilhar suas ideias com executivos ou outros empreendedores mais experientes. Em entrevista ao jornalista Mílton Jung, no Mundo Corporativo, da CBN, Érico Fileno, diretor executivo da Visa do Brasil, falou do programa que a empresa desenvolve, há dois anos, de mentoria de startups:

 

“Todo mundo tem as suas qualidades, tem uma história de vida. E o que é muito importante passar para as startups são essas histórias de vida, as cabeçadas que a gente já deu … aí a startup vai entendendo e trilhando seu próprio caminho”

 

Entre os erros mais comuns cometidos pelos novos empreendedores, segundo Fileno, está o fato de se morrer de amor pela própria ideia: corre-se o risco de não se perceber que outras oportunidades são mais viáveis. Em uma startup, saber desapegar é importante.

 

O Mundo Corporativo vai ao ar, aos sábados, no Jornal da CBN, e domingos, às 10 e meia da noite, em horário alternativo.

Sua Marca: como os pais se transformam em herdeiros dos filhos

 

 

Sempre pensamos em marcas que nossos filhos herdam dos pais, mas há o caminho inverso: as marcas que os filhos apresentam aos pais. Esse é o tema do programa Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, da rádio CBN, no qual o jornalista Mílton Jung conversa com Jaime Troiano e Cecília Russo, especialistas em branding.

 

De acordo com eles, as marcas que falam com os filhos usam a linguagem dos mais jovens mas poucas sabem o efeito que trazem aos pais: “ver nossos filhos gostarem de uma marca tem um valor muito forte para nós”, lembra Cecília Russo. Por outro lado, Jaime Troiano alerta que as marcas devem tomar cuidado para não usarem os mais jovens para comover os pais — isso vai transmitir uma mensagem muito arriscada.

 

A marca do dia é que acabou-se a ilusão de que somos os eternos professores: nossos filhos também abrem o mundo das marcas para nós e nós somos herdeiros deles em certo sentido.

 

O Sua Marca Vai Ser um Sucesso vai ao ar aos sábados, às 7h55, no Jornal da CBN.

Mundo Corporativo: líderes medíocres geram resultados medíocres

 

 

“Se a gente tem líderes que chegam só até um patamar de desenvolvimento humano, a gente não pode esperar que essa empresa vá além disso, porque essa capacidade está diretamente relacionada a capacidade de mudança e desenvolvimento das pessoas que estão liderando”. A necessidade de as empresas investirem no potencial de seus líderes e de terem consciência da influência que eles exercem sobre os colaboradores é defendida por Renata Abreu, coach executiva e consultora organizacional. Ela foi entrevistada pelo jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da rádio CBN.

 

Abreu defende a aplicação de técnicas da psicologia positiva na formação dos profissionais para que se tenha ambientes de trabalho mais saudáveis e produtivos: “nós fomos socializados para acreditar que se a gente se esforçar muito a gente vai ter sucesso, e finalmente quando a gente tiver sucesso a gente vai ser feliz, e não tem nada errado de a gente querer mais, o errado esta em a gente apostar na nossa felicidade depois desse sucesso”.

 

O Mundo Corporativo pode ser assistido ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas, no site da CBN e na página da CBN no Facebook. O programa vai ao ar, aos sábados, no Jornal da CBN, ou domingo, às 11 da noite, em horário alternativo. Colaboraram com o Mundo Corporativo Gustavo Boldrini, Ricardo Gouveia e Débora Gonçalves.

Mundo Corporativo: André Oliveira alerta que orgulho do empreendedor quebra a empresa

 

 

“Sabe o que quebra as empresas hoje, os pequenos negócios, é uma palavra chamada orgulho; às vezes as pessoa insistem no erro e não pedem ajuda: não tem nada de errado você parar de vender um produto ou mudar de ramo, não tem problema nenhum, faz parte do jogo” — a lição é de André Oliveira, empreendedor desde os tempos em que era um menino de calça curta e atualmente no comando da Credifácil, uma rede com mais de 100 lojas no Brasil. Ele começou vendendo sacolé com o irmão para comprar um presente para mãe, foi para a faculdade, montou seu negócio próprio, teve dificuldades financeiras, quebrou e recomeçou.

 

Entrevistado pelo jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da rádio CBN, Oliveira conta o que aprendeu ao longo de sua carreira: “não adianta você ser só querer ser um empreendedor, é necessário você ser ser um gestor”.

 

O Mundo Corporativo pode ser assistido, ao vivo, às quartas-feiras, 11h da manhã, pelo site e na página da CBN no Facebook. O programa vai ao ar, aos sábados, no Jornal da CBN, ou aos domingos, às 11h da noite, em horário alternativo. Colaboraram com o programa Gustavo Boldrini, Ricardo Gouveia e Débora Gonçalves.