Conte Sua História de São Paulo: meus dias na ‘Boca do Lixo’

Noel Taufic

Ouvinte da CBN

Photo by Kyle Loftus on Pexels.com

Sou um paulista lemense mas me considero também um paulista paulistano, AMO SÃO PAULO! Não há tempo pra falar de tudo que já passei nessa cidade, nas minhas mais de seis dezenas de vida, por isso vou me ater a contar como esse amor começou.

Meu pai sempre teve salas de cinema, em Leme, interior de São Paulo, e desde meus sete anos, nas férias escolares, eu ia com ele marcar filmes nas distribuidoras, que se concentravam na rua do Triunfo e imediações, bem no centro e perto da antiga rodoviária.

Quando fiz 15 anos. passei a ser o programador dos cinemas e, uma madrugada por mês, de ônibus, ia fazer o trabalho de programação dos filmes. Aos 18, fui estudar em São Paulo e daí a vida seguiu até hoje nesse delicioso ofício.

Mas o que me marcou sempre foi conhecer o centro de São Paulo, os cinemas mais famosos pertinho de mim, como o Ipiranga, o Metro, o Marabá, o Olido, o República, o Art Palácio, o Comodoro e, eu, sempre passando meus dias de paulistano na famosa “Boca do Lixo”.

Sim, “Boca do Lixo” era o nome da região da Santa Efigênia, avenida Rio Branco, começo da Ipiranga, todo esse pedaço que se somava à avenida São João, ao largo Paissandu, à Duque de Caxias.

Nesse trabalho, a gente convivia com as amáveis prostitutas. E também com os músicos, já que muitas gravadoras também lá se localizavam, na famosíssima Santa Efigênia.

O ponto principal sempre foi o queridíssimo Bar do Léo, que na verdade ganhou mais fama ainda com o seu Hermes, diretor do Corinthians, como proprietário, mas sempre tendo ao seu lado o mais famoso garçom paulistano, o Luiz que recebia a todos pelo nome, podendo ser pessoa comum, empresário ou político de qualquer cidade que vinha àquele estabelecimento.

Nesse período conheci vários artistas, diretores de cinema, produtores.  Artistas foram muitos: Vera Fischer, Aldine Müller, Renato Aragão mas, pra mim, o que eu mais gostava de encontrar, era o Mazzaropi, que sempre recebia os exibidores em seu escritório, no segundo andar do Cine Ouro, no Largo Paissandu.

O ilustrador de cartazes do cinema brasileiro, meu amigo também, era Miécio Caffé. Ele e a esposa moravam na rua Vitória e seu estúdio de criação ficava dentro da Paris Filmes, um pouco abaixo de sua casa. Seu Miécio foi o maior colecionar de discos 78RPM do Brasil. Seu apartamento tinha muito mais que seus móveis, tinha inúmeras estantes com discos e fitas, impagáveis.

Que delícia tudo isso! Que São Paulo maravilhosa! Hoje, mato saudades dela, correndo a São Silvestre todo ano e passando pela minha eterna “Boca do Lixo”.

Noel Taufic é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Escreva seu texto e envie para contesuahistoria@cbn.com.br. Para ouvir outros capítulos da nossa cidade, visite o meu blog miltonjung.com.br e o podcast do Conte Sua História de São Paulo.

Avalanche Tricolor: antes de os astros se alinharem

Avalanche Tricolor:

CSA 1×1 Grêmio

Brasileiro B – estádio Rei Pelé, Maceio/AL

Janderson comemora o gol de empate, em foto de Lucas Uebel/Grêmio FBPA

Os astros se alinharam nesta madrugada de sexta-feira, em um desses fenômenos que ocorrem com baixa frequência. A última vez foi há 18 anos e a próxima só em 2040. Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno e a Lua, todos a olhos vistos, atuando de forma sintonizada no céu, em uma parceria de dar inveja a quem tenta encontrar o mesmo nos gramados brasileiros —- e aqui não falo exclusivamente do meu Grêmio: o futebol jogado, com as exceções astronômicas de sempre, tem sido de qualidade bem discutível.

Antes do espetáculo no céu, assisti ao jogo do Grêmio, em Alagoas, onde a falta de sintonia dos ‘astros’ esteve evidente no primeiro tempo e melhorou um pouco no segundo, o que logo se percebeu com o gol relâmpago, no primeiro ataque coordenado, com os pontas chegando em velocidade pelos lados e Janderson concluindo para as redes. Dali pra frente, a despeito de alguns sustos — e que sustos —, o time dava sinais de que tinha potencial para virar o placar. Chances apareceram e foram desperdiçadas. Por outro lado, riscos ocorreram e, ainda bem, não se realizaram. 

Ao fim e ao cabo, levar um ponto para Porto Alegre se não era o ideal, era o que tínhamos para a noite de quinta-feira, especialmente depois de sair atrás do placar. Estamos há oito jogos sem saber o que é derrota e espero que essa jornada invicta se estenda por muito mais rodadas, ao menos até estarmos consolidados entre os quatro primeiros colocados da competição. 

Enquanto esse momento não chega, nos cabe levar adiante a máxima italiana que o Zio Ferretti, lá de Caxias do Sul, costumava repetir nas mais diversas situações: piano, piano, se va lontano. E desejar que, da próxima vez, os astros se alinhem em nosso favor — os celestes e os tricolores.

E eles só querem viver vivo

Padre Simone está à frente do trabalho do Arsenal da Esperança

Dona Janete escancarou a fome para os brasileiros em uma entrevista na televisão. Uma fala dolorida que deu transparência ao que os números, mesmo que gigantes, às vezes escondem. Não que 33 milhões de famintos vivendo no país que é o quarto maior produtor de alimentos deixem de ser um escândalo, mas quando um desses milhões de rostos surge diante de nós, é chocante. 

“Domingo a gente não tinha nada para comer. Eu estou desempregada, está muito difícil. Eu estou catando latinha, mas não dá”

Foi o desabafo da Dona Janete, ao responder a pergunta feita pela repórter do RJTV, na TV Globo, enquanto esperava por uma refeição na fila do programa da prefeitura do Rio que distribui alimentos. Todos choramos com ela. Exagero. Nem todos são suficientemente sensíveis para perceber o que significa ter fome.

Hoje cedo, em mais uma entrevista com candidatos à presidente da República, André Janones, do Avante, respondeu de bate-pronto à pergunta que escolhemos para abrir essa série no Jornal da CBN. “A desigualdade social” é o que ele elegeu como prioridade a ser enfrentada a partir de primeiro de janeiro de 2023. Faz sentido. 

Na pesquisa realizada para me preparar para essa série iniciada na terça-feira encontrei dois dados que mostram a dimensão da desigualdade de renda e de patrimônio, no Brasil: os 10% mais ricos no Brasil ganham quase 59% da renda nacional total; o 1% mais rico possui quase a metade da fortuna patrimonial brasileira.

Números e percentuais que se transformaram em corpo e alma na tarde desta quinta-feira quanto tive oportunidade de visitar a antiga Hospedaria dos Imigrantes, no bairro da Mooca, zona leste de São Paulo. O local que no passado recebia famílias europeias refugiadas de sua terra natal, atualmente abriga cerca de 1.200 pessoas que vivem em situação de rua — brasileiros e estrangeiros. Obra do Arsenal da Esperança, liderada pelo padre italiano Simone Bernardi, que assumiu a missão de levar em frente o projeto do Semig — Servizio Missionario Giovani, iniciado em 1996, por ação de Ernesto Olivero e Dom Luciano Pedro Mendes de Almeida.

Meu carro de rodas altas e câmbio automático, minha calça com caimento elegante e os sapatos de grife italiana eram extravagantes diante da simplicidade das pessoas que encontrei em uma enorme fila na calçada da rua Doutor Almeida Lima, 900, portão de entrada da Hospedaria. Todos homens e a espera para retornar ao espaço onde estão cadastrados e recebem alimentação, roupa lavada, uma cama para dormir, acesso a cursos, atendimento médico e respeito —- sim, essa é a maior demanda de cada um daqueles que estavam ali: o respeito que qualquer ser humano tem direito a receber em vida.

O local é espaçoso, tem árvores e canteiros bem cuidados. Tem infraestrutura antiga e bem preservada. Mantém a mesma arquitetura que recebia os europeus, desde o fim do século 19 — uma história lembrada por fotos em preto e branco que estão em todas as dependências. Os locais para dormir se apresentam com fileiras de beliches, o restaurante tem longas mesas, capazes de servir 600 refeições por vez. A cozinha industrial é ampla assim como a lavandeira, onde um sistema organizado e sistemático é capaz de receber, lavar e devolver em mãos as roupas das milhares de pessoas que circulam no local. Tem salas de aula e para cursos. Tem bar e bazar. Tem biblioteca, também.

Especialmente, o que se vê nos rostos sofridos e passos pesados dessa gente que circula com seu fardo nas dependências da Hospedaria é a tentativa de revelar a esperança de uma vida melhor. Fui recepcionado por sorrisos e cumprimentos respeitosos. Havia olhares desconfiados, é claro. Afinal, eu era a figura estranha naquele cenário, com minha vida privilegiada e desigual, muito desigual. Distante da vida que eles vivem. 

O passeio por pouco mais de uma hora foi na companhia do Padre Simone, que chegou ao Brasil, em 1996, e diz ter aprendido português ouvindo a rádio CBN. Fico feliz em saber que uma das nossas missões foi cumprida — a de educar pela comunicação —, ao mesmo tempo que fico constrangido ao perceber quão pequeno ainda é nosso trabalho diante da messe que pessoas como o padre e sua equipe de missionários e voluntários  assumem.

Mais do que os políticos e agentes públicos, mais do que os doutores e os senhores, mais do que qualquer um dos que vivem em nosso entorno, mais do que nós mesmos, são eles os verdadeiros construtores das pontes que podem diminuir a desigualdade que impera no Brasil. Que nos fazem acreditar que é possível tornar realidade um dos lemas que os inspira no Arsenal: voglio vivere vivo (quero viver vivo).

Conheça aqui um pouco mais sobre o trabalho do Arsenal da Esperança

Dez recomendações para uma entrevista de excelência

Photo by Volkan Erdek on Pexels.com

Foi-se mais um dia de entrevista. Planejada, programada, pensada, pesquisada — sim, quando nos propomos  a estar diante de uma fonte que tem relevância, é preciso que se cumpra uma série de etapas. Quem nos ouve diante do microfone perguntando, replicando e contextualizando talvez não tenha ideia do trabalho prévio que uma boa entrevista exige. Especialmente, se do outro lado estiver alguém que se sente capacitada a assumir o cargo mais alto que se pode desejar no país: o de presidente.

Esse é o desejo de Ciro Gomes, com quem conversamos na terça. Esse é o desejo de Simone Tebet, com que deparamos nesta quarta-feira, no Jornal da CBN. É também o de André Janones, a ser entrevistado na quinta. Todos eles sabem que ocupar esses espaços se faz essencial para expor pensamentos e convencer o cidadão a apoiá-los, a despeito das dificuldades que as pesquisas eleitorais revelam.

Certamente e com grandes possibilidades de se transformar em realidade, tornar-se presidente — mais uma vez —- é o que almejam Lula e Bolsonaro, apesar de que esses querem repetir a experiência sem ter de se expor ao escrutínio do jornalismo profissional. Preferem ocupar os microfones amigos, as falas sob controle, que não questionam, que não apontam contrariedades e falta de lógica. Privilegiam o cercadinho no Palácio ou os palcos montados por correligionários. Lamentavelmente, se escondem atrás da popularidade que o cargo que ocupam ou ocuparam lhes oferece.

De volta às entrevistas — tema central desta nossa conversa. 

Dia desses, na preparação de um curso de rádio e podcast, que em breve estará à disposição do caro e raro leitor deste blog, falei que este é o momento mais incrível da nossa profissão — também tratei em parte do assunto no texto anterior a este. Assim sendo, é preciso estarmos muito bem preparados e, se você me permite, listarei a seguir, algumas recomendações para caso você decida um dia estar nesta privilegiada posição de entrevistador:

  1. Escolha bem o entrevistado. Tem pessoas que realmente são muito inteligentes, geniais, mas que falam muito mal, também. Não sabem se expressar, são prolixas, não completam as frases, falam de maneira entrecortada, que, podem acabar com a entrevista. 
  2. Após escolher o entrevistado, faça uma boa pesquisa. Conheça o perfil dele, saiba como se comporta, o que pensa, o que já falou sobre o tema que você pretende abordar. Quanto mais elementos você tiver em mãos, melhor será sua abordagem e mais difícil será de o entrevistado enrolar você e o seu público.
  3. Com base na pesquisa prévia, prepare um roteiro — alguns colocam os tópicos mais relevantes; outros preferem escrever as perguntas. O importante é que você tenha ideia de onde pretende chegar
  4. Jamais seja refém do seu roteiro e de suas perguntas. Esse material é apenas o ponto de partida. Esteja atento ao que o entrevistado vai dizer, porque a qualquer momento o rumo da conversa pode enveredar por um caminho que você não imaginava.
  5. Uma boa entrevista tem perguntas na medida certa: nem curta demais, a ponto de o entrevistado e o ouvinte não entenderem sobre o que você está falando; nem tão longa que você acabe tomando o espaço dele. Muitas vezes, cometemos o pecado de querer mostrar nosso amplo conhecimento pelo tema e esquecemos que o personagem principal na entrevista é o entrevistado
  6. Uma boa maneira de se posicionar diante do entrevistado é pensar com a cabeça do ouvinte; o que ele estaria interessado em saber daquela pessoa que está sendo entrevistada;
  7. O ideal é não interromper o pensamento do entrevistado, mas sabemos que algumas pessoas falam sem parar e sem ponto de corte; pior, algumas pessoas começam a divagar; se desviam do tema da pergunta — às vezes sem querer, outras de propósito. Cabe a você que está entrevistando, pontuar essas situações.
  8. Trate o entrevistado com o devido respeito — isso não significa que você será subserviente a ele; ou deixará dizer o que bem entender, sem questionamento; 
  9. Sempre que necessário questione o que está sendo dito: lembre-se de uma máxima do jornalismo: notícia é aquilo que alguém não quer que publique.
  10. Esteja preparado para caso o entrevistado tenha uma postura arrogante ou agressiva. Não cabe a você se equiparar a ele. Siga de forma respeitosa, sem deixar de pontuar os erros que ele comete.

Repasso essas e outras sugestões todas as vezes que estou diante de entrevistas com a importância das que estamos realizando nesta semana, na CBN. Aprendo a cada entrevista uma nova lição. Para não parecer exagerado, em algumas sou apenas relembrado de lições que aprendi anteriormente. Ao fim da entrevista, refaço toda a trajetória da conversa na mente, penso como poderia ter abordado o assunto de uma maneira diversa e se deixei de contrapor à altura alguma resposta mal feita pelo entrevistado. 

Amanhã tem mais!

De volta à tensão, à angústia e à alegria que o jornalismo sempre me proporcionou

Photo by Dmitry Demidov on Pexels.com

O jornalismo é profissão que nos proporciona as mais diversas experiências. Situações que nos põem diante de fatos que farão parte da história, mesmo que no momento em que relatamos o ocorrido não tenhamos ainda ideia do seu verdadeiro significado. Escrevo isso sem conseguir tirar da mente as cenas que descrevi, ao vivo, na CBN, de um avião cravado e em chamas entre os andares 93 e 99 do World Trade Center, em 11 de setembro de 2001. Um suposto acidente de avião que se expressaria, em seguida, no atentado terrorista que marcaria para sempre o Século 21, recém-chegado.

Que outra profissão nos colocaria à frente das maiores autoridades do país ou nos ofereceria a chance de conversar com as personalidades nacionais e internacionais das mais diversas áreas, se não o jornalismo? Foi dela que me aproveitei para estar diante dos meus ídolos do futebol — sim, no início de carreira isso me satisfazia;  graças a ela, tive o prazer de ouvir, ao vivo, as palavras de Amir Klink, fascinado com sua trajetória nas travessias oceânicas — eu era um aprendiz de jornalista quanto pude entrevistá-lo por uma hora, em um programa de rádio, em Porto Alegre.

Na missão de melhor informar, deparei com pessoas influentes e poderosas, questionei os maiores mandantes do país, cometi o atrevimento de duvidar de suas palavras, assim como dei oportunidade para que gente comum se expressasse. Se nas Diretas Já era um estudante de jornalismo, no impeachment de Collor fui privilegiado em cobrir os fatos, ao vivo e a cores, em Brasília. De lá para cá, a vivência no rádio, em especial, me colocou diante dos postulantes a presidente da República. 

Na primeira eleição, após a redemocratização, em 1989, fui repórter; em 94, assisti à eleição de Fernando Henrique Cardoso, e repeti o feito em 98, durante sua reeleição. Foi em 2002, que estreie no comando de entrevistas com os candidatos ao cargo de  presidente. De lá até hoje, pelas mais diversas circunstâncias, participei de séries de entrevistas com candidatos a presidente, a governador e a prefeito. Sempre uma nova experiência. Sempre a mesma tensão. Sempre a mesma impressão de que nem tudo que deveria ter sido dito foi dito. 

Hoje, na CBN, abri mais uma série de entrevistas com os candidatos a presidência da República. A estreia foi com Ciro Gomes, a quem já havia entrevistado em situação semelhante, em 2002, quando concorria pela segunda vez ao cargo, e na eleição passada, em 2018. Os cabelos estão mais grisalhos e a voz mais envelhecida, mas não menos efusiva — me refiro a ele. As ideias seguem sendo apresentadas como definitivas. E o incomodo em ser questionado permanece, com a vantagem de se fazer mais controlado nos ataques aos entrevistadores — coisa da qual não escapei em 2018, quando me obriguei a pedir a ele respeito aos jornalistas que faziam parte da mesa de entrevistas.

Encerrei a conversa de uma hora com a mesma sensação das vezes anteriores. Muitos assuntos foram deixados de lado. Coisas importantes para o cidadão não foram debatidas com a devida profundidade. Registre-se: não é culpa do candidato. Nem dos entrevistadores. Tem muito mais a ver com a complexidade do país em que vivemos e a diversidade de problemas que precisamos enfrentar. Para Ciro, o principal é a miséria, e ele garante ter resposta — confira a entrevista que está no link abaixo deste texto. Imagino que não será diferente com os demais convidados. Essa é a grande preocupação do brasileiro.

O Brasil tem 11,9 milhões de desempregados, 4,6 milhões de desalentados e 38 milhões na informalidade. Uma precariedade vivida por 51 de cada 100 cidadãos brasileiros, mais de 33 milhões passam fome e boa parte tem cada vez mais dificuldade de pagar por um prato de comida. Dar resposta a essa angústia em apenas um hora de conversa é quase impossível, porque exige-se um plano amplo de desenvolvimento do país, com diversas frentes de atuação e, principalmente, muita coesão — algo difícil, considerando que boa parte dos agentes públicos coloca seu projeto de poder à frente do projeto do país.

Nesta quarta-feira, entrevistarei, ao lado da minha colega Cássia Godoy, a candidata do MDB, Simone Tebet; na quinta, André Janones, do Avante; e na sexta, Luciano Bivar, do União Brasil. A despeito da capacidade e interesse, assim como dos desejos e delírios de cada um, abrirei as entrevistas com a mesma sensação da primeira vez em que o rádio me colocou diante desses homens e mulheres que se propõem a comandar o país: tenso pela responsabilidade, angustiado pela falta de tempo para encontrar soluções e muito, muito feliz mesmo, pela profissão que escolhi exercer.

Ouça a entrevista completa com Ciro Gomes, candidato do PDT, no Jornal da CBN

Sua Marca Vai Ser Um Sucesso: os desafios do retorno da Mesbla, agora no e-commerce

 Foto: Poraqui/ Revista Algomais


“O melhor da Mesbla é o melhor pra você”

Jingle das Lojas Mesbla, anos de 1980

Uma das mais tradicionais lojas de departamento volta com sua marca no cenário digital. A Mesbla surgiu em 1912, chegou a ter 180 lojas e mais de   28 mil funcionários no Brasil. Seu auge foi nos anos de 1980 e seu sucesso estava na variedade dos produtos, no atendimento dos clientes e na estrutura de suas enormes lojas. O mesmo gigantismo que a elevou a posição de ícone do varejo brasileiro impactou nos resultados que a levaram a decretar falência em 1999. Erros de gestão diante do descontrole de preços, a expansão dos shopping centers e a chegada de concorrentes especializados em muitas das áreas que a Mesbla atuava, fizeram a empresa acumular prejuízos e desaparecer do cenário. 

Sua marca, porém, sempre foi muito presente e esteve na memória dos brasileiros, especialmente porque havia forte investimento em comerciais de televisão, com a presença de artistas famosos. Em 2009, houve uma tentativa de retomar os negócio com a abertura de uma loja virtual, sem sucesso. Agora, apostando nessa imagem que ainda está na mente de muitos consumidores, Marcel Jerônimo e Ricardo Viana investiram R$ 500 mil para obter a licença e o direito de usar a marca, a identidade visual e o nome da empresa na internet.

A nova tentativa de recuperação da loja, no e-commerce, ocorre diante de de enormes desafios, como os destacados no Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, no Jornal da CBN: 

“Quase um quarto de século depois, o varejo é muito diferente daquele onde a Mesbla esteve. Novos competidores surgiram, o e-commerce se consolidou e o consumidor criou vínculos sólidos com outras marcas. A Magalu é um bom exemplo de marca que ocupou bem esse espaço, Mercado Livre é outra, apenas para citar duas. A grande questão é como a Mesbla chegará, que proposta terá a oferecer”

Cecília Russo

A estratégia da Mesbla é retornar no formato digital criando um marketplace com mais de 250 categorias de produto. A seu favor, está a forma como a marca foi trabalhada no passado, mesmo com as dificuldades financeiras que deparou em sua jornada. A medida que contava com estruturas bem fortalecidas, criou vínculos fortes e resistiu ao tempo e aos percalços do mercado. Existem, porém, novos desafios a serem enfrentados:

“Esse trabalho de marca precisa encontrar um forte ponto de distinção, fazendo algum gancho com sua história do passado. Isso porque, ao escolher usar o mesmo brand name, os idealizadores estão pensando em recuperar algo de sua energia do passado. Mas certamente não poderá ser uma simples transposição porque o mercado é outro. Essa nova narrativa, equilibrando o passado da marca e o que almeja para o futuro é o que deve estar na pauta dos novos gestores”. 

Jaime Troiano

Ao visitarem o site da Mesbla, Jaime e Cecília logo perceberam que uma das promessas dos investidores está sendo cumprida: permanece a identidade visual, com sua cor vermelha em destaque e a agrafia com fonte manuscrita.

“Outra coisa que me chamou atenção foi a assinatura que a marca está adotando – “uma nova história para toda a vida”. Veja, é exatamente isso que eu me referia, estão criando uma ponte entre passado e presente, dando um sentido para o retorno”

Jaime Troiano

Reproduzir na plataforma eletrônica o padrão diferenciado de atendimento que caracterizava a relação da loja com seus clientes, será outro desafio  da marca, de acordo com Jaime e Cecília.

“Cabe aqui também lembrar de uma faceta importante desse movimento: a marca Mesbla não é de propriedade dos empreendedores, donos do marketplace. Eles precisaram passar por um processo de licenciamento e pagam royalties para o uso da marca Mesbla. Ou seja, mais um indicador de que construir uma marca forte é um investimento de longo prazo e rentável. Os donos da marca Mesbla agora se beneficiam desse trabalho”.

Jaime Troiano

Os criadores desse novo movimento digital da Mesbla são ex-funcionários da empresa original, que também são filhos de ex-funcionários da loja. É uma história de marca que se mescla com a história dessa família, o que resgata um poder afetivo nessa nova empreitada que se faz mais complexa diante da forte concorrência já estabelecida:

“Os marketplaces digitais são um tipo de mercado cada dia mais dominados pelas gigantes de varejo brasileira e também com concorrência forte das chinesas, que investem pesado aqui na América Latina. Os investidores da Mesbla se mostram bem confiantes na sua marca e no seu negócio e querem que a marca volte a ocupar o lugar de carinho e confiança que tinha quando era uma loja física”.

Cecília Russo

Ouça o comentário completo do Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, com a sonorização de Paschoal Júnior (que recuperou um dos anúncios clássicos da loja de despartamento).

O Sua Marca Vai Ser Um Sucesso vai ao ar, no Jornal da CBN, aos sábados, às 7h50 da manhã.  

Avalanche Tricolor: Diego Souza, um oportunista

Grêmio 2×0 Sampaio Corrêa

Brasileiro B – Arena Grêmio, Porto Alegre RS

Diego comanda a comemoração do gol, em foto de Lucas Uebel/Grêmio FBPA

Pode me chamar de oportunista — se é que você, caro e raro leitor desta Avalanche ainda desperdiça seu tempo me chamando de alguma coisa. Pelo que li, se não neste blog, ao menos nas redes sociais, ainda tem quem perca seu tempo me criticando. Verdade que a avalanche de comentários não veio pelo que falo e penso do futebol. O tema era outro: política. E o clima anda quente por aquelas bandas.

Sendo assim, de volta ao futebol e ao meu oportunismo. Foi estratégico de minha parte esperar o fim da rodada de sábado para escrever sobre o Grêmio. Em outros tempos, teria feito meus elogios (?) logo após a vitória na Arena. Os três pontos conquistados, porém, não eram a garantia de permanência no G4, pois dependeríamos do revés de um dos adversários, que se realizou já nos embalos de sábado à noite. 

Diante da intolerância de alguns ‘amigos’ de rede social — que são incapazes de procurar um só mérito no time do Grêmio, pois parecem mais interessados em atacar seus desafetos e eleger como salvador seus ídolos —, achei que comemorar a vitória com os dois pés dentro do G4 fortaleceria meus argumentos.

Oportunista portanto que sou, aqui estou, na manhã de domingo, festejando o resultado que o Grêmio alcançou diante de 30 mil torcedores, dentre os quais alguns — ou seriam muitos —- impacientes, que vaiam mais forte do que cantam nossos hinos de louvores. Ainda bem que a turma da ‘arquibancada norte’ agora está mais próxima do gramado e consegue, assim, com efeito, entoar nossas músicas e empurrar o time e os demais torcedores. 

Preferiria que os protestos contra os desafetos viessem ao fim da partida e não enquanto a bola está rolando, pois atinge, também, a segurança dos demais companheiros que estão em campo. Como sou otimista, porém, melhor a vaia na Arena do que a ausência no estádio; melhor o apupo na arquibancada do que a violência que assistimos de torcidas, que ameaçam jogadores e treinadores. 

Quero crer que o time, por maduro que seja, e seu técnico, com inteligência emocional elevada, tenham personalidade para driblar essas situações e superar às críticas — o que só vai ocorrer quando demonstrarem capacidade de se manter entre os quatro primeiros colocados da competição. Só os resultados em campo serão suficientes para acalmar os ânimos e calar os desânimos. 

Por falar em oportunista …

O gol que abriu o placar no sábado foi de puro oportunismo. Diego Souza estava, como sempre costuma estar, no lugar certo e na hora certa para cabecear a bola para as redes, depois do lançamento de Diogo Barbosa — sim, foi do desafeto da torcida o cruzamento lá do outro lado da área que permitiu a chegada de Bruno Alves pelo alto, o cabeceio no travessão e a sobra para o nosso atacante. Foi dele, Diego, o lance do pênalti tanto quanto a cobrança paciente e precisa na bochecha da rede e distante do goleiro que definiu a vitória.

Diego Souza este oportunista é o goleador do Brasileiro B, com sete gols, e o gremista que mais marcou no Século 21, com 80 gols. Aos 37 anos, completados na semana passada, é referência também fora de campo. Muita gente o chamava de ‘cansado’, sem entender que havia sido acometido duas vezes pela Covid e jogava em um time que tinha uma série de dificuldades técnicas — sem nunca deixar de marcar seus gols. Chegou a ser dispensado pela diretoria e aceitou voltar em um gesto de humildade e resiliência. E foi assim, resiliente e oportunista, que calou os críticos.  E só assim, com humildade, resiliência e resultado após resultado, o Grêmio voltará a conquistar a confiança da totalidade de seu torcedor. 

Mundo Corporativo: Edison Carlos, do Instituto Aegea, defende que empresas de saneamento têm de ir além de seu serviço para atender à demanda ESG

Foto: Prolagos/Divulgação

“Nós não queremos só cumprir com os nossos contratos, mas, de forma, também, ambientalmente correta e, também, com critérios de governança muito fortes” 

Edison Carlos, Instituto Aegea

Sem saneamento básico, as cidades não se desenvolvem, a saúde das pessoas é precária e a qualidade de vida é fortemente impactada. Investir no tratamento da água e do esgoto tem sido fundamental para que o ambiente urbano se torne um espaço mais generoso com o cidadão. Diante desse cenário, empresas que atuam no setor já estariam, por sua própria finalidade, colaborando para um crescimento mais sustentável. Porém, apenas isso não é suficiente para que atendam as demandas da pauta de governança ambiental, social e corporativa.

Edison Carlos, do Instituto Aegea, em entrevista ao Mundo Corporativo ESG, demonstrou ter clareza desse desafio, a ponto de, ao assumir o cargo de presidente da instituição, ter decidido ampliar o campo de atuação da organização que comanda. Se no início, o instituto tinha como foco as ações de responsabilidade social, a partir da sua chegada passou a cuidar de toda a área de sustentabilidade:

“A gente não quer só entregar água em esgotamento sanitário no menor prazo possível, na melhor tarifa que a população possa pagar. A gente quer ir além. A gente quer desenvolver projetos sociais de melhoria da renda, melhoria da educação, melhoria da saúde, que são os pilares do IDH da cidade. A gente quer desenvolver projetos ambientais que melhorem o dia a dia daquela cidade”.

A Aegea é líder no setor privado de saneamento básico no Brasil, está em 154 cidades, e oferece água potável, coleta e tratamento de esgoto há mais de 21 milhões de pessoas. Para uma empresa que tem como missão melhorar a vida de cerca de 10% da população brasileira, chama atenção que recorra a imagem de um minúsculo cavalo-marinho para explicar os resultados que tem alcançado. Ilustração que se justifica nas palavras de Edison Carlos:

“Quando a gente chegou na Lagoa de Arauama, na Região dos Lagos, no Rio de Janeiro, há alguns anos, as condições eram péssimas por conta do lançamento de esgoto. Hoje, ao ver cavalos-marinhos retornando naquela área, um animal muito sensível às condições do oceano, isso mostra como é como é bom, como é saudável, como a gente fica feliz de ver o resultado na prática”.

Ver esse mesmo resultado na Baía de Guanabara é um dos desafios que a empresa enfrenta nesse momento, segundo o presidente do instituto. Para recuperar as áreas em que a Aegea atua serão investidos, nos próximos cinco anos, cerca de R$ 3 bilhões na construção de coletores para bloquear o esgoto.

De acordo com Edison Carlos, a governança social se destaca com ações de impacto interno e externo da empresa. Do lado de fora, são mais de 100 mil famílias ou 400 mil pessoas beneficiadas com a tarifa social — número que excede em muito o que está previsto nos contratos assinados pela empresa para explorar o serviço de saneamento nas cidades.

“A gente verifica que  se tem essa possibilidade de encaixar faixas de renda menores na tarifa social, melhor, porque essas pessoas vão ser ‘ fiscais da companhia’. Elas vão olhar se está tendo vazamento de água naquela comunidade, se estourou uma determinado cano …eles informam muito mais a gente. Quanto mais a sociedade está bem atendida, mas eles funcionam a favor do serviço”. 

Internamente, o Instituto Aegea promove programas de diversidade que incentivam a equidade racial e de gênero nos cargos de liderança. Edison Carlos ressalta que para essas ações terem êxito, é importante o comprometimento do comando da empresa, essencial para que os demais colaboradores se engajem nas iniciativas. 

“Não tem um Planeta B. Ou seja, não temos um Plano B de Planeta. O que a gente, então, tem de fazer é entregar o melhor para as próximas gerações, não só como executivos, profissionais, mas como cidadãos, também, esses pilares têm de estar incorporados no nosso dia  a dia”

Na entrevista ao Mundo Corporativo ESG, Edison Carlos também chamou atenção para os cuidados que as empresas devem ter para que as iniciativas de gestão ambiental, social e corporativa passem a fazer parte da cultura da organização. E explicou como funciona essa estratégia de comunicação na Aegea.

Assista à entrevista completa de Edison Carlos, do Instituto Aegea, ao programa Mundo Corporativo ESG:

O Mundo Corporativo tem as participações de Renato Barcellos, Bruno Teixeira, Priscila Gubiotti e Rafael Furugen.

Conte Sua História de São Paulo: a razão da existência dessa cidade

Maurício Chagas

Ouvinte da CBN

Photo by Matheus Potsclam Barro on Pexels.com

Nasci nessa cidade no início dos anos dourados. Tempos de andar na rua com segurança, ceder lugar aos mais velhos, abrir porta para senhoras, dar bom dia, agradecer e se desculpar pelo engano. Época em que era honrada a palavra de honra, da garantia, da hombridade. Tal era o respeito, que as listas telefônicas eram publicadas por endereço e por assinante. 

Em tempos, moramos, meus pais e cinco irmãos, numa casa de quintal grande e muro baixo, na Alameda Gabriel, Jardim Paulistano. Conhecíamos os vizinhos mais próximos; e os nem tão próximos, sabíamos quem eram.

Lembro de ir sozinho a Galeria Prestes Maia comprar passes escolares da CMTC, isso com 10, 12 anos. Tudo tranquilo. Claro, tinham os problemas de então, mas eram menores, e resolvidos ou bem contornados.

Poucos tinham televisão e carro, que era artigo de luxo importado. Assim, o trânsito era ordenado e sem congestionamento. Muito usado era o bonde da Light que seguia pelo centro antigo. Na nossa rua, havia o trólebus, ônibus elétrico conectado por “suspensórios”, um par de hastes que virava e mexia, e se soltava dos fios nas curvas.

Garoto, após o almoço de domingo na casa dos avós no Itaim, ia com os primos às matinês dos cines da rua Augusta, assistir a Doris Day, Jerry Lewis, Chaplin, O Gordo e o Magro, Três Patetas, Marcelino e outros tantos.

Era pura e sadia diversão.

Há quinze anos deixei essa cidade. Outra cultura, outros costumes, outra lógica urbana. Daqui de longe, com saudades, pude avaliar o que é São Paulo, sem intentar definição. Seus problemas complexos, sua dinâmica, sua atividade frenética, seu vigor, sua vitalidade. Uma locomotiva!

Cada rua com uma história, um monumento, um fato, um nome a ser rememorado. A arquitetura variante registra épocas distintas. Gente que ama o mesmo bairro por gerações. Aquilo que chamam de caos é justamente a razão de viver do paulistano, razão da existência dessa cidade. 

Mauricio Chagas é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Escreva seu texto e envie para contesuahistoria@cbn.com.br. Para ouvir outros capítulos da nossa cidade, visite o meu blog miltonjung.com.br e o podcast do Conte Sua História de São Paulo.

Os assassinatos de Bruno e Dom servem à ideologia de Bolsonaro

Corpus Christi se avizinha no instante em que somos informados da confirmação do assassinato do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Philips, em mais uma ironia que o calendário impõe aos brasileiros. Na véspera da data cristã em que se celebra o sacramento do corpo e do sangue de Jesus Cristo, dois dos suspeitos confessam à polícia que mataram, esquartejaram e queimaram os dois homens que se atreveram em defender o meio ambiente e proteger a dignidade dos indígenas. Serão mártires sem corpos pelo que se interpreta da brutalidade que os assassinos dizem ter cometido. 

A Bruno e Dom não serão dados sequer o direito a velório e enterro, rituais de veneração e respeito que algumas religiões — dentre elas a católica —- oferecem a seus mortos. A consolar os que cultivarão a dor e a saudade, em especial suas famílias, o fato de se saber que ambos tinham na natureza seu lugar sagrado. Foi a mulher de Dom, Alessandra Sampaio, que, ao falar de sua espiritualidade, em entrevista ao jornalista André Trigueiro, domingo passado, comentou que o marido era reservado e costumava dizer que “Deus é a natureza”. Completou o pensamento: “se ele partiu ali, ele estava no meio do Deus que ele acreditava”.

Que sejam abraçados pelas divindades da terra, enquanto nós permaneceremos aqui escandalizados com o que vem acontecendo no Brasil. Um país marcado pela brutalidade que tem o patrocínio do presidente da República, que, desde o início de seu mandato, emite mensagens claras em favor daqueles que exploram ilegalmente a terra, e sustenta grupos criminosos com seu discurso e seus atos contrários à proteção dos territórios indígenas.

Jair Bolsonaro não apenas incentiva as ocupações como pune quem fiscaliza. Foi esse comportamento que levou ao afastamento de Bruno Pereira da Funai, fundação da qual é servidor público, no momento em que ele combatia grupos que atuam de maneira criminosa, na Floresta Amazônica.

Diante do desaparecimento de Bruno e Dom, Jair Bolsonaro foi incapaz de ser solidário. Primeiro, definiu a viagem dos dois como uma “aventura não recomendada”.  O que o presidente chama de aventura — repito aqui o que disse em viva voz no Jornal da CBN —-, nós chamamos de jornalismo investigativo, que se expressa especialmente quando o Estado se ausenta e o crime organizado domina. Depois, inventou a história de que eles não tinham autorização da Funai para estarem no local em que atuavam na busca da verdade, quando se sabe que para andar onde andavam não haveria necessidade de qualquer aval da fundação. Não contente em mentir — exercício que pratica com maestria —,  ofendeu a imagem do jornalista britânico ao dizer que “esse inglês era malvisto na região, porque fazia muita matéria contra garimpeiros, questão ambiental …”. Defender o meio ambiente é crime na visão distorcida do presidente.

Bolsonaro está tão ensimesmado em seu necrogoverno — característica que ficou exposta na gestão (?) da pandemia do coronavírus —, que é incapaz de enxergar quão contraditório é em suas declarações. Ao admitir  que “lá tem pirata no rio, lá tem tudo que possa imaginar” ou seja a Amazônia é um território sem lei, confessa que o discurso em defesa da soberania nacional é apenas mais uma falácia. 

Pior, muito pior do que isso, é perceber que a morte de Bruno e Dom servem à ideologia bolsonarista. O presidente pouco se importa com as críticas dos mais diversos setores, com os protestos de organismos internacionais e com a transformação do Brasil em pária do mundo. Culpar as vítimas é estratégia de um governo que governa pelo medo e pelo terror. A ele interessa manter a população acuada para oferecer mais falácia, agora no campo da segurança pública, com seu discurso armamentista. A ele interessa dar publicidade a esses crimes em uma tentativa de coagir aqueles que insistem em buscar a verdade.

Que os corpos vilipendiados de Bruno e Dom se transformem em adubo, e da terra onde foram desaparecidos, floresçam novos protagonistas na defesa da justiça e da dignidade humana.