Sua Marca: só entende de marcas quem ouve e gosta de gente

 

 

“Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto…

E eu vos direi: “Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas”

 

 

O soneto “Ora (direis) ouvir estrelas” de Olavo Bilac e a experiência que o Celso, o dono de uma barraca do Ceagesp, na capital paulista, apesar de parecem distantes, pelo tempo e pelas funções que exercem, são dois bons exemplos de como gestores de marcas devem agir diante da opinião pública. Em Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, Jaime Troiano e Cecília Russo falaram da importância de se exercitar a escuta.

“A barraca do Celso é uma aula de branding, pois você chega lá e ele procura entender o que você quer e o que você precisa, ele ouve você”,  Jaime Troiano

Muito longe de ser uma atividade puramente operacional, o gestor de marcas só terá sucesso se gostar de gente e souber ouvir as pessoas.

“É quase impossível descobrir um significado relevante para uma marca se a gente não tem essa capacidade — lembrada por Olavo Bilac — de ouvir estrelas”, Cecília Russo.

No programa Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, Jaime Troiano e Cecília Russo falam de outras experiências bem desenvolvidas na área de branding porque as marcas entenderam o sentimento dos seus consumidores. O quadro vai ao ar aos sábados, às 7h55 da manhã, no Jornal da CBN, com apresentação de Mílton Jung.

 

 

 

 

 

 

Autoimagem e redes sociais: aquilo que não se vê

 

Por Simone Domingues
@simonedominguespsicologa

 

NascVénus

Reprodução do quadro “O Nascimento de Vênus”

 

O Nascimento de Vênus, pintura de Sandro Botticelli, criada entre 1482 e 1485, é uma das inúmeras formas de representação artística que procuram reproduzir Vênus, deusa da mitologia romana associada à beleza. Mais de 500 anos se passaram desde aquela pintura até o surgimento da Internet, a qual facilitou a conexão de pessoas, especialmente através das redes sociais.

 

O que ambas têm em comum?
A exposição de padrões idealizados.

 

A globalização e o avanço das tecnologias favoreceram a divulgação das informações em tempo real, possibilitando novas formas de se relacionar, trabalhar e viver em sociedade. As mídias sociais, além de modificarem as interações entre pessoas, se tornaram fontes de respostas para questões da vida cotidiana.

 

Muitas das informações divulgadas envolvem padrões de beleza, busca pelo corpo ideal e estilo de vida. Embora as telas permitam a aproximação de pessoas distantes, escondem em si que exposições virtuais de vidas interessantes, beleza e felicidade mais correspondem a realidades editadas, amparadas no desejo de aceitação e aprovação.

 

Se antigamente era a proximidade física, o olho no olho, que permitia a compreensão da imagem que o outro tinha de nós, hoje essa aceitação é mediada pelas redes sociais, validada através das curtidas e comentários obtidos nas postagens. Receber um elogio pode ser gratificante. Porém, a preocupação excessiva com a autoimagem ou aparência e a busca constante pela aprovação alheia, podem conduzir a sentimentos de frustração, ansiedade e decepção, tendo em vista a idealização de padrões inatingíveis, vinculados a modelos de perfeição.

 

Dias atrás, lancei um desafio para uma paciente que apresentava pensamentos negativos sobre si, após navegar pelas fotos postadas em uma rede social: fazer uma busca nas mídias sociais e encontrar perfis que revelassem correções digitais de imagem, modificando as fotos e transformando-as em imagens perfeitas. Um dos perfis encontrados foi o de Danae Mercer, uma influenciadora fitness que após sofrer com distúrbios alimentares resolveu mostrar o que estava por trás das suas fotos de “corpo perfeito”, revelando o uso de aplicativos de edição, além da escolha de ângulos certos e iluminação adequada.

 

Na tentativa de tornar a vida uma obra de arte, capaz de ser apreciada pelos outros, corremos o risco de esquecer aquilo que disse Antoine de Saint-Exupèry: “o essencial é invisível aos olhos”.

 

Simone Domingues é Psicóloga especialista em Neuropsicologia, Pós-Doutorado em Neurociências pela Universidade de Lille/França, e escreveu este artigo a convite do Blog do Mílton Jung

Há 36 anos comecei a costurar esta colcha de retalhos feita de amigos, paixão e jornalismo

 

IMG_7351

Reprodução de foto do jornal Zero Hora, em dezembro de 1988

 

Foi há 36 anos. Tanto tempo assim faz de nossa memória uma colcha de retalhos em que pedaços são tecidos da vida real e outros, coloridos pela imaginação. Descrever agora o que aconteceu naquele 10 de agosto de 1984 talvez não condiga com a verdade dos fatos —- mas, tenha certeza, revela a memória autobiográfica que fui capaz de armazenar ao longo dos anos.

 

Foi meu primeiro dia de trabalho como jornalista ou aprendiz de jornalista, porque viria a me formar somente um ano depois. Era o início do estágio na profissão que escolhi por inércia, admiração e paixão.

 

O jornalismo fazia parte do meu cotidiano, não escapava dele nem nos almoços de domingo com a família. Filho de jornalista, afilhado de jornalista e sobrinho de jornalista, experimentei o ritmo das redação de rádio e jornal desde muito pequeno. Em minha defesa, o fato de meu irmão e minha irmão terem experimentado o mesmo ambiente e seguido por outros caminhos.

 

Minha admiração vinha da maneira como meu pai e seus colegas de trabalho eram recebidos nos locais que frequentavam. Havia um respeito em relação a eles que me deixava feliz e orgulhoso. O impacto que as notícias divulgadas no Correspondente Renner — do qual foi o titular por muito anos —- tinham na sociedade gaúcha, impressionava. A emoção que o grito de gol dele gerava no torcedor era indescritível.

 

Cheguei a me enxergar como professor de educação física —- a ponto de estudar na federal do Rio Grande do Sul —- mas havia alguma coisa no jornalismo que se expressava de maneira mais forte no meu coração.

 

A inércia, a admiração e a paixão construíram o jornalista que teve o privilégio —- pela influência do pai —- de fazer estágio em uma das mais respeitadas redações do radiojornalismo do Brasil, a da Guaíba de Porto Alegre. Era função não remunerada. Sem carteira assinada. O pagamento vinha em créditos para a conclusão da faculdade de jornalismo, realizada na Famecos, da PUC do Rio Grande do Sul. E em experiência pela convivência com alguns dos maiores nomes do jornalismo esportivo.

 

A arquitetura do prédio, que trazia características do século 19, sede da Companhia Jornalística Caldas Júnior, era imponente. Para subir os três ou quatro andares do Edifício Hudson, ao lado da Praça da Alfândega, usava-se um elevador com porta sanfonada e maquinário à mostra —- mantido assim, apenas com algumas adaptações, até ao menos a última vez em que visitei o local. Apesar da pompa e da circunstância, era como se estivesse entrando em casa. Do elevador aos corredores, das salas de redação ao bar —- que hoje não existe mais no segundo andar —-, tudo eu já havia explorado, embalado pela curiosidade de um guri de calças curtas, solto em um parque de diversões.

 

Naquele dia 10 de agosto, entrei no prédio ao lado de meu pai —- não mais de mãos dadas como fazíamos durante minha infância —-, vestindo uma uma camisa de mangas curtas, uma calça de abrigo esportivo e calçando alpargatas. Com ele fui até a sala do departamento de esportes que ficava ao fim do corredor, com janelas voltadas para a esquina da rua Caldas Júnior com a rua dos Andradas. Seria incapaz de reproduzir aqui qualquer palavra que o pai tenha dirigido a mim naquele instante; certo mesmo, pelo que conheci do velho, é que ele estava tomado pela alegria de ver seu filho dando o primeiro passo na profissão no lugar em que se consagrou como jornalista.

 

Fui apresentado ao Alexandre Pussieldi, produtor do único programa dedicado exclusivamente ao esporte amador do rádio rio-grandense. Hoje muito mais conhecido por ‘Coach’, pelos anos em que foi treinador de natação nos Estados Unidos e agora comentarista de natação da SporTV, Pussieldi foi um baita professor. Não bastasse ter sido o criador do programa em que sempre sonhei trabalhar —- afinal joguei basquete por 13 anos e, lembre-se, imaginei seguir o curso de educação física —, Alex Pussieldi foi meu mentor naquele início de carreira. Ajudou-me a construir fontes, escrever textos, produzir reportagens, fazer entrevistas e apresentar o “Esporte Amador na Guaíba”.

 

Do esporte amador para o futebol profissional; do departamento de esportes para o de jornalismo; da redação de rádio para a de jornal. Minha carreira seguiu em frente a ponto de me trazer para São Paulo. Aqui comecei pela televisão, trabalhei na internet e fui redescoberto pelo rádio. Ganhei reconhecimento e prêmios. Sinto-me privilegiado pelo espaço que me oferecem e pelo jornalismo que realizo.

 

Nestes 36 anos de profissão, em meio a tropeços e aprendizados, memórias afetivas foram construídas e alguns nomes foram essenciais para essa jornada. Assim como o pai foi o primeiro a me abrir a porta do elevador do Edifício Hudson, em Porto Alegre, teve o Alex e a Sandra que me acolheram; o Flávio que me levou para o jornalismo; o Afonso que me apresentou à vida; o Zezo que me trouxe para São Paulo; a Dina que me encaminhou para a Globo; o Montenegro que cuidou de mim na madrugada; o Marco que me aceitou na Cultura; o Everton, a Malice, a Maria e o Tato que moderaram meu ego; o Sérgio que foi minha referência como família; o Heródoto que me convidou para a CBN; o Juca que me inventou narrador na Rede TV!; o Toledo que me ensinou como funcionava a internet; a Mariza que apostou no meu talento. E, claro, a Abigail, que é o amor da minha vida.

 

Por mais distante que esteja de muitos daqueles que me ajudaram nesses anos todos —- e de tantos outros que sequer citei neste artigo —- quero que saibam o quanto os admiro pela paciência, experiência e conhecimento que compartilharam comigo. E que a colcha que minha memória está costurando desde aquele 10 de agosto de 1984, certamente, só se faz possível por sua causa.

Avalanche Tricolor: gostou do nosso time, pai?!?

 

Grêmio 1×0 Fluminense
Brasileiro — Arena Grêmio

 

50208583477_89de611fdd_c

Diego Souza comemora gol em foto de LUCASUEBEL/GRÊMIOFBPA

“Esse guri aí no ataque é muito bom”

Sou capaz de ouvir a voz do pai ao telefone descrevendo Diego Souza, que apesar de veterano para o futebol, com os seus 35 anos, ainda assim seria definido como um guri para o velho que já passava da casa dos 80 anos. Já estava com a idade avançada e ainda sofria como um garoto à frente da televisão sempre que assistia ao Grêmio jogar —- fosse futebol de botão, em que ele era craque, fosse no campo. Telefonar para ele ao fim das partidas era quase um ritual que se iniciava com uma pergunta típica:

“E aí, pai, que tu achastes do nosso time?”

Mesmo com a idade avançada e a doença lhe tirando de forma cruel parte das lembranças do cérebro, o pai sempre arrumava um jeito de compartilhar sua percepção sobre a perfomance gremista em campo. Jogadores não tinham mais nomes, eram descritos por suas características: “esse carequinha que corre que nem o diabo da cruz” —- era como se referia a Everton em início de carreira. “Esse número 10, barrigudinho, é bom demais, heim!?” — era a senha para falarmos de Douglas. “Que baita zagueiro” era a expressão que mais me deixava em dúvida: não sabia se falava de Kannemann ou de Geromel — os dois, convenhamos, merecem a deferência.

 

Ligava para ele na vitória e na derrota. Pra nossa felicidade, os últimos anos que convivemos, falamos muito mais de títulos e conquistas. Campeão Gaúcho, da Copa do Brasil, da Libertadores ….  teve ainda a homenagem que fizemos a ele na final do Mundial.  Foram assuntos que dominaram nossas conversas até o momento em que o pai ainda era capaz de entender o que falávamos e, principalmente, se fazia entender com seus códigos mentais.

 

O dia em que percebi que nossas conversas passariam a não fazer mais sentido foi quando, juntos, na sala da casa de Porto Alegre, o pai quis iniciar uma bom papo sobre futebol e foi incapaz de pronunciar o nome do Grêmio. Tudo que conseguiu foi dizer “o azul”, que era o que o cérebro dele conseguia decodificar daquela história que nos uniu desde pequeno, iniciada ali mesmo na Saldanha Marinho, rua que fica a poucos metros do estádio Olímpico.

 

Fiquei triste naquele dia. Muito triste. Entendi que a vida e a memória estavam me tirando o único cara que foi capaz de me acolher mesmo quando cometi os maiores erros —- e nunca me negou um abraço, apesar das injustiças que lhe proporcionei. Talvez a única pessoa que, se viva estivesse, me receberia com carinho e generosidade diante das piores situações que eu possa enfrentar na vida.

 

O pai morreu há um ano. Há mais tempo já apresentava dificuldades de se comunicar. Mesmo assim, ficava sentado à frente da TV vendo o Grêmio jogar. A última vez foi em abril do ano passado, quando disputamos um Gre-nal. Vestiu a camisa do Grêmio e mesmo no silêncio que a doença o impôs foi possível vê-lo, em alguns momentos, reconectado com a realidade: talvez uma das últimas vitórias dele contra vida, apesar do empate em 0 a 0 (para saber mais, leia Avalanche Tricolor: uma vitória no Gre-nal).

 

Hoje não tive para quem ligar e falar da vitória gremista na estreia do Campeonato Brasileiro. Não tive um pai para dar os parabéns pelo seu dia. Mas tive as boas lembranças que ele me deixou em vida. E me faz sorrir por dentro, mesmo que meus olhos se encham de lágrima a cada parágrafo que escrevo nesta Avalanche.

 

Conte Sua História de São Paulo: o sonho do soldado Dadá

 

Por Duarte Alves da Silva
Ouvinte da CBN

 

 

Nasci em 1959, no Brás. Deixei o bairro após a morte de meu pai. Minha mãe, dois irmãos e eu, fomos para o Ipiranga onde meus tios e três primos moravam, em um sobrado. Lembro quando meu tio nos levou para ver a inauguração da iluminação da avenida Dom Pedro I, que liga o Ipiranga ao Cambuci. Nos anos de 1970 havia também um espetáculo de luz e som, no Museu do Ipiranga, que eu adorava. No Ipiranga passei minha juventude, brinquei na rua, joguei bola no campinho perto de casa

 

 

Aos 18 anos, me alistei no Exército. Na minha turma, havia mais 25 soldados, cada um de um canto da cidade. Treinamos no quartel do Ibirapuera e fomos para uma corporação, na Liberdade, a 4ª CSM — Circunscrição do Serviço Militar. Foi um período bom com os novos amigos. Um ano depois, demos baixa e nenhum seguiu carreira militar.

 

Eu conheci a irmã de um soldado que servia comigo. Eles moravam na Nove de Julho com a São Gabriel. Casamos três anos depois e fomos morar na estrada de Itapecerica da Serra, na Vila das Belezas. Tivemos dois filhos.

 

Trinta e nove anos depois do serviço militar, recebi um convite pelo Facebook, de um ex-colega Humberto Souza, o Dadá, perguntando se eu havia servido o Exército, em 1978. Ele e o soldado Ripari, tinham decidido reunir a todos para comemorar 40 anos de turma. Os dois foram em busca da lista completa dos jovens que tinham feito serviço militar juntos naquele ano. O quartel já havia mudado da Liberdade para o Cambuci. Após um pedido oficial de informação, tiveram acesso a lista completa de nomes e partiram atrás de cada um dos integrantes. Formaram um grupo de WhatsApp, justo no aniversário de São Paulo, em 2017.

 

Foram vários almoços com o Ripari para organizar o evento; e descobri que ele havia trabalhado no mesmo grupo que eu, o Machline, apesar de nunca termos nos encontrado. Infelizmente, às vésperas da comemoração de 40 anos, Humberto Souza, o Dadá, morreu, mas nós decidimos levar em frente o desejo dele. Reunimos dez dos 26 soldados. Como cada um vivia em uma região diferente da outra, marcamos nosso reencontro no centro de São Paulo, o que ocorreu no dia 24 de novembro de 2018 —- em uma demonstração de que a imensidão da cidade não é suficiente para afastar velhos conhecidos.

Duarte Alves da Silva  é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Escreva suas lembranças da cidade e envie seu texto para contesuahistoria@cbn.com.br. Coloque o podcast do Conte Sua História de São Paulo entre os seus favoritos.

Mundo Corporativo: Rafael Lucchesi, do SESI, defende novas relações de produção e trabalho, para superar a pandemia

 

 

 

“As sociedade que se adaptarem mais rápido a essas novas tendências, seguramente vão subir o elevador da produtividade; as suas empresas vão crescer; vão ganhar mercado e, é claro, a sociedade vai se desenvolver. É o que nós chamamos de um círculo virtuoso de desenvolvimento” — Rafael Lucchesi, SESI

A indústria brasileira precisa estar pronta para se adaptar às tendências de mercado que surgiram ou se aceleraram devido a pandemia do coronavírus. Se muitos setores sofreram com a queda de produtividade, também é preciso entender as oportunidades que se apresentam, como a descentralização da fabricação de algumas linhas de produto —- o que ficou evidente a partir das dificuldades de compra, venda e distribuição de equipamentos de saúde. Ao mesmo tempo, é necessário aproveitar as possibilidades que surgem com as transformações digitais e treinar os funcionários para esse novo momento.

 

No programa Mundo Corporativo, da CBN, Rafael Lucchesi, diretor-superintendente do Serviço Social da Indústria — SESI falou de temas que têm sido o foco das discussões do setor industrial brasileiro.

“Como tendência, seguramente nós vamos ter maiores cuidados com saúde, uma agenda maior de capacitação, de uso mais intensivo de tecnologia e, também, uma agenda voltada a novas ferramentas que têm ganho de produtividade e que vão impactar os resultados das empresas”.

O dirigente do SESI lembrou que o mundo vive a quarta revolução industrial, com digitalização, uso de inteligência artificial e de algoritmos, por exemplo. Soma-se a isso a produção industrial aditiva em que é possível fabricar produtos com o uso de impressoras 3D tornando desnecessário que a empresa mantenha uma grande manufatura, concentrada em uma determina região do mundo, substituindo esse modelo por uma estrutura industrial muito mais distribuída, criando uma cadeia de fornecedores próxima do seu mercado:

“Com três fotografias do seu pé, você poderá adquirir um tênis feito sob medida da mesma maneira que se faz com os atletas de alta performance, ajustado a sua biometria, e não em função de uma biometria padrão … com isso, a escala de produção será um fator menos relevante no futuro e muito mais a logística de produção distribuída. Isso vai mudar o ambiente de escritório e de chão de fábrica”.

A pandemia obrigou a indústria a acelerar esses processos que já estavam em andamento, segundo Rafael Lucchesi. A medida que as empresas têm mudado seu modelo operacional, o dirigente entende que essa transformação levará a uma revisão nos contratos de trabalho —- o que chama de modernização na relação de emprego. Apesar da reforma trabalhista, que entrou em vigor há pouco mais de um ano, outras questões estarão na pauta:

“… seguramente há um consenso que une as lideranças empresariais e dos trabalhadores, que é estabelecer algo que permita que a sociedade gere mais emprego e mais renda … é preciso construir uma agenda de futuro para o Brasil”

O aumento da preocupação dos profissionais e seus familiares com as questões sanitárias, por causa da pandemia, além de um número crescente de afastamentos das funções, por doenças relacionadas ao trabalho, vão exigir um acompanhamento maior das empresas, de acordo com o dirigente. Isso traz outro desafio ao setor produtivo devido aos custos em relação a assistência médica dos profissionais:

“Esse é um problema grave porque é a inflação que mais cresce no Brasil e tem sido um dos maiores custos das empresas brasileiras, por isso o SESI com a CNI tem apoiado às empresas a estabelecerem um entendimento melhor nas negociações com os planos de saúde”.

Independentemente dos novos desafios que se se apresentam, ele chama atenção para o fato de a indústria ter de estar atenta a relação com seus colaboradores:

“As organizações mais produtivas são aquelas que melhor cuidam do principal talento das organizações, dos seus trabalhadores, dos seus colaboradores. Então, aquelas que vão melhor performar, serão seguramente as mais abertas ao diálogo daquilo que mais preocupa que são hoje as questões de cuidados à saúde”.

O Mundo Corporativo pode ser ouvido aos sábados, no Jornal da CBN; aos domingos, às dez da noite, em horário alternativo; ou a qualquer momento em podcast. Colaboram com o programa Juliana Prado, Guilherme Dogo, Rafael Furugen e Débora Gonçalves.

Avalanche Tricolor: no Gre-nal, tudo normal!

 

Grêmio 2×0 Inter
Gaúcho — Arena Grêmio

50194184787_acab47b274_c

Foto de Lucas Uebel/GremioFBPA

 

Mais uma vitória em Gre-nal!

 

E lá se vão nove clássicos seguidos sem derrota.

 

Na Arena, o predomínio é ainda maior: 13.

 

É a maior série invicta de uma equipe como mandante no Gre-nal.

 

Há cinco anos não perdemos  uma só decisão contra o co-irmão.

 

Ou seja, Renato, desde que voltou ao comando da equipe, não foi apresentado a uma só eliminação ou perda de título.

 

Para a dupla Geromel e Kannemann foi o décimo Gre-nal invicto. Sempre que estiveram lado a lado em campo, nunca perderam. É o sétimo sem tomar gols.

 

Para Diego Souza foi o sexto, sem nunca ter perdido, em duas passagens pelo Grêmio. Marcou duas vezes. E é o goleador do time.

 

Na noite dessa quarta-feira, Diego  deu assistência para Maicon fazer o primeiro — do jogo e o dele em um clássico gaúcho.

 

Teve chapéu, teve meia-lua, teve drible pra lá e pra cá. Teve carrinho e chutão quando necessário. Teve agarrão e briga, também. Teve até expulsão.

 

E ainda teve Everton fazendo o que queria em campo, dançando no gramado da Arena, alucinando a marcação e sendo o responsável pelo drible que tirou cinco de seus marcadores da jogada, abrindo espaço para, de cabeça erguida, lançar a bola na área, onde estava Isaque, um novato em Gre-nal —  que não precisou de mais de um toque na bola para sentir o sabor de um gol no clássico. O sabor da vitória.

 

Tudo normal!

O digital fez o Agro tremer

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

Cooper-expo

Foto: divulgação

 

“Fizemos o Agro tremer” — a expressão foi usada por Flávio Machado, da Pixit, para exprimir a Fernando Degobbi, da Coopercitrus, o momento em que a COOPERCITRUS EXPO DIGITAL definitivamente identificava o sucesso do empreendimento.

 

Monitorando o mundo digital, pela certeza da obrigatoriedade da sua prática, busquei a receita do sucesso dessa feira de negócios, que vai revolucionar o já revolucionário mundo Agro. Conversei com o próprio Fernando Degobbi, CEO da Coopercitrus e responsável pelo evento.

 

Falamos do resultado e da estratégia, baseados em fatos e números  — como ensina Hans Roling, autor do best-seller Factfulness.

 

O Sucesso

 

A Coopercitrus é a maior Cooperativa Singular do país, com 38.500 associados, que é constituída por pequenos e médios agricultores — cuja escala dos médios fica de R$ 250 mil  a R$ 1 milhão por produção, enquanto os pequenos ficam concentrados numa faixa em torno de R$ 100 mil  para menos.

 

Em fins de abril foi decidido que a 21ª COOPERCITRUS EXPO não seria realizada devido a pandemia, o que impediria que os associados pudessem utilizar o evento para usufruir das compras necessárias de insumos para a próxima safra. Assim como deixariam de obter os conhecimentos técnicos e de se inteirar das novidades operacionais e tecnológicas, normalmente absorvidas na Expo.

 

Degobbi optou então pelo formato digital em vez de adiar ou cancelar  para não deixar de atender as demandas dos associados. Os números demonstraram que o novo formato cumpriu a expectativa — foi  além: o resultado superou os alcançados na Expo de 2019.

A venda de R$ 800 milhões, ano passado, chegaram a R$ 1 bilhão neste ano. Os visitantes passaram de 12 mil para 80 mil — gente de  25 países, com predominância de americanos e  presença de todo o Brasil.

Os agricultores sem internet visitaram os 80 totens colocados nas lojas físicas. Tiveram 10 atendimentos por dia. Os 420 vendedores, com informações do CRM, estiveram à disposição 24hs por dia em cobertura global, para negociação e encaminhamento técnico.

 

Se o custo da expo de 2019 foi de R$ 1,8 milhão, o deste ano chegou a R$ 2 milhões. Entretanto, as informações armazenadas estão em número muito superior, a começar pelo cadastramento atualizado de 42 mil associados — há sócios com mais de uma propriedade, chegando ao total de 50 mil.

 

Existe uma relação de melhorias qualitativas em função da digitalização, tais como atendimento permanente, atenção direta ao que interessa ao associado, eliminação de despesas para a visita e otimização de tempo. Além disso,  a Expo Digital ganhou flexibilização e, graças ao sucesso, pode ser estendida por mais uma semana, o que seria impossível em evento físico.

 

A receita

 

Cultura digital pré-existente da direção. O CRM foi implantado há 10 anos.

 

Corpo de 420 vendedores habilitados e com informações.

 

Escolha da plataforma da Pixit, com 3D e 360º, com capacidade de 1 milhão de acessos simultâneos.

 

Digitalização permitindo acesso a satélite, uso de drones, diagnóstico de análise de solo, orientação para plantio e armazenamento na Amazon.

 

Democracia no atendimento aos agricultores sem internet através dos totens nas lojas físicas.

A ferramenta tecnológica é sempre acompanhada do apoio digital personalizado pelo atendente habilitado, possibilitando a negociação quando o comprador desejar.

Facilitação para divulgação do conhecimento através da “Arena de tecnologia digital”, onde foram apresentadas 100 palestras.

 

Disponibilização de 2.000 conteúdos de interesse técnico.

 

Atenção especial aos fertilizantes, seguidos pelos defensivos e tratores.

 

Espaço diferencial para o poder feminino, tão desequilibrado universalmente.

 

“Mulheres do Campo” integra positivamente o formato de sucesso do evento.

 

Cumprir a máxima de Degobbi: “Soluções integradas e Resultados Sustentáveis”

 

Conclusão

 

O final da entrevista é surpreendente. Ao perguntar o Fernando Degobbi se faria
novamente a Expo Digital, em 2021, ele respondeu;

“A dúvida não é sobre a Digital, a dúvida é sobre a Expo física”

Esperamos que a percepção de Flavio, da Pixit, contamine o Agro e demais setores que até então dormem em berço esplendido e acordem para o digital.

 

Carlos Magno Gibrail é consultor, autor do livro “Arquitetura do Varejo”, mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung.

Diário de uma viajante mascarada

 

london-bridge-5032543_960_720

Tower Bridge, Londres Foto: Pixabay

 

Eu a vi pela tela do celular. Ainda estava no saguão do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos. Nem mesmo as duas máscaras que vestia —- sim, eram duas —- ou a boina que cobria a cabeça e segurava parte dos longos e crespos cabelos que estavam trançados para diminuir a área de contágio me impediram de enxergar o sorriso que a acompanha por onde vai. E ela já foi a muitos lugares neste mundo. Sempre em busca de conhecimento e amigos. Nunca lhes faltaram — um ou outro —- e sempre que colocada à prova, ela demonstrou habilidade em conquistá-los.

 

Quando conversamos estava a algumas horas de embarcar  para Londres de onde havia retornado no início desta pandemia, assim que as aulas se encerraram. Com o ano letivo prestes a começar daqui um mês, preferiu voltar no primeiro voo disponível —- o risco de ter a viagem cancelada aumenta a medida que cresce o número de casos da Covid-19, no Brasil.

 

Saiu daqui com um pedido do tio e cumpriu o combinado assim que chegou à Inglaterra: descrever a experiência da travessia de um continente ao outro, em tempos de ….. (perdão, mas me nego a cair nesse lugar-comum) …. você sabe que tempos são esse, certo?

 

O relato que você, caro e raro leitor deste blog, vai ler a partir de agora é baseado na história que ouvi da minha viajante mascarada.

 

Em Guarulhos, deu de cara com cartazes pedindo o uso de máscaras e álcool em gel. Para os poucos passageiros e acompanhantes que circulavam pelos corredores largos do saguão do aeroporto, o distanciamento social era involuntário. O principal aeroporto brasileiro está superdimensionado para o cenário atual da aviação. Com capacidade para até 40 pousos e decolagens por hora, naquela noite havia apenas quatro voos programados.

 

A encrenca estaria por vir, a medida que as filas se fazem necessárias para parte do atendimento. A primeira foi no setor de check-in, obrigatório nas viagens internacionais. Foi ali que começou o exercício aeróbico que consistia em prender a respiração quanto mais próximas as pessoas tivessem e respirar aliviada sempre que havia respeito às marcações de piso e distanciamento.

 

Para despachar as malas, um sufoco. O aperto de pessoas e bagagens era constrangedor. Para atrapalhar, muitos não tinham preenchido o formulário exigido pelo Reino Unido no qual é obrigatório declarar por onde esteve e informar seus contatos. Os esquecidos ao menos tinham a facilidade de acessar o formulário on-line e salvar as informações no celular.

 

O distanciamento voltou a ser respeitado no controle de segurança e passaportes. Sabe como é que é, né! Tem segurança, tem lei, a gente respeita nem que seja na marra. Mesmo com a distância, o acesso foi rápido, provavelmente porque o aeroporto estava vazio. Respirar com tranquilidade ajudou na longa caminhada até o portão de embarque.

 

Foi a companhia aérea chamar os passageiros e aquela sensação de asfixia voltou. Seja pela ansiedade seja pela desatenção —- ou seria por falta de seguranças observando? —-, o distanciamento foi esquecido. Todos queriam entrar logo no avião e devem ter pensando que, sem cartão de embarque, o vírus não teria lugar no voo.

 

Ainda bem que nossa viajante pode soltar o ar logo em seguida, na passarela que dá acesso ao avião: sem que ninguém precisasse pedir por favor, os passageiros voltaram a se distanciar um dos outros, mesmo aqueles que estavam acompanhados. Vai entender essa gente!

 

O voo não estava lotado, talvez com 70 a 80% de sua capacidade. Os assentos, na medida do possível, foram alocados de forma a deixar um passageiro distante do outro. Era possível, porém, perceber que algumas pessoas que não estavam viajando juntas, sentaram lado a lado. A tripulação lembrou a todos de usarem máscaras, permitindo a retirada apenas para comer e beber.

 

Nossa viajante que partiu do Brasil com duas máscaras, com duas máscaras ficou até chegar a Londres. Preferiu uma dieta forçada, sem pão nem água, por mais de 11 horas e meia, a arriscar qualquer contágio. Assim que o avião aterrissou em solo britânico, talvez a mudança mais significativa e civilizada das jornadas aéreas: o desembarque foi realizado por fileiras, impedindo aquela aglomeração do corredor, com gente se esticando para pegar malas, mochilas e bugigangas nos bagageiros acima das poltronas.

 

O que não mudou foi a correria para ver quem chega antes na fila da imigração que sempre termina com os corredores parados na mesma fila da imigração. Os passageiros eram lembrados da obrigatoriedade do uso de máscara — obedecida por todos — e havia placas solicitando o distanciamento entre as pessoas — cumprido por poucos. Mesmo com os guichês abertos e o número de vôos bem abaixo do normal, além do exercício de respiração —- prende e solta, conforme o vizinho da fila se aprochegava —- foi necessário, exercitar a paciência porque o tempo de espera foi longo, como nos velhos tempos.

 

Entre um sufoco e outro, ainda com as duas máscaras e receio do que viria pela frente, minha viajante pôs o pé para fora do aeroporto, sorriu mais uma vez e constatou: “ao contrário do que dizem, o céu estava azul em Londres!”.

 

Obrigado por compartilhar essa experiência, Valentina! E jamais permita que as máscaras que usamos na vida tirem o sorriso do seu rosto, minha sobrinha. Com ele, mesmo à distância, sempre teremos a esperança de enxergar um horizonte mais azul — até no céu de Londres.

Sobre memórias, doces e afetos

 

Por Simone Domingues
@simonedominguespsicologa

 

Unknown-8

Foto: Abigail Costa

 

“O valor das coisas não está no tempo que elas duram,
mas na intensidade com que acontecem.
Por isso existem momentos inesquecíveis,
coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis”
Fernando Pessoa

 

 

Você se recorda onde estava no dia 11 de setembro de 2001 ou o que estava fazendo quando soube que Ayrton Senna havia sofrido um acidente automobilístico e tinha morrido? Essas perguntas são frequentemente feitas para elucidar como as emoções influenciam os processos de memorização, aumentando a probabilidade de se recordar uma experiência ou um evento vivido.

 

Diversos estudos em neurociências evidenciam o papel das emoções e os mecanismos fisiológicos envolvidos na formação de memórias, sugerindo que no momento da aquisição das informações, o organismo ativa uma série de neurotransmissores e hormônios, como adrenalina e corticoides, que agem sobre o cérebro e modificam a ação dos neurônios. Quanto maior a intensidade da emoção, mais essas substâncias serão liberadas e vão agir sobre os neurônios responsáveis pelos processos de memória.

 

Não são apenas os conteúdos negativos ou eventos trágicos que serão mais facilmente armazenados. As memórias carregadas de emoções positivas também permanecerão por mais tempo no cérebro.

 

Proponho, então, novas perguntas: como é o lugar que você mais gostou de conhecer? Onde fica? Qual a música que te remete às boas lembranças da infância? Qual o cheiro mais gostoso que vinha lá da cozinha da sua avó ou da sua mãe? Qual o sabor daquela comida que para você é especial? Qual situação foi a mais divertida ou romântica que você passou com a pessoa amada?

 

Essa coletânea que guardamos sobre nossas experiências pessoais e conta sobre nós mesmos em tempos e lugares chama-se memória autobiográfica. Recorda a nossa história, as pessoas com as quais convivemos e o que vivemos.

 

Popularmente, quando essas lembranças são repletas de carga emocional positiva, são chamadas de memórias afetivas. São lembranças fortemente associadas a estímulos sensoriais, como estímulos visuais, auditivos, táteis e olfativos. Recordamos o local onde estávamos, com quem estávamos, a música que tocava ao fundo enquanto o jantar acontecia, o friozinho que vinha pela porta de entrada e o cheiro bom do chá para encerrar a noite… A música ou o cheiro do chá, em outras situações, serão estímulos suficientes para que as lembranças sobre aquele evento sejam ativadas. Evocar memórias que são emocionalmente significativas confere vivacidade às nossas experiências, resgata um pouco (ou muito) de nós mesmos.

 

Minhas filhas dizem que gosto de fazer doces e oferecer às pessoas para registrar a importância que elas têm para mim. Concordo. Um brigadeiro gostoso tem textura, cor, cheiro de chocolate e um sabor único. Memória salva com sucesso! Lá vou eu pensando nas memórias e nos afetos… Faço uma caixa com brigadeiros e envio para um casal de amigos. Apoiada nas palavras de Fernando Pessoa, demonstro meu afeto para essas pessoas incomparáveis e espero que seja intenso o suficiente para construir memórias que tornem esse momento inesquecível.

 

Simone Domingues é Psicóloga especialista em Neuropsicologia, Pós-Doutorado em Neurociências pela Universidade de Lille/França, e escreveu este artigo a convite do Blog do Mílton Jung