Conte Sua História de São Paulo: as brincadeiras com xiringa no Carnaval da Vila Bonilha

 

Helena Francisca de Oliveira
Ouvinte da CBN

 

 

Gosto de relembrar minha infância entre as décadas de 1960–1970. Morávamos num bairro da periferia, a Vila Bonilha, na rua então chamada “Dona Cecília”. Naquela época, como no romance, “éramos seis”: meus pais, dois irmãos, uma irmã, e esta que escreve — uma menininha magricela, cheia de alegria e imaginação. Nossa vida era simples, meus pais faziam o impossível para que não nos faltasse o essencial. E o essencial, tanto material quanto emocional, nunca nos faltou.

 

Lembro-me de quando nos sentávamos na cama da minha mãe, quatro pares de ouvidos atentos às histórias que ela nos contava enquanto esperávamos que meu pai chegasse do trabalho, no trem que se aproximava da “paradinha”. Na “paradinha”, hoje estação do Piqueri, nem todos os trens paravam. Não era uma estação de trem oficial, era uma Parada da companhia Estrada de Ferro Santos—Jundiaí. Sabíamos exatamente quando o trem havia parado ou não: acompanhávamos tudo pelo som! E quando ele parava, aumentava nossa alegre ansiedade, já que o pai bem podia ter chegado nele, e isso significava ganhar carinho, ouvir alguns “causos” e saborear as balinhas coloridas ou as deliciosas paçoquinhas que ele sempre nos trazia.

 

Lembro-me de datas especiais, como o Natal … como o Carnaval.

 

Brincávamos na rua de xeringa, cada um enchendo a sua com água e espirrando nos coleguinhas. Que farra! Íamos aos bailinhos da matinê no salão da subestação que ficava do outro lado da linha do trem. Minha mãe costurava alguma fantasia, nos abastecia com confetes e serpentinas e nos levava para a folia:

 

“ …menina, você é um doce de coco, tá me deixando louco, tá me deixando louco”…

 

Eu me lembro com clareza do tempo em que minha rua era de terra, depois recebeu um calçamento de paralelepípedos que a deixou ainda mais encantadora.

 

Brincávamos até tarde da noite: bicicleta, roda, boneca, pião, queimada, pega-pega … e o que mais nossa imaginação sugerisse. Ainda me recordo da noite em que as luzes de mercúrio se acenderam pela primeira vez na Rua Dona Cecília! Que festa fizemos! E, naturalmente, naquela noite a brincadeira terminou ainda mais tarde…

 

O tempo passou, a Dona Cecília, hoje com outro nome, continua lá, no mesmo lugar, mas há muito deixou de ser a rua da minha infância. Uma parte de nossos vizinhos teve que deixar suas casas, ainda na época da minha adolescência, por conta de uma tal avenida que passaria por ali – o que não aconteceu até hoje, quase trinta anos depois…

 

Minha rua encantada perdeu o encantamento, mas às vezes acontece, quando passo por ela, de eu vislumbrar um pedacinho de paralelepípedo meio descoberto por uma falha no asfalto e, então, é como se ela se reencantasse, me carregando de volta ao tempo em que, em sua simplicidade, era a rua mais linda que eu já vira. E nesse breve instante, envolvida pelas lembranças, consigo ouvir nossas vozes infantis em meio às brincadeiras, os risos e o alarido alegre… E, no fundo, lá longe, como num sonho… a voz de minha mãe me chamando de volta para casa.

 

Helena Francisca de Oliveira é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Conte você também a sua história. Escreva seu texto e envie para contesuahistoria@cbn.com.br

Mundo Corporativo: Luiz Gaziri diz como a ciência da felicidade pode transformar sua relação com o trabalho

 

“As pessoas tem de ter uma consciência do que é verdadeiramente felicidade. Os cientistas definem como felicidade a alegria que a gente sente antes, durante ou depois de praticar certa atividade, especialmente atividades que usam os nossos pontos fortes” —- Luiz Gaziri, professor

Ser feliz no ambiente corporativo é meta impossível de ser alcançada para muitos profissionais, especialmente levando em consideração a tensão, a cobrança e a competitividade que encontramos nas empresas. A barreira, porém, pode estar não nas características do mercado de trabalho que vivemos mas nos aspectos em que depositamos nossos esforços em busca da felicidade

 

Em entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da rádio CBN, o consultor Luiz Gaziri chama atenção para o fato de que este sentimento, ao contrário do que se costuma acreditar, não depende de dinheiro, reconhecimento ou pensamento positivo”

“A relação do dinheiro com a felicidade está muito mais na forma como você gasta o seu dinheiro e muito menos relacionado com o quanto você ganha …”

“O reconhecimento também cai nesta parte da adaptação hedônica, porque chega em um certo momento em que a gente se acostuma a receber reconhecimento das pessoas então ele não traz efeito positivo ..”

“A gente acreditar que pensar positivo vai fazer o mundo, o universo conspirar ao nosso favor, não vai funcionar, porque a gente precisa de ação para fazer as coisas acontecerem na nossa vida”

No livro “A ciência da felicidade —- escolhas surpreendentes que garantem o seu sucesso” (Faro Editorial), Gaziri sugere que se use o dinheiro para ajudar outras pessoas ou para experiências que serão guardadas para toda a vida; que não se dependa do que o outro pense de nós, e, sim, se reconheça o valor das outras pessoas; e, finalmente, que se pense negativo, ou melhor, que se identifique os pontos negativos e os perigos que podem impedir que se alcance nossos objetivos.

 

Seis variáveis que podem ser usadas como meta para aumentar a nossa felicidade:

 

  1. Saber gastar o nosso dinheiro bem
  2. Ser grato, lembrar das coisas boas que se tem na vida
  3. Reconhecer os outros
  4. Ajudar as pessoas
  5. Cultivar emoções positivas
  6. Quando você estiver com alguma pessoa, esteja de verdade com ela (relacionamentos são previsor número 1 de felicidade)

 

O Mundo Corporativo pode ser assistido, ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas, no Twitter (@CBNoficial) e na página da CBN, no Facebook. O programa vai ao ar, aos sábados, no Jornal da CBN e tem as colaborações de Gabriela Varella, Arthur Ferreira, Rafael Furugen, Izabela Ares, Debora Gonçalves e Priscila Rubiotti.

Shoppings brasileiros têm números expressivos em 2019 e apresentam suas credenciais para 2020

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

shopping-d-3

 

Um setor da economia que recebe mensalmente 2,4 vezes a população do país – 502 milhões de visitantes/mês – inegavelmente é um agente econômico importante. Pois bem, estamos falando dos Shopping Centers, que através da ABRASCE, entidade que os representa, relata os dados econômicos positivos de 2019, e expressa otimismo em relação a 2020.

 

Com o crescimento de 7,9% das vendas, perfazendo R$ 192 bilhões, demonstra força, refletida de forma fragmentada em outros índices:

 

— os 502 milhões de visitantes correspondem ao crescimento de 2,5%;

 

— aumento de 2,4% no número de Shopping Centers,

 

— aumento de 2,7% na ABL,

 

— aumento de 2,5% nas salas de cinema,

 

— aumento de 1,6% na criação de empregos,

 

— aumento de 0,6% no número de lojas.

 

Os números totais também são expressivos:

 

Screen Shot 2020-02-19 at 18.38.31

 

A esta evolução, as datas marcantes apresentaram índices de aumento acima da curva, ou seja, Black Friday, 19,7%, dia das crianças 9,9% e dia das mães 9,7%.

 

O papel de ponto de entretenimento, convergência e conveniência desempenhado pelos Shopping Centers tem nos cinemas a expressão evidente desta configuração, pois abriga 77% de todas as salas do país.

 

Não é por acaso que os executivos de grandes empreendimentos do setor, se expressaram de forma seguramente positiva, no relatório da ABRASCE. Além dos dados favoráveis registrados, todos têm apostas fortes em ações inovadoras.

 

Marcos Carvalho, da Ancar Ivanhoe, está apostando na gamificação, nos aplicativos, no delivery e na realidade aumentada, para manter conectada a sua cadeia de Shopping Centers com novas demandas que já despontam. Aproveitando o fator localização privilegiada instalará em mais de 12 unidades, pontos físicos para a retirada de pedidos do e-commerce dos seus clientes, os lojistas. Para isto “iFood” e Delivery Center estarão atendendo todas as demandas.

 

Leandro Lopes, da Aliansce Sonae, ressalta a instalação de fazendas urbanas Be Green nos empreendimentos do Grupo, para a produção de hortaliças frescas sem uso de agrotóxicos. Água e tecnologia 4G para o controle da operação são suficientes. A presença do mundo virtual foi evidenciada pela parceria com o “IFood”, que continuará incrementando os serviços de entrega dos lojistas partindo dos hubs criados. Para acompanhar as tendências que virão no varejo foi feita a união com a Fábrica de Startups.

 

Vander Giordano, da Multiplan, acredita que a SUSTENTABILIDADE será o conceito que ditará as regras de consumo daqui para a frente. Por isso, no ano passado foram instaladas usinas fotovoltaicas gerando 100% da energia para o Shopping Village Mall. Reduzindo a conta de energia e a emissão de poluentes — equivalentes ao plantio de 16.720 árvores/ano ou, em 25 anos, a emissão de 227 mil toneladas de gás carbônico. Ao mesmo tempo, os investimentos na Delivery Center, operação que conecta o físico com o virtual, terá a função de facilitar a “omnicanalidade” dos lojistas.

 

É promissor observar que este gigantesco negócio dos Shopping Centers, que deixou passar ao largo o e-commerce dos Market Places, figurando só agora como coadjuvante, está vislumbrando a SUSTENTABILIDADE como uma oportunidade.

 

E é uma oportunidade única, porque envolve a tarefa de preservar, além de ganhar.

 

O Planeta agradecerá!

 

Carlos Magno Gibrail é consultor, autor do livro “Arquitetura do Varejo”, mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung.

Sua Marca: o que você fará com um dia a mais de 2020?

 

“O que os consumidores esperam é que as empresas façam alguma coisa a mais por eles” —- Jaime Troiano

2020 é bissexesto e, portanto, todos teremos um dia a mais este ano. A questão é saber o que podemos fazer com este dia extra. No Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, Jaime Troiano e Cecília Russo, lembraram de oportunidades que empresas terão no dia 29 de fevereiro, que será em um sábado.

 

Uma das dicas é usar esse dia para convidar seus colaboradores a refletirem sobre o trabalho que realizam e a relação com seus colegas, com parceiros de negócios e com seus consumidores. É também uma chance a mais de oferecer algo para os clientes: um cabeleireiro dar um tratamento especial ou um restaurante dar uma sobremesa a mais aos frequentadores. O importante, é usar esse dia para surpreender as pessoas com as quais você se relaciona pessoal ou profissionalmente.

“Ter um dia a mais é mais uma chance de reforçar o seu valor junto aquelas pessoas que estão com você nos outros 365 dias” —- Cecília Russo

Jaime Troiano alerta, porém, que é importante criar ações que estejam dentro do seu repertório de ideias, sem fugir daquilo que você é ou representa, e criar de maneira inteligente.

 

O Sua Marca Vai Ser Um Sucesso é apresentado por Mílton Jung e tem os comentários de Jaime Troiano e Cecília Russo. O programa vai ao ar aos sábados, às 7h55 da manhã, no Jornal da CBN.

Avalanche Tricolor: de volta para colocar mais um Gre-nal na história

 

Inter 0X1 Grêmio
Gaúcho —- Beira Rio, Porto Alegre/RS

 

 

49540041321_24317060ee_c

Diego Souza volta a marcar em Gre-nal (Foto: LUCASUEBEL/GRÊMIOFBPA

 

De volta das férias …. aqui na Avalanche, é claro. Já estou no batente faz tempo. E atento. De olho no nosso time. Quem contratou, quem se machucou, de quem se livrou. Assisti a todos os jogos nesse início de temporada. Sem perder um só lance. Como sou dos que costumam ter paciência nesta época do ano, quando a equipe está retomando o ritmo de jogo, novas peças ainda estão se adaptando e sempre têm muito a melhorar, fiquei a espera do momento certo para voltar a esta conversa com você, caro e raro leitor.

 

Escolhi a dedo o jogo da volta — com todos os riscos que um clássico possa nos oferecer, especialmente se jogado na casa do adversário, que vinha embalado por resultado positivo na Libertadores e muito elogiado pela crônica local. Talvez por isso mesmo eu tenha decido voltar agora. Até aqui, convenhamos, só tínhamos tido partidas sem graça, algumas em campos que sequer mereciam ser palco de futebol. Estava na hora de encarar jogo de gente grande, com estádio cheio, torcida contrária, tensão a cada bola e sabor de decisão.

 

O Grêmio foi muito superior no primeiro tempo e merecia ter saído de campo com vantagem no placar — parecia estar jogando em casa. Se não marcou, ao menos seu futebol envolvente provocou a expulsão de um adversário e isso ajudou no restante da partida, especialmente nos momentos em que demonstramos fragilidade no esquema defensivo, com espaço para o toque de bola e a chegada ao nosso gol.

 

Renato aproveitou-se do banco reforçado que tem nesta temporada para reequilibrar a partida. Colocou Thiago Neves, Pepê e Caio Henrique, retomou o domínio de bola, deu velocidade ao ataque e tirou o ímpeto do adversário.

 

Contou também com a experiência de Diego Souza que voltou a disputar um Gre-nal depois de 13 anos. E voltou a marcar, no Beira Rio, como já havia feito em 2007. Nosso centroavante teve agilidade para fugir do marcador, paciência para entrar livre na área e precisão no cabeceio. “Um gol de malandro”, disse Renato ao fim da partida. O terceiro gol dele em três jogos disputados. No clássico, ainda foi responsável por algumas das principais jogadas de ataque e provocou a expulsão de seu marcador em uma escapada no contra-ataque. Alguém aí se atreve a falar mal dele?

 

Lá atrás foi Vanderlei quem cumpriu seu papel com excelência. Bem posicionado, fez defesas com segurança nos chutes à distância. Corajoso, fez defesas arrojadas quase nos pés do atacante. Com agilidade, espantou o gol de empate após uma cabeceada à queima roupa. Com sua performance no clássico, espero que tenha conquistado a confiança de uma gente chata que já ensaiava críticas ao novo goleiro.

 

Com dois dos principais reforços da temporada fazendo a diferença — e Everton brilhante como sempre —, o Grêmio chega ao sexto Gre-nal seguido sem perder —- recorde que Renato alcança no comando do time, igualando  marca só registrada até hoje por Felipão. 

 

Começamos 2020 fazendo história. E eu não deixaria de estar aqui, nesta Avalanche, de volta, para contá-la.

 

Conte Sua História de São Paulo: a saga e o castelo da família Bonincontro

 

Tania Bonincontro
Ouvinte da CBN

 

 

No começo do século 20, meus bisavós Antonio Bonincontro e Tereza Aiard, que viviam em Napoli, na Itália, vieram de navio para São Paulo. Com eles, desembarcaram dois dos filhos, João e Tereza. Foram morar em um cortiço no Bixiga. Dizem que eram muito, muito apaixonados. Ele alto e loiro. Ela com cabelos castanhos e olhos claros. Tiveram mais seis filhos.

 

Durante a Primeira Guerra Mundial, os dois foram internados, acometidos pela Gripe Espanhola. Antonio e Tereza sofreram muito, não queriam deixar um ao outro, não queriam deixar os filhos. Tereza definhou rapidamente. Antonio viu sua amada ir embora. Ele, ensandecido, desapareceu. Quando os filhos foram ao hospital souberam da morte da mãe e não conseguiram mais notícias do pai. Imaginaram que ele tivesse morrido e sido enterrado como indigente. O filho João, na época com 18 anos, continuo procurando pelo pai por muitos anos.

 

Ele e a irmã, com 16 anos, não tinham condições de cuidarem dos irmãos mais novos. Brasilina, Josefa, Antonio Vicente, Mário, Lourenço e Nicola, pequenos, famintos, pediam pelos pais. João voltou para a Itália para lutar na Guerra e juntar algum dinheiro para sustentar os irmãos, no Brasil. João estava na infantaria e viajou por toda a Itália e outros países da Europa. Escrevia cartas aos irmãos, contava de suas batalhas, que quando estava ferido ao mesmo podia ficar em paz na enfermaria. Contou até que havia passado por um castelo com o sobrenome da família, os Bonincontros.

 

Aqui no Brasil, Tereza nunca se casou, não queria que os irmãos se sentissem abandonados mais uma vez. Conseguiu alimentar a todos. Brasilina se casou e não teve filhos. Vicente virou sapateiro. Nicola, um andarilho, alcoolatra. Seguiu assim, mesmo com a volta de João da Guerra. Os irmãos decidiram interná-lo em um sanatório. Ao fazerem o registro, descobriram que havia outro Bonincontro internado por lá. Era o pai que estava desaparecido por anos. Os filhos, todos adultos, foram até ele que não os reconheceu: “não são os meus filhos, não, os meus morreram de fome”. Antonio Bonincontro morreu pouco tempo depois sem nunca aceitar a ideia de que aqueles eram seus filhos.

 

Eu sou neta de Antonio Vicente, o sapateiro. Que adorava ópera e, sem dinheiro, trocava o ingresso do teatro por aplausos. Ele era puxador de aplausos. Morou na Vila Maria e teve dois filhos. Um deles o meu pai, Ovidio Bonincontro.

 

Tania Bonincontro é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Escreva o seu texto para contesuahistoria@cbn.com.br.

Mundo Corporativo: Luciana Coen, da SAP Brasil, fala de como as empresas podem ajudar na saúde mental dos colaboradores

 

“A única forma de você fazer com que as pessoas se sintam à vontade em mostrar suas próprias fragilidades é se os líderes mostram” — Luciana Coen, SAP Brasil

O painel sobre saúde mental em um evento de negócios foi o mais procurado pelos colaboradores, parceiros e convidados da empresa. E foi este interesse do público que sinalizou à SAP Brasil a necessidade de implantar políticas internas que incentivassem as pessoas a falarem do tema, criarem ações protetivas e buscarem ajuda de profissionais. Depois dessa experiência, em maio do ano passado, a SAP se impôs o desafio de se transformar em uma empresa sem estigma, na qual os funcionários se sintam à vontade para falar sobre problemas de saúde mental.

 

Em entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo da CBN, Luciana Coen, diretora de comunicação e sustentabilidade da SAP Brasil, disse que apesar de os casos de doenças mentais estarem aumentando no mundo inteiro muitos profissionais temem tratar do assunto internamente, devido a tabus e preconceitos. Uma restrição que se vê, inclusive, entre aqueles que ocupam postos de liderança dentro da empresa:

“Eu acho que comunicar e falar já é muito no que diz respeito à saúde mental, porque as pessoas ainda estão num mundo em que a gente tem vergonha de falar; quem faz terapia ainda tem vergonha de falar que faz terapia; não é para todo mundo que você abre e fala: estou saindo daqui para ir para a terapia”

A Organização Mundial da Saúde estima que, globalmente, depressão e transtornos de ansiedade custem à economia US$ 1 trilhão ao ano, devido ao absenteísmo, baixa produtividade e perda de talentos, a medida que algumas pessoas abandonam o trabalho. O problema é ainda maior entre os jovens —- a OMS calcula que 93% dos Milleniuns sofram algum tipo de distúrbio mental, como depressão, ansiedade, crises de pânico e dificuldade para dormir.

 

Algumas das estratégias desenvolvidas internamente na SAP, que podem ser replicadas em outros ambientes corporativos, foi oferecer sessões de Mindfulness —- técnica de atenção plena que passa por treinamentos de meditação — e a criação de canais de comunicação, nos quais os profissionais podem, anonimamente, consultar psicólogos por telefone, seja para séries de sessão ou apenas para tirar alguma dúvida ou angústia momentânea.

 

O Mundo Corporativo pode ser assistido, ao vivo, às quartas-feiras, às 11 horas, no Twitter @CBNoficial e na página da CBN no Facebook. O programa vai ao ar aos sábados, às 8h10, no Jornal da CBN, e domingos, às 10 da noite, em horário alternativo. Colaboraram com o Mundo Corporativo: Gabriela Varella, Arthur Ferreira, Rafael Furugen, Izabela Ares e Débora Gonçalves.

Cai índice de civilidade na internet e aumenta risco de abuso sexual infantil

 

 

internet-3589685_960_720

 

Nesta semana, lembramos o Dia Mundial da Internet Segura (11/02), um momento de alerta para todos nós e, em especial, para pais e filhos. A organização “End Violence Against Children” calcula que mais de 200 mil crianças estejam online todos os dias e 800 milhões usem ativamente as mídias sociais. Com suas vidas moldadas pelas telas, da mesma forma que se formam, aprendem, criam relações e conexões, são expostas a situações perturbadoras de ameaça. Nada que não existisse anteriormente, mas tudo ganhando um potencial de destruição ainda maior com a velocidade e o acesso à internet.

 

Para entender o nível de civilidade digital, a Microsoft ouviu adolescentes e adultos em 25 países, em pesquisas que vem sendo realizada, anualmente, desde 2016. Queria saber quais os riscos online tinham vivenciado, quando e com que frequência tais riscos ocorreram, e quais consequências e ações foram tomadas. Mediu ainda a exposição dos entrevistados a 21 riscos em quatro áreas: comportamental, reputacional, sexual e pessoal/intrusiva. Com o conjunto dos dados, desenvolveu o Índice de Cidadania Digital.

 

E lá vai uma má notícia para você: nunca se identificou tanta falta de civilidade (ou cidadania) como agora. A exposição a riscos online aumentou, principalmente em áreas como contato indesejado, farsas/fraudes/golpes, sexting indesejado, tratamento maldoso e trollagens.

 

Mais de um terço dos entrevistados disseram que a aparência física e a política são motivos para agressões. Em seguida aparecem orientação sexual, religião e raça. E as redes sociais são o terreno preferido para os ataques, disseram 66% das pessoas.

 

Em um índice em que quanto mais próximo de 100% maior é a falta de civilidade das pessoas, o Brasil chegou a 72%, número superior a média global e com dois pontos percentuais acima do registrado na pesquisa anterior. Sem nenhum motivo para comemorar estamos em 15º lugar lugar entre os 25 países pesquisados. O Reino Unido, com todas as divisões provocadas pelo Brexit e mesmo tendo piorado seu desempenho em relação as pesquisas anteriores, ainda é o líder no ranking de civilidade digital.

 

Em um cenário como esse, as crianças ficam ainda mais fragilizadas. Sofrem cyberbulling, são assediadas por adultos que se escondem em falsos perfis, têm suas imagens exploradas e abusos sexuais são compartilhados. O número de relatos de fotos e imagens abusivas circulando na internet cresceu quase dez vezes em três anos —- de 1,1 milhão em 2014 passou para 10,2 milhões, em 2017 —, e quase dobrou em 2018, chegando a 18,4 milhões, segundo registros do Centro Nacional de Crianças Desaparecidas e Exploradas, que está baseado nos Estados Unidos.

 

Online sexual exploitation and abuse for twitter

 

Os pais têm papel fundamental na disseminação de informações, orientação e proteção de seus filhos, a começar por retardar o início do acesso deles a internet, em especial ao celular. O uso de filtros que impeçam a exposição nas redes e sites de conteúdo impróprio assim como conversas constantes com alertas aos riscos que se submetem ao navegar na web são formas de prevenir e combater a exploração e abuso sexual infantil online.

 

Da mesma maneira, empresas, organizações e governos têm de investir em tecnologia que identifique a circulação de conteúdo abusivo, ajudar no resgate de crianças que são exploradas e oferecer apoio psicológico para que possam crescer em segurança. Um dos projetos mais significativos neste sentido é o desenvolvido pelo Thorn, grupo de trabalho que com o uso de recursos tecnológicos colabora na investigação de material com abuso sexual infantil, que circula na dark web, e em um ano identificou mais de 800 crianças como vítimas e 450 autores, em 37 países.

 

De volta a pesquisa publicada pela Microsoft, reproduzo quatro posturas que devemos adotar na internet para melhorar o índice de civilidade digital:

 

  1. Viva a Regra de Ouro agindo com empatia, compaixão e bondade em todas as interações, e trate todos com quem você se conecta online com dignidade e respeito.

  2. Respeite as diferenças, honre perspectivas diversas e quando as discordâncias surgirem, envolvam-se cuidadosamente e evitem xingamentos e ataques pessoais.

  3. Reflita antes de responder a coisas que você discorda, e não poste ou envie algo que possa machucar outra pessoa, danificar uma reputação ou ameaçar a segurança de alguém.

  4. Defenda você mesmo e os outros apoiando aqueles que são alvos de abuso ou crueldade, relatando atividades agressivas e guardando evidências de comportamento inadequado ou inseguro.

Soluções de sustentabilidade que devem servir de inspiração ao varejo no Brasil

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

kindle-1867751_960_720

Compra online tem sido opção sustentável para o consumidor (Foto: Pixabay)

 

A sustentabilidade, convenhamos, ainda não é um tema majoritário em termos de mercado. Embora nas áreas política e econômica seja tema obrigatório, a ponto da reunião do Fórum Econômico de Davos ter sido centrada na discussão sobre o meio ambiente. Por isso, para as corporações que atuam em contato com o mercado e são inovadoras, é conveniente prestar atenção em seus desdobramentos.

 

Foi o que se identificou na NRF 2020, em Nova York, que como se sabe é um significativo evento do varejo. Várias marcas de diversos segmentos testemunharam o sucesso de sistemas de comercialização, que objetivando melhorias e acessibilidade aos consumidores tem trazido resultados excepcionais — para os clientes, para a empresa e para o meio ambiente.

 

Em recentes abordagens, tivemos a oportunidade de relatar o papel da sustentabilidade em geral e particularmente no evento de Nova York. Vamos agora especificar alguns casos que podem servir de inspiração para o mercado brasileiro.

 

downloads-70

thredUP é a maior vendedora online de produtos usados do mundo (Foto: @emilywonderee)

 

Exemplo, a “thredUP” ilustra a aceitação do modelo dos antigos brechós, mas é absolutamente contemporânea, pois atende aos requisitos da sustentabilidade dentro do mercado do vestuário, onde 33% dos produtos novos são descartados no primeiro ano de uso. Um mercado de 2,4 trilhões de dólares, que ocupa 70 milhões de pessoas, e leva ao lixo 500 bilhões de dólares.

 

A “thredUP” é o maior vendedor online de produtos usados do mundo, inserindo 15 mil novos artigos de moda feminina e infantil diariamente. Os descontos podem chegar a 90% sobre o preço original. E estamos falando de marcas como Armani, Chanel, Gap, The Limited, Guess, Calvin Klein, Ann Taylor, Marc Jacobs, Banana Republic, etc.

A “Rent the Runway” começou com aluguel de vestidos de festa e hoje atende as seguintes ocasiões: casamento, noivado, gala, dia dos namorados, noite, trabalho, fim de semana, e férias. Com toda a linha de produtos de moda, inclusive uma específica de produtos sustentáveis, utiliza 400 estilistas para a criação. Tem três sistemas de pagamento: por US$ 30, loca uma peça; por US$ 69, quatro peças com troca mensal; e US$ 80, quatro peças com troca a qualquer momento, sem custo de frete. Possui 100 mil clientes. Recentemente, de acordo com a informação de Jennifer Hyman, CEO, foi fechado acordo com o W Hotel para que o hóspede ao fazer reserva possa utilizar a locação de roupas, que estarão no closet quando chegar, por US$69 o look com quatro peças.

A parceria entre diferentes operações foi evidenciada no evento, como uma ação de sucesso. A “Kohl’s”, loja que está a pelo menos 20km da maioria das casas dos americanos tem acordado com a Amazon para o serviço de entregas, efetivando uma sinergia entre as duas empresas, e aumentando o fluxo nas suas lojas. Michelle Gass, CEO, entende que estamos em uma época em que você tem que pensar de maneira diferente: “as regras mudaram, mas quais são as regras?” Daí a parceria com a Amazon vai sinalizar uma cultura amigável para a sua organização — que tem 1.200 lojas e produtos de moda, joalheria e artigos para o lar –, além da melhoria do resultado.

 

650fcd05-c698-47a7-a0ed-f42751bf40ef

Produtos oferecidos no site da Rebag (foto: divulgação)

 

O consumidor que busca artigos de luxo e novidades no setor de bolsas e acessórios encontra na “Rebag” uma possibilidade. O sistema consiste em permitir após a primeira compra, decorrido seis meses, efetuar a compra seguinte com um crédito de 70% do valor da compra anterior. Os produtos estão em impecável aparência e abrangem uma extensa relação de marcas de luxo. A saber: Hermès, Burberry, Prada, Louis Vuitton, Christian Dior, Louboutin, Gucci, Marc Jacobs, Givenchy, Fendi, Chanel, Bottega Veneta, etc.

A “IKEA”, indústria e comércio de móveis, é um dos casos mais completos de foco na sustentabilidade. A marca que está oferecendo locação de móveis por assinatura e obtendo bons resultados, tem a preocupação ambiental em todas as etapas e em todos os segmentos em que atua. Como a inovação das lojas “pocket” na cidade de New York, apresentando seus produtos em pequenos locais específicos, onde podem ser adquiridos.

Enfim, enquanto aguardamos a nova geração aumentar a sua presença no mercado consumidor, torcemos para que se acelere o processo de amadurecimento da população, que ainda se mantem indiferente à sustentabilidade.

 

Quem sabe as recentes chuvas que castigaram várias cidades brasileiras e inundaram São Paulo, nesta segunda-feira, não consigam transmitir a noção de que impermeabilizar cidades não é sustentável, e o que não é sustentável não vale a pena?

 

Carlos Magno Gibrail é consultor, autor do livro “Arquitetura do Varejo”, mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung.

Sua Marca: as lições que se aprende com a longevidade do Calendário da Pirelli

 

“Algumas marcas sabem fazer isso brilhantemente, como preservar ao longo do tempo certos traços e certos ícones da sua identidade primária, que você mantém renovando a aparência” —- Jaime Troiano

O antigo também pode ser novo, a depender de como se apresenta. É o que se constata ao analisarmos o sucesso que é, até os dias de hoje, o“Calendário da Pirelli”, que surgiu há 56 anos, está em sua 47ª edição e têm demonstrado uma incrível vitalidade. Para Jaime Troiano e Cecília Russo, comentaristas do Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, o calendário segue sendo um ícone da fabricante de pneus porque compreendeu as mudanças de comportamento e se adaptou às oportunidades oferecidas pela tecnologia.

 

O Calendário da Pirelli surgiu como folhinha de borracharia — lugar tipicamente frequentado por homens, no passado —- e se consagrou por estampar imagens de mulheres com corpos exuberantes a cada mês. A contratação de profissionais da fotografia com reconhecimento internacional e a qualidade do material produzido fizeram dessa peça publicitária um objeto de desejo e até de colecionadores.

 

Atenta às transformações de comportamento da sociedade moderna, a Pirelli não apenas passou a explorar ferramentas tecnológicas —- com o calendário ganhando um site exclusivo—- como também reviu o conteúdo produzido.

 

No ano passado, já havia levantado o tema da insatisfação no ambiente de trabalho. Agora, em 2020, as mulheres seguem sendo destaque, e foram convidadas a representar uma das personagens mais emblemáticas de Shakespeare, com a série “Procurando por Julieta”. O fotógrafo italiano Paolo Roversi entrevistou as atrizes convidadas —- entre elas Emma Watson e Yara Shahidi —- para que elas construíssem leituras próprias de Julieta.

 

Ou seja, o calendário em lugar de explorar a imagem da mulher passou a dar espaço para que ela se expressasse. Não tivesse feito essa releitura, muito provavelmente teria perdido sua relevância e respeito no cenário artístico e no imaginário do público.

 

“É um trabalho belíssimo de marca, de preservação de um patrimônio de marca contando uma historia renovada” —- Cecília Russo

A longevidade do Calendário da Pirelli ensina que algumas ideias podem ser atemporais e mesmo que tenham surgido há tanto tempo — mais de 50 anos neste caso — podem ser inovadoras. A sugestão é que o gestor pense em ideias fortes que já são praticadas pela marca e as traga de volta, revisitadas para o presente.

 

O Sua Marca Vai Ser Um Sucesso vai ao ar, aos sábados, às 7h55 da manhã, com apresentação de Mílton Jung e comentários de Jaime Troiano e Cecília Russo. O e-mail do programa é marcasdesucesso@cbn.com.br