Conte Sua História de São Paulo – 464 anos: os passeios de cavalo em Pinheiros

 

Por Eduardo Coelho Pinto de Almeida
Ouvinte da rádio CBN

 

 

Sempre gostei de cavalos. Não sei o por quê? Nasci na cidade, fui criado na cidade, meus pais naturais de Campinas, ela farmacêutica, ele dentista, nada ligados ao campo, mas eu nasci ligado aos cavalos.

 

Quando tinha por volta de 10 a12 anos, morávamos na Rua Simão Álvares, próximo a Teodoro Sampaio. Entre as ruas Mourato Coelho e Pedroso de Morais, e Teodoro Sampaio e Arthur de Azevedo, funcionava a Hípica Paulista, que havia se mudado há pouco tempo para o local onde está até hoje, na Rua Quintana, no Brooklin Paulista. Ocupando uma das cocheiras da antiga Hípica, na rua Mourato Coelho, instalou-se a Escola de Equitação São Paulo, pertencente a um dos maiores cavaleiros que o Brasil já conheceu, o Prof. Jorge Furtado Coelho, ex-oficial da cavalaria em Portugal. O professor Furtado era casado com uma senhora bastante pesada, que montava todos os dias: Dona Amália.

 

Eu estudava pela manhã no Grupo Escolar Godofredo Furtado e, à tarde, depois de fazer os deveres escolares, ia para a beira da cerca da escola e ficava namorando os cavalos que passavam montados por elegantes ginetes, a maioria pertencente à fina sociedade. Lembro-me de um rapaz de sobrenome Fazzanelo cuja família era proprietária de uma rede de casas lotéricas que também chamávamos de “chalé do jogo do bicho”; e me lembro de outro jovem que mais tarde apareceu muito como político, José Bonifácio Coutinho Nogueira.

 

Nessa época, comecei a trabalhar como office Boy no consultório de meu pai e recebia uma semanada pelo trabalho. Quando recebi a paga pela primeira semana, vi, cheio de alegria, que era exatamente o que cobravam por uma hora de cavalo na escola de equitação. Eu não conseguia imaginar melhor aplicação para o meu dinheiro. Procurei o Senhor Carlos, um senhor de origem alemã que era o gerente, e contei a ele que havia ganhado aquele dinheiro pelo meu trabalho e queria aplicá-lo no passeio a cavalo. Ele foi e contou a história para Dona Amália que respondeu: O quê? Vai receber o salário de uma semana de um menino?! Não, dê o Douradinho para ele andar. Não cobre nada!

 

Desse dia em diante, eles já sabiam o que queria dizer aquele meu olhar comprido e me davam o Douradinho para andar. Quando fiquei sabendo montar um pouco, comecei a ser útil também. Cavalos de boa raça, não podem ficar dentro da cocheira a semana toda, sem trabalho, pois no final de semana quando seus donos fossem montá-los estariam muito inquietos e até mesmo bravos. Precisavam trabalhar e aí juntou-se o útil ao agradável: davam-me dois ou três cavalos todos os dias para montar.

 

Muitos anos mais tarde – eu tinha um avião Cesna Skylane angarado no Campo de Marte – quando pousei, guardei o avião e fui tomar um café no bar do Aeroclube de São Paulo. Ao entrar, avistei em uma mesa o Professor Furtado e a Dona Amália. Me dirigi a eles e perguntei: Professor Furtado, Dona. Amália, posso me sentar? Quero lhes contar uma coisa! Eles me indagaram: quem é o senhor? E eu lhes respondi: os senhores não vão se lembrar, mas quero lhes agradecer porque fizeram com que eu tivesse uma infância muito feliz, aqui em São Paulo.

 

Eduardo Coelho Pinto de Almeida é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Vamos comemorar juntos mais um aniversário da nossa cidade: escreva seu texto para milton@cbn.com.br.

Conte Sua História de São Paulo – 464 anos: uma lembrança que não é minha

 

 

 
Por Anna Frank
Ouvinte da Rádio CBN

 

 

 

 

 

 

Entre 1970 e 1973, estudei no Ginásio Estadual de Vila Nova Friburgo, próximo do bairro de Interlagos. Foi nesse período que conheci uma amiga que estudou comigo os quatro anos. Ela morava no bairro de Veleiros, que ficava próximo da escola. Tinha um pai muito bravo e de pouco diálogo com os filhos. Nas disputas, sempre prevalecia a vontade dele. Lembro que minha amiga tinha muito medo do pai.

 

 

Naquela época, as crianças podiam voltar à pé da escola para casa e nós duas, sempre juntas, caminhávamos falando de nossos sonhos e pensando em nosso futuro, casamento, filhos … Nós adorávamos ouvir Renato e Seus Blues Caps, que era o máximo do rock brasileiro. Também gostávamos de um doce puxa-puxa, um tipo de melado que toda garotada comia. Havia o guaraná caçulinha, o bolo Pulman – que delícia! Inesquecível!

 

 

Ah, tinha a Jovem Guarda com suas guitarras e músicas barulhentas. Era moda usar calça boca de sino e blusa de seda com babado. Além da mini-saia, que minha amiga guardava na minha casa para vestir depois da escola sem que o pai dela soubesse.

 

 

Minha amiga gostava muito da mãe dela, que parecia uma pessoa muito doce e meiga, carinhosa com os filhos. Sempre tinha um sorriso e um beijo guardado no coração.

 

 

thumbnail_blusa

 

Como nem tudo na vida é sonho, a mãe dela morreu de repente e a vida dessa amiga passou a ser um inferno. Além de sofrer a perda da mãe, tinha de suportar a tirania do pai. Sequer a morte da mãe podia chorar. O pai, numa atitude de desespero, trancou o quarto da mãe, proibindo para sempre que ela pudesse entrar lá. Com medo de perder todas as lembranças, essa amiga me incumbiu de guardar uma blusa que era da mãe dela. Disse que a pegaria mais tarde, quando as coisas estivessem mais calmas.

 

 

Nós estávamos no último ano do ginásio quando aconteceu essa tragédia. Eu fui para o Colégio Oswaldo Aranha fazer o colegial e perdi o contato com ela. Agora, após 30 anos, eu gostaria muito de poder devolver esse tesouro a essa amiga de infância, que guardo até hoje em memória de sua querida mãe.

 

 

Desculpe-me a falha de memória, mas infelizmente não lembro mais seu nome e também não sei se ela ainda lembra dessa triste história. Mas não gostaria de fazer minha transmutação sem cumprir esta missão tão importante que ela deixou em minha
vida.

 

 

Anna Frank é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Venha comemorar mais os 464 anos da nossa cidade: escreva seu texto para milton@cbn.com.br.

Conte Sua História de São Paulo – 464 anos: minhas pescarias no rio Tietê

 

Nesta semana e até o dia 25 de janeiro, o Conte Sua História de São Paulo vai ao ar em versão especial para homenagear os 464 anos da capital paulista. Os textos enviados pelos ouvintes da rádio CBN serão selecionados e publicados no Jornal da CBN, às 8h15 da manhã:

 

Por Frederico Viebig

 

 

Aos 12 anos, voando no tempo em 1960, sócio do memorável Clube de Regatas Tietê, encantavam-me os esportes do clube, como natação, basquete e até o tênis de Maria Ester Bueno. Um, no entanto, era especial: o remo. E por um motivo curioso!

 

Morávamos perto da Praça da República, eu e meu irmão Ricardo – mais novo dois anos. De lá tomávamos o ônibus azul que se dirigia ao Imirim, Zona Norte de São Paulo. Sozinhos, sem adultos para tomar conta, em completa segurança, íamos até o ponto de ônibus em frente ao clube. Como crianças, não pagávamos. Levávamos a carteirinha de sócio do Tietê, além de pequenas varas de bambu, anzóis e latinha para iscas.

 

Eu, como mais velho, me dirigia ao departamento de remo e pedia um par de remos para “treinamento” nas bordas do pequeno píer de madeira que havia nas margens do Rio Tietê, à jusante da Ponte Pequena.

 

Como bom aventureiro, tomava um pequeno barco de madeira e saía remando rio acima até encontrar meu irmão que ficava no barranco me esperando para embarcá-lo. Ricardo, meu irmão, tinha a obrigação de cavoucar os barrancos do rio para encher nossas latinas com minhocas que serviam de iscas para nossa pescaria.

 

Sim, porque todo este trabalho era para orgulhosamente pescarmos no Tietê!

 

Remando o barquinho, passávamos pela ponte fugindo de um rodamoinho que havia bem embaixo dela. Com muito esforço e destreza desviávamos e subíamos rio acima até as lagoas da “Portuguesa”. Hoje já não existem. O rio foi retificado, as lagoas assoreadas, e se transformaram em casas e no “belo” estádio da Portuguesa de Desportos.

 

Eram aventuras feitas às escondidas. Ninguém sabia! Nem meus pais. Nem o motorista do ônibus. Nem os funcionários do clube. Era segredo entre meu irmão e eu, que só agora revelo.

 

Se não tínhamos aulas na escola tínhamos nossa pescaria secreta. Fizemos várias incursões deste tipo e devo confessar que nunca conseguimos fisgar um mísero peixinho, mas o sabor da aventura e independência era impagável. Dois homenzinhos, donos do mundo!

 

Frederico Viebig é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Venha participar dos 464 anos da nossa cidade. Envie sua história para milton@cbn.com.br.

Conte Sua História de São Paulo: um passeio no futuro da minha cidade

 

Por Marcos Ferreira

 

 

 

No Conte Sua História de São Paulo, o ouvinte-internauta Marcos Ferreira comemora os 464 anos da nossa cidade, exercitando sua imaginação. Ele apresenta a capital paulista ao seu neto, no ano de 2047:

 

Como me faz bem chegar a São Paulo! Amo esta cidade onde trabalhei por mais de 50 anos… Segue sendo a grande força deste país, e sempre me surpreende pela capacidade de transformação.

 

Peguei o trem em Campinas, não aquele trem bala que foi sonhado por décadas, mas um trem rápido, moderno e eficiente, cujos trilhos seguem paralelos a Rodovia dos Bandeirantes até chegar na grande Estação Bandeirantes, construída no fim da rodovia às margens do Tietê.

 

Meu neto quer saber onde vamos. Disse que encontraria uma grande amiga.Mal sabe ele que essa amiga é a nossa cidade.

 

São Paulo já não é mais cinza, está mais verde, mais jovem, mais bonita e, incrivelmente, mais silenciosa. Imensos edifícios envidraçados espelham o céu azul e o verde das árvores. Do alto da estação enxergamos o Rio Tietê e seus barcos. Ninguém acreditava, mas o Tietê está cada dia mais limpo e navegável. Foram algumas eclusas aqui e ali, mais de uma dúzia de estações de tratamento, e os barcos apareceram espontaneamente, como pequenos brinquedos a se multiplicaram. Ficou turístico. Em duas décadas o rio morto, mudou de cor… Até no Tamanduatei os peixes estão voltando…

 

Passamos para o monotrilho, vamos na direção de Congonhas, gosto dessa linha, é elevada, dá para ver a paisagem… A Marginal Pinheiros é um grande cinturão verde, de cima mal vemos os veículos que circulam.  No geral, grandes coletivos ou veículos de carga… Todos elétricos, todos fluindo sem congestionamento, sem buzina, e raros acidentes… Agora as motos elétricas e as bicicletas compartilham vias próprias, não se misturam com os grandes veículos…

 

Trocamos o monotrilho aéreo para o coletivo sobre trilhos de solo, e seguimos pela Avenida 23 de Maio. Meu neto reclama que escolhi a linha com mais paradas: a expressa seria mais rápida. Mas quem está com pressa?

 

Os prédios cresceram, são altos. A população aumentou. Como os veículos são autônomos, as pessoas estão livres para ler, conversar e trabalhar.

 

Meu neto está entediado com o percurso que ele acha lento. Não sabe o que eram milhares de carros com motores a combustão parados num congestionamento no horário de rush. Os tempos de rodízios, de garagens, de zona azul, de radares se foram… São Paulo ganhou mobilidade. Os pedestres recuperaram seus espaços. O progresso flui por toda São Paulo do século 21.

 

No centro, descemos no Viaduto Santa Efigênia. Quero almoçar num dos pequenos restaurantes com mesas na calçada que funcionam dia e noite.

 

O centro opera 24 horas, e fervilha de turistas… Gosto de ver o movimento, ver os grupos de turistas ouvindo os guias repetirem as mesmas histórias que já conheço de cor, uma história que se iniciou em 1554.

 

Marcos Ferreira é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é de Cláudio Antonio. Comemora com a gente os 464 anos da nossa cidade. Escreva a sua história para milton@cbn.com.br.

Conte a sua história de São Paulo

 

 

32516894825_41e953398c_z

  

 

Escrevi sobre escrever cartas, recentemente. O texto está logo aí embaixo no Blog e me rendeu boa conversa com os ouvintes no Jornal. E o foco era escrever cartas à mão, tema que também inspirou reportagem em O Estadão nesse primeiro do ano na qual soube que há pessoas caprichando na letra para fazer arte em diversos espaços. Volto ao assunto para convidar você a escrever, não necessariamente uma carta, mas uma história.

  

 

O mês de Janeiro é marcado pelo aniversário da cidade de São Paulo e, desde 2006, tenho tido oportunidade de comemorar a data lendo histórias contadas pelos ouvintes da CBN. Foi quando criamos o quadro Conte Sua História de São Paulo, que nasceu diário, virou livro e se transformou em semanal. Hoje, vai ao ar aos sábados, logo após às 10 e meia da manhã, no programa CBN SP.

  

 

As experiências vivenciadas na capital paulista são as mais variadas, começam na maternidade, vão parar dentro da casa dos seus autores, seguem passeando pela infância e adolescência, se encaminham para a vida adulta, o trabalho, os amores, os temores … Tem histórias reais e ficcionais. Que chegam não por carta mas por e-mail e são armazenadas de forma carinhosa a espera de um espaço para serem compartilhadas com os ouvintes.

  

 

Quando vão ao ar, são resultado da emoção de quem protagonizou as cenas descritas, da interpretação de quem tenta se projetar naquele momento – e este é o meu maior desafio – e da sonorização que está sob responsabilidade do colega Cláudio Antonio. Ele é mágico ao dar vida sonora ao texto escrito. E você pode testemunhar o que digo visitando os arquivos que estão disponíveis aqui no Blog.

  

 

Como ocorre tradicionalmente – algo que se iniciou há 12 anos e se mantém no ar pode ser considerado tradição, certo? -, em Janeiro o programa ganha versão especial. Neste ano, a partir do dia 15, segunda-feira, até a data do aniversário, 25, vamos levar ao ar o “Conte Sua História de São Paulo – 464 anos”, todos os dias, dentro do Jornal da CBN. E para isso, convido você, caro e raro leitor, a escrever a sua história vivida em São Paulo.

  

 

Os textos devem ser enviados ao e-mail milton@cbn.com.br. E a medida que forem selecionados, o autor será avisado antecipadamente para curtir sua história no ar, na CBN. Aquelas histórias que não forem ao ar, nesta edição especial, podem ser escolhidas para ilustrar o quadro ao longo do ano. Portanto, aproveite o momento, exercite a memória, lembre-se de situações emocionantes, interessantes, cotidianas, divertidas … e coloque no papel. Perdão, é a força do hábito.
 

 

 
Vamos juntos contar a história de São Paulo!

Conte Sua História de São Paulo: o orgulho de entregar cartas com o quepe e o uniforme dos Correios

 

Por Paulo Queiroz Neto
Ouvinte-internauta da rádio CBN

 

 

Nasci em uma vila na Avenida Celso Garcia, bem próximo da esquina com a Avenida Antônio de Barros, na zona Leste. Era uma noite de setembro de 1942. O mundo estava em plena guerra e São Paulo estava no escuro. Era um blecaute de guerra, daqueles muitos simulados que ocorriam. Talvez por isso, sempre gostei e valorizei as luzes das noites de São Paulo.

 

Em pleno racionamento de petróleo, os veículos circulavam com gasogênio da queima de carvão, mas a economia retomava o crescimento, uma daquelas idas e vindas econômicas brasileira. Eu também crescia e com 15 anos, comecei a trabalhar entregando mensagens como funcionário dos Correios, saía do centro , dentro do garboso uniforme e com o respeitável quepe com o símbolo da República, do Ministério da Viação e Obras Públicas. Me sentia tão grande quanto São Paulo.

 

Usava os bondes para percorrer os diversos bairros da nossa cidade, que aos poucos conhecia como o quintal da minha vila. Mas era o Penha-Lapa da CMTC (208) o meu caminho da Roça e o Anhangabaú, meu destino principal. Meu coração sempre pulsa mais forte quando chego naquele lugar

 

Foi no Estadual da Penha (E.E. Nossa Senhora da Penha) que conheci minha cara metade; alunos regular daquele amado colégio, logo constituímos família e nos casamos na Igreja da Penha, em 1962.

 

Para suportar as novas necessidades, consegui um segundo trabalho, na administração e cobrança do nosso glorioso Sport Club Corinthians Paulista. Foi um tempo maravilhoso, meus sonhos cresciam verticalmente, como crescia a nossa São Paulo.

 

Nasceram meus dois filhos, e terminavam os anos de 1960. Começava a galgar cargos dentro dos Correios.  Naquela época, dizíamos entre os colegas que tínhamos contraído “ECTITE”, uma paixão pelo trabalho nos Correios. Até hoje não sarei.

 

São Paulo se transformava. Já nos anos 1970, nascia o Elevado Costa e Silva, o Minhocão e vimos uma década de transformações na paisagem, culminando, para nós, com a mudança da sede de nossos Correios do charmoso Palácio dos Correios, no Anhangabaú, para o avançado e tecnológico prédio na Vila Leopoldina.

 

Hoje, aposentado, perdi uma vista por causa de um câncer de pele, não tinha o costume de usar protetor solar nas andanças pela cidade; mas com um olho bom, ainda sinto alegria em olhar pela varanda do meu apartamento as luzes da amada São Paulo, com uma janela voltada para a querida zona Leste.

 

Paulo Queiroz Filho é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Conte você também mais um capitulo da nossa cidade: envie seu texto para milton@cbn.com.br.

Conte Sua História de São Paulo: a boneca de Natal que mamãe nos deu de presente

 


Por Edithe Martha Peukert
Ouvinte-internauta da rádio CBN

 

 

Em 1927, minha mãe Melida, com 14 anos, veio com a família dela da cidade de Lodz, na Polônia, a bordo do navio Belle Isle. Desceram em Santos e vieram para capital. Meu avô tinha a carta do filho mais velho, Edmundo, que havia chegado há algum tempo. O endereço na carta era do jornal Alemão, na Liberto Badaró. Como era domingo, chegaram lá e encontraram tudo fechado. Meu avô e minha avó conversavam em alemão sem saber o que fazer quando um homem, que também falava alemão, parou, perguntou o que acontecia e disse que os ajudaria : levaria todos para uma casa, no bairro do Cambuci, e depois sairia para descobrir onde encontrar Edmundo, o filho do meu avô que trabalhava em um restaurante da cidade.

 

Incrível, mas após alguma andança pela cidade, encontraram Edmundo. Lógico que todos ficaram muito felizes. Meu tio arrumou um emprego de babá para a minha mãe, na avenida Paulista, e para minha tia, na Alameda Casa Branca, de onde só podiam sair duas vezes por semana.

 

Meu avô, minha avó e meu outro tio, Paulo, foram para Cananéia tentar a vida. Acabaram todos voltando para a capital, onde meu avô comprou um terreno na Vicente Leporace, antiga rua Santa Rita, no Campo Belo. O quartinho de tijolo assentado em barro que construíram, conta minha mãe, tinham paredes que balançavam com o vento. Meus avós rezavam e seguravam as paredes para não caírem. Naquela época o bairro pertencia a Santo Amaro que era um município independente e depois foi anexado a Capital que praticamente terminava na Vila Mariana. E o terreno do meu avó, pela distância, era considerado fim do mundo.

 

Minha mãe se casou, em 1939 com meu pai Alfred Uebele.

 

Meu pai era lustrador de móveis finos e trabalhou na Fábrica de Móveis Foltas, na Oscar Freire, que depois mudou para o bairro do Morumbi. Ao se aposentar continuou trabalhando para um vizinho que também tinha uma pequena fábrica de móveis.

 

Minha mãe trabalhou como costureira na Rua Prates, próximo a Praça da Luz, até a gravidez da minha irmã. Quando éramos pequenos trabalhou em casa como costureira, costurando 36 camisas sociais para homens, por dia, em uma máquina Singer que ela comprou em prestações quando tinha 18 anos. Depois trabalhou com grampos de cabelo, costurando blusas de lã, sempre ajudando meu pai que lhe entregava todo o dinheiro, pois ele sempre dizia que ela sabia como administrá-lo bem.

 

Hoje tenho ótimas lembranças da vida que passamos juntos.

 

Os Natais foram inesquecíveis, sempre com árvores em cipreste natural, mais ou menos dois metros e meio de altura, cheia de bolinhas de cristal coloridas, que na época eram importadas da Alemanha. Tinham velinhas acesas. Tudo muito lindo e festivo. Não havia presentes caros e todos eram recebidos com muita alegria.

 

Houve uma época que eu e minha irmã pedimos uma “noiva”, um tipo de boneca, mas eles não tinham como comprar. Então, minha mãe, pegou as nossa bonecas de pano com cabeça de bebê de “biscuit” e as escondeu. Quando perguntávamos onde estavam nossas bonecas, ela respondia que a culpa era nossa, pois não sabíamos guardar nossos brinquedos: “não sabem onde colocam suas bonecas, depois ficam aí procurando, perdidas!”.

 

Naquele Natal, para nossa surpresa, veio o Papai Noel e ganhamos as nossas bonecas noivas. Minha mãe que era uma ótima costureira fez vestidos lindos para as nossas bonecas, aquelas com cabeça de bebê que ela havia escondido.

 

Ainda éramos crianças, quando meu tio Paulo deu de presente uma só bicicleta para mim e para minha irmã. Não tinha dinheiro para duas bicicletas. Aí decidimos: uma anda de manhã, a outra de tarde. Até minha mãe pedalou naquela bicicleta.

 

Meus pais sempre gostaram de viver no Brasil e em especial em São Paulo, sempre disseram que esta terra é abençoada. Se fizéssemos alguma crítica, eles lembravam a dificuldade que passaram durante e depois da 1ª guerra na Europa. Nunca falaram em voltar para a Polônia.

 


Edithe Martha Peukert é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é de Cláudio Antonio. Conte mais uma capítulo da nossa cidade, escreva para milton@cbn.com.br.

Conte Sua História de São Paulo: a “Cinderela” da Vila Madalena

 

Por Samuel de Leonardo

 

 

Um dos primeiros empregos da minha vida foi numa loja de calçados na Rua Teodoro Sampaio dentro da Galeria Cidade de Pinheiros. Era apenas um menino, adolescente ainda. Além de eventualmente bancar o vendedor, fazia de tudo um pouco, serviços de banco, cobranças, entregas. Lembro-me de ter atendido um casal de cliente o qual deduzira ser namorado ou noivo, tal era a forma de carinhos trocados durante todo o tempo que permaneceram na loja:

 

“Querido daqui, benzinho e amor dali”.

 

Uma melação que só vendo. O apaixonado presenteou a moça com três pares de calçados, cada um mais caro que o outro. Como de praxe, solicitei os dados para cadastro de cliente que prontamente foi preenchido. O homem pagou a despesa à vista, sem pechinchar. Venda normal e corriqueira, sem maiores detalhes, não fosse o fato de que no dia seguinte a bela mulher voltou sozinha para devolver um dos pares para a troca, pois apresentava um pequeno defeito.

 

Como não tinha nem a numeração nem o modelo em estoque combinamos que ela retornasse em dois dias que a troca seria efetuada. Passaram-se semanas e não apareceu ninguém para retirar o calçado. Como manda o bom senso, busquei os dados na ficha cadastral do cliente para comunicar a substituição. Na ficha constava somente o nome e o endereço, não tinha o número do telefone. No mesmo dia segui em direção ao local mencionado para entregar a encomenda, lá pelos lados da Vila Madalena.

 

Com os calçados em mãos, sentia-me como o príncipe consorte em busca da Cinderela. Após longa caminhada encontrei a rua e o número da residência, um local agradável, casa padrão classe média, muros com pintura nova, portões automáticos.

 

Acionei o interfone:

 

– Bom dia, é aqui que mora o Senhor Paulo? Trouxe os sapatos que a mulher dele pediu para trocar.

 

Fui atendido por uma jovem senhora que abriu o portão, uma aparência meio que escangalhada que pensara ser a empregada, tava mais para Gata Borralheira do que para uma princesa.

 

– Ele é o seu patrão?

 

De forma ríspida ela responde:

 

-Patrão coisa nenhuma, sou a esposa dele.

 

Sem saber mais o que falar permaneci em silêncio por alguns instantes. Percebi o constrangimento que causara àquela mulher. Respirei fundo e tentando consertar a situação soltei:

 

– Acho que errei o endereço, peço-lhe desculpas.

 

Antes que pudesse desvencilhar-me daquela situação, ela bruscamente tomou o pacote das minhas mãos:

 

– Deixe-me ver esses calçados – abriu o embrulho, arrancou suas sandálias e tentou calçá-los, mas não lhes serviram, ficaram pequenos.

 

Ironicamente ela me diz:

 

– Olhe aqui garoto, vou ficar com eles para mostrar ao meu marido.

 

Sem ao menos pedir licença e sem cerimônias, ela fecha o portão na minha cara. Poucos dias depois ela apareceu na loja muito bem vestida e com os sapatos na sacola. Sem muita conversa pediu para trocá-los por uma numeração maior. Experimentou-os, pegou o pacote e foi embora sem nada dizer. Ainda hoje pergunto a mim mesmo, teria sido um conto de fadas ou do vigário. Seria mesmo ela a esposa do cliente ou a empregada aplicando um golpe. Seria a esposa do cliente que foi a loja pela primeira vez ou …

 

Samuel de Leonardo é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Conte você também mais um capítulo da nossa cidade. Envie seu texto para milton@cbn.com.br.

Conte Sua História de São Paulo: os livros que comprei no Largo São Bento

 

Por Lilian Contreira
Ouvinte-internauta da rádio CBN

 

 

Morava no bairro do Aeroporto, em Congonhas. Meu avô me levava, aos domingos, para ver os aviões decolarem. Era incrível! O saguão de Congonhas era inesquecível. Bons tempos em que uma criança ficava maravilhada apenas com o levantar e o pousar de um avião – nem percebíamos que naquela época o Brasil vivia sob uma ditadura. O que só fui entender tempos mais tarde quando trabalhei com o professor Paulo Freire já aos 20 e poucos anos.

 

Nós brincávamos na rua, sem violência, sem medo. As casas não tinham muros nem portões. Os vizinhos eram amigos. Faziam bolo e traziam um pedaço para nós. Minha avó fazia pão e levava um pedaço para eles. A minha rua não tinha saída, terminava em uma descida, na Avenida dos Bandeirantes. Os meninos faziam carrinhos de rolimã e, às vezes, um trenzinho de rolimã, era o auge da alegria…

 

Meu avô era barbeiro, de Sevilha. José Maria, de quem herdei o nome Contreira, era imigrante espanhol e chegou com o único bem que possuía: as próprias botas. Tinha uma barbearia no Largo São Bento. Minha avó, de Granada, pessoa mais doce não havia nesse mundo. Tiveram seis filhos, doze netos, muitos bisnetos… da minha avó herdei o gosto pela Espanha: a cultura, a língua – hoje sou professora de espanhol – e pela cozinha. 

 

Lembro-me que o cúmulo da felicidade para mim era quando a escola pedia um livro e o meu avó – cresci com meus avós paternos – me levava para comprá-lo na Saraiva do Largo São Bento. Era para mim – que sempre gostei de ler – o máximo de alegria que alguém poderia ter. Além de comprar os livros pedidos pela escola, ele me permitia escolher um outro por puro gosto. Eu ficava exultante, como em Felicidade Clandestina, de Clarice Lispector, andava aos saltos pelas ruas do Centro. E antes de voltar para casa, ainda saboreava um café com pastel no Café Girondino na companhia do meu avô.

 

 
Lilian Contreira é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Conte mais um capítulo da nossa cidade. Escreva para milton@cbn.com.br.