Avalanche Tricolor: marca alto, marca forte e marca gol!

Ypiranga 0x1 Grêmio

Gaúcho — Colosso da Lagoa, Erechim/RS

Lucas Silva comemora o gol, em foto de LUCASUEBEL/GRÊMIOFBPA

Parafraseando locutores de futebol de televisão que descrevem o momento em que a torcida está mais empolgada com um “canta alto e canta forte” —- acho que o autor do jargão é o Luiz Carlos Júnior, da SporTV —. o time do Grêmio, montado por Roger, “marca forte e marca alto”. É isso que faz toda a diferença no sistema defensivo, e jamais retranqueiro, que o treinador conseguiu montar em pouco mais de um mês de trabalho.

O adversário ter mais de 60% de bola em todo o jogo, significa muito pouco para Roger. Ele sabe que sua equipe está posicionada para dar o bote lá na frente, e com poucos toques e velocidade chegar com perigo, como aconteceu em todo o primeiro tempo da partida de sábado à tarde, pela semifinal do Gaúcho.

Caso a bola não seja roubada ainda antes de passar o meio de campo, o time recua fechando os espaços de tal maneira que ao adversário cabe a troca de passes entre os seus defensores na esperança de que aparecerá alguém livre na intermediária para dar sequência à jogada. Mesmo quando esse movimento tem sucesso, ainda será necessário superar a última linha da nossa defesa que se antecipa bem, dobra marcação e, em último caso, ainda tem Geromel para resolver. 

O lance que culminou no malabarismo estético em cima de Diogo Barbosa, ainda no primeiro tempo, ilustra bem o que digo —- por mais lindo que tenha sido, assim que o drible se completou já havia Villasanti na cobertura para impedir a sequência e o perigo ao nosso gol.

É isso que surpreende os analistas de futebol e os críticos (não os da crônica esportiva, mas esses que tem prazer em falar mal do próprio time em rede social). É difícil de entender como a equipe tem tão pouco a bola nos pés e chuta tanto a gol, como no primeiro tempo, em que por duas vezes o poste ou o travessão foram seu destino.

Quando o esquema parecia perder força —  e estava —-, Roger fez mudanças que deixaram a turma eriçada e cheia de argumentos para provar o acerto das críticas que fazem ao time, ao técnico, a diretoria, a Arena e ao raio que os parta. Tirou Campaz e Elias, dois dos melhores em campo, para colocar Janderson e Gabriel Silva. “Que absurdo!”.

Roger estava apenas recompondo seu esquema, porque os dois por melhores que tenham sido, tiveram desgaste físico acima do normal que os impedia de fechar os espaço quando necessário — espaço que se traduzia em ameaça ao nosso gol. Mais adiante, ainda entraram Churín e Vini Paulista em lugar de Diego Souza e Bitello — outro gigante no meio de campo.  “Tá louco!”.

Por curioso e não por coincidência, assim que fez a primeira mudança, o Grêmio voltou à partida, roubou a bola, saiu no contra-ataque com Janderson pela direita, que cruzou em direção ao gol para a chegada de Gabriel Silva, que por pouco não abriu o placar. Da mesma forma, diminuiu o risco lá atrás, onde ao adversário cabia apenas arriscar de fora da área.

O gol aos 43 minutos, começa com Janderson na intermediária, que abre para Lucas Silva, que se desloca por trás dos marcadores para receber na ponta direita. De primeira e para o centro da área, nosso volante —- escolhido o Homem do Jogo — cruza. Vini Paulista deixa a bola passar e Churín é derrubado quando tentava concluir a gol. Gabriel Silva também já fechava em direção ao gol. 

Lucas Silva cobrou muito bem. O Grêmio manteve 100% de aproveitamento em cobranças de pênalti —- o que é um fato a ser comemorado, especialmente depois daquela sequência de desperdícios no fim do ano passado. E leva uma vantagem importante para a final na Arena, sábado que vem, especialmente porque está diante de um adversário que precisa ser respeitado. 

Roger sabe o que faz. Sabe com quem pode contar. E quando pode contar com cada um deles. Em pouco tempo, fez-se entender pelo elenco —- como o próprio Lucas Silva disse ao fim da partida  —, montou um time que “marca alto e marca forte” e está prestes a levar o Grêmio ao pentacampeonato, o que, certamente, fará a torcida, cantar alto e cantar forte — menos aqueles que preferem desperdiçar suas energias falando mal do time pelo qual deveriam estar torcendo. Que se danem!

Avalanche Tricolor: mantida a tradição!

Grêmio 0x1 Inter

Gaúcho — Arena Grêmio

Geromel em foto de Lucas Uebel/GrêmioFBPA

Estou diante de uma página em branco há algum tempo, a espera de criatividade para conversar com você sobre o Gre-Nal Corujão que assistimos na noite de ontem, disputado em Porto Alegre. Pode ser falta de foco, provocada  pelas poucas horas de sono; pode ser falta de inspiração, por não ter encontrado em campo a mesma precisão no ataque que nos garantiu a passagem à final do Gaúcho, ainda no primeiro jogo da semifinal. Talvez, porque fiquei tentado a falar da violência que voltamos a assistir dentro do estádio, e, confesso, o assunto não me é atrativo, a despeito da sua relevância e necessidade de encontrarmos alguma saída civilizada — até porque essas cenas tem se transformado em marca do clássico, e isso é ruim. Uma tradição a ser abandonada o mais breve possível!

Sobre o tema, a fala de Geromel ao fim do jogo além de cirúrgica foi simbólica ao ser interrompida por outro inusitado caso de violência, em que um funcionário, contratado pela administração da Arena Grêmio, e colorado pelo que se pode entender, resolveu “zoar” os jogadores gremistas ao fim da partida e provocou a reação agressiva de agentes de segurança e atletas. 

“Infelizmente, teve confusão desnecessária, a gente cobra paz, mas tem que começar pela gente para dar exemplo. Conversar para não acontecer novamente. Como eu disse, temos que ser exemplo. A gente reclama, cobra paz e chega aqui e dá mau exemplo”.

Antes de ser interrompido, Geromel falava do embate dos jogadores quase ao fim da partida em que Ferreirinha foi derrubado com um encontrão por um adversário em resposta a comemoração efusiva por alguma conquista que a televisão não me mostrou muito bem. Nosso atacante acabou expulso sem sequer ter reagido a agressão. Punido e fora da primeira partida da final por vibrar em um jogo vibrante? Estranho! Depois, como dois moleques de colégio, os envolvidos e expulsos tentaram se engalfinhar no corredor do vestiário. Dessa vez, os agentes de segurança fizeram seu papel. Proteger!

Quem se protegeu bem foi o Grêmio, apesar do sofrimento que ofereceu aos torcedores — achei que teve proteção de mais para ataque de menos. 

Fiquemos com a parte boa da proteção: Breno está de volta, ganha segurança, fez uma defesa importante e no gol que tomou nada podia fazer. Geromel … esse é gigante! Impressionante o que joga nosso zagueiro, além de ser uma pessoa exemplar dentro e fora de campo. Colocou mais um atacante no bolso; e com o apoio de Bruno Alves que tem se mostrado cada vez mais equilibrado na posição. Quem também não deu chance enquanto esteve em campo, foi Rodrigues que, claramente, tem apoio total do torcedor. 

No meio de campo, Lucas Silva jogou por dois — se é que você me entende. E com a bola no pé, mesmo que mais lento na saída de jogo, soube acionar Campaz, nosso melhor jogador do ataque. O colombiano está cada vez mais à vontade jogando pelo lado direito e tem uma fome de gol que impressiona. Chutar é quase uma obsessão!

Se a vitória não veio, o resultado foi na medida certa. Manteve a decisão na Arena e a tradição: pelo sexto ano consecutivo estamos na final do Campeonato Gaúcho. Essa sim uma tradição que podemos manter por um bom tempo!

Avalanche Tricolor: o Gre-Nal de Roger!

Inter 0x3 Grêmio

Gaúcho – Beira-Rio, Porto Alegre/RS

Roger em foto de Lucas Uebel/GrêmioFBPA

Roger completou, neste sábado, um mês no comando do Grêmio, nesta sua segunda passagem como técnico. A estreia dele na ‘casamata’ foi em 19 de fevereiro, com uma goleada pelo Campeonato Gaúcho. Quatro semanas e seis jogos depois, voltou a golear, agora no clássico e na casa do adversário —- um resultado que deixa o time muito próximo da final da competição.

Se Elias, Bitello e Diego Souza foram os jogadores que fizeram os três gols gremistas, a goleada foi por obra e graça de Roger, que soube, no pouco tempo que teve para trabalhar, entender o elenco que tem em mãos e construir uma estratégia apropriada para essa primeira “semi-decisão”.

A mão do técnico começou a funcionar nas escolhas que passou a fazer algumas partidas atrás, quando ainda estava tateando o grupo e tentando enxergar as soluções disponíveis. No gol, deu segurança a Breno, definindo-o como titular. 

Não se acanhou em deslocar o zagueiro Rodrigues para a lateral direita, ao perceber que ele tem força na marcação, habilidade para levar a bola e velocidade para sair de trás. Com isso, ainda pode contar com o cacoete do zagueiro que fecha na área, ao lado de Geromel e Bruno Alves. Eles, a dedicação de Nicolas na esquerda, e o sistema defensivo de Roger foram imbatíveis, nesta tarde de sábado.

Roger também mexeu no meio de campo, recuando Lucas Silva e deixando Villasanti e Bitello um pouco mais à frente — os dois com boa saída de bola e chegando rápido ao ataque. Todos com a missão de não dar espaço ao adversário —- o que havia sido fatal no último clássico. 

No ataque, mesclou o talento de Campaz, a velocidade de Elias e o incômodo que Diego Souza provoca nos marcadores — só de estar em campo já causa frisson entre os zagueiros que conhecem o histórico de gols dele em clássicos. Como nosso treinador sabia da necessidade de um sistema compacto para evitar o toque de bola adversário, fez com que os dois atacantes que jogavam aberto, se revezassem na volta para a defesa; sempre ficando um mais à frente para escapar em direção ao gol. 

Foi em uma dessas escapadas, ainda aos dez minutos de partida, que se iniciou a goleada, construída por Roger no vestiário. Depois de a defesa interceptar duas tentativas de ataque, Nicolas encontrou Elias correndo por trás dos marcadores. Aos 22, foi a vez de Bitello fazer o seu com mais um chute atrevido de fora da área, em uma bola que o Grêmio interceptou quando forçava a marcação perto do gol adversário. O terceiro, já no segundo tempo, também foi fruto de uma roubada de bola, que culminou no pênalti em Elias, muito bem cobrado por Diego Souza.

Roger ainda tem muito a fazer neste time. E sabe disso. Está ainda tentando implantar o futebol de aproximação, triangulação e movimentação rápida do qual é admirador. Precisará de um pouco mais de tempo, apesar de nos poucos lances em que estivemos com a bola, se perceber que alguns jogadores já conseguem rascunhar a ideia do treinador. 

Com um mês ao lado do campo, Roger corrigiu defeitos, ajustou peças, e tirou o que pode de cada um dos jogadores à disposição. 

O Gre-Nal 436 foi o Gre-Nal de Roger!

Avalanche Tricolor: Limonada vive!

Grêmio 2×0 Ypiranga

Gaúcho – Arena Grêmio, Porto Alegre/RS

Campaz comemora gol olímpico. Foto: Lucas Uebel/GrêmioFBPA

Sou do tempo do Banha, massagista que fez história no Grêmio. Resolveu a situação de muito jogador com a musculatura desajustada. O fisico avantajado e a gordura que lhe renderam o apelido eram superados por uma habilidade e velocidade impressionante sempre que era chamado a intervir no gramado. Naquela época, massagista fazia parte da estratégia de jogo: conforme o placar e os interesses do técnico e do time, entrava com maior ou menor rapidez no gramado, assim como estendia ou buscava um atalho no tratamento de emergência,. Na foto clássica do título mundial, de 1983, lá estava perfilado, ao lado do time, o saudoso Banha.

Outros nomes entraram para a história do clube, sem que necessariamente tivessem tido a oportunidade de vestir a camisa do time. De presidentes inesquecíveis, como Hélio Dourado, a treinadores geniais, como Oswaldo Rolla, o Foguinho. Dos massagistas, além do Banha, a quem conheci pessoalmente, e fui cliente, havia o Limonada, que cheguei a usar os serviços quando ele estava iniciando carreira e eu era um eterno lesionado nas quadras de basquete.

Neste fim de semana, Limonada teve seu nome lembrado na Arena do Grêmio. Nome e sobrenome: Darli João da Silva. Foi após a assessoria de imprensa do clube anunciar que seria realizado um minuto de silêncio em homenagem ao funcionário tão querido que teria nos deixado, aos 83 anos. Nas emissoras de rádio, colegas jornalistas reproduziram a informação em tom de lamento; tristeza que durou pouco — ainda bem.

O Grêmio até já havia aberto o placar, com um gol olímpico de Campaz, e o intervalo não havia chegado quando o telefone tocou em um das redações de rádio do Rio Grande do Sul: “Limonada está vivo!”, teria dito o interlocutor que denunciou a “barrigada” gremista. Alertado por uma sobrinha, Dona Liberaci da Silva disse que “o Limão está vivinho aqui em casa. Ele está vivo e bem. Limpa a casa, faz de tudo”. 

Consta que o futebol do Grêmio, também. Graças a Deus!

Avalanche Tricolor: onde está você?!?

Inter 1×0 Grêmio

Gaúcho – Beira Rio, Porto Alegre/RS

Foto de Lucas Uebel/GrêmioFBPA

Abri a porta do armário e na terceira gaveta de cima para baixo, encontrei minha coleção de camisas tricolores. Lá tem modelos de anos históricos e outros esquecíveis. Todas devidamente dobradas, com o escudos à mostra. 

Fui até a sala de televisão e encontrei a camisa de Geromel, estendida, e emoldurada na parede, com destaque para o autógrafo de nosso zagueiro. Ao lado dela, está a de Danrlei, com o branco em destaque e listras transversais em preto e azul nos braços e no peito. Foi de um dos muitos títulos conquistados pelo goleiro que fez história no Grêmio.

No outro canto, encontrei a icônica cadeira de metal que adornava o saudoso estádio Olímpico, devidamente recuperada e repintada no azul claro original, com meu nome. No encosto dela, tem a camisa com o número e nome de Pepê às costas.

Os LPs com o registro de áudio de glórias passada, como o do título brasileiro de 1981, uma série de livros contando nossa história e mais algumas quinquilharias em azul, preto, branco seguiam sobre a estante, que fica abaixo da televisão de tela ampla onde assisto aos jogos do Grêmio.

Depois de me certificar da presença gremista nos armários, paredes e estantes, deitei, fechei os olhos e vasculhei meu coração. E, claro, lá estava meu Grêmio.

Fui dormir com a certeza de que o Grêmio segue por aí, só não foi mesmo a campo, ontem à noite, na rodada do Campeonato Gaúcho! Que volte logo!

Avalanche Tricolor: saudade, esperança e paciência!

Nova Hamburgo 1×1 Grêmio

Gaúcho — Novo Hamburgo, RS

Geromel sorri, em foto de Lucas Uebel/Grêmio FBPA

Um livro para escrever, um prazo de entrega prestes a expirar e um futebol claudicante não me permitem refletir muito sobre o que está acontecendo pelos lados de Humaitá — ah, saudade da época em que escrevia “pelos lados do Olímpico”. Interrompi as tarefas literárias na tarde de sábado para assistir ao Grêmio que voltava seu foco ao Campeonato Gaúcho após o desastre da Copa do Brasil.

Poucas coisas boas — se é que tiveram — apareceram no péssimo gramado do estádio do Vale. Até em posições em que não havia muito com que se preocupar —- no gol, por exemplo —- as dúvidas surgem. E isso é extremamente significativo porque sinaliza que o time está contaminado pelos maus resultados de 2020, ainda não foi capaz de superar o baque do rebaixamento. Que ninguém seja ‘cancelado’ sem que se considere essa situação. Corremos o risco de desperdiçarmos talentos.

O passe sai com a perna curta, o bote na hora errada e a escolha do que fazer é recheada de dúvidas. O futebol decai e ficamos  na dependência da sorte, do erro do adversário ou de uma bola rebatida —- como a que nos permitiu o empate na parte final do jogo. 

Se disse ali em cima que “poucas coisas boas” apareceram, lembro de uma delas agora: o sorriso de Geromel voltou, mesmo que fugaz, na comemoração de um gol que acabou não sendo de autoria dele. Ao menos uma saudade amenizada! Aliás, resumo as coisas boas a um só lance, porque foi nele que me veio a outra alegria, saber do primeiro gol de Gabriel Silva, no time prossional, o guri atrevido com a bola no pé que ainda tinha um motivo especial para homenagear: o avô morto dois dias antes.

Entre saudades e tempo escasso fico aqui na esperança de que Roger tenha um mínimo espaço para fazer o time jogar do jeito que ele gosta. Para isso será necessário também paciência com o treinador, porque a aproximação de jogadores, as triangulações nas diversas partes do campo, o toque rápido da bola não reaparecem de uma hora para outra. 

Saudade, esperança e paciência!

Avalanche Tricolor: Roger voltou; que saudade!

União Frederiquense 3×1 Grêmio

Gaúcho – Frederico Westphalen, RS

Elias comemora gol de pênalti, em foto de Lucas Uebel/Grêmio FBPA

“Ele era a esperança de que estávamos diante de um outro olhar sobre o futebol. Fez-me acreditar que seríamos capazes de implantar um modelo inteligente de atuar. Cheguei a imaginar que a política interna do clube seria insuficiente para influenciar o trabalho dele. Que conseguiríamos desenvolver um planejamento de longo prazo, como fazem as grandes equipes do futebol mundial. Que formaríamos um time de dar orgulho pela maneira de jogar e, claro, em breve, nos desse também os títulos que tanto almejamos”

Por favor, sem julgamento prévio, caro e raro leitor desta Avalanche. O parágrafo acima nada tem a ver com o momento atual do Grêmio e Vagner Mancini, demitido na segunda-feira, um dia após empatar contra o penúltimo colocado do Campeonato Gaúcho. Mancini tem seus méritos próprios, seus limites e dificuldades. Pegou o time em situação complicada no ano passado, com moral baixo e futebol idem. Pouco conseguiu tirar dos jogadores e elenco que tinha à disposição, todos contaminados pela sequência ruim de resultados e em meio a um desorganizar injustificável. Trouxe para 2022 o ranço do torcedor incomodado com o rebaixamento do ano anterior. E pagou com o emprego no primeiro resultado capenga na competição. Sem convicção, a diretoria que bancou sua presença na virada do ano, não resistiu ao grito da arquibancada. Negou sua própria aposta, e depois de ter feito os investimentos que o técnico pediu, entregou a cabeça dele aos torcedores. Não estou aqui a defender a qualidade do treinador que saiu, mas a ressaltar a incoerência dos dirigentes que permanecem. 

Dito isso, voltemos ao primeiro parágrafo desta Avalanche. Nele reproduzi parte do texto publicado com o título “Avalanche Tricolor: é uma pena, Roger não volta mais”, em 15 de setembro de 2016, por coincidência aniversário do Grêmio. Na noite anterior, havíamos sido derrotados por 3 a 0 pela Ponte Preta, em Campinas, em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro. Sim, lamentava a demissão de Roger que era pressionado pelos resultados que não chegavam na competição nacional, apesar de ter vencido a primeira partida das oitavas-de-final da Copa do Brasil, fora de casa, contra o Athletico Paranaense.

Em tempo: Copa do Brasil de 2016 que o Grêmio haveria de conquistar, depois de perder o segundo jogo contra os paranaenses, na Arena, e garantir a vaga na decisão de pênaltis. Já sem Roger.

Se lastimava a saída de Roger, o fazia por entender que o treinador havia levado ao Grêmio o que tínhamos de mais moderno na forma de olhar e jogar o futebol naquele momento. Mesmo ainda um novato no comando técnico, precisando amadurecer, soube montar o time e deixar um legado que foi muito bem aproveitado por Renato Portaluppi na sequência de títulos que conquistamos, até chegarmos a Libertadores, em 2017. 

Nunca escondi, em uma só linha desta Avalanche, o quanto admirei as ideias de Roger e a maneira como montou nosso time, promovendo a aproximação de seus jogadores, a precisão do toque de bola e o deslocamento rápido no gramado. Dava gosto de ver o jogo jogado pelo Grêmio. Mesmo com as derrotas que ocorriam, havia a esperança de dias melhores e de um futebol disposto a nos conquistar.

Ao contrário do que escrevi naquela Avalanche de setembro de 2016, em meio a tristeza de sua demissão, Roger haveria de voltar um dia. E voltou!

Que com ele volte o futebol bem jogado. Estou morrendo de saudade!

Avalanche Tricolor: tem de ter paciência

Grêmio 1×1 Juventude

Gaúcho – Arena Grêmio, Porto Alegre/RS

Nicolas comemora em foto de Lucas Uebel/GrêmioFBPA

Paciência foi a palavra usada, ao fim da partida, pelo novo lateral direito do Grêmio, Nicolas, emprestado pelo Atlético Paranaense, depois de jogar no Goianense, ano passado. Foi o pedido dele ao torcedor que desde sempre sabe que algumas soluções que Vagner Mancini insiste em manter deram errado, em 2021, a começar pela posição que Nicolas ocupará como titular. E disso ninguém tem dúvida, sequer o técnico que, registre-se, foi quem indiciou o jogador que está com 24 anos. 

Claramente, Mancini decidiu-se por apostar na paciência com algumas alternativas e iniciar mudanças a medida que os fatos falem mais alto e a necessidade seja premente. Com os resultados alcançados até aqui no campeonato, a liderança isolada e conquistada de forma invicta, o treinador ganhou tempo para fazer as transformações, que os impacientes querem de imediato. 

Na lateral direita já percebeu que apostar em Rodriguez pode ser um caminho mais produtivo – apesar de esta não ser uma mudança que deva ocorrer imediatamente. Vai depender muito de Orejuela, que ainda deve o futebol qualificado que promete. Na esquerda, depois de ver sua indicação dar duas assistências para gol, no jogo anterior, e marcar o gol de empate desta noite de domingo, parece que a troca é inevitável – a não ser que a paciência do técnico seja muito maior do que eu imagino.

No meio de campo, Mancini entende que precisará ter jogadores mais leves, sem a necessidade de manter a estrutura pesada tanto quanto indispensável em meio a crise de 2021. As substituições vão ocorrer a medida que os momentos decisivos exigirem. Mas o torcedor ainda terá de aguardar um pouco mais antes de ver o time jogar sem dois volantes fortes como Thiago Santos e Lucas Silva. O medo do ano passado ainda é presente.

No ataque não tem muito o que fazer, mesmo que Elias seja sempre uma pressão sobre Diego Souza, que, gostem ou não, seguirá sendo o centroavante preferido porque não desiste de perseguir e marcar gols. Janderson à direita e Ferreira à esquerda são as garantias de que o time vai seguir arriscando dribles para cima do adversário. 

A propósito, vaiar a troca de Ferreirinha por imaginar que o treinador o fazia por questões técnicas é bem o sinal da falta de confiança do torcedor com Mancini. Precisou o jogador sinalizar lesão ou dor na virilha para que os impacientes entendessem a substituição que, aliás, foi bem escolhida: Gabriel Silva é um excelente investimento da base . Não vejo hora de comemorar um gol do guri. Em todas as partidas, ele ameaça marcar. Chegará a sua hora. É só ter paciência.

Sim, futebol também é um jogo de paciência! Do jogador, do treinador e de nós, torcedores. Haja paciência, em 2022!

Avalanche Tricolor: a dança do Tonhão na terra de Padre Reus

Aimoré 1×2 Grêmio

Gaúcho – estádio Cristo Rei, São Leopoldo-RS

Rodrigues comemora o gol, em foto de Lucas Uebel/GrêmioFBPA

São Leopoldo fica logo ali. Coisa de meia hora, ou um pouco mais, de Porto Alegre. Cidade de Padre Reus, o quase santo de quem somos devoto por parte de pai. Todo ano, visitávamos em família o santuário onde o corpo de João Batista Reus está enterrado. Forma de agradecer pelas graças alcançadas.

Foi lá a partida desta noite pelo Campeonato Gaúcho. Não no santuário, é claro. No Cristo Rei, estádio do time da cidade, em que cabem cerca de 14 mil torcedores. Local acanhado como costumam ser os estádios em que são disputados os jogos no Rio Grande do Sul. De gramado descuidado e esburacado, incapaz de aceitar que a bola role de forma natural. 

Para este cenário, o Grêmio levou tive misto. Para não dizer reserva. Deixou alguns titulares no banco, que poderiam ser chamados em situação de emergência. A emergência se fez depois de tomar o primeiro gol. Bastou colocá-los em campo e o talento superou a marcação pesada e o gramado impróprio para jogo.

O primeiro gol foi de uma perfeição rara. Benitez, com qualidade no passe e visão de jogo, colocou a bola entre os marcadores e ao alcance de Nicolas, o lateral esquerdo, que foi à linha de fundo e cruzou na cabeça de Villasanti. Nosso volante paraguaio estava dentro da área. Teve o trabalho precioso de cumprimentar e fazer o gol.

O segundo gol veio novamente pela esquerda. Mais uma vez pelos pés de Nicolas, que cruzou para aproveitar a presença de Diego Souza. Nosso goleador não tocou na bola, mas foi fundamental ao levar com ele a marcação de dois adversários, abrindo caminho para Rodrigues dominar e marcar. 

Sim, Rodrigues, o zagueiro temido por muitos e acreditado por Vagner Mancini, que decidiu aproveitá-lo pela lateral direita, posição em que pode impor seus prazer de chegar ao ataque. Cá entre nós, nunca vi um zagueiro que gosta tanto de atacar como ele. Vamos lembrar que foi de Rodrigues, o gol que nos classificou na fase de grupos da Libertadores de 2020. 

Contra o Aimoré, é o segundo jogo em que Rodrigues é escalado nessa posição. Hoje, saiu jogando como zagueiro e portando a braçadeira de capitão. Não é pouca coisa. No segundo tempo, Mancini o deslocou para a direita e Tonhão, ops, Rodrigues não decepcionou. Já havia aparecido dentro da área outras vezes. Aos 41 minutos, quando Nicolas cruzou e Diego Souza arrastou os marcadores, foi ele quem surgiu para fazer o gol da vitória  e convidou o torcedor a dançar a dança do Tonhão.

Avalanche Tricolor: gracias, Benítez!

Grêmio 2×0 Guarany 

Gaúcho – Arena Grêmio, Porto Alegre/RS

Benitez é destaque em foto de Lucas Uebel/GrêmioFBPA

O lançamento de Thiago Santos, que provocou a trapalhada da defesa adversária e o gol de Janderson, aos três minutos, foi primoroso e merecia mais destaque da crítica esportiva – e me refiro apenas aqueles que tive oportunidade de ouvir falando da partida do Grêmio, neste domingo à noite. Talvez haja os que souberam apreciar o passe de longa distância assim como eu, apenas não os ouvi. Temo que alguns torcedores que torcem o nariz para Thiago também não tenham percebido a qualidade da jogada. Foi o caminho para desconsertar o sistema defensivo que já se desenhava fechado e aguerrido. 

A velocidade de Janderson e o esforço para alcançar a bola até confirmar que ela estaria dentro do gol também foram importantes para facilitar os trabalhos e nos confirmar na liderança do Campeonato Gaúcho. O guri de 22 anos, emprestado do Corinthians e que estava no Atlético Goianense, aposta de Vagner Mancini, já havia se destacado na partida anterior, na estreia do time principal na temporada. Com físico e tatuagem que lembram Everton Cebolinha, Janderson, além do gol, aproveitou bem as bolas esticadas pela ponta direita. Havia pensando em dedicar a ele, os parcos parágrafos desta Avalanche. Mas aí apareceu Benitez.

Com a lesão de Campaz, ainda no primeiro tempo, o argentino de 27 anos que esteve no São Paulo, ano passado, entrou em campo e logo mostrou seu cartão de visita para a torcida, especialmente àqueles que desconfiavam de sua consistência física: dividiu uma bola na intermediária, sem dó nem perdão de quem colocasse o pé do outro lado. Era só o início de sua participação no Grêmio. O que veio na sequência foi um repertório de passes rápidos e precisos. Com o lado de fora do pé, de calcanhar, de cavadinha e de primeira, colocou seus companheiros em condições de dar sequência para a jogada e no caminho do gol.

Foi por ele que a bola passou, no segundo e decisivo gol. Após receber um chute rasteiro que veio da defesa, com apenas um toque deslocou o marcador e encontrou Fernando Henrique livre na intermediária. O guri de 20 anos, que recém-havia entrado,  ajeitou a bola e o corpo, e meteu no pé de Diego Souza quase na entrada da área. Bem, aí Diego fez o que lhe cabe fazer. Carregou a bola, deixou o zagueiro de lado e estufou a rede, mais uma vez. A segunda em dois jogos dele na temporada.

O jogo em si não foi grande coisa. Ao Grêmio ainda serão necessárias algumas partidas para se saber o que teremos neste  2022. De qualquer forma, é bom sentir o sabor da liderança isolada nesta competição que vencemos nos últimos três anos.