Avalanche Tricolor: felicidade é viver na sua companhia! 

Grêmio 2×0 CRB

Brasileiro B – Arena Grêmio, Porto Alegre/RS

A felicidade de Biel e Bitello em foto de Lucas Uebel/GrêmioFBPA

“Felicidade é viver na sua companhia 

Felicidade é estar contigo todo dia …”

Felicidade, Seu Jorge

Que Seu Jorge canta “Felicidade” pra mulher amada, eu sei muito bem. E tenho bons motivos para cantar com ele —- mesmo que meu canto desafine na primeira nota. Ao longo desta tarde, porém, a música ressoou na minha mente enquanto assistia ao Grêmio jogando com alegria — essa emoção escassa nos tempos atuais, que se fez rara diante da performance do nosso futebol, desde o ano passado. 

Felicidade, eu cantava baixinho vendo Bitello, Biel e Elias se movimentando com destreza, apesar do gramado ruim da Arena. Era o sentimento que me tomava diante da movimentação do meio de campo gremista que dominou o adversário e fez a bola chegar ao ataque com rapidez, aproveitando-se do avanço dos nossos laterais.

O gol de Elias, aos 13 do primeiro tempo, chegando forte dentro da área, pelo lado direito, foi a conclusão da velocidade e habilidade de Biel na esquerda, que forçou o erro do adversário e fez a bola alcançar Diego Souza. Nosso atacante, mesmo sendo assediado por quatro marcadores, com um toque de leve deixou Elias livre para marcar. 

Aos 39 minutos, nova jogada de Biel, que após driblar o marcador acionou Bitello deixando-o de frente para o gol. O guri mais avançado do meio de campo gremista bateu de fora da área com a perna esquerda colocando a bola —- como diziam os locutores antigos — lá onde dorme a coruja. 

Mesmo que mais gols não tenham sido marcados —- cá entre nós, aquela linha virtual do VAR é fake, não?!? —, a felicidade extrapolou os momentos de bola na rede. Esteve na primeira tentativa em que Biel, de letra, tentou o passe para Bitello. Esteve no passe de peito de Rodrigo Ferreira para Elias; no toque de bola rápido que deixou muitos dos nossos na cara do gol; esteve  até mesmo nos incríveis gols perdidos no segundo tempo, porque se os perdemos é porque os criamos aos montes. E isso me deixa feliz.

Mais feliz ainda por ver o nome do Grêmio no topo da tabela de classificação. Somos líderes sabe-se lá por quanto tempo. Pouco me importa. Quero mesmo é aproveitar a felicidade que o momento me oferece. Sou feliz hoje por viver na sua companhia, Liderança! E quero seguir feliz, estando contigo todo dia!

Em tempo: feliz já estava desde que ouvi Roger falar nesta semana sobre combate ao racismo. Você não tem ideia como tenho orgulho de torcer por um time treinado por um profissional que têm consciência social e sabedoria!

Avalanche Tricolor: mais uma batalha vencida na disputa pela Copa do Brasil

 

CRB 1 x 3 Grêmio
Copa do Brasil – Estádio Rei Pelé (AL)

 

17399535

 

Importa-me pouco se a imagem da televisão não está bem definida. À distância, tive dificuldade para reconhecer até mesmo nossos jogadores. Nesses jogos, não tem essas coisas de imagem HD. Quando o diretor cortava para a câmera mais fechada, era possível perceber a irregularidade do gramado. Mas isso incomodou-me menos ainda. Afinal, nós, mais do que nenhum outro clube brasileiro, sabemos que o caminho para se chegar ao título da Copa do Brasil é árduo e exige resignação e humildade. Tem-se de disputar cada jogo como se fosse uma final, às vezes meter o bico para despachar a bola e levantar a perna para afastar o adversário. Especialmente nos confrontos das primeiras rodadas depara-se com times que jogam a vida e mais um pouco, que fazem daquela partida decisão de Copa do Mundo. E do outro lado temos de atuar à altura. Sem compaixão.

 

O Grêmio começou a partida dessa noite com a gana que se espera de um time disposto a forjar sua trajetória ao título nacional. Trocava bola com rapidez, movimentava-se com intensidade e deixava pouco espaço para o adversário se mexer. Quando teve sua força (física) desafiada, não se acovardou. Em todas as divididas saía faísca, às vezes sobrava um braço acima do pescoço, outras um pé próximo da canela. Quando encontrou oportunidades, não desperdiçou. Fez primeiro com Luan e depois com Pedro Rocha, para completar com Luan e Pedro Rocha. O centroavante do dia – sim porque a cada jogo temos um novo ataque – se saiu muito bem. E não me venham dizer que foi beneficiado pelo adversário. Foi assertivo em praticamente todas as jogadas.

 

No segundo tempo, talvez embevecidos pelas conquistas do primeiro, esquecemos o que estava em disputa e deixamos o adversário jogar. Afrouxamos atrás e aliviamos o pé na frente. Permitimos que a pressão sobre nossa defesa aumentasse e não soubemos devolver à altura nos contra-ataques. Um comportamento que poderia nos ter custado caro ou, pelo menos, um jogo a mais para chegar ao título. E como ultimamente o azar tem nos proporcionado surpresas, enquanto a partida não se encerrou não conseguimos respirar aliviado – o que, convenhamos, não é nenhuma novidade. Desde quando fomos campeões de alguma competição sem antes passar por muito sufoco? Aliás, depois de o jogo encerrado, se pensarmos bem, nem foi tão difícil assim. Já tivemos de encarar situações bem mais complicadas pela frente, não é mesmo?

 

Até a próxima batalha da Copa do Brasil!