Mundo Corporativo: Tathiane Deândhela sugere que você assuma o controle de suas decisões para encarar essa crise

 

“Onde a gente coloca nossa energia, onde a gente coloca o nosso foco, vai determinar também aquilo que a gente realiza” —- Tathiane Deândhela, consultora

Assumir o controle de suas decisões, identificar os caminhos a seguir e eliminar os ladrões do tempo são algumas medidas que precisam ser adotadas neste momento em que a pandemia paralisa negócios, reduz o faturamento e, em muitos casos, elimina empregos. A consultora Tathiane Deândhela, entrevistada do programa Mundo Corporativo da CBN, tem se dedicado a conversar com empresários e profissionais das mais diversas áreas na tentativa de mostrar que existem saídas para esta crise.

“E o que que eu percebo; muitas vezes quando as pessoas estão focadas nos danos, focadas naquilo que não podem controlar de alguma maneira, a pessoa suga a energia de tal forma que não tem disposição, que não tem vitalidade para fazer acontecer”.

Focar a energia nas tarefas realmente importantes é o que Tathiane chama de blindagem mental que precisa ser realizada para que os resultados apareçam. Em conversa com Mílton Jung, a autora do livro “Faça o tempo enriquecer você”(Editora Gente) lembrou ensinamentos de Viktor Frankl, neuropsiquiatra austríaco que sofreu a crueldade dos campos de concentração:

“Uma fala que muito me marcou, foi quando ele disse assim, a gente tem a liberdade de escolher o que a gente quer mesmo em meio ao caos; a gente tem liberdade de fazer escolhas sobre o que eu quero sentir, como eu quero reagir a essas circunstâncias”.

Especialista em produtividade e gestão do tempo, a consultora disse que com o trabalho em casa, forçado pela pandemia, um dos principais ladrões do tempo foi eliminado que é o deslocamento no trânsito. Além disso, conversas paralelas que costumam ocorrer no local de trabalho também deixaram de existir, momentaneamente. Por outro lado, novos ladrões podem surgir com o homeoffice se o profissional não organizar suas tarefas e não planejar sua agenda, considerando os compromissos de trabalho e os familiares.

“Tão importante quanto definir o que a gente vai fazer ao longo do nosso dia ou o que que merece o nosso foco, ou que merece a nossa atenção, é a gente entender também o que é que a gente tem que abrir mão. Isso aqui não é importante agora, isso aqui não é prioridade. Tirar as coisas do caminho porque nós temos 24 horas e não dá para fazer tudo”

O Mundo Corporativo tem a colaboração de Juliana Prado, Guilherme Dogo, Rafael Furugen e Débora Gonçalves.

Sua Marca: branding não é para ser construído na hora da crise

 

 

 

“Branding não é para ser construído na hora da crise, pense sempre na marca como uma construção continuada; não dá para esperar os problemas, plante antes” —- Cecília Russo

Blindar uma marca é expressão que está relacionada ao desenvolvimento de atividades que criam camadas de proteção para eventuais ameaças, que podem ser das mais variadas espécies: falhas na comunicação, erros de distribuição, problemas na fabricação, etc. Dificilmente alguém imaginaria uma crise sanitária do porte que o mundo está enfrentando, mesmo assim aquelas empresas que estavam mais bem preparadas conseguem se sair melhor, neste momento. É a opinião de Jaime Troiano e Cecília Russo, comentaristas do quadro Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, que vai ao ar aos sábados, no Jornal da CBN.

“Ninguém poderia imaginar a Covid-19 até alguns meses atrás, mas os trabalhos de branding também podem e devem ser feitos em função de gerar um saldo médio ao longo do tempo, de onde a empresa pode sacar diante de dificuldades” —- Jaime Troiano

Um exemplo é o que acontece com marcas que já estavam mais bem estruturadas no varejo eletrônico, como Magazine Luiza e Americanas. Assim como bancos que há alguns anos vêm investindo na prestação de serviço digital. São setores ou marcas que mais protegidos, blindados, porque vinham fazendo digital, sem sequer imaginar o caos que o novo coronavírus provocaria nas relações humanas.

 

Produtos, serviços e comunicação ajudam a criar esse anteparo quando isso é feito de uma maneira planejada, inteligente e criativa:

“Sempre imaginando que quanto mais forte está a sua marca, melhor será sua blindagem”, diz Jaime.

Mundo Corporativo: Daniel Castanho fala das vantagens para as empresas que se comprometeram a não demitir

 

“A empresa está tomando conta do que há de mais nobre, que é o trabalho do seu funcionário” — Daniel Castanho, empresário

Um manifesto apresentado a 40 empresários brasileiros transformou-se em um movimento com adesão de mais de 4.500 empresas que se comprometeram a não demitir nenhum funcionário até o dia 1º de junho, apesar das dificuldades econômicas provocadas pelo novo coronavírus. O empresário Daniel Castanho, um dos criadores do “Não demita”, entrevistado do programa Mundo Corporativo, da CBN, calcula que 2 milhões de empregos foram garantidos neste período.

 

Esta edição do Mundo Corporativo foi gravada de casa — seguindo as recomendações de isolamento social — com vídeo captado por uma câmera de Iphone e áudio por um aparelho TieLine.

 

Castanho é o presidente do conselho de administração e um dos fundadores do grupo Ânima Educação, que reúne 12 instituições educacionais, mais de 118 mil alunos e cerca de 8 mil educadores. Ele conta que assim como muitas pessoas, assustadas com os riscos que a pandemia poderia gerar, correram aos supermercados para fazer estoques de uma grande variedade de produtos, donos de empresas e executivos imaginaram que seria necessário demitir profissionais para manter suas empresas saudáveis, em um primeiro momento. Porém, foi possível mostrar que a manutenção dos empregos, era um compromisso ético e moral que as empresas deveriam assumir:

“… se você demitir alguém agora, a pessoa não vai ter nem a possibilidade de mandar o seu currículo, nem de sair de casa, então é o momento do empresário não demitir”

No início do movimento, alguns empresário alegaram que não teriam condições de assumir o compromisso de não demitir, porém, mudaram de ideia a partir do instante em que perceberam que seus concorrentes estavam dispostos a manter seus profissionais. Em seguida, viram o impacto positivo que a medida gerava entre seus colaboradores e clientes:

“O movimento gera comprometimento dos funcionários e valorização por parte dos consumidores”

Com base em experiência desenvolvida no comando da Ânima Educação, empresa da qual foi um dos fundadores, Castanho recomenda que os empresários sejam muito transparentes com seus colaboradores. Em 2009 e 2013, por exemplo, o grupo adquiriu instituições de educação que estavam com os salários atrasados e dificuldades financeiras, e decidiu chamar todos os professores e funcionários e abrir os números, o faturamento, a dívida, o tamanho da folha de pagamento:

“Você tem de entender todo mundo como empreendedor, são todos seus sócios naquele momento, são empreendedores arriscando com o CNPJ do outro; então olhe para todo mundo que trabalha na sua empresa como seu sócio e fale com eles como nós vamos reinventar essa empresa com um novo formato e tudo mais … “

O Mundo Corporativo vai ao ar aos sábados, no Jornal da CBN, e aos domingos, às 10 da noite, em horário alternativo. O programa tem a colaboração de Juliana Prado, Rafael Furugen e Débora Gonçalves.

Avalanche Tricolor: crise? que crise?

 

Grêmio 0x0 Fluminense
Brasileiro – Arena Grêmio

 

41562493195_68332bb0d0_z

Everton contra três marcadores em foto de LUCASUEBEL/GRÊMIOFBPA

 

Sem crise. Sem gols, também. Mas sem crise. E se alguém pensa na possibilidade de que uma possa se instalar, está muito enganado. O Grêmio é campeão Gaúcho e da Recopa Sul-Americana. Está classificado às quartas-de-final da Copa do Brasil, segue firme e forte na Libertadores e se mantém na luta pelo Brasileiro

 

Mas está em oitavo? Sim, está mesmo. E pode ficar em nono, dependendo a combinação de resultados. Para quem só enxerga futebol pelo buraco da fechadura pode parecer um problema. Mas é preciso olhar de maneira mais ampla.

 

Começa que a distância para o topo da tabela é pequena — e pode mudar em duas ou três rodadas no máximo. Ao contrário de anos anteriores, ninguém disparou na liderança, apesar de haver times com campanhas consistentes — alguns inclusive com campanha dedicada ao Brasileiro, diferentemente do Grêmio.

 

O mais importante é que a falta de gols nas últimas partidas, que tanto incomoda o time e os torcedores, não ocorre pela falta de futebol —- a bola segue rolando de pé em pé a maior parte do jogo e com passes precisos acima da média dos adversários. A quantidade de finalizações também é significativa, mesmo estando abaixo do esperado pelo tempo que mantemos o controle da partida.

 

As lesões, principalmente no ataque, tiraram opções de Renato que, neste momento, está com jogadores de características semelhantes para colocar dentro da área. Sem essa variação, o adversário se fecha, e os caminhos para chegar ao gol ficam limitados. À medida que os machucados retornarem, os gols voltarão, também.

 

O curioso nesse empate de quarta-feira foi perceber que se antes a retranca era o antídoto usado por times que ocupavam a zona de rebaixamento, agora passou a sê-lo daqueles que estão no topo da tabela. Ou seja, a fórmula encontrada para parar o futebol bem jogado do Grêmio é impedir que se jogue futebol.

 

Se você estiver apostando em crise, não perca seu tempo. O futebol de qualidade haverá de perseverar.

 

Mundo Corporativo: Fábio Astrauskas diz como evitar os erros mais comuns que levam sua empresa para o buraco

 

 

“A crise chega aos poucos na empresa, ela dá sinais que vão evoluindo ao longo do tempo”. E esses sinais, citados por Fábio Astrauskas, professor do Insper e CEO da Siegen, especializada em reestruturação de empresas, aparecem em três grupos: gerenciais, operacionais e financeiros. Na entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da rádio CBN, Astrauskas sugere que os administradores das empresas construam estruturas de prevenção à crise.

 

O Mundo Corporativo é transmitido ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas, no site e na página da CBN no Facebook. O programa vai ao ar, aos sábados, no Jornal da CBN ou no domingo, às 11 da noite, em horário alternativo. Colaboram com o Mundo Corporativo: Juliana Causin, Rafael Furugen e Débora Gonçalves.

Da universidade se espera a busca de soluções para o jornalismo em crise

 

 

Este vídeo é resultado da conversa que a estudante Mahayla Haddad teve comigo durante a participação no 4o BetaJornalismo, promovido pela faculdade de jornalismo, da Escola de Comunicação e Arte da PUC-PR, no ano passado. Falo sobre crise no jornalismo e a expectativa de que soluções surjam da criatividade, inovação e responsabilidade dos jovens jornalistas.

Mundo Corporativo: Sergio Gomes fala de “slash career”, uma alternativa para a crise do emprego

 

 

“Se você de fato tem um trabalho onde você já trabalha há um bom tempo e essa é a sua única profissão, acho que cabe você olhar para si mesmo, quais são as vontades que você tem e que você não conseguiu exercer ainda profissionalmente. Provavelmente, esse seria um excelente caminho para você iniciar uma segunda carreira”. A afirmação é do consultor Sergio Gomes que fala sobre a importância de os trabalhadores planejarem um caminho alternativo em sua vida profissional como forma de encarar a crise no trabalho. A busca por uma segunda função é conhecida também como “slash carrer”.

 

Gomes é sócio da Ockam, consultoria de transformação organizacional, e foi entrevistado pelo jornalista Mílton Jung, no Mundo Corporativo, da rádio CBN.

 

O Mundo Corporativo é apresentado ao vivo às quartas-feiras, 11 horas, no site e na página da rádio CBN no Facebook. O programa é reproduzido aos sábados no Jornal da CBN. Participam do Mundo Corporativo: Juliana Causin, Rafael Furugem e Débora Gonçalves.

As emendas parlamentares e a crise econômica

 

23058985459_c787f40d2f_z

Imagem do Flickr da Câmara Municipal de São Paulo

 

Marcia Gabriela Cabral
Advogada, especialista em Direito Constitucional e Político,
Conselheira Participativa Municipal
Integrante do Adote um Vereador

 

O Brasil está quebrado. A economia está em recessão. A Política em ebulição. Portanto: “o Brasil está em crise!”. Esta é a frase mais dita e ouvida pelos brasileiros, na atualidade.

 

A situação política e econômica encontra-se estagnada. O Congresso Nacional está emperrado. O Executivo federal está acuado. A economia desandou.

 

Todo este dilema se dá por causa da política. Ou seria por causa da economia? Ou seriam outros fatores? Ou todos estes fatores juntos e misturados?

 

O fato é que tanto a política quanto a economia não vão bem, e por consequência, o país vai mal.

 

Embora a crise econômica seja considerada, por alguns, a maior crise já vivenciada pelo Brasil, as emendas parlamentares vão na contramão deste discurso.

 

Prova de que no âmbito federal, o imbróglio é mais político do que econômico, é o corte que houve no orçamento federal que atingiu áreas como saúde e educação, no entanto, poupou as emendas dos nobres parlamentares brasileiros.

 

As famigeradas emendas parlamentares são parte do orçamento público, destinadas aos “caprichos” e “agrados” dos senadores, deputados e vereadores, para alocarem a verba onde e como lhe convém.

 

Este instrumento de negociação entre o Legislativo e o Executivo, na esfera federal, ficou no montante de R$ 6,6 milhões para o ano de 2016. Isto mesmo, os parlamentares tem esta quantia para utilizarem a bem do “interesse particular”. Pois sabemos que o interesse público, sendo otimista, fica em segundo plano.

 

Estas emendas tratam de interesses diretos dos parlamentares. Evidentemente que a crise que estamos vivenciando não atinge os congressistas. Aliás, não atinge a classe política como um todo, não esqueçamos que o valor do fundo partidário foi triplicado, em meio à crise econômica.

 

Estes fatos, demonstram de maneira inequívoca que não há “falta de dinheiro” como é alegado, na verdade há excesso de interesses próprios, de barganha política, de má execução de políticas públicas.

 

No Estado de São Paulo, o montante das emendas dos deputados estaduais ficou em R$ 304.700.000,00 (trezentos e quatro milhões e setecentos mil).

 

No âmbito do plano local, na maior cidade do país, pasmem, o valor destinado as emendas da vereança paulistana é na órbita de R$ 165 milhões, sendo cerca de R$ 3 milhões por parlamentar.

 

Há algumas aberrações, que não podemos deixar de mencioná-las. Um vereador destinou o montante de R$ 1.500.000.00 (um milhão e quinhentos mil reais) para a “Promoção da Marcha para Jesus”, justificando tal feito por considerar que em virtude do evento ocorrer internacionalmente, visa “glorificar o nome de Jesus”.

 

Pelo meu irrisório conhecimento jurídico, adquirido nos bancos escolares, nas aulas de Direito Constitucional, entendi que a laicidade do Estado trata-se de uma posição neutra em relação à religião.

 

Assim, o Estado laico, como é o Brasil, por previsão constitucional, deve portar-se de forma imparcial a respeito das questões religiosas, não apoiando nem discriminando qualquer religião. Devo ter me equivocado no entendimento da matéria!

 

Ademais, como dizia Renato Russo, “Ninguém respeita a Constituição, mas todos acreditam no futuro da Nação”.

 

Como se não bastasse, este mesmo vereador, destinou mais R$ 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais) para a “promoção da cultura do funk na cidade de São Paulo”. Vou poupar-me de tecer comentário a respeito.

 

Diante dos poucos exemplos elencados, dá para verificarmos o descompromisso dos nossos representantes, que não nos representam a contento.

 

Estamos realmente em crise econômica/financeira? O Orçamento Público, com certeza, não está.

Empreendedorismo: como empreender com pouco dinheiro

 

 

Saber buscar e gerenciar os recursos para viabilizar uma ideia costuma ser decisivo para os novos empreendimentos. Nestes tempos bicudos, a captação de dinheiro tem de ser cuidadosa e exige conhecimento do empreendedor, pois muitas vezes ao não identificar as fontes mais apropriadas coloca seu negócio em risco.

 

Um dos temas que surgiram no Papo de Professor, do Sebrae, foi a possibilidade de se empreender com poucos recursos, diante da crise econômica. No vídeo acima cito alguns caminhos onde você pode buscar este dinheiro e chamo atenção para o fato de que pouco dinheiro pode ser visto como fonte de inspiração, apenas exigindo mais criatividade.

 

A boa notícia é que, depois de já ter gravado esse vídeo, entrevistei para o Mundo Corporativo da CBN, o economista Marco Gorini, co-autor do livro “Captação de recursos para startups e empresas de impacto”. De acordo com Gorini, as dificuldades econômicas de alguns setores não têm impedido que investidores coloquem dinheiro nas boas ideias que surgem no mercado.

 

A entrevista vai ao ar em breve, na rádio CBN, e pode ser conferida no Facebook da CBN. O livro é ótima dica a você que pretende se estruturar e conseguir auxílio financeiro.

 

Veja outros vídeos sobre empreendedorismo do Papo de Professor, do Sebrae.

 

Empreendedorismo: na crise, olhe para além do horizonte

 

 

Diante da crise econômica, qual o plano de negócios que podemos ter para os próximos anos?

 

Essa foi uma das muitas perguntas relacionadas a crise que o Brasil enfrenta que tive de responder no Papo de Professor, promovido pelo Sebrae.

 

Para começar a conversa, precisamos pensar que, mesmo diante dos problemas atuais, nós e os nossos negócios precisam ir à frente. Obrigatoriamente precisamos pensar além do horizonte. E buscar informações sobre o que pode acontecer com os diferentes mercados é fundamental.

 

No vídeo acima falo de algumas projeções feitas por consultorias especializadas que podem ajudar você a planejar seu futuro negócio.

 

Aqui você assiste a outros vídeo desta série sobre empreendedorismo.Aqui você assiste a outros vídeo desta série sobre empreendedorismo.