Startup: aparências e transparências

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

birmingham-242958_960_720

 

A Tesla, fabricante de carros elétricos de luxo vendeu no ano passado 76.000 veículos, com prejuízo de US$ 800 milhões. A General Motors, 10 milhões de carros com lucro de US$ 9,4 bilhões. Para os investidores, Tesla e General Motors têm praticamente o mesmo valor de mercado. Ou, para ser exato, US$ 50,6 bilhões para a General Motors e US$ 49,7 bilhões para a Tesla.

 

A Amazon ficou década no prejuízo. A WhatsApp tem bilhões de usuários, mas não tem receita. A operação é bancada pelo Facebook, que pagou fortuna pela sua compra e, também, inicialmente, não tinha como se manter, não fossem os aportes dos investidores iniciais.

 

O entendimento dessas aparentes incongruências está explicado na entrevista de Arthur Igreja, no Mundo Corporativo, da rádio CBN. Um professor que faz e mostra como fazer.

 

Após desmistificar a idade padrão dos empreendedores de sucesso, cuja faixa etária está acima dos 35 anos e não em pós-adolescentes; e de validar experiência anterior intensa, se possível com insucessos, Igreja diz que é recomendável ao empreendedor:

 

“é um profissional que consegue demonstrar capacidade de entrega, capacidade de execução; também se fala muito que é um profissional apaixonado pelo problema, ou seja, ele quer resolver um problema grande, um problema que muita gente passa e ele está absolutamente apaixonado em conseguir transformar este problema em uma solução mais simples”.

 

 

Nesse contexto, acredito que a resolução de problema, mais do que oportunidade futura é mais convincente.

 

Pessoalmente, experimentei há 17 anos vender roupa pela internet formando um marketplace. Não deu certo, pois achavam que roupa não seria vendida sem provar, ou que era melhor entrar individualmente.

 

Recentemente, tentei convencer os shoppings centers que deveriam fazer marketplaces, pois os lojistas que entravam na internet iriam em pouco tempo perceber a necessidade de se agrupar. Ainda estou tentando, e os lojistas já estão se juntando.

 

Mas, hoje, aprendi a lição. Estou lançando um produto que resolve um problema que observei durante 40 anos: a renovação do contrato de locação comercial. Espero que possa desempenhar a figura proposta por Arthur Igreja do empreendedor de sucesso.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung, às quartas-feiras.

Mundo Corporativo: o empreendedor tem de ter metas desafiantes, diz Paulo Valery

 

 

“O empreendedor tem que colocar desafios na meta dele. Aí começa a ser meta. E o desafio é em errar, também. O erro pode trazer muitos aprendizados. Talvez até mais do que o sucesso”. O comentário é do consultor Paulo Valery ao tratar da primeira de dez características que marcam um empreendedor de sucesso: o estabelecimento de metas. O planejamento, a persistência e o comprometimento também fazem parte desta lista que ajudará aqueles que pretendem abrir seu próprio negócio. Valery foi entrevistado pelo jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo da CBN, sobre o livro “De empreendedor para empreendedor – dicas importantes para empreender com sucesso”, do qual ele é um dos autores.

 

O Mundo Corporativo pode ser assistido, ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas, no site e na página da CBN no Facebook. O programa é reproduzido aos sábados, no Jornal da CBN, ou aos domingos, 11 da noite, em horário alternativo. Colaboram com o Mundo Corporativo: Juliana Causin, Rafael Furugen e Débora Gonálves.

Mundo Corporativo: André Barrence diz o que o Google procura nos novos empreendedores e startups

 

 

“Eu costumo dizer que o empreendedor tem de ser um cara apaixonado não por uma solução, mas por um problema. Quando a pessoa chega pra mim e fala: “tem um problema que eu acho que eu consigo solucionar”, aí o meu nível de atenção já sobe muito”. A afirmação é de Andre Barrence, diretor do Campus São Paulo do Google e do Google For Entrepreneurs, em entrevista ao jornalista Milton Jung, no programa Mundo Corporativo – Nova Geração, da rádio CBN. Barrence é responsável pelo setor do Google que incentiva a criação de empresas e o desenvolvimento de startups. Nesta entrevista, você vai saber como aproveitar a infraestrutura oferecida pelo Google aos jovens empreendedores.

 

No último sábado do mês, o Mundo Corporativo se dedica às novas gerações. A gravação do programa pode ser assistida ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas, no site e da página da CBN no Facebook. Colaboraram com este programa Juliana Causin, Rafael Furugen e Débora Gonçalves.

Mundo Corporativo: Sílvio Broxado mostra os caminhos para aposentar e empreender

 

 

O empreendedorismo está na veia, no genoma das pessoas, apesar de a maioria de nós sermos empregados. Porém, diante da longevidade e a necessidade de nos mantermos ativos por mais tempo, é preciso reacender esta visão do empreendedorismo. A sugestão é do consultor Sílvio Broxado em entrevista ao programa Mundo Corporativo, da rádio CBN, apresentado pelo jornalista Mílton Jung. Autor do livro “Aposentar e empreender – enxergar novas oportunidades e ganhar mais significância social”, Sílvio Broxado fala de como planejar sua carreira após os 50 anos.

 

O Mundo Corporativo pode ser assistido ao vivo, no site e na página do Facebook da rádio CBN, às quartas-feiras, às 11 horas. O programa vai ao ar aos sábados, a partir das 8h10, no Jornal da CBN. Participam do Mundo Corporativo Juliana Causin, Carlos Mesquita e Débora Gonçalves.

Empreendedorismo: cuidado com o empreendedor-pipoca

 

 

No Brasil, boa parte das pessoas que envereda pelo caminho do empreendedorismo, o faz por necessidade. Na falta de emprego ou dificuldade para juntar um pouco mais de dinheiro, sai em busca de opções, abre seu próprio negócio e fica na torcida para que tudo dê certo.

 

Claro que a possibilidade de sucesso em casos como esses é pequena, pois se não houver planejamento, estratégia, informação precisa e paciência, o empreendedor tende a encontrar mais problemas pela frente.

 

Com a crise atual e diante das promessas de resultados rápidos, algumas pessoas saem de um negócio para o outro sem pestanejar, podendo gerar ainda mais prejuízos a si mesmo e a seus parceiros.

 

No Papo de Professor, do Sebrae, falei sobre o empreendedor-pipoca, esta figura que está sempre correndo atrás de nova aventura na esperança de que um dia encontrará o negócio certo. É impaciente, ansioso e, muitas vezes, ganancioso. Tem um perfil de altíssimo risco. Muito cuidado!

 

Para saber minha opinião sobre o assunto assista ao vídeo acima.

 

Veja aqui outros vídeos sobre empreendedorismo.

Empreendedorismo: seja empreendedor no emprego que você tem

 

 

Abrir o seu próprio negócio a partir de ideia inovadora. Essa é a visão mais tradicional que temos do empreendedorismo. Porém, há algum tempo já percebemos a necessidade de  as empresas criarem ambientes que incentivem o desenvolvimento de uma consciência empreendedora entre seus colaboradores, dando-lhes liberdade para criar e encorajado-os a implantar ideias próprias.

 

Falei sobre o tema em um dos vídeos do Papo de Professor, promovido pelo Sebrae, que você assiste acima.

 

Veja  aqui outros vídeos sobre empreendedorismo.

Empreendedorismo: identifique o alcance do seu negócio na internet

 

 

A internet tem oferecido oportunidades diversas para empreendedores, mas não pode ser vista como a salvação de todos os negócios. É preciso identificar o potencial da sua ideia e o perfil do público que pretende alcançar.

 

Falei sobre o tema durante o Papo de Professor, do Sebrae, diante de uma das perguntas selecionadas: “existe uma teoria que diz que qualquer negócio na internet prospera. O que você acha disso? como os clientes da internet estão em todos lugar e em lugar nenhum, como fazer para conhecê-los?”

 

A resposta completa você encontra no vídeo acima.

 

Para assistir a outras questões relacionadas ao empreendedorismo, clique aqui.

Empreendedorismo: se a sorte existe, faça com que trabalhe a seu favor

 

 

Empreendedorismo não é uma lance de sorte: é oportunidade criada. Portanto, encontradas as condições para desenvolver sua ideia não espere que o dinheiro caia do céu, identifique as condições do mercado, tenha sensibilidade para entender o desejo dos clientes e execute-a com precisão. Somente assim o fator sorte – se este existir – vai lhe ajudar.

 

Durante o Papo de Professor, do Sebrae, uma das questões que surgiram foi em relação aqueles empreendedores que embora tivessem todas as informações contrárias para abrir um determinado negócio, investiram contra a maré e se deram bem.

 

Na resposta que você assiste no vídeo acima, conto uma experiência pessoal que me permitiu dar passo importante na vida profissional: contei com algumas coincidências, mas se não estivesse bem preparado para aquele momento, nada teria acontecido.

 

Para conhecer esta história, clique no vídeo acima; para ouvir outras questões sobre empreendedorismo, clique aqui

Empreendedorismo: como empreender com pouco dinheiro

 

 

Saber buscar e gerenciar os recursos para viabilizar uma ideia costuma ser decisivo para os novos empreendimentos. Nestes tempos bicudos, a captação de dinheiro tem de ser cuidadosa e exige conhecimento do empreendedor, pois muitas vezes ao não identificar as fontes mais apropriadas coloca seu negócio em risco.

 

Um dos temas que surgiram no Papo de Professor, do Sebrae, foi a possibilidade de se empreender com poucos recursos, diante da crise econômica. No vídeo acima cito alguns caminhos onde você pode buscar este dinheiro e chamo atenção para o fato de que pouco dinheiro pode ser visto como fonte de inspiração, apenas exigindo mais criatividade.

 

A boa notícia é que, depois de já ter gravado esse vídeo, entrevistei para o Mundo Corporativo da CBN, o economista Marco Gorini, co-autor do livro “Captação de recursos para startups e empresas de impacto”. De acordo com Gorini, as dificuldades econômicas de alguns setores não têm impedido que investidores coloquem dinheiro nas boas ideias que surgem no mercado.

 

A entrevista vai ao ar em breve, na rádio CBN, e pode ser conferida no Facebook da CBN. O livro é ótima dica a você que pretende se estruturar e conseguir auxílio financeiro.

 

Veja outros vídeos sobre empreendedorismo do Papo de Professor, do Sebrae.

 

Empreendedorismo: 4 passos para planejar seu negócio diante da crise

 

 

Diante da crise econômica, muitos empreendedores se vêm levados a diversificar seu negócio em busca de alternativas que façam aumentar seu rendimento. E este foi um dos temas propostos no Papo de Professor, promovido pelo Sebrae: como fazer isso sem perder a eficiência e a qualidade?

 

Partindo da premissa que empreendedorismo envolve inovação e riscos, não podemos apenas esperar que a crise nos atropele. É necessário buscar caminhos viáveis, a partir do próprio negócio que já realizamos.

 

Para planejar seu negócio neste cenário, proponho quatro passos:

 

  1. Identifique os fatores que impactam seu negócio e quais fatores seu novo negócio vai impactar.
  2.  

  3. Determine o seu limite, até onde seu produto pode chegar, qual o alcance do serviço que você presta.
  4.  

  5. Antecipe-se e mapeie os imprevistos que possam surgir no seu caminho
  6.  

  7. Jamais tire o foco do que mais importa: o cliente

 

A resposta completa você assiste no vídeo acima.

 

Aqui você assiste a outros vídeos nos quais respondo perguntas sobre empreendedorismo