Avalanche Tricolor:  de calcanhar, para driblar a melancolia

Grêmio 0x1 Athletico Paranaense

Brasileiro — Arena Grêmio

Foi no começo da semana que se completaram 50 anos de um dos gols mais bonitos marcados com a camisa do Grêmio. Quem refrescou minha memória, carcomida pelo tempo e excesso de preocupação, foi Ricardo Wortman. E o fez de forma especial: enviou-me o post publicado em seu blog Corneta do RW e o arquivo de áudio do grito de gol narrado por Milton Ferretti Jung, na rádio Guaíba, naquele 7 de junho de 1971. 

A partida era contra o Inter de Santa Maria e o autor do feito, o argentino Chamaco. Era um tempo em que as disputas dos campeonatos regionais é o que tínhamos para sonhar. Tempo, também, em que o pai ainda não havia criado sua marca registrada —- o grito de “gol-gol-goooool”. Mas já desfilava seu talento no gogó e no teclado das máquinas de datilografia. 

Caro e cada vez mais raro leitor deste blog, com o devido pedido de licença para não tomar seu tempo com palavras ao vento sobre a melancólica apresentação gremista nesta tarde de domingo, na Arena, reproduzo a crônica do gol que o pai escreveu na revista do Grêmio, publicação oficial do time que registrava os grandes feitos do tricolor. 

O gol foi fantástico. O texto, primoroso:

O calcanhar tinha olhos

‘Baixada Melancólica” é como chamam, lá em Santa Maria, o estádio do Internacional. E, olhem, com aquela chuvinha miúda que caía, no domingo em que o dono do local tinha que jogar com o Grêmio, até que o apelido ficava bem. Mas, mesmo assim, com a chuva e com o frio, os torcedores foram chegando e apertando-se nos degraus molhados das arquibancadas. E havia muitos com bandeiras do Grêmio, todos com um mesmo desejo: ver Chamaco e Scotta, o bigodudo com jeito de líder, e o sardento atacante, de poucas falas e muita habilidade. A partida começou e o primeiro tempo foi um quase nada de jogo, uma tristeza, afinando em tudo com o tempo ruim. Mas, no segundo período, Otto Glória mexeu no time. Fêz de Caio um companheiro para Scotta e a apatia do jôgo quebrou-se em dois gols do argentino. Depois disso, já ninguém esperava grande coisa. Os colorados consolavam-se com o gol que Maneco havia feito, empatando a partida numa alegria que durara pouco. Scotta logo marcou o segundo. De repente, um lance como que explodiu dentro do campo. Inesperado, como tôdas as explosões. Inédito no seu contexto. Scotta , que tinha chegado à linha de fundo, levantou a bola para a área do Internacional. Chamaco vinha se intrometendo pelo meio, o gramado meio que lhe escapando debaixo das chuteiras, cujas travas não se agarravam à grama molhada. E aquela bola caindo na área. Só que Chamaco tinha mais pressa do que ela. Uma pressão que não era dêle, mas do chão mentiroso. Estava saindo do lance, tal e qual um ator ao qual coubesse, na peça, uma única fala e que passasse pelo palco sem conseguir dizê-la. Valdir, o goleiro, nem ficou com mêdo. A defesa parecia tão fácil, o lance tão seu. Chamaco tão por fora. Chamaco patinava. Onde terminaria naquele impulso todo? A bola sempre mais para trás. Êle cada vez mais à frente. Quem estava lá, aquém do corpo que deslizava. O corpo foi. A perna, não. Para trás! Distendeu-se. Procurou, quase que tateando a bola fugidia. O peito do pé tem olhos quando chuta. O calcanhar, aquela protuberância cega, criou-os. E encontrou a bola, Transformou-se em espoleta, gatilho, catapulta. Sei lá. No choque com o calcanhar, o couro ergueu-se num volteio interminável, num arco inatingível para Valdir. E caiu novamente, raspando o travessão, escorrendo pela rêde. GOL! Pelo amor de Deus, GOL! Incrível, como seu dono, Don Carlos Chamaco Rodrigues.  

Ouça o gol narrado por Milton Ferretti Jung e com a participação do repórter João Carlos Belmonte. A voz que abre a gravação é do zagueiro Souza, do Inter de Santa Maria:

Avalanche Tricolor: “aí vem o Grêmio!!!” e outros capítulos do rádio gaúcho

Aragua 2×6 Grêmio

Sul-Americana — Caracas/Venezuela

Foto: Lucas Uebel/Grêmio FBPA

Os que tiveram o privilégio de ouvir transmissões de futebol na época de ouro do rádio gaúcho têm na memória o grito que marcava a entrada do time do Grêmio no estádio Olímpico. ‘Aí vem o Grêmio!!!’ — com direito ao alongamento de todas as vogais e tom de voz firme —- era a senha do repórter de campo João Carlos Belmonte para a explosão de alegria do torcedor que recepcionava seus jogadores aos gritos e sob foguetório. Ele ficava com microfone da Rádio Guaíba em punho ao lado da escadaria que dava acesso ao gramado e a medida que os jogadores se posicionavam em fila, citava nome a nome, e a cada nome o coração batia mais forte no nosso peito.

O ritual se repetia no Beira Rio com o time da casa —- e dizem as más línguas com uma pitada maior de alegria, reveladora; eu não concordo. Mas como esse espaço tem suas exclusividades, vou me ater a emoção que Belmonte provocava na nossa torcida. Era mágico. Transgressor. Porque seu olhar e palavras devassavam o escurinho do túnel, quase sagrado, tantos eram os ídolos que se reuniam a espera da batalha. Belmonte descrevia a movimentação dos jogadores, a conversa ao pé da orelha e os gritos motivacionais, tudo hoje naturalizado pelas câmeras de televisão e pelo insípido cerimonial de entrada em campo.

Quando Belmonte fazia do rádio magia, eu era  guri de manga curta, ouvinte e gremista encantado pelas palavras dele.

Vibrava no cimento do Olímpico acompanhando a festa comandada pelo repórter de rádio que mexia duplamente com a minha imaginação. Por torcedor que era e por jornalista que sonhava ser. Transformei-me repórter de campo anos à frente. Anos luz distante do talento de Belmonte e outras feras que fizeram o rádio gaúcho ser dos melhores do Brasil. Ele e a mulher Ligia —- recentemente falecida — eram amigos dos meus pais e faziam parte de um círculo de casais, ligados ao jornalismo, que saíam quase toda semana para jantar. Isso me gerou alguma intimidade com o Belmonte e com muita gente boa do meio. E colaborou para minha escolha de carreira.

Certamente, foi essa mesma convivência que fez Roberto Villar e o Caco Belmonte seguirem a carreira jornalística. Eles são os filhos da Ligia e do Belmonte e foram os responsáveis por convencer o pai a escrever suas histórias, curiosidades, estratégias e furos de reportagem no livro “Fala, Belmonte! Memórias do cronista esportivo”(Farol3 Editores). Um exemplar está aqui em casa, lido e guardado junto a outros três que deveriam, obrigatoriamente, fazer parte de um caixa literária sobre o jornalismo esportivo: “Olha Gente – As histórias de Lauro Quadros”, escrito pelo próprio; “Pedro Carneiro Pereira — O narrador de emoções”, de Leandro Martins, e, claro, “Milton Ferretti Jung. Gol, Gol, Gol, Um Grito Inesquecível na Voz do Rádio”, de Kátia Hoffmann.

Essa ‘coleção’ conta, em cada capítulo e livro, um pouco do que se fez no radiojornalismo e esportivo brasileiro, através da história de seus protagonistas —- dois deles dedicados à narração, Milton, o pai, e o Pedrinho; dois à reportagem e ao comentário esportivo, Lauro e Belmonte. Deve ser preservada porque traz a memória de um rádio que, mesmo permanecendo forte, já foi mais influente na opinião pública. Hoje, é inimaginável a cena de um repórter de campo regendo um coro de milhares de torcedores no ‘parabéns à você’ em homenagem ao jogador aniversariante com quem conversa ao microfone. Belmonte era capaz. 

É interessante saber como eram as jornadas internacionais em uma época pré-internet, a dificuldade de deslocamento, o improviso das estruturas e a qualidade com que se conseguia levar os fatos aos ouvintes, Em “Fala, Belmonte!” vale uma dedicação especial à cobertura do título Mundial do Grêmio, em 1983. Sim, Belmonte viveu intensamente aqueles momentos:

“Dias após o Grêmio conquistar a Libertadores de 1983, fui enviado ao Japão. Missão: desbravar Tóquio e remeter matérias à Rádio Guaíba e Correio do Povo, gravar um programa de uma hora para a TV2 Guaíba. Além disso, havia a missão ‘secreta’ de contratar linha 24 horas, disponível antes e depois do jogo final, conectando o nosso hotel e o estádio com a emissora em Porto Alegre”

Belmonte viveu e vive aqueles momentos, mesmo que aposentado. Conversei com ele dia desses para agradecer pelo envio do livro, oportunidade em que relembramos algumas passagens que teve com o pai. E na qual percebi que mantém uma das marcas de sua personalidade. Amigos mais próximos dirão que é a avareza — fama desmentida pelo próprio Caco Belmonte, no texto de introdução. Belmonte, para mim, além de referência jornalística, sempre foi um cara bem humorado. Alegre com o que fazia. E disposto a deixar seus ouvintes ainda mais felizes — como ficávamos lá no Olímpico, todas as vezes que ele anunciava: “aí vem o Grêmio !!!”

PS: sei que o caro e raro leitor desta Avalanche entenderá minha disposição de escrever sobre João Carlos Belmonte em lugar de ocupar este espaço, como sempre faço, com mais uma goleada gremista no exterior. A partida da noite de ontem era fava contada, apesar de ter me divertido muito em ver os guris brincando com a bola em campo. E o que importa mesmo nesta semana, vai acontecer domingo, em mais um Gre-Nal. Pena que o Belmonte não estará na beira do gramado para chamar a torcida ao delírio.