Condenados ao consumo, Deus que nos perdoe !

 

httpwww.flickr.comphotostxiribiton

Por Rosana Jatobá

-Oi, você vem sempre aqui?

-A cada 3 meses. E você?

– Sempre!

-Mas como ? Nunca te vi…

– É que chego e saio logo. Sempre tem alguém interessado em me levar pra casa.

-Pois é. Eu tive a mesma idéia. Você é incrível! Não consigo ficar só olhando. Dá vontade de pegar, apertar, descobrir seus segredos, tudo isso que você tem pra oferecer!

-Então me leva daqui, vai! Te faço um desconto!

– O problema não é dinheiro. É que estou tentando controlar meus impulsos.

– Se você me deseja, é porque não está mais satisfeito com o que tem..

-Não posso me queixar. Mas voce é muita tentacão!

-Então não resista . Eu não vou te decepcionar. Sou mais atraente, aceito muitos tipos de programa, e posso te transportar para onde você nem imagina…

-Ai, meu Deus! Você venceu! Vamos. Eu me chamo Paulo . Como posso te chamar?

– Iphone 3gs 32gb . Sou da familia Apple. Meu pai se chama Steve Jobs e acabei de ganhar um irmão que é um sucesso também , o IPAD. Ele tem uma grande tela IPS de alta resolução retroiluminada por LED e com a tecnologia Multi-Touch incrivelmente ágil. Além de um chip extremamente poderoso. Tudo isso em uma estrutura bastante fina e leve para que você possa levar para onde quiser. O iPad é o melhor dispositivo da sua categoria!!

Paulo se rendeu à paixão e engrossou as estatísticas dos 45 milhões de brasileiros que cedem aos apelos das facilidades tecnológicas e trocam de celular todo ano. Levou o Smartphone e aposentou seu Motorola .

Mas a solidão do aparelho no fundo da gaveta só durou 3 meses. O Iphone 3gs 32gb , motivo da traição, também fora trocado pelo irmão caçula. Quem manda fazer propaganda?

Aos dois, agora inúteis e abandonados, só restavam os lixões ou aterros sanitários. Mal chegaram àquele lugar feio, fétido e famigerado e já ouviram:

-Saiam daqui! Está lotado. Não venham deixar seus rastros de contaminação no meu solo, poluindo os lençois freáticos. Já temos mais de 180 milhões de baterias de celular nos aterros do país, a maioria feitas de metais pesados e tóxicos como níquel, bromo e cádmio!! Isso sem falar nos outros 100 milhões de equipamentos eletrônicos que são desovados aqui todos os anos!!!

-Ok, vamos embora. Este lugar cheira à morte!

Desiludidos, voltaram para o fundo escuro da gaveta.

Na manhã seguinte, um restinho de bateria lhes garantiu a ousadia:

-Vamos atrás dos nossos direitos! Vamos ao Tribunal de Justiça Sustentável, dar entrada numa ação de indenização por danos materiais, morais e ambientais!

Dito e feito.

O consumidor Paulo foi citado e juntou aos autos a contestação. A defesa se baseava na liberdade de comprar . Direito adquirido com a Revoluçao Industrial , do século 18.

A audiência de instrução foi marcada e começou o embate jurídico, introduzido pelo Juiz :

– Consumidor Paulo, o senhor é acusado de comprar estes dois aparelhos eletrônicos aqui presentes , num prazo de apenas 3 meses, para obter praticamente as mesmas funções tecnológicas. Conduta pela qual deve responder civil e penalmente, nos termos do artigo 2, do Código da Sustentabilidade: “O ser humano poderá consumir apenas para satisfazer necessidades básicas”.

-Mas a lei me garante o acesso irrestrito aos bens materiais. Vivo na chamada “sociedade de consumo”, alimentada pela produção, baseada no descartável, no supérfluo. Comprar é uma obrigação, e consumir, uma necessidade. Tenho que acompanhar as mudanças de modelo ou o lançamento de um novo, porque minhas compras garantem crescimento do PIB, emprego e renda para bilhões de habitantes. Este é o modelo econômico.

-Este modelo está falido. Ele é predador e representa o esgotamento dos recursos naturais. Estamos em dívida com o planeta, precisamos preservá-lo e buscar uma relação de consumo equilibrada. Temos que impor limites ao progresso econômico e entender que os recursos naturais são de extrema importância para a preservação humana e de todos os seres da natureza.

-“Data venia”, Meretíssimo, não fui eu que dei causa a essa degradação ambiental. Agora que tenho dinheiro na vida, não posso ser privado de comprar. A gente trabalha pra quê?

-Para cultivar os prazeres do espírito! Todos terão que cooperar e aderir ao Consumo Consciente. As futuras gerações estão ameaçadas! É importante buscar um novo paradigma, baseado na racionalidade das relações de consumo, para que o homem e a natureza andem lado a lado.

-Mas eu não saberei mudar depois de 40 anos inserido neste sistema!

-Sugiro que leia o livro “Gaia: Alerta final” do cientista James Lovelock. O senhor irá despertar para uma nova consciência, afastando-se desta visão antropocêntrica que valoriza o ter, em detrimento do ser. Vai adquirir novos valores voltados para a realidade e entender que o ser humano não é o único dono do planeta e, sim, parte da natureza e extremamente dependente das relações ecossistêmicas. Profiro a seguinte sentença:

“Para fins de ressarcimento por danos morais, condeno-o a encaminhar os dois reclamantes aqui presentes ao posto de recicalgem mais próximo desta Comarca, a fim de que ganhem vida nova.

-Mas Excelência, esta tarefa é do fabricante!

– A Política Nacional de Resíduos Sólidos impõe obrigações aos empresários, aos governos e aos cidadãos no gerenciamento dos resíduos. É a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos.

E continuou:

“A pena será convertida em serviço ambiental: plantar 100 árvores para compensar as emissões de CO2 pelo consumo extravagante.” Sem mais, a audiência está encerrada!

Paulo abriu mão do recurso e cumpriu a decisão judicial. Mas naquela mesma semana fora acometido por novos desejos implacáveis de consumo.

Atormentado pela culpa, foi à missa no domingo e confessou seu pecado:

-Seu padre, fui condenado pela Justiça Sustentável , já cumpri a pena, mas não consigo refrear meus impulsos consumistas. Já estou de olho num Smartphone que a Motorola vai lançar com a plataforma Android , do Google. Penso também no Storm, da Blackberry.

-Cuidado, meu filho. A Terra pode se vingar dos maltratos e nos condenar ao tão temido fogo do inferno aqui mesmo neste Planeta. O aquecimento global já é visível..

– Eu sei, eu sei, seu padre, vou tentar me conter. Prometo! Sua benção e piedade…

– O Senhor já o perdoou, meu filho. Vá em paz. E fuja das vitrines como o diabo foge da cruz: elas têm o mesmo poder de sedução de uma mulher! Se for inevitável passar em frente a uma loja, lembre-se das Escrituras sagradas: “Orai e vigiai, para que não entreis em tentação”!

Rosana Jatobá é jornalista da TV Globo, advogada e mestranda em gestão e tecnologias ambientais da USP. Toda sexta, conversa com os leitores do Blog do Mílton Jung.

Visite o álbum digital de fotografias de Txiribiton/