Manifesto pela preservação das Zonas Exclusivamente Residenciais em SP

 

Incentivado pelo artigo escrito pelo colunista Carlos Magno Gibrail, na quarta-feira, neste bLog, com o título “O que a falta de água tem a ver com o Plano Diretor”, aproveito para reproduzir o manifesto pela manutenção, preservação e proteção das Zonas Exclusivamente Residenciais no Plano Diretor Estratégico da Cidade de São Paulo, a ser discutidona Câmara Municipal. O texto já tem a assinatura de cerca de 40 entidades.

 

Leia, reflita e apóie (se considerar importante):

 

Ao ensejo da elaboração do novo Plano Diretor Estratégico da Cidade de São Paulo, as sociedades, associações e entidades representativas das Zonas Exclusivamente Residenciais – ZER, que este subscrevem, apresentam suas razões para a manutenção, preservação e proteção das Zonas Exclusivamente Residenciais – ZERs, seja como elementos de excelência urbanística no campo do planejamento urbano, seja como elementos essenciais derivados desses projetos do espaço urbano, de qualidade inegável na prestação de serviços ambientais no ecossistema urbano, promovendo equilíbrio ambiental e redução dos impactos urbano-ambientais nocivos, promovidos pelo padrão mercantil de ocupação e de expansão da mancha urbana.

 

Nesse sentido, se destaca a importância do conceito urbanístico inerente às áreas exclusivamente residenciais, de estreita relação com o meio ambiente, cuja natureza jurídica figura no âmbito do direito difuso, conforme já definido no próprio texto do atual Plano Diretor Estratégico (Lei 13.430/02).

 

Por sua vez, a Lei 13.885/04, na sua Parte II, nos Planos Regionais Estratégicos, trata como política pública protetiva e preservacionista manter e promover os bairros com características exclusivamente residenciais. O atual Plano Diretor dispõe sobre a preservação e a proteção das áreas estritamente residenciais e das áreas verdes significativas e a manutenção do zoneamento restritivo dos bairros estritamente residenciais, que devem ser mantidas.

 

Dessa forma, resta claro que as Zonas Exclusivamente Residenciais integram a política pública de planejamento urbano do Município de São Paulo. Essas áreas estão incorporadas no patrimônio jurídico da cidade e de cada cidadão, de interesse público urbanístico e ambiental, com tal relevância para a sustentabilidade urbana–ambiental do território que seu tratamento na revisão do planejamento urbano somente poderá se dar através da criação de novos instrumentos normativos para assegurar ainda sua maior proteção e defesa, como a criação de Áreas de Amortecimento dos Perímetros das ZERs e a revisão das Zonas de Centralidade Linear a fim de aumentar do grau de restrição no uso e ocupação, pois alguns desses corredores, principalmente aqueles localizados no miolo das ZERs são altamente impactantes, promovendo, ao contrário da desejada preservação, a degradação desses espaços especialmente protegidos e seus benefícios urbanos e ambientais em prejuízo da coletividade.

 

Continuar lendo

O manifesto de YSL volta às ruas

 

Por Dora Estevam

4978274410_3cb68aa251_z

Toda a estação Stefano Pilati vai além das passarelas e leva a marca YSL para as ruas. E assim, estende a grife aos olhares e carinho de quem passa pelas calçadas das capitais mais famosas do mundo.

Tudo para apresentar o seu projeto mais querido e adorado de todos os tempos: “O Manifesto-Lookbook” que será lançado semana que vem, dia 14/09, na versão 2010-11 com Daria Werbowy estrelando nos projetos da casa.

Pilati gosta de variar, mas tem predileção pelas modelos femininas famosas. Estrelas como Kate Moss, Gisele Bundchen, Claudia Schiffer, Naomi Campbelle, Christy Turlington também já participaram desta ação que marca cada vez mais o diferencial da YSL, nos tempos modernos.

O Manifesto vai bater nas ruas de Nova York, onde serão distribuídos pelo menos 2.000 panfletos. Seguirá para Paris, Londres, Milão, Tóquio, Hong Kong e, pela primeira vez, Beirute, dia 18/09.

O curta que você vê tem um hipnótico, trippy elegante, com mudanças de roupas rápidas de trajes.

Seis edições já foram apresentadas nesta mesma linha. Pilati acredita que as revistas só mostram as bolsas caras. Assim, a ideia do estilista é aproximar cada vez mais o público do produto, desta maneira pretende falar diretamente com o consumidor da marca. De quebra tem sempre uma sacola bacaninha que ele distribui junto. E não se “pré-ocupem”, o papel é reciclado.

Os lookbooks geralmente vêm cheios de fotos com as roupas da marca. Quem curte a YSL e não tem dinheiro para comprar ao menos se sente atraído com as produções e na hora de gastar com outras roupas os terá como inspiração.

O evento ocorre bem na época em que os estilistas apresentam as coleções prontas para a primavera-verão 2011. Normalmente os eventos são tão fechados que o público em geral não consegue acompanhar. Sem dúvida, uma apresentação especial desta, feita nas ruas, quem dá a primeira notícia para o mundo é você.

Sobre a coleção:

Stefano Pilati quer propor um novo mininalismo, só que desta vez sob o olhar do contemporâneo, uma espécie de desejo natural de pertencer a vanguarda. Ele usa frutas como estampas, o morango foi a espécie que apareceu. Trabalha peças estruturadas, misturadas com volumes, tipo plissado, e com itens mais tradicionais da grife francesa, como a saia lápis.

Os looks aparecem em branco, preto, cinza e outras tonalidades neutras. Os shapes com cinturas mais altas, marcadas pelo cós com cintos nas peças. Amplas e soltas aparecem as calças e bermudas, próprias para qualquer idade ou verão. Os vestidos e saias também são mais volumosos. E como elegância e sensualidade fazem parte da marca não poderiam faltar algumas discretas aparições nesta coleção.

Aproveite, se inspire.

Dora Estevam é jornalista e escreve sobre moda e estilo de vida no Blog do Mílton Jung, aos sábados.