Invadiram minha conta no Spotify

 

music-on-your-smartphone-1796117_960_720

 

Ter um perfil invadido, independentemente do serviço, é sempre assustador. A primeira dúvida que surge é que tipo de informação o invasor pode obter. Seguida do medo de que esse decida usar seu perfil para qualquer outro tipo de irregularidade. Medo que potencializa diante da constatação de que sua vida digital é acessível e frágil.

 

Nos primórdios do Twitter sofri um ataque. Na época, não havia serviço no Brasil e fui salvo por uma cara chamado @Charles — em saga que relatei aqui no Blog. Recentemente, fui alertado pelo Instagram sobre tentativa de acesso ao meu perfil e identifiquei que o endereço era da Argentina — como o ataque não se concretizou, tudo foi resolvido com um “não reconheço esse acesso”.

 

Agora, quando a invasão é no Spotify? Qual seria a intenção do invasor? Conhecer sua playlist? Confirmar se sou mesmo fã do Molejo? Encher sua playlist de música sertaneja? Aparentemente, os dados de cartão de crédito estão protegidos.

 

Independentemente do que queiram e possam fazer na sua conta, a sensação é muito ruim. E foi o que percebi nessa quarta-feira quando recebi e-mail do próprio Spotify informando que o endereço eletrônico da minha conta havia sido modificado.

 

Se foi você quem fez, não se preocupe —— dizia na mensagem. Preocupei-me imediatamente, é claro.

 

Em seguida, toda a turma que estava cadastrada na conta família soube, também por e-mail, que tinham sido retirada do grupo. Ainda bem que ninguém aqui em casa é paranóico a ponto de achar que estava sendo excluído por qualquer desavença.

 

Antes de clicar em um link disponível no e-mail recebido —- vá que seja mais um golpe que o Thassius Veloso ainda não tenha me informado —-, testei minha conta no serviço e a invasão se confirmou. Não conseguia mais acessá-la através do meu login.

 

Como os links disponíveis não me levavam diretamente à dúvida que tinha, fiz a busca no Google: “invadiram minha conta no Spotify”. A busca me levou a página “Alguém invadiu minha conta”.

 

São feitos alguns pedidos de pouca utilidade como “redefina sua senha”ou “acesse a página da sua conta”. Impossível porque seu e-mail e senha foram modificados.

 

Para não perder tempo, caso você passe por essa situação, vá direto ao “Acesse o nosso formulário de contato”, mas não se assuste: um novo menu será oferecido sem esclarecer muito bem qual caminho seguir —- especialmente se você não teve calma para ler a primeira página de orientação.

 

Em uma série de tentativas e erros, dei os seguintes passos até encontrar uma solução:

1. Alguém invadiu minha conta
2. Selecione Login
3. Clique em “Não consigo entrar”
3. Escolha “Ainda preciso de ajuda”
4. Preencha o primeiro quadro com o tipo de assinatura
5. O segundo com seu nome
5. No terceiro, escreva que sua conta foi invadida
6. Clique em “Iniciar Bate-Papo”

 

Somente após essa caminhada pelo site, comecei a respirar, pois uma caixa de diálogo surgiu e consegui um atendimento pessoal. Para que a conta seja recuperada é preciso apresentar uma captura de tela do recibo de pagamento do Spotify, que costumamos receber por e-mail. Para achá-la, coloque na busca da sua caixa de correio: “recibo do Spotify”. Vale também a captura do extrato do banco ou do cartão de crédito, onde apareça o pagamento.

 

Foram 21 minutos entre o primeiro contato e a conclusão do caso. Pouco mais de uma hora, entre o alerta que chegou por e-mail, a busca das informações para recuperar a conta e a solução final.

 

Uma observação: o atendimento pelo chat foi claro e simpático. Valeu, Aline M!

 

Uma sugestão: colocar na primeira página do Spotify um ícone com o anúncio “SE SUA CONTA FOI INVADIDA ENTRE AQUI” ou algo do tipo “ESTOU AQUI PARA SALVAR VOCÊ”, porque na hora do susto a paciência é curta e o medo intenso — uma combinação explosiva que nos leva a não ler, não pensar e não saber o que fazer.

 

Uma dúvida (ou a mesma dúvida): por que alguém invade uma conta no Spotify?

Um manual para os pais da geração gamer

 

header-tsm-worlds-dia7

foto divulgação da Riot Games

 

Comecei brincando no Atari, na casa de dois amigos de adolescência. E só voltei ao videogame muitos anos depois, já em São Paulo. Foi presente do pai que era viciado em Tetris. Eu preferia o cartucho com jogos de basquete. Foi nesse mesmo SuperNintendo que os meninos começaram a praticar sua paixão pelos jogos eletrônicos. Não me perdoam até hoje por eu ter doado o console e todos os cartuchos para alguém que sequer merecia a confiança da família.

 

Jogamos juntos e nos divertimos por anos a fio. Levei-os a todo tipo de campeonato e em qualquer lugar que se realizasse na cidade: Mário Kart, Super Mario Striker, Mario Tennis … Se não me engano cheguei a competir em equipe com o mais novo: naquela época, ninguém apostava muito nele. Se soubessem no que ia dar, estariam arrependidos. Fui me afastando dos “games” a medida que evoluíam (os filhos e os jogos). Preferi deixar a coisa nas mãos dos profissionais aqui de casa.

 

De jogador amador transformei-me em assistente, um torcedor. Já meus dois filhos avançaram nos consoles, desenvolveram-se nos jogos mobile e, de repente, estavam envolvidos até o pescoço nos esportes eletrônicos. Um foi escrever sobre o assunto e o outro se profissionalizou. Hoje é técnico de uma das equipes de esports no cenário nacional.

 

Nunca me assustei com a inserção deles nesse mundo virtual, mesmo com a pressão de parentes, amigos e “especialistas” que vislumbravam um futuro nebuloso para esses guris que não saíam da frente do computador. Cuidado! Isso não pode dar boa coisa, alertavam os mais próximos. Sabe aquele menino americano que matou os coleguinhas? Ele jogava computador! – alardeavam. É claro que jogava. Todos eles jogam computador: os que matam, os que morrem e os que vivem firme e forte. É da geração deles.

 

Dos meus cuido eu (e minha mulher), pensava cá com os meus teclados. E cuidava mesmo. Desde pequeno sempre estivemos ao lado deles. Em casa, mantivemos até hoje os computadores em uma mesma sala. O que eu faço, eles sabem. O que eles fazem, eu aprendi. Logo percebi que ao contrário das previsões pessimistas, eles não ficavam o dia inteiro no computador jogando “joguinhos”. Eles ficavam o dia inteiro no computador jogando “joguinhos”, assistindo a videos, lendo notícias, compartilhando conteúdo, pesquisando assuntos de seu interesse e outros nem tão interessantes assim, mas obrigatórios na escola. Eles jogavam “joguinhos”, mas também se informavam, aprendiam e conversavam com amigos, colegas de escola e professores. Viviam em frente ao computador.

 

Por conhecer o mundo em que vivem, ou me esforçar para entender, é que aceitei com mais facilidade – e uma tremenda dor no coração – a escolha do meu mais novo: ele trocou nossa casa pela imersão em uma game house quando ainda estava com 17 anos. Foi comandar uma equipe de Lol. Abriu mão da faculdade pela realização de um sonho – e enquanto sonha ainda fatura uma grana.

 

51qFo47yWnL

 

Restou-me associar-me ao Fã Clube de Pais Sonhadores de Sonhos de Filho, como bem definiu Thereza Rodrigues, autora do “Manual de sobrevivência para pais da geração gamer”. Livro que escreveu com propriedade e criatividade. Ela é mãe do MicaO, um dos maiores jogadores profissionais de League of Legend do Brasil. Sofreu pela desinformação, aprendeu pela convivência, escutou reclamações, entrou em contradições, mas soube compreender a realidade desta garotada que vive em um mundo virtual. E com o “Manual” pretende quebrar parte do preconceito que ainda causa desavenças familiares.

 

Senti-me muito bem representado nos relatos de Thereza Rodrigues, a quem conhecia apenas como a mãe do MicaO e agora sei que é professora e escritora. Em livro, ela traduz boa parte das coisas que penso sobre essa geração e as barreiras que precisam superar em casa, na família e na escola. Põe no papel – força do hábito, pois o “Manual” foi publicado apenas em e-book – o que tenho dito a muitos pais que encontro em meu cotidiano. Uma turma assustada com o fato de seus filhos estarem sendo dominados pela tela do computador, por campeões virtuais e por disputas em cenários irreais.

 

Digo sempre e repito aqui: ficamos assustados diante do desconhecido e como esse mundo explorado por nossos filhos não nos pertence, em lugar de nos aproximarmos deles, queremos que eles se voltem para o nosso passado. Batalha perdida. Game over.

 

Aliás, preciso confessar mais uma coisa que o livro me ajudou a refletir: sempre espalhei por aí que ao decidirmos por deixar os computadores em uma mesma sala e compartilharmos nossas atividades aqui em casa, estávamos protegendo nossos filhos. Ledo engano. Estávamos protegendo os pais deles do pior de todos os males: a ignorância. GG.

 

Leia também: “O que aprendi com os meninos que não saem da frente do computador”

Pequeno Manual sobre Eleições, por Rubens Barbosa

 

Atendendo a pedidos de ouvintes-internautas público o link da entrevista com o embaixador Rubens Barbosa, atualmente presidente do Conselho de Comércio Exterior da Fiesp, e o acesso ao artigo de autoria dele com informações sobre o Pequeno Manual sobre Eleições, escrito por Quintus Tullius para ajudar na eleição de seu irmão Cícero (por favor, não confunda, este Cícero não é candidato a vereador):

 


A entrevista ao Jornal da CBN você ouve aqui

 

Em 64 a.C., Cícero, notável orador e político romano, embora não pertencente à aristocracia de onde saíam os que iriam dirigir os destino de Roma, apresentou-se como candidato ao posto de cônsul, o cargo mais importante na cena política de Roma. Seu irmão Quintus Tullius, general e político, produziu um memorando que denominou Pequeno Manual sobre Eleições, com o objetivo de ajudar o candidato na campanha que se aproximava e, como tudo parecia indicar, não iria ser nada fácil para o tribuno.

 

A revista Foreign Affairs publicou em maio/junho passado trechos do memorando de Quintus Tullius, que, pela sua atualidade diante do quadro das eleições municipais no País inteiro, tendo como pano de fundo o julgamento do mensalão, merecem ser aqui resumidos.

 

Os conselhos nele contidos podem surpreender pelo cinismo e pelo pragmatismo, mas mostram que os costumes e as práticas políticas não se modificaram substancialmente desde esses remotos tempos romanos. Em mais de 2 mil anos nada, ou quase, parece ter mudado. Os políticos mais experientes pouco terão a ganhar com o manual. Os iniciantes, contudo, poderão beneficiar-se de alguma das sugestões feitas para a conquista do sufrágio e do apoio dos eleitores.

 

O memorando aponta as duras e cruas realidades da política e oferece um roteiro pragmático ao candidato. Primeiro, prestando conselho sobre como ganhar a eleição; em seguida, analisando a natureza e a força da sua base política, além da necessidade de dar atenção a grupos específicos; e, finalmente, oferecendo uma série de conselhos práticos sobre como conquistar votos.

 

Segundo Quintus Tullius, são três as coisas que podem garantir votos numa eleição: favores, esperança e relações pessoais. E segue dizendo ao irmão: “Você deve trabalhar para dar esses incentivos às pessoas certas. Para ganhar os eleitores indecisos você pode fazer-lhes pequenos favores. Com relação àqueles em quem você desperta a esperança – uma grupo zeloso e devotado -, deve fazê-los acreditar que estará sempre ao seu lado para ajudá-los. Deixe que eles saibam que você está agradecido por sua lealdade e que está muito agradecido pelo que cada um deles está fazendo por você. Em relação aos que já o conhecem, você deve encorajá-los, adaptando a sua mensagem à circunstância de cada um e demonstrando a maior gratidão pelo apoio de seus seguidores. Para cada um desses três grupos de apoiadores, decida como eles podem ajudá-lo na campanha. E de que modo você pode pedir coisas a eles. Não deixe de dar atenção a cada um individualmente, de acordo com a sua dedicação à campanha.

 


O texto completo você lê aqui