Avalanche Tricolor: o talento de Miller Bolaños

 

Grêmio 2×2 Inter
Gaúcho – Arena Grêmio

 

32868554330_ac0ea968fa_z

Miller, o craque em foto de LUCASUEBEL/GRÊMIOFBPA

 

O Grenal disputado na noite deste sábado – quem diria que o clássico já mereceu um domingo só pra ele – teve muitos dos ingredientes que se espera para uma partida com esta tradição.

 

Teve chuva, provocação, boas jogadas e algumas pixotadas.

 

Teve jogador que fez o jogo maior, teve quem foi a campo apenas para provocar.

 

E, claro, teve um pênalti que não foi marcado logo nos primeiros minutos de partida, que poderia ter feito uma baita diferença (ou você também acha que aquilo não é pênalti?). Mas isso não chega a ser nenhuma novidade.

 

Diante de tantos fatos ocorridos, pontapés desnecessários e variação no placar, permita-me, caro e raro leitor desta Avalanche, falar daquele que considerei o mais importante: Miller Bolaños.

 

Nosso gringo desencantou de vez, após uma temporada abortada por um cotovelaço que também não foi punido pelo árbitro. Joga com autoridade e coragem. Tem passada larga e passe refinado. Corre de cabeça em pé e enxerga o jogo com facilidade. Por isso, é solidário, também. Abre espaço para os companheiros chegarem em condições de marcar. Chuta forte e sempre no gol.

 

Por falar em gol: abriu o placar ao receber bola de Pedro Rocha em contra-ataque e o fez com talento, pois apesar de chegar à frente da defesa tinha pouco espaço para disparar o chute. Deu um toque para ajeitar a bola e outro para colocá-lo no ângulo. A maioria bateria de primeira e com grande possibilidade de despachar pela linha de fundo. Miller não. É preciso quando precisamos dele.

 

A qualidade do equatoriano o torna alvo dos adversários. É combatido o tempo todo e muitas vezes de forma violenta. É lamentável que os árbitros permitam que ele seja caçado por toda a partida. Não bastasse a impunidade à violência, ele é repreendido com cartão por cobrar justiça, como aconteceu hoje à noite.

 

Miller Bolaños foi protagonista do Grenal, e com seu futebol elevado a um nível superior dos demais promete ser protagonista da Libertadores, que começa semana que vem.

 

Obs:  tive a impressão que ao fim da partida e com o quinto lugar ameaçado na tabela de classificação do Campeonato Gaúcho, teve um time que comemorou o empate na Arena? É verdade?

Avalanche Tricolor: não é pra tudo isso

 

Grêmio 1×1 São José
Gaúcho – Arena Grêmio

 

32846892762_20ce99a7b9_z

Kannemann está de volta, em foto de LUCAS UEBEL/GREMIOFBPA

 

Teve empate e frustração de torcedor, nesta noite de domingo, em Porto Alegre.

 

Teve coisa boa, também.

 

Particularmente, gostei muito de ver a troca de passe pelo lado direito com Miller Bolaños, Léo Moura, Ramiro, Everton e quem mais aparecesse. Foi assim que quase abrimos o placar. Se o gol não saiu por ali, ao menos o ensaio das jogadas me pareceu interessante. E pode render um bom caldo a medida que o entrosamento aumentar.

 

Gostei mais ainda de ver que Kannemann está em plena forma: praticamente não perdeu uma só jogada na defesa. E escrevo “praticamente” porque às vezes sou traído pela memória. Ganhou na bola e no grito, quando preciso. Com Geromel ao lado, formam a defesa ideal.

 

Sigo apostando que o talento de Miller será nosso ponto de desequilíbrio nesta temporada. Hoje, todas as boas jogadas passavam pelos pés dele e mesmo tendo de recuar um pouco mais do que de costume, esteve presente nos lances de gol. E no lance do gol, também. Pena ter usado o braço para ajeitar a bola, pois a cena se sobrepôs a bela jogada com a participação de Lincoln.

 

Aliás, dos que entraram no segundo tempo, ando doido pra ver o guri Ty Sandows jogar por um pouco mais de tempo. Mesmo em condições adversas, ele demonstra um talento e tanto. Hoje, na primeira jogada possível, dominou e chutou com muita precisão, obrigando o goleiro a uma bela defesa.

 

Como disse, porém, além de coisas boas, a partida deste domingo teve frustração, também. E não estou aqui me referindo a Maicon que tirou o pé em uma jogada lá no nosso ataque e de lá a bola passou pelo nosso meio de campo, chegou a nossa lateral, cruzou a nossa área, bateu e rebateu e foi parar dentro do nosso gol.

 

Frustrou-me ver que alguns torcedores têm memória curta e pouca paciência. Vaiar o capitão como fizeram é esquecer sua importância para o time e os serviços prestados até aqui. Sei que muitas vezes reclamamos por reclamar, precisamos encontrar bode expiatório para as coisas que não saíram como imaginávamos e já havia uma irritação do torcedor provocada pelas seguidas trapalhadas do árbitro. De repente, perde-se a bola no ataque e tomamos o gol de empate … é bronca na certa.

 

Mas não era pra tudo isso, como, aliás, bem disse Maicon ao fim da partida.

 

Você, caro e raro leitor desta Avalanche, há de convir que foi muita briga pra pouca coisa. Transformar aquele momento em crise, é desperdiçar energia em algo pequeno diante dos desafios que temos pela frente nesta temporada e para os quais teremos de contar com todo o grupo mobilizado, unido e apoiado pela torcida.