O desafio do novo mundo que os brasileiros encontrarão na NRF 2019

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

nrf2

 

As delegações brasileiras sempre foram destaque no maior evento mundial de varejo — a NRF Retail’s Big Show. A National Retail Federation Big Show 2019, que ocorrerá de 13 a 15 deste mês, em Nova York, vai propiciar, além das costumeiras novidades para o setor, tendências que poderão chocar o momento desses empresários e agentes do varejo nacional.

 

De acordo com os insights demonstrados nas prévias dos temas a serem apresentados, tópicos de cunho ambientalista, inclusivo, colaborativo, globalizante e de diversidade, que estavam nos esforços periféricos das empresas, passam agora ao centro das atenções.

 

É a questão de GENTE, que fica como parte principal da força transformadora que estará por vir.

 

Como sabemos, o momento em que o Brasil vive espelha uma outra conotação, em que a globalização, o ambientalismo, a diversidade não são pautas prioritárias.

 

Ao mesmo tempo, o grupo brasileiro composto por empresários, executivos e demais agentes de primeira linha do setor de varejo, em sua maioria, pertence aos que apoiaram e votaram no pessoal que ocupa o poder hoje — as reações do mercado financeiro ao crescimento da candidatura de Bolsonaro retrataram a preferência da classe dominante. E esse grupo pertence a ela.

 

Tal cenário merece ser acompanhado para verificar se efetivamente a ênfase nos aspectos propostos será confirmada e qual será a absorção pelo contingente brasileiro.

 

Hoje, ninguém desconsidera o fato de as empresas serem organismos vivos, que necessitam manter relação de troca de energia com o meio ambiente. Dessa forma, será que teremos empresários com suas lojas apoiando a diversidade, a inclusão e o ambientalismo apenas comercialmente — e pessoalmente serem contra? Ou vão encarar a concorrência em benefício da ideologia própria?

 

O fenômeno Trump pode ter gerado para o varejo americano a pauta acentuada na globalização, diversidade, etc. Mas, e o Fenômeno Bolsonaro?

 

Aguardemos.

 

Carlos Magno Gibrail, consultor e autor do livro “Arquitetura do Varejo”, é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

A seleção brasileira precisa ser tratada como empresa

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

aa9335bc-fa9b-47b4-b5a6-e2a9ff3de810.jpg.640x360_q75_box-0,0,768,431_crop_detail

 

Comissão técnica e jogadores que compõem a seleção brasileira de futebol são profissionais competentes, cujas carreiras de sucesso avalizaram suas funções na seleção.

 

Ao encerrar sua participação na COPA seria imperioso avaliar o empenho e o desempenho. Por que não se fez uma análise técnica do trabalho que competia a cada um, como é norma nas empresas organizadas?

 

Creio que mesmo superadas as fases do “Complexo de vira lata” e da “Pátria de chuteiras” convivemos com distorções dentro e fora de campo, que levam a erros nas avaliações. E essas passam a ser indulgentes, quando deveriam ser transcendentes.

 

A continuidade da Comissão Técnica, por exemplo, é de fato um sinal positivo de avaliação, mas deveria ser estendido sobre outros aspectos. A diferença entre a performance antes da COPA e na COPA foi grande, e isto precisaria ser analisado.

 

Aos jogadores, era essencial para a equipe e para cada um deles, uma resenha do trabalho individual e coletivo. Ao menos para purgar abordagens paternalistas e machistas circulando nos meios digitais e oficiais — que estão transformando-os em meninos ou deuses acima de qualquer crítica negativa.

 

A esse respeito, o artigo da jornalista Mariliz Pereira Jorge – “Jogadores de futebol não são meninos” -, na FOLHA de ontem, reflete bem a constrangedora realidade da cultura e do culto do mundo do futebol e de seus astros:

 

“Parece que encontraram uma forma de maximizar grandes feitos ou de minimizar grandes responsabilidades. Nas duas situações basta infantilizar o sujeito. Foi assim no caminho percorrido para a classificação para a Copa”

 

“Na derrota, o “adjetivo” deu o tom condescendente. Perderam, mas nossos meninos lutaram tanto”.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

Avalanche Tricolor: Renato é a cara do Grêmio

 

 

Brasil PEL (0) 0 x 3 (4) Grêmio
Gaúcho – Estádio Bento Freitas/Pelotas-RS

 

 

ezgif.com-video-to-gif-2.gif

 

 

Renato é a cara do Grêmio. O Grêmio é a cara de Renato.

 

Mistura inspiração e transpiração. Luta pela vitória com a garra que se espera dele. Trata a bola com a generosidade que ela merece. É debochado quando necessário. Paciente para decidir. E definito quando precisa.

 

Renato fez isso enquanto esteve em campo. E nos deu os maiores títulos que poderíamos almejar na nossa história. Lutava bravamente contra seus marcadores. Tinha coragem para enfrentar a violência dos que tentavam lhe parar. Da mesma forma, partia para cima deles e os driblava sem perdão.

 

Como técnico, o tempo lhe deu lições. Sua coragem, o fez persistente. Sua audácia, permitiu que novos valores surgissem e jogadores desacreditados se tornassem gigantes. Sua inteligência, reuniu todos esses fatores e nos fez campeões.

 

Houve quem duvidasse da sua capacidade de devolver ao Grêmio a hegemonia estadual diante da decisão no início da temporada de preservar o grupo principal – acertada decisão diante dos desafios de 2018. Falou-se inconsequentemente em rebaixamento e os menos atrevidos, em desclassificação. Renato apostava: decidam as outras sete vagas, uma é do Grêmio.

 

Foi do Grêmio, como apostou Renato, e com a classificação encarrilhou uma goleada atrás da outra. Chegou ao segundo jogo de toda a etapa final com a vaga seguinte praticamente garantida.

 

Nesta final, foi cruel com o Brasil: 7 x 0 no placar agregado. Fora o show.

 

O Gaúcho, conquistado nessa tarde de domingo, faz parte de um ciclo de ouro que se iniciou com o retorno dele ao clube.

 

Devolveu a Copa do Brasil ao Grêmio 15 anos depois. Nos trouxe de volta a Libertadores e a Recopa Sul-Americana após 22 anos. E agora o Gaúcho que há oito não conquistávamos.

 

O Grêmio é a cara de Renato. Renato é a cara do Grêmio.

 

E é no Grêmio que ele decidiu ficar. Obrigado, Renato!

 

Tudo é uma questão de respeito

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

74b30a1b-738f-492d-9cc5-bb1914307794

 

Nos anos recentes, ao escancarar os problemas éticos e morais que a nação brasileira vivencia, os meios de comunicação convencionais e as mídias sociais têm apresentado as mais variadas sugestões para a melhoria do Brasil.

 

Recentemente, a Rede Globo iniciou a campanha para que todos gravem seus desejos de mudança para publicação. Enquanto o Estadão lançou o projeto “A Reconstrução do Brasil – Contagem Regressiva 2018”.

 

Estou convicto que a atitude ausente em toda a crise que vivemos é o respeito.

 

O texto “Os barulhos urbanos e o silêncio do sabiá” publicado neste Blog enseja comprovar esta ausência por parte dos emissores dos barulhos descritos por Milton Jung.

 

O vizinho que põe o rádio alto, outro que grita com as crianças, a escola que chama pais por alto-falantes, o jovem que estaciona o carro de madrugada para ouvir música alta, as caçambas madrugadoras, as obras de vizinhos que não tem hora adequada, as sirenes estridentes e a serra elétrica. Isto tudo é tudo falta de respeito.

 

Portanto, em caso de barulho, impor respeito é imperativo e compor respeito é factível.

 

Há obstáculos de legislação e execução no caso de transgressão e de cultura no caso de educação social. Mas com leis mais claras e socialização mais evoluída poderemos alcançar progressos.

 

Entretanto, nas elites de poder político, executivo e judiciário, onde há falta de respeito e neste caso é gravíssima pois é falta de respeito com a Nação, a correção necessária será através da substituição das pessoas. O instrumento é o voto.

 

Mãos à obra!

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung.

 
 
 

Avalanche Tricolor: tudo está no seu lugar (ou quase)

 

 

Grêmio 2×1 Brasil de Pelotas/RS
Gaúcho – Arena Grêmio 

 

 

IMG_0808

Alisson prestes a marcar seu primeiro gol (Reprodução Canal Premier)

 

Haveria de chegar o dia de nossa vitória. Enquanto os meninos iam para o sacrifício e tropeçavam na juventude e inexperiência, os “veteranos” se preparavam fisicamente para uma temporada que será extensa e competitiva. Voltaram a campo no fim de semana e apesar de amargarem uma derrota já sinalizavam que as coisas voltariam ao seu devido lugar.

 

O caro e raro leitor desta Avalanche haverá de lembrar que o título do texto que escrevi sobre a estreia dos titulares no Campeonato Gaúcho era “vai dar samba”, o que poderia parecer alucinação carnavalesca diante da sequência ruim que marcou o início da competição. Não era. Enquanto alguns ouviam os muxoxos das arquibancadas e bastidores, eu preferia prestar mais atenção no samba que ecoava lá pelas bandas da Arena. O toque de bola estava de volta, assim como a velocidade de alguns jogadores de frente e a intensa movimentação nos demais setores. Faltava ritmo e entrosamento, é claro. E pagamos caro demais por isso naquele jogo.

 

Na partida da noite dessa quarta-feira, em rodada que antecipamos devido aos compromissos sulamericanos que temos, parte daquelas características que nos levaram a ser o melhor time da América, em 2017, entrou em campo. Luan já parecia mais solto e disposto. Everton superava a velocidade de seus marcadores. A bola vinha mais redonda de trás e o domínio da partida era nosso. O deslocamento de posição de alguns jogadores e a inclusão de novos nomes impactaram o desempenho como já era de se esperar. É normal, o time está em construção para a temporada.

 

Havia dificuldade para furar o ferrolho montado pelo adversário e a falta de paciência às vezes nos levava a precipitar a jogada. Já era de se esperar, afinal a pressão por resultado é evidente. Um pênalti não foi sinalizado a nosso favor e isso também podemos considerar normal. Já virou padrão dos árbitros. E levamos um gol em jogada isolada de ataque do adversário. Acontece. E deu nova dramaticidade à partida.

 

Quando o segundo tempo chegou, Renato mexeu no time, apostou em Alisson e Jael e os espaços surgiram; e com um pouco mais de espaço ninguém foi capaz de segurar o ataque gremista. A virada com gols do próprio Alisson e de Luan, completando cruzamento de Everton, deu justiça ao resultado e, imagino, acalmou os mais ansiosos. Assim como Renato no intervalo da partida, a vitória do Grêmio também colocou as coisas no seu devido lugar e reduziu a pressão sobre os jogadores que se voltam para a primeira decisão do ano, semana que vem.

 

Neste pré-Carnaval já deu para ouvir torcedores deixando a Arena cantarolando antigo samba de Benito de Paula: “tudo está no seu lugar, graças a Deus, graças a Deus!”. Quase tudo. Ainda faltam ajustar algumas peças no time e ocuparmos o espaço na tabela de classificação que merecemos. Chegaremos lá!

A Guerra da Guararapes: ação do MPT leva maior fábrica de confecção do mundo a deixar o Brasil

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

governador-em-sao-jose-do-serido-foto-de-ivanizio-ramos-1-

Protesto contra ação do MPT  em São José do Seridó, no RN (Foto: Divulgação/ Governo do RN)

 

Em 2010, o Grupo Guararapes tinha na cidade de Estremoz, divisa com Natal RN, a maior fábrica de roupas do mundo. Eram 20 mil funcionários. Sob o aspecto governamental esta grandiosidade, em contraponto com a pobreza da região castigada pela seca, mostrou que a criação de unidades fabris de produção de roupas era uma boa e, talvez, única solução para absorver mão de obra local.

 

Assimilando essa posição e anexando-a a necessidade do crescimento e da agilidade que o Grupo que dirigia estava exigindo, Flavio Rocha convenceu o Governo do Estado a criar o projeto que viria se chamar PRÓ-SERTÃO.

 

Implantado em 2013, o sistema PRÓ-SERTÃO para Flávio Rocha era a realização de um sonho originado ao visitar a ZARA, quando o fast-fashion começava a dar as cartas. Na Galícia, a ZARA operava um processo de produção ágil o suficiente para fabricar a tempo as novidades da moda.

 

Do sonho, o “Galícia Potiguar”, conforme vislumbrava Flávio, veio o sucesso com a adesão de cidades, marcas importantes como a Hering e pequenos empreendedores que formavam um robusto parque industrial de faccionistas.

 

Entretanto, um enorme contratempo, que já se delineava desde 2010, surgiu em julho deste ano. O MPT – Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Norte, através do Grupo de Procuradores do Trabalho, vinculados à CONAFRET – Coordenadoria Nacional de Combate a Fraudes, cobra da Guararapes R$ 37,7 milhões de indenização. Valor correspondente a parte do lucro obtido com o trabalho das facções, em uma ação baseada na suposição da existência de subordinação estrutural e responsabilidade estrutural da empresa na operação das facções.

 

Essa ação, encabeçada, como todas as anteriores, pela promotora Ileana Mousinho, exige a contratação direta de todos os empregados das facções, elevação dos preços pagos, abastecimento garantido, etc.

 

A empresa que congrega, além da fábrica, as LOJAS RIACHUELO, devido a multas e indenizações impetradas pela Dra. Ileana de R$ 41 milhões e acordadas em R$ 6 milhões, reduziu a participação de mão de obra local de 60% para apenas 20%. Na fabricação, tem expandido suas operações fora de nossas fronteiras, na China e Paraguai.

 

grito-do-emprego-4

Centenas de pessoas se reuniram em Seridó do RN contra ação do MPT (Foto: Divulgação)

 

Essa compulsória migração de mão de obra reflete provavelmente o atraso de nossa legislação trabalhista. Entretanto, há aqui algo a investigar, quando o principal executivo do Grupo acusa ser vítima de perseguição. Em recente manifesto dirigido à promotora Ileana Mousinho, Flavio Rocha pede:

 

“O nosso setor tem o potencial de transformar a realidade socioeconômica do Rio Grande do Norte. Basta que a Sra. deixe o ódio de lado e nos deixe trabalhar”.

 

É oportuno observar a difícil tarefa de estabelecer deveres e direitos, pois se não houver equilíbrio o direito defendido poderá tornar-se desnecessário pela extinção do propósito.

 

As costureiras domiciliares, que tanto serviram à periferia carente, que não podia sair de forma convencional para o trabalho, devido a obrigações com parentes idosos ou doentes, foram extintas pela exigência formal.

 

As oficinas externas, se passarem a responsabilidade das contratações de mão de obra e as demais obrigações empresariais aos contratantes, também serão extintas.

 

Quem irá contratá-las?

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung, às quartas-feiras.

 

LEIA MAIS SOBRE O TEMA EM REPORTAGENS PUBLICADAS NA INTERNET

Brasília ou House of Cards?

 

4c01f957-40be-4cf6-84d3-a198356f4b92.jpg.640x360_q75_box-0,31,600,369_crop_detail

 

Ainda estávamos tentando entender os novos/velhos acontecimentos da política brasileira, com as delações da JBS, e o perfil no Twitter do seriado “House of Cards”, já se aproveitava da situação.

 

Em bom e irônico português, postou ontem à noite:

 

House

 

Hoje, foi a nossa vez de lembrar o seriado marcado por intrigas, violência e sacanagens na política, sob a batuta do personagem Frank Underwood. No Jornal da CBN, a turma da edição, produziu um clipe com as vozes que contaram as últimas horas, no Brasil:

 

Mudança de comportamento no comércio é desafio para estatísticas, no BR e EUA

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

square-1126485_1280

 

Informações sobre lojas, publicadas há pouco, simultaneamente no New York Times e no Relatório Anual da ABRASCE Associação Brasileira de Shoppings Center, dão a impressão que estamos em mundos diferentes.

 

A manchete dos americanos é contundente:

 

“Lojas temem virar peça de museu concorrendo com a internet”.

 

Enquanto os brasileiros, menos enfático mas otimistas, apontam o crescimento do número de shoppings de 538 para 558 no último ano. Perfazendo acréscimo de 3,7%. Registram também aumento de 3,8% na ABL área bruta locável. Que é uma medida da quantidade dos espaços disponíveis para as lojas se instalarem.

 

Não obstante os dados positivos relativos ao desempenho do último ano, registram o potencial de desenvolvimento comparativamente ao atingido em outros países.

 

Tomando a ABL disponibilizada para cada 100 habitantes registram que nos EUA há 219ABLm2 /100hab, no Chile 20ABLm2/100hab, enquanto no Brasil temos 7,4ABLm2/100hab.

 

Esses dados da ABRASCE, embora reais são inócuos, pois considerar o crescimento de ABL é distorcer o resultado. Em virtude do grande espaço ocupado pelas âncoras este índice fica sem significado. É só percorrer a maiorias dos Shoppings brasileiros para atestar os espaços locáveis sem ocupação.

 

Da mesma forma, apostar no potencial de disponibilidade futura da ABL por habitante, é crer no mesmo cenário do varejo, quando há clara sinalização que devido a novos canais e novas conexões, além de específicos lifestyles, haverá uma nova estruturação do comércio.

 

É o que diz o New York Times, apontando que nos últimos três anos o comércio eletrônico que vinha crescendo 30 bilhões ao ano, passou para 40 bilhões de dólares:

 

“A transformação vem esvaziando os shoppings center, levando marcas tradicionais do varejo à falência e causando perdas de emprego em volume espantoso: 89 mil vagas foram perdidas de outubro do ano passado para cá.”

 

Ao mesmo tempo, operações de sucesso digital como a Amazon abrirão lojas físicas.

 

Lojas físicas deverão comissionar vendedores que encaminharem compradores para a web, e lojas físicas abrirão lojas virtuais.

 

Aqui, haverá mudanças no mix, com preferência ao entretenimento. Cinemas, teatros, restaurantes, games, etc. deverão ampliar em muito sua presença.
Lá e cá, quem comandará será o consumidor. As estatísticas que se cuidem.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung, às quartas-feiras.

Avalanche Tricolor: saldo positivo em empate, no Bento Freitas

 

 

Brasil 1×1 Grêmio
Gaúcho – Bento Freitas/Pelotas

  

 

33423344136_bfd3b5dd22_z

Ramiro voltou a marcar, em foto de Lucas Uebel/GrêmioFBPA


 

 

Tem alguns recantos do Rio Grande que dão saudades. Pelotas é assim. Assim também é o Bento Freitas, estádio onde já fui torcedor e repórter – cada coisa ao seu tempo, às vezes ao mesmo tempo. Assisti a algumas partidas do Grêmio na carona da Veraneio que levava para o interior a equipe da Rádio Guaíba. E em outras trabalhei como jornalista de rádio pela própria Guaíba, lá pelos anos de 1980.
 

 

A viagem era longa e os jogos duros. Uma das mais fanáticas torcidas do futebol rio-grandense está por lá. E ter essa turma no cangote enquanto se tentava reportar as coisas que aconteciam dentro do gramado era um desafio. Em um tempo no qual o radinho de pilha ficava colado no ouvido do torcedor qualquer informação que colocasse o time da casa sob suspeita era imediatamente respondida aos palavrões.
 

 

Sabe essas coisas que se assiste nas redes sociais? No Bento Freitas, era ao vivo e a cores, como costumam dizer os mais antigos.
 

 

Por tudo isso, ver o Bento Freitas nas imagens de televisão hoje, no início da noite foi curioso, pois me fez lembrar de muitos dos momentos vividos lá em Pelotas. E não me surpreendeu, apesar de ser informado que o estádio está com uma nova ala para a torcida. Time e torcedores disputam cada bola como se fosse a última. E se o árbitro não tiver pulso, a partida corre o risco de descambar para a violência. Intimidar o adversário no berro e no pontapé faz parte do negócio.
 

 

Até que o Grêmio se comportou bem diante de um adversário disposto a tudo. Colocou a bola no chão, trocou passes, se movimentou, fez tabelas bonitas na entrada na área e chegou ao gol inimigo algumas vezes. Marcou em uma jogada típica das partidas encrespadas: Ramiro, Ramito – novamente ele – não teve medo de dividir uma bola na entrada da área e meteu o pé do jeito que dava; a bola desviou no zagueiro e encobriu o goleiro.
 

 

Pena nos ter faltado precisão nos chutes, termos encontrado um goleiro inspirado e tomado o gol de empate ainda no primeiro tempo. Merecíamos mais sorte.
 

 

Diante do resultado final e da posição em que estamos ao fim da sétima rodada do Campeonato Gaúcho, o placar pode ser comemorado – apesar de esse negócio de comemorar empate ser esporte preferido de uma outra turma que está mais embaixo – aliás, bem embaixo – da tabela.
 

 

Meu maior temor nesta noite era mesmo colocar mais alguém na temida lista dos lesionados, principalmente pela forma violenta com que o jogo se desenvolvia. Já bastava ter sido informado que Marcelo Grohe foi obrigado a ficar no banco porque sentiu lesão muscular antes da partida.
 

 

Manter a integradade dos nossos titulares e nos mantermos no alto da tabela a poucas rodadas do fim desta fase foram o saldo positivo desta jornada.