Carlos Magno, um homem à frente do seu tempo

Por André Gibrail

As pessoas que estão à frente do seu tempo, em geral, ficam famosas pelos seus feitos, resultados ou simplesmente, por acertarem muito antecipadamente algum movimento da evolução humana. Outras com essa mesma capacidade, porém, podem não se tornar famosas, mas a sua valia permanece nos mais altos níveis de contribuição e admiração. E aqui relato uma dessas pessoas:

Ele, bacharel em dose tripla (administração, ciências contábeis & atuariais e economia) e um mestrado, tinha uma capacidade intelectual e de análise crítica tão acima da média, que por vezes, levantava dúvidas e desconfiança do resto dos mortais. Lia compulsivamente artigos, revistas, blogs, periódicos e livros de assuntos absolutamente diversos — de economia e política à consumo, moda e gastronomia. Tendências de tecnologia e suas implicações sócio-culturais eram uma de suas favoritas.

Com sua visão diferenciada, ainda na década de 70 e no começo de 80, prevendo a instauração de mercados comuns, fez um plano de negócios para montar uma empresa no Paraguai, tendo a certeza do advento do Mercosul, que viria longínquos 20 anos depois. 

Nessa época ainda à frente de três confecções de moda infanto-juvenil (Pataca, Caramelo e Nautik), lançou muitas inovações como jaqueta que virava mochila, camiseta com logomarca com líquido colorido que movia-se como ondas no mar, jaqueta infantil com leds coloridos que piscavam — isso tudo há 40 anos! Apostou em uma modelo infantil que iniciava sua carreira na Caramelo e que depois seria conhecida nacionalmente, Angélica.

Ainda na década de 80, prevendo a tendência dos consumidores de migrarem sua preferência de lojas de rua para os shopping centers, liderou a criação de toda a rede de varejo da Cori, a principal marca de roupa feminina AA da época. E foi um sucesso absoluto! 


Na década de 90, com o varejo da Cori a todo vapor, repetia incansavelmente que “ter caixa em loja era miopia”. Dizia que a consumidora deveria ser atendida pela mesma pessoa do começo ao fim, pois ser direcionada ao caixa para pagar a conta (com outro funcionário que não teve nenhum contato com ela na compra), quebraria todo o relacionamento. Ele já falava de experiência e jornada do cliente nessa época! Dez anos depois, Steve Jobs inaugurou a primeira loja da Apple, aplicando os conceitos que tanto ouvi em casa: nenhuma loja da Apple tem caixa. O vendedor é responsável por toda a sua jornada na loja.

Novamente sua visão crítica acertou mais uma vez ao conhecer e dar apoio a uma apresentadora de TV que iniciava um programa ainda pouco assistido na TV Record, Ana Maria Braga.

Com o advento da Internet, foi o primeiro a prever por aqui o boom de consumo de moda no comércio eletrônico. Na época, ouvia de praticamente todas as pessoas de que o consumidor jamais compraria roupa ou acessórios via Internet. Mas ele, com toda sua persistência, criou o primeiro site de moda do Brasil (quiçá de toda a América Latina) o Modasite. Falava que, além das pessoas, sim, consumirem roupa na internet, iriam preferir um site completo, multimarca. Faria todo sentido prover um marketplace ao consumidor. Infelizmente, não estávamos preparados na época. Somente 20 anos depois o mundo provou que ele estava certo. 

E as histórias de sua genialidade continuaram, afinal, depois de mais de 30 anos de Cori, mesmo beirando seus 70 anos, tornou-se um dos consultores mais especializados em varejo e relacionamento com shopping centers ajudando tanto empresas quanto shoppings a se reinventarem; participou de três startups  — a última ano passado com seus 77 anos —, e agora em Dezembro dizia que estava animado com algumas perspectivas para o começo de 2021 … novos horizontes iriam se abrir. 

Além de tudo isso, arrumava tempo para uma das atividades que mais lhe dava prazer e orgulho: escrever um artigo semanal para o blog do Mílton Jung. E eram artigos sensacionais!!!

Sendo uma pessoa tão animada, tão cheia de energia de vida e com uma cabeça tão privilegiada como a dele, para pará-lo só parando o seu cérebro. Carlos Magno Correa Gibrail, teve um AVC e morreu em 1º de Janeiro de 2021. Pai de quatro filhos e avô de seis netos, são paulino convicto, tenista e apaixonado também por futebol, leitura e atividades sociais, paratiense de nascença com muito orgulho, nos deixa um legado inacreditável. 

Obrigado Carlos Magno!

Eu te amo. 
Seu admirador e filho,

André