Mundo Corporativo: Marco Crespo, do Instituto Ayrton Senna, convida você a construir carreira no terceiro setor

 

 

“A gente quer trazer cada vez mais pessoas talentosas que possa dedicar o seu tempo e ser remunerada por isso para fazer o bem para a sociedade”. A afirmação é de Marco Crespo, diretor de negócios do Instituto Ayrton Senna, que defende a ideia dos profissionais construírem carreira no terceiro setor. Em entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, Crespo fala da experiência de mais de 20 anos da organização que hoje alcança cerca de 1 milhão de pessoas através de ações na área de educação. O executivo faz recomendações para quem pretende atuar neste segmento e trata das estratégias de negócio necessárias para a implantação de projetos no terceiro setor.

 

O Mundo Corporativo é apresentado às quartas-feiras, 11 horas, ao vivo, pelo site http://www.cbn.com.br. Os ouvintes podem participar com perguntas pelo e-mail mundocorporativo@cbn.com.br e pelos Twitters @jornaldacbn e @miltonjung (#MundoCorpCBN). O programa é reproduzido aos sábados, no Jornal da CBN, e tem a participação de Paulo Rodolfo, Douglas Mattos e Ernesto Fosci.

Publicidade infantil: a lição bem dada

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

Criança

 

Ao abordar a propaganda infantil, o ENEM conseguiu levar um tema atual e relevante aos quase nove milhões de alunos que compareceram no domingo à sua prova, de modo didático. Exigindo do aluno apenas a técnica da redação, pois o conhecimento do assunto foi bem apresentado.

 

No texto I, informou que a resolução do CONANDA de abril de 2014 proibiu toda a propaganda dirigida à criança com a intenção de persuasão de consumo. Fato que gerou embate entre entidades que defendem a proibição e outras que são favoráveis à autorregulação através do CONAR.

 

No texto II, mostrou o panorama mundial da propaganda infantil. Canadá e Noruega proíbem. Reino Unido e Suécia proíbem personagens e parcialmente o restante da propaganda. Dinamarca, Bélgica, Itália, Irlanda e Coréia do Sul, proíbem parcialmente. A França emite alerta. Brasil, Estados Unidos e Austrália atuam com autorregulamentação.

 

No texto III, registrou que há correntes argumentando a favor da liberação, pretendendo com isto a formação de crianças aptas para lidar com a sociedade de consumo.

 

Percebemos alguns ruídos apontando críticas à escolha da dissertação em função da falta de notoriedade do tema. A repercussão, talvez por isso mesmo, foi extensa e intensa. Nas manifestações as posições foram mantidas. Alana, Milc, Rebrinc e ONGs de defesa das crianças são favoráveis ao CONANDA; a Abrinq, Maurício de Souza Produções, apoiam o CONAR.

 

Acreditamos que a dificuldade da prova estava menos na técnica e mais na reflexão, pois a questão entre a censura e a liberdade fica entre interesses econômicos e sociais. Portanto, o resultado destas dissertações pode conter opiniões com juízos de valores mais brandos, mas também contaminações da propaganda a que foram expostas.

 

Seria recomendável que o ENEM aproveitasse este material sob este aspecto comportamental. Ao mesmo tempo, poderia dar significativa contribuição semântica, e diferenciar PROPAGANDA, como a comunicação paga, da PUBLICIDADE, como a comunicação informativa. É só dar uma olhada mais apurada no Aurélio.

 

*pra não deixar dúvida:

 

ENEM Exame Nacional do Ensino Médio
CONANDA Conselho Nacional de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente
ALANA Instituto Alana ONG para proteção da criança
MILC Movimento da Infância Livre de Consumismo
REBRINC Rede Brasileira da Infância de Consumo
ABRINQ Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos
CONAR Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Milton Jung, às quartas-feiras.

Personagens da semana: gatos, gatunos e carrões

 

Por Milton Ferretti Jung

 

Foto_Fotor_Collage

 

Sempre que não encontro inspiração para escrever o texto das quintas-feiras,compromisso que venho mantendo de longa data com o Mílton,procuro assunto no jornal Zero Hora. E encontro. Já estava quebrando cabeça quando resolvi apelar para a ZH e fui virando as páginas do fim para o começo. É um velho hábito. O futebol,em primeiro lugar,para ver o que se passa com o Grêmio e,como não,com o Inter. Aqui, no Rio Grande amado,Grêmio e Inter fingem que se odeiam. Na verdade,porém,são bem mais do que coirmãos:um não vive sem o outro. Creio que não sobreviveriam se não fosse assim. Dificilmente,no entanto,descubro assunto nas páginas dedicadas aos esportes,apesar da maioria deles. Só deixo minhas opiniões sobre aquele que cheguei a chamar,idoso que sou,de “esporte bretão”.

 

Passo agora para as matérias que me chamaram a atenção na Zero Hora,começando por uma lida na segunda-feira,22 de setembro (que bom reencontrar a primavera). A manchete é uma pergunta,coisa rara: “Comércio de animais deveria ser proibido?”. Lê-se abaixo que “ativistas estão elaborando projeto de lei e recolhendo assinaturas para tentar proibição da venda de cães e gatos em lojas especializadas”. Quando topo com qualquer coisa que parte de “ativistas” – que me desculpem pela desconfiança com a qual encaro o termo – mas temo pelo resultado.Esses, poucas vezes são satisfatórios.

 

Eu começaria a tirar os gatos da parada. Tenho uma gata preta cujas fotos enfeitam,volta e meia,o meu Facebook. Micky,é o nome dela, esteve fadada a ser um animal sem dono.Era o que aconteceria se eu e Maria Helena,minha mulher,não a tivéssemos achado, ainda bem pequena,miando baixinho,debaixo de uma cerca viva. É nossa desde 2007. Gatos a cães sobrevivem mesmo que não tenham quem os cuide. Os bichanos,todavia,fazem apenas o que lhe dá na telha,ao contrário dos cães,bem mais dependentes do seus donos. Seja lá como for,eu me pergunto qual é o problema desses dois animais serem vendidos em lojas especializadas,onde são bem tratados para agradar aos que se interessam por os ter como “peta”. “O animal não existe para o uso”,afirma Lidvar Schulz,coordenador do grupo de libertação animal. Não sei o que esse senhor quer dizer com isso. Não tenho conhecimento de que cachorras sejam confinadas submetidas a cruzas forçadas,mas se isso ocorre,tem que ser combatido por quem de direito e não por essas ONGs sem eira nem beira.

 

Da ZH,igualmente,saiu o meu segundo assunto. Os exemplos de ganância que levaram quem sofre desse terrível mal a virar notícia nas páginas policiais dos jornais e da mídia,em geral,são inúmeros. Não fazem,entretanto,que os gananciosos se corrijam. Eles seguem em frente como se tivessem um escudo que os proteja de serem flagrados pelos agentes da lei. Um deles teve a sua foto postada nos jornais dessa terça-feira e é um gaúcho acusado de fraude milionária envolvendo ações da antiga CRT. Jamais imaginei que essas ações produzissem tanta grana.O doutor Maurício Dal Agnol que o diga.Preso em Passo Fundo,ele esperava poder fugir da Polícia Federal,mas acabou ao sair do seu escritório portando uma sacola repleta de dinheiro e um passaporte com visto dos Estados Unidos. Triste engano. Não bastasse ser ganancioso ao extremo,era um homem de maus bofes,eis que,além da fraude,sua prisão foi agravada por porte de armas,entre elas,um fuzil.

 

Bem mais amena e saudável é a notícia que a Zero Hora publicou,também nessa terça-feira,Porto Alegre deve passar com carros elétricos para alugar. Neste sábado,os engenheiros Cezar Reinbrecht e Lucas de Paris,em evento acerca de mobilidade urbana promovido pela UFRGS,em parceria com a ONG Net Impact Porto Alegre,essa sim uma Organização Não Governamental que vale a pena,vão apresentar o projeto Sivi – Sistema Veicular Inteligente. Sei que os meus filhos Mílton e Christian,são fãs de biciclestas,mas duvido que não venham a adorar os carros elétricos.

 

Milton Ferretti Jung é jornalista, radialista e meu pai. Às quintas-feiras, escreve no Blog do Mílton Jung (o filho dele)

Por que boas causas são bons negócios?

Reproduzo a seguir texto de divulgação do evento do qual estarei participando na quinta-feira, dia 28, na abertura da ONG Brasil, encontro que se realiza no Expo Center Norte, em São Paulo. Espero contar com a participação de você que acredita na possibilidade de agirmos como cidadãos para transformar as pessoas e a sociedade:

 

 

A Humanitare Foundation que atua em diplomacia social como ponte de conexão entre os atores da sociedade e as temáticas promovidas pela ONU, em conjunto com a KMPG, empresa de consultoria que incentiva a cidadania corporativa como modelo de transformação social convidam você a discutir a questão “Happy Returns” Por que boas causas são bons negócios? durante o Painel de abertura do Congresso ONG Brasil 2013.

 

Os temas de empreendimentos sociais serão debatidos por Ceos de empresas e Institutos Empresariais: Maria Antonia Civita (Verde Escola), Michael Hastings (KPMG), Luciana Quintão (Banco de Alimentos), Sheila Pimental (Humanitare Foundation), Joris van Wijk (UBM), Cônsul Lothar Wolff (Honorário do Brasil em Áustria),e as participações dos jornalistas Milton Jung (CBN) e Patrícia Trudes (Folha de São Paulo).

 

Por que boas causas são bons negócios estarão representados em cases de sucesso nos exemplos como o da Ong Banco de Alimentos que segue no objetivo de minimizar os efeitos da fome através do combate ao desperdício e promover educação e cidadania. Resultado: O Banco de Alimentos entrega 44 toneladas de comida por mês para 22 mil pessoas em 52 Instituições, outras 110 entidades estão na fila para serem atendidas.

 

Outro caso é o Instituto Verdescola que acompanha cerca de 300 adolescentes e jovens da comunidade de Sahy em São Sebastião, litoral norte de São Paulo. Com projetos educacionais, eles estão sendo capacitados para atender o turismo gerando investimentos para a região.

 

A Humanitare Foundation abordará experiências internacionais e contribuições da diplomacia social no contexto global e local dos negócios sociais sustentáveis baseados na essência de jovens lideranças e plataformas de e-contents para o desenvolvimento e as bases da nova economia.

 

Serviço:
ONG Brasil 2013
Local: Expo Center Norte – rua José Bernardo Pinto, 333 São Paulo/SP Seminário Happy Returns – dia 28/11 – horário 9h00 – 11:00

ONG vai divulgar voto de vereador sobre IPTU

&nbsp

IPTU Imagem do site da prefeitura de SPA Sociedade de Amigos e Moradores de Cerqueira César (Samorcc) anuncia que vai acompanhar e divulgar o voto dos vereadores paulistanos no projeto do prefeito Gilberto Kassab (DEM) que aumenta o IPTU em até 60%, em 2010. A entidade que atua na região dos Jardins e Consolação teve forte atuação nos protestos contra a construção do corredor de ônibus na avenida Rebouças durante o governo Marta Suplicy (PT) e agora se mobiliza para impedir o reajuste no valor do imposto.

Leia a nota de repúdio a proposta da prefeitura de São Paulo que está em discussão na Câmara Municipal:

A SAMORCC, atendendo a solicitação de moradores da região de Jardins e Consolação – SP., manifesta através do presente, seu repúdio e descontentamento geral, em razão da proposta feita pelo Sr. Prefeito, para aumento do valor de IPTU, ressaltando que:

– Não tivemos aumento salarial ou de aposentadoria com a proporção proposta;

– Não tivemos o lucro empresarial em tal proporção;

– Não tivemos nem teremos qualquer benefício ou bolsa para auxiliar em nosso orçamento, já justo;

– Não temos qualquer perspectiva de lucro fácil ou comissões;

– Não tivemos vantagens econômicas com os serviços prestados pela Municipalidade, ao revés, nossas ruas estão esburacadas; nossas árvores sob risco; nossos bueiros entupidos, nossas ruas lotadas de lixo; nossas ruas escuras; nossos problemas urbanísticos e de incomodidades aumentaram;

– Não nos sentimos seguros ao ir e vir; não temos mobilidade urbana, não temos transporte público de qualidade, estamos bloqueados no trânsito e trancados em nossas casas, por falta de segurança segurança pública;

As únicas coisas que aumentaram, e muito, foi a publicidade do governo, em rádio, TV e jornais e o número de moradores de rua.

Já pagamos altas somas e não podemos permitir aumento do IPTU ou de qualquer outro tributo, superior à atualização monetária.

* Acompanharemos a votação de cada um dos Vereadores, divulgando à população o nome daquele que votou contra a sociedade paulistana e à favor do escandaloso aumento de imposto!

Pela NÃO APROVAÇÃO DA LEI PROPOSTA DE AUMENTO DO IPTU na proporção desejada!!!!

SAMORCC – SOCIEDADE AMIGOS MORADORES DE CERQUEIRA CÉSAR (Jardins e Consolação).

ONG que fiscaliza políticos pode fechar

 

A informação é de reportagem da jornalista Tatiana Conceição, publicada no jornal Diário do Grande ABC e se refere a ONG Politicus(e-mail: jornalista@politicus.org.br), mantida por dois irmãos, que tem como meta cobrar de parlamentares a opinião deles sobre diferentes temas. A ação facilita o acesso do cidadão com o político.

Há alguns anos entrevistei Hamilton e Ailton Tenório, no CBN São Paulo, curioso que estava sobre o trabalho que realizavam, a partir de sua “base” em São Caetano. Nosso contato ocorreu durante muito tempo por e-mail com troca de informações sobre os dados que levantavam. Por isso, me surpreende a notícia de que uma ideia séria como a deles tenha dificuldade para seguir em frente por falta de apoio.

Para conhecerem a ONG Politicus, reproduzo aqui trecho da reportagem do Diário:

“A ONG (Organização Não Governamental) Politicus, que se dedica a ajudar as pessoas a fazer contato com seus políticos, pode fechar daqui a alguns meses por falta de apoio, segundo Hamilton Tenório da Silva, 50 anos, microempresário, que mantém a entidade sem fins lucrativos junto com seu irmão, Ailton Tenório, 45, fotógrafo profissional.

Segundo Hamilton, a Politicus, que foi registrada como Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), surgiu no ano de 2000, em São Caetano. Na ocasião, a dupla pensou em fazer alguma coisa em prol dos seus filhos, sem precisar entrar na política tradicional.

O trabalho dos irmãos funciona da seguinte forma: eles selecionam um tema da atualidade para discussão e, a partir deste assunto, é divulgado um texto para os leitores cadastrados no site da Politicus, convidando-os a se manifestarem.

As manifestações são enviadas aos parlamentares, sem que o e-mail dos usuários cadastrados seja divulgado. As respostas dos políticos retornam para o sistema criado pela dupla, que depois redistribui as mensagens aos usuários.

Leia a reportagem completa aqui.

Voto Consciente consegue ‘Finanças’ mais transparente

 

Todos os requerimentos de pedido de informação ao Executivo feitas na Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara Municipal de São Paulo e as respostas encaminhadas pela prefeitura estarão à disposição do público. A transparência nos atos foi uma conquista do Movimento Voto Consciente que acompanha o trabalho dos vereadores, seja em plenário seja nas comissões.

Sônia Barboza, coordenadora da ONG na Câmara, disse que a solicitação havia sido feita em agosto ao presidente da comissão, vereador Wadih Mutran (PP). A proposta havia sido apresentada em uma das reuniões, mas poucos integrantes tinham se mostrado dispostos a discutir o tema. Após cobrar posição do vereador Floriano Pesaro (PSDB), soube que ele e mais dois colegas de casa apoiavam a ideia: Roberto Trípoli (PV) e Aurélio Miguel (PR).

Nesta quarta, Pesaro levou o tema de volta para a comissão e o Wadih Mutran colocou a proposta em votação que foi aprovada por unanimidade. Fazem parte da comissão, também, Donato (PT), Milton Leite (DEM), Arselino Tatto (PT), Adilson Amadeu (PTB) e Gilson Barreto (PSDB).

Em mensagem ao CBN SP, Sônia escreveu: “O Movimento Voto Consciente agradece a todos os componentes da comissão em especial ao vereador Pesaro e ao presidente Wadih Mutran”.

Confesso que sempre imaginei uma Câmara com todos os seus documentos públicos e publicados, de fácil acesso e com as informações postas de maneira clara. Por isso, ainda me surpreendo quando descubro que os movimentos sociais precisam pressionar os vereadores em busca da transparência.

Ministério da Saúde vai rever remédio para hepatite B

 

Após sete anos, o Ministério da Saúde vai rever a lista de remédios para tratamento de hepatite B disponível na rede pública, incluindo drogas mais avançadas já vendidas no Brasil. A portaria será assinada no mês que vem, outubro, pelo ministro José Gomes Temporão. A informação é do coordenador do Programa Nacional para Prevenção e Controle de Hepatites Virais do ministério, Ricardo Gadelha, entrevistado pelo CBN São Paulo.

Nesta semana, a ONG Otimismo reclamou da demora do Ministério que estaria motivando a piora no estado de saúde de pacientes que contraíram a doença. A estimativa da Organização Mundial de Saúde é de que 2 milhões de pessoas tenham o vírus da hepatite B e 95% destes não sabem que são portadores. Ricardo Gadelha disse que o governo brasileiro não leva em consideração estes números, mas também não tem nenhuma estimativa oficial porque os estudos não teriam sido concluídos.

Ouça a entrevista com Ricardo Gadelha, do Ministério da Saúde

Leia e ouça a reportagem com Carlos Varaldo, da ONG Otimismo

Hepatite B: mande um e-mail para o Ministro

 

Dois milhões de brasileiros tem o vírus da hepatite B e 95% desses não sabem disso. O pior é que se souberem talvez não encontrem remédios para combater a doença, pois as drogas mais eficientes não são distribuídas na rede pública, apesar da insistência de organizações sociais. Para forçar o Ministério da Saúde a renovar a lista de remédios oferecidos aos pacientes, gratuitamente, a ONG Otimismo está convocado o cidadão a enviar e-mail ao gabinete do ministro José Gomes Temporão e pedir que ele autorize a compra das drogas mais avançadas e já autorizadas pela Anvisa que podem salvar a vida de pacientes com hepatite B. Além disso, que invista em campanha nacionais com informações sobre a doença.

Ouça entrevista com o presidente do Grupo Otimismo Carlos Varaldo

O e-mail do ministro da Saúde é gavim@saude.gov.br.

ONGs apóiam Portal da Transparência e salário de servidor

Com pouco mais de um ano de atraso, a prefeitura de São Paulo cumpriu lei municipal que obriga a administração pública, Câmara de Vereadores e Tribunal de Contas a publicar a lista de seus funcionários. E deu um passo polêmico, mas à frente. Quem faz esta afirmação é a ONG Voto Consciente que convenceu os parlamentares paulistanos a apresentarem e aprovarem o projeto de lei, em maio de 2008. Sônia Barbosa que coordena os trabalhos da organização no Legislativo.

Ouça a entrevista de Sônia Barbosa, da ONG Voto Consciente

O Portal da Transparência, onde estão os dados dos servidores públicos, também foi elogiado por Fabiano Angélico, da Transparência Brasil. O coordenador de projetos da ONG apoiou, inclusive, a publicação dos salários de cada um dos funcionários públicos. Angélico alertou para o fato de ainda faltarem muitas informações no site De Olho nas Contas, lançado nessa terça pela prefeitura de São Paulo.

Ouça a entrevista de Fabiano Angélico, da Transparência Brasil