Avalanche Tricolor: o guri que vestia a camisa 3 está de volta

 

Rosário Central 1×1 Grêmio
Libertadores – Gigante de Arroyito/Rosário ARG

 

47252457542_5ab9ff440e_z

Todos querem a camisa de Geromel, como se vê na foto de LUCAS UEBEL/GRÊMIOFBPA

 

A estreia na Libertadores 2019 me colocou diante de uma das raras fotos que consegui preservar da época em que jogava na escolinha de futebol do Grêmio. Perfilado, com os braços soltos ao longo do corpo, sobre a linha lateral do gramado do saudoso estádio Olímpico, fui flagrado por um dos fotógrafos esportivos que aguardavam o time principal entrar em campo. Não tenho o nome do autor da foto, mas se o fez, tenho certeza, foi para presentear meu pai, que deveria estar orgulhoso de ver o guri naquela posição.

 

Naquele tempo, não tínhamos acesso ao uniforme oficial dos clubes de futebol. Comprava-se as camisetas na lojinha do bairro. A minha era de um tecido mais grosso, com o azul, o preto e o branco desbotados pelas inúmeras lavagens feitas por minha mãe. Com a gola em vê e sem direito a emblema do Grêmio no peito, o único adereço que havia —- e não aparece na foto —- era o número 3 nas costas, que mais do que minha posição preferida, revelava a admiração por um dos maiores zagueiros que já vestiram nossa camisa, Atilio Genaro Anchieta — capitão da seleção do Uruguai e do próprio Grêmio. Uma espécie de Geromel dos anos de 1970.

 

Ver aquela foto me fez voltar para um tempo em que a Libertadores era sonho distante para os gremistas. Nos satisfazíamos com o aguerrido campeonato gaúcho. Nos orgulhávamos das vitórias sobre times do eixo Rio—São Paulo. Ganhar um campeonato brasileiro seria uma façanha. Foi lá, porém, que forjamos o caminho que nos levou ao topo do Mundo e nos coloca, hoje, entre os maiores times do futebol do planeta.

 

Em campo, o Grêmio é respeitado mesmo pelos arquirrivais argentinos, contra quem travamos alguns dos grandes e heróicos clássicos sulamericanos. Afinal, estamos em nossa décima nona participação de Libertadores, competição que já vencemos três vezes — a última em 2017, ou seja, coisa recente, que segue na memória dos adversários. Sem contar o futebol qualificado que temos jogado há três anos, desde o retorno de Renato ao comando técnico do time —- futebol reconhecido aqui e lá fora.

 

Nossa reputação, contudo, não significa vida fácil contra nossos adversários. Ao contrário. Eles transformam a partida em uma guerra. Como se ganhar do Grêmio fosse um troféu à parte na competição. Por isso, não surpreende a maneira até violenta com que fomos recebidos em campo na noite de ontem, na Argentina — boa parte dessa violência ocorreu sem qualquer punição por parte do árbitro.

 

Pelas fotos feitas por Lucas Uebel —- fotógrafo oficial do Grêmio e autor das imagens que costumo reproduzir nesta Avalanche —, o árbitro não apenas deixou de advertir o adversário com a rigidez necessária como também não viu um pênalti sobre Geromel, no qual teve sua camiseta de número 3 agarrada pelo marcador. Foi um pouco antes do entrevero que ocorreu entre o mesmo Geromel e o atacante adversário, já na área gremista, ao fim do primeiro tempo.

 

Independentemente da marcação mais forte do que as regras esportivas recomendam ou da disposição do adversário para nos superar —- e isso são apenas motivos de mais orgulho para esse gremista —-, o Grêmio foi maduro em campo. Não perdeu a cabeça, mesmo tendo sofrido gol logo no segundo minuto de partida. Evitou cair em provocações. Colocou a bola no chão, trocou passes, esperou brechas na marcação adversária e chegou ao empate.

 

O gol que marcou foi resultado dos muitos méritos que essa equipe leva a campo, além da própria maturidade para encarar reveses. Após pressionar muito, ameaçar jogadas por um lado e por outro, contamos com a visão de jogo e a precisão do passe de Marinho. Ele estava marcado pelo lado direito e teve capacidade de enxergar Everton lá do outro lado. A partir daí, ficamos por conta do talento de nosso atacante que driblou dois marcadores dentro da área e completou a jogada colocando a bola no fundo do poço.

 

Não tenho mais aquela camiseta desbotada da foto antiga. As que me acompanham em casa estão emolduradas ou dobradas no armário a espera de um espaço na parede — ainda quero ter uma de Geromel, um Anchieta redivivo e melhorado pelo tempo. Mas o guri com a camisa 3, sem emblema, lá do gramado no estádio Olímpico, voltou a se revelar na noite dessa quarta-feira de cinzas, ao vibrar como louco, com os punhos cerrados e o grito de gol que nos garantiu o primeiro ponto na estreia da Libertadores, jogando fora de casa naquele que é conhecido por Grupo da Morte.

Avalanche Tricolor: não te mixa, gurizada

 

Grêmio 0x1 Rosário Central
Libertadores – Arena Grêmio

 

26686296625_21bf90c184_z

Luan, um dos guris, encara a marcação na foto de LUCAS UEBEL/GrêmioFBPA

 

O tempo é o senhor da razão – frase que ouço com frequência nas mais diferentes circunstâncias e hoje voltou à lembrança assim que pensei em iniciar esta Avalanche.

 

Se a tivesse escrito ontem à noite, logo após a partida, temo pelo que escreveria. Eu, assim como você, caro e raro gremista que me lê no blog, certamente não gostamos nada do que vimos na Arena.

 

Ao contrário da maior parte dos jogos, mesmo aqueles em que não alcançamos o resultado esperado, nestes últimos meses, ontem esquecemos de jogar futebol, jogamos fora tudo que vinha sendo construído até aqui e tomamos um baile do adversário – daquelas coisas que há muito não se via.

 

A quarta à noite foi o que meu “padrinho” Ênio Andrade costumava chamar de “Dia do Não”. Nada dava certo pra nós, tudo dava certo pra eles. Roger poderia tirar da cartola qualquer que fosse a solução, dissesse o que dissesse no vestiário e continuaríamos na mesma pasmaceira. Passe errado, falta de criatividade, sem espaço para chutar a gol e falhas …. muitas falhas em todos os setores do campo.

 

Como o sofrimento só se encerrou perto da meia-noite, tive que aguentar uma noite mal dormida, levantar de madrugada, trabalhar, preocupar-me com as notícias do dia e somente agora, no meio da manhã, sentar para escrever esta Avalanche.

 

E como disse: o tempo é o senhor da razão. Esse período entre o fim da partida e o inicio desta escrita, me fez lembrar também de momentos de superação, das vitórias heróicas de outros tempos, das viradas inimagináveis e da imagem de Imortal que construímos.

 

As lembranças da história tricolor me fizeram acreditar que, com a cabeça no lugar e o pé calibrado, o Grêmio tem chances de surpreender a todos que o criticam hoje (dentro os quais estamos muitos de nós). Tem chance, principalmente,de surpreender o seu adversário, assim como este fez com a gente na noite passada.

 

Quero crer que estejamos prestes a alcançar mais uma façanha em campos argentinos. E para isso basta voltar a jogar o futebol que Roger nos ensinou a gostar.

 

Ao Roger, que é um treinador ainda em formação, e aos meninos que vestem nossa camisa e precisam ganhar maturidade, vale outra frase que também marcou minha infância no Rio Grande do Sul: não tem mixa, gurizada! (recado que mando também pra você que já desistiu da batalha)