A seleção brasileira precisa ser tratada como empresa

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

aa9335bc-fa9b-47b4-b5a6-e2a9ff3de810.jpg.640x360_q75_box-0,0,768,431_crop_detail

 

Comissão técnica e jogadores que compõem a seleção brasileira de futebol são profissionais competentes, cujas carreiras de sucesso avalizaram suas funções na seleção.

 

Ao encerrar sua participação na COPA seria imperioso avaliar o empenho e o desempenho. Por que não se fez uma análise técnica do trabalho que competia a cada um, como é norma nas empresas organizadas?

 

Creio que mesmo superadas as fases do “Complexo de vira lata” e da “Pátria de chuteiras” convivemos com distorções dentro e fora de campo, que levam a erros nas avaliações. E essas passam a ser indulgentes, quando deveriam ser transcendentes.

 

A continuidade da Comissão Técnica, por exemplo, é de fato um sinal positivo de avaliação, mas deveria ser estendido sobre outros aspectos. A diferença entre a performance antes da COPA e na COPA foi grande, e isto precisaria ser analisado.

 

Aos jogadores, era essencial para a equipe e para cada um deles, uma resenha do trabalho individual e coletivo. Ao menos para purgar abordagens paternalistas e machistas circulando nos meios digitais e oficiais — que estão transformando-os em meninos ou deuses acima de qualquer crítica negativa.

 

A esse respeito, o artigo da jornalista Mariliz Pereira Jorge – “Jogadores de futebol não são meninos” -, na FOLHA de ontem, reflete bem a constrangedora realidade da cultura e do culto do mundo do futebol e de seus astros:

 

“Parece que encontraram uma forma de maximizar grandes feitos ou de minimizar grandes responsabilidades. Nas duas situações basta infantilizar o sujeito. Foi assim no caminho percorrido para a classificação para a Copa”

 

“Na derrota, o “adjetivo” deu o tom condescendente. Perderam, mas nossos meninos lutaram tanto”.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

Mundo Corporativo: Aldo Bergamasco, da ZRG, diz quem é o executivo que as empresas buscam no mercado

 

 

 

 

“Aqueles que conseguem ter um visão de alguns anos a frente de tendência de mercado e executar o dia a dia de uma forma muito cuidadosa e precisa, esses são aqueles executivos e grupos de executivos que estão trazendo os melhores resultados para as empresas”. A opinião é de Aldo Bergamasco, da ZRG Partner Brasil, em entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da rádio CBN. Bergamasco é especializado na seleção e busca de executivos de alta perfomance e conta que tipo de líder as empresas procuram para comandar suas equipes e como você pode se preparar melhor para encarar este desafio.

 

 

O Mundo Corporativo pode ser assistido ao vivo, quartas-feiras, 11 horas, no site na página da rádio CBN no Facebook. O programa é reproduzido aos sábados, no Jornal da CBN. Colaboram com o Mundo Corporativo Juliana Causin, Rafael Furugen e Débora Gonçalves.

Avalanche Tricolor: no futebol, o Grêmio sempre terá a minha preferência

 

Avaí 1 x 2 Grêmio
Brasileiro – Ressacada/Florianópolis (SC)

 

Gremio x Palmeiras

 

O dilema é antigo e, apesar de para mim sempre ter sido coisa bem resolvida, sei que muita gente ainda tem dúvida sobre seus próprios sentimentos: você prefere ver a seleção campeã a comemorar o título de seu time? Nunca pestanejei: quero o Grêmio campeão e azar de quem não gostar do que penso. Prova disso foi o que aconteceu nesse sábado em que o futebol tomou conta da programação a partir da tarde com a rodada do Campeonato Brasileiro e se estendeu à noite com a Copa América.

 

Ver o Grêmio em campo me causa muito mais apreensão e nervosismo do que a seleção. E não é por confiar menos no time gremista. É por torcer mais. Desejar muito mais uma vitória nossa do que qualquer outra (ao menos quando a referência é o futebol). E, nesse sábado, o desejo da vitória começou a ser atendido quando ainda nem havia me ajeitado direito no sofá.

 

Em jogada relâmpago, a pressão gremista provocou o erro da defesa adversária e, com apenas seis toques na bola, a partir da nossa intermediária, Pedro Rocha apareceu na entrada da área para marcar. Soube depois da partida, porque durante o jogo o locutor da televisão insistia em repetir que o gol havia sido no primeiro minuto de jogo, que nosso atacante fez o gol mais rápido do campeonato ao assinalá-lo aos 37 segundos. Foi o suficiente para voltar a ouvir elogios ao talento do jovem Rocha, apesar de não me iludir com isso, pois bastará uma partida dele sem gols, um erro diante do goleiro, para surgirem os que implicam com o futebol do guri. Dia desses houve até quem escrevesse que ele não era um atacante de verdade para explicar o gol desperdiçado na derrota para o São Paulo.

 

Aliás, lembro ter lido em algum lugar qualquer, após aquele mesmo jogo contra o São Paulo, que Luan era um “moscão”, a alegria dos zagueiros, o meia do drible para trás e outras coisas do mesmo nível. Com seu estilo diferente de jogar e difícil de marcar, Luan já é o segundo goleador do time, o que mais finaliza, dribla e dá assistência a seus companheiros. Nesse sábado, ainda marcou um gol em excepcional cobrança de falta. Colocou a bola por cima da barreira e no ângulo, como manda a cartilha. Foi mestre em segurar o jogo quando éramos pressionado e quase voltou a marcar no segundo tempo, após sequência de dribles dentro da área.

 

Claro que a vitória não poderia ser tão tranquila assim, especialmente por estarmos jogando na casa do adversário. A reação haveria de acontecer nem que fosse pela força de vontade, já que tecnicamente éramos superiores. No entanto, nossos laterais substitutos funcionaram bem, com destaque para o garoto Marcelo Hermes. A defesa se garantiu como pode e Tiago voltou a mostrar valor. Os volantes também deram conta do recado, ao menos enquanto Walace e Maicon formaram a dupla à frente da área. E nosso conjunto mesmo pressionado garantiu a primeira vitória fora da Arena.

 

Assim que se encerrou a partida, com o Grêmio beliscando a terceira posição e se aproximando do líder, situação que pode mudar conforme a combinação de resultados deste domingo, satisfeito com a vitória, peguei o casaco para afugentar o frio e me arrumei para assistir à missa das seis da tarde, na capela próxima de casa.

 

Ouvi ainda alguém me perguntar: e a seleção? Que tenha a mesma sorte do Grêmio, pensei comigo. Não teve.

 

A foto deste post é do álbum oficial do Grêmio no Flickr

O meu longo andar de carro pelas estradas até chegar a Punta del Este

 

Por Milton Ferretti Jung

 

Permitam-me, para início de conversa,que parafraseie Mário Quintana,o meu poeta preferido,lembrando o meu longa andar no rádio gaúcho. Foram,afinal,sessenta anos,durante os quais trabalhei também em agências de propaganda, como redator,no Correio do Povo e na Folha da Tarde e fui o primeiro narrador de futebol na recém inaugurada TV Guaíba,por escolha do Dr.Breno Caldas,proprietário da Cia.Jornalística Caldas Jr., de saudosa memória. Fui,também – os mais velhos não me esquecem,modéstia à parte – locutor-apresentador do Correspondente Renner em um longo período: de 1964 até 1º de abril do ano passado.

 

Em todo esse tempo,fiz inúmeras viagens,uma das minhas obrigações como narrador de futebol e,muitas vezes, de outros esportes. Renitente,quando se tratava de viajar para o exterior – preferia ficar ao lado da minha família – atuei em duas Copas do Mundo apenas:Argentina e Alemanha. Acompanhei a Seleção Brasileira na maioria dos seus deslocamentos pelo país dos meus ancestrais. Não conheci nenhum Jung. Em compensação,sempre que íamos a um banco de Frankfurt para sacar dinheiro,o atendente repetia incansavelmente que em meus sobrenomes, o por parte de mãe – Ferretti e o alemão Jung,herdado do meu bisavô – havia muitas contas. A equipe esportiva da Guaíba ficou bom tempo em Frankfurt enquanto o Brasil não precisou trocar de base.

 

Ruy Carlos Ostermann e este seu criado,ficamos um dia em uma cidade e precisamos ser comboiados para o pouso seguinte porque não atinamos com a saída dessa. Viajamos com um BMW alugado. Com ele,viajar de um local para outro por autobahn,mesmo que fosse um pouco mais longe que as feitas de avião,era um prazer. Se no Brasil a velocidade máxima mais alta é 120km por hora,na Alemanha,para usar um velha expressão,é café pequeno,lá 160 é comum. Em uma dessas autobahns,tínhamos de sair da estrada e em cada placa que encontrávamos o nome era o mesmo. O Ruy,com algum conhecimento da língua germânica,entendeu que deveríamos entrar na primeira à nossa frente. Eis que,abaixo de uma elevada,havia um hotel e,por puro acaso,aquele onde o restante da nossa equipe se hospedava. Claro que fomos gozados pela babaquice.

 

Enfrentamos muitas estradas em minha carreira radiofônica. Nos preparativos da Seleção Brasileira para a Copa da Alemanha fizemos uma gauchada:viajamos de Kombi de Porto Alegre até as estâncias hidro-minerais usadas para treinamento do selecionado. Saímos dessas últimas e partimos para o Rio de Janeiro e acompanhamos os ensaios brasileiros em Niterói e Macaé. Encerradas as baboseiras que os políticos inventaram para “saudar” a “canarinho”,surgiu a oportunidade de deixar a Kombi de lado. Edmundo Soares,repórter do Correio do Povo,ganhara como prêmio voltar a Porto Alegre com um Volks zero quilômetro. E me convidou para o acompanha e auxiliar a pilotar o fusquinha. Na passagem por São Paulo,perdemo-nos. Deixamos SP sem dormir e seguimos viagem para POA. Foi uma viagem cansativa,como os meus leitores(?)podem imaginar.

 

Quando se tratava de jogos pelo interior do Rio Grande do Sul,viajava-se de Kombi. Os que tinham carteira de motorista,de 100 em 100 quilômetros, assumiam a direção. Ao contrário dos caminhos mais longos,como o da viagem para as estâncias hidro-minerais mineiras,as estradas era bem mais curtas e menos preocupantes. O problema é que não eram vias asfaltadas e,se chovia,embarradas e escorregadias. Confesso que quanto mais alto fosse o que era chamado de “camaleão”,um trecho mais elevado da estrada,mais eu gostava de traçá-la.

 

Por falar em viagens e estradas de todos os tipos, desde as autobanhs às embarradas vias do nosso interior,umas satisfaziam meus desejos de pisar fundo no acelerador,outras de derrapar nos “camaleões”. O que eu não esperava,porém,era que seria convidado pela turma de parentes para ir até Punta del Este. Depois de ficar tanto tempo andando por Porto Alegre,achei interessante fazer uma visita a esta cidade balneária do Uruguai. No afã de me preparar para a viagem,esqueci-me de perguntar quantas horas teríamos de viajar para chegar a Punta. Nove horas,disse Maria Helena,minha mulher. Foi um susto. Felizmente,apenas a longa viagem é desagradável para um velho traseiro,mas a cidade a ser visitada fora da época de veraneio,é excelente em tudo,do resort em que paramos,às visitas magníficas,aos restaurantes quase vazios e,claro,o cassino,no qual não joguei,porque não me agrada,mas onde se almoça muito bem. Quem tiver paciência para suportar nove horas de viagem e para quem não conhece Punta del Leste,atrevo-me a sugerir que trate de conhecer uma cidade praiana bem diferente das nossas.

 


Milton Ferretti Jung é jornalista, radialista e meu pai. Às quintas-feiras, escreve no Blog do Mílton Jung (o filho dele)

Cara de quem ganha é bem diferente da cara de quem perde

 

Por Milton Ferretti Jung

 

 

Cara de quem ganha é bem diferente da cara de quem perde. Basta que,como diria o Mílton,os meus raros leitores tenham aberto o vídeo acima deste texto e, tanto visto quanto ouvido, a coreografia dos Campeões do Mundo ao gozar com os argentinos. Malena,minha mulher,acha muito feio o que os alemães fizeram ao lembrar,cantando a plenos pulmões,enquanto dançam alegres, que “asi andan los gauchos” – de cabeça baixa – enquanto eles,como vitoriosos que foram,ficam eretos. Não é de se duvidar que os gaúchos deste lado do continente prefeririam ver os germânicos dançando com os pataxós aqui no Brasil,imagem bem mais simpática,aliás,que a do vídeo que encabeça o que,antigamente,se chamaria de mal traçadas linhas. Malena,que torceu pelos “hermanos” como se estivessem vestidos com a camiseta do Grêmio,não digeriu a brincadeira da turma que representou a Deutschland Über Alles na Copa do Mundo. É bem possível que os argentinos tenham visto a farra alemã como brincadeira de mau gosto.

 

Pode-se discutir a correção dela,mas é indiscutível que o título que premiou a Alemanha não teve nada de ocasional. Ocasional,me atrevo a dizer,seria se a Seleção Brasileira, mesmo que não houvesse sido vitimada por goleada vexatória e,em seguida,por outra derrota,deixou claro não merecer resultado menos infeliz. Fosse apenas a deficiência técnica da Seleção Brasileira a causa do cataclisma, a preocupação de quem deseja que,nos próximos anos,o nosso futebol viva tempos melhores,aumenta ao invés de diminuir,quando a gente se dá conta de que o exemplo da Alemanha dificilmente será seguido.Afinal,os nossos pró-homens(?)são todos da mesma casta,para não dizer, laia. Olha-se para o futuro e o que se vê? Dos gestores da CBF aos das Federações regionais será que existe algum que o amigo leitor se encorajaria de aceitar como genro?

 


Milton Ferretti Jung é jornalista, radialista e meu pai. Às quintas-feiras, escreve no Blog do Mílton Jung (o filho dele)

Fora da Área: para quem vou torcer?

 

Torcida_Fotor_Collage

 

Foi cansativo driblar os textos que me ofereceram para ler, nesta semana, sobre a final da Copa do Mundo, mas consegui eliminar de todos eles a expressão “hermanos” que, insistentemente, acompanhava as notícias relacionadas a Argentina. Não porque cultive qualquer incomodo com os argentinos, muito antes pelo contrário. Como sabe bem o caro e raro leitor deste blog, sou gaúcho, gentílico de todos os nascidos no Rio Grande do Sul, mas que também identifica o povo ligado à pecuária em especial os da região dos pampas, da Argentina e do Uruguai. Portanto, a proximidade vai além da geografia, se faz pelos hábitos, expressões e atitudes. Não gosto de chamá-los de “hermanos” simplesmente porque se transformou em lugar comum e uma de nossas tarefas no jornalismo tem de ser a pureza da língua e a limpeza do discurso. Portanto, lembrando brincadeira do colunista Ancelmo Gois, de O Globo, sempre que depara com o exagerado uso de expressões estrangeiras: “hermanos” é o c…..

 

Não gosto de “hermanos”, mas não tenho nada contra eles. Por isso, apesar de muitas vezes compartilhar das brincadeiras que os brasileiros costumam fazer todas as vezes que se referem aos argentinos, os admiro pela bravura, pela elegância no vestir (mesmo diante da crise econômica) e pela carne saborosíssima. Sendo assim, não haveria qualquer motivo para torcer contra a seleção comandada pelo técnico Alejandro Sabella nesse domingo na final contra a Alemanha, no Maracaña. Mesmo porque eles tem Messi, jogador que potencializou à sua genialidade síndrome apontada como uma forma branda de autismo, a de Asperger. Joga com rara qualidade e a cada partida nesta Copa parece melhorar a capacidade de extrapolar com seu sorriso sem jeito os limites emocionais que o transtorno o impõe. Vê-lo jogando é um privilégio. A Argentina, claro, tem Messi, mas também tem Mascherano, tem Zabaleta, tem Di Maria e tem uma torcida de causar inveja. Isso não quer dizer que torcerei para os argentinos.

 

Nascido de família meio italiana e meio alemã, lá no Rio Grande do Sul, escolhi o Jung como sobrenome para me acompanhar na vida profissional. Nem me pergunte porque abri mão do Ferretti que se parece muito mais com a minha personalidade. Mas sendo Jung teria motivos que chega para torcer pela Alemanha. Parentes, que devem viver nas colônias germânicas formadas no meu estado natal, certamente ficarão bastante satisfeitos com a vitória da equipe comandada por Joachim Löw. Se me faltassem motivos para torcer, a seleção ainda tem como maior destaque Thomas Müller, atacante que carrega o sobrenome da minha mãe, não bastasse jogar bola como poucos. Independentemente dessa familiaridade, o tetracampeonato da Alemanha teria um fator pedagógico para o futebol mundial devido a estrutura construída pelo país para chegar ao nível atual, desde a derrota para o Brasil, na Copa de 2002. Sim, na semifinal fomos vítimas de uma criatura que se reconstruiu a partir da lição que aprendeu ao perder para nós por dois a zero no Mundial do Japão e da Coreia. O governo alemão ajudou a reestruturar os times de futebol do país e os obrigou a adotar escolas na região em que atuam, nas quais professores foram capacitados a partir de conhecimento desenvolvido em cursos da Uefa, novos talentos foram identificados e submetidos a uma série de conhecimento técnico e tático e preparados física e psicologicamente. Para se ter ideia, Özil tinha 14, Müller 13, e Kross 12 anos, quando isso começou. O que vemos em campo não é resultado do acaso ou do improviso, como costume aqui no Brasil. O título alemão seria um incentivo a quem acredita em planejamento, trabalho, competência e, claro, muito talento. Isso não quer dizer que torcerei para os alemães.

 

Entre Argentina e Alemanha, no domingo, ainda escolho o Brasil, pois, como já escrevi neste blog, sou torcedor contumaz da nossa seleção.

Nenhum adjetivo é capaz de expressar o que sentimos

 

Por Milton Ferretti Jung

 

Gostaria de possuir capacidade para expressar em palavras o que passou pela minha cabeça quando a Seleção Brasileira,muito cedo,levou o primeiro gol da Alemanha e,quase a seguir,os outros seis que,”al fin y al cabo”,se transformaram não apenas num maldito 7 x 1,mas na derrota mais vexatória do nosso selecionado em toda a sua historia. Essa nem pode,pelo menos,ser comparada ao ocorrido,no jogo final do Mundial de 1950,contra o Uruguai. Se aquele foi chamado de “maracanaço”,apelido derivado do espanhol “maracanazo”, que foi assistido por 200 mil torcedores,pode ser visto como café pequeno. Quem dera que todas as derrotas brasileiras fossem por diferença mínima – 1 x 0,2 x 1 ou pelo escore clássico de 3 x 1. Fosse o que aconteceu na semifinal de 2014,não no Mineirão,mas na final,no Maracanã,os estrangeiros estariam rindo da nossa cara,ressuscitando o maracanaço.

 

A derrota de terça-feira,que eu saiba,ainda não tem apelido. Os adjetivos que vem sendo usados,porém,pela mídia impressa,são muito mais pesados do que qualquer alcunha inventada por algum desaforado rival do futebol brasileiro. Refiro-me aos usados por jornais porque,após a derrota por 7 x 1,somente liguei o rádio para ouvir o Jornal da CBN,com o qual desperto antes mesmo de escutar os relinchos do despertador. Vou ficar somente com os adjetivos ou coisa parecida que li na ZH,aqui em Porto Alegre. Está,na capa do Jornal da Copa,a seguinte manchete: “VERGONHA” (caixa alta).Abaixo se lê a conclusão em letras menores um pouco:”para sempre”. Ao folhear as páginas 2 e 3 de Zero Hora dei com este titulo em letras bombásticas e,por acaso,com o mesmo bordão que eu usava quando narrava futebol ao relatar um gol: “NO FUNDO DO POÇO”. O diabo é que o “fundo do poço”,no contexto atual,é muito mais profundo do que o gritado em meu bordão. Há muitos outros adjetivos que não vou me dar o trabalho de repetir. Por quê? Porque,de tantos que estão sendo veiculados,nenhum chega ao ponto de exprimir o que nós,brasileiros,sentimos ao descobrir que o primeiro gol alemão seria seguido de outros seis. Também não acho que os jogadores que sofreram a goleada,ficaram marcados pelo fracasso e humilhados por sepultar o Hexa em casa. Eles,não importa o que vai acontecer no sábado,na disputa pelo terceiro lugar,voltarão aos clubes de origem,nos quais a maioria deles não perdeu prestígio e sequer um dólar dos principescos salários que recebem no exterior. Claro,todos eles e os seus fracassados comandantes ficarão um certo tempo com a goleada atravessada na garganta. Afinal,diz um velho provérbio que não há mal que sempre dure nem bem que nunca se acabe.

 

Na vida e,como não,em futebol,não há nada inexplicável. Existe,isso sim,o que não se sabe explicar. Há,porém,quem encontrou a explicação para seus fracassos. Os alemães descobriram como evoluir a partir de derrotas. Sua história já foi contada e não é segredo. Convém que o Brasil procure imitar a Seleção Alemã que,neste domingo, fará a final desta Copa do Mundo,enfrentando a Argentina. E tem mais:que não repita o erro dos cartolas trapalhões que demitiram Mano Menezes cujo trabalho de renovação da Seleção Brasileira deveria ter sido preservado. Vá lá,o futuro a Deus pertence. Quem sabe,todavia, não tivéssemos,com Mano no comando,uma equipe capaz de não envergonhar o povo desta terra.

 


Milton Ferretti Jung é jornalista, radialista e meu pai. Às quintas-feiras, escreve no Blog do Mílton Jung (o filho dele)

Fora da Área: #SomosTodosNeymar #SóQueNão

Máscaras de Neymar estão sendo distribuídas pela internet em campanha de apoio ao atacante que teve, como ele próprio disse, o sonho de disputar a final da Copa do Mundo abortado pela violência com que foi atingido pelas costas. A ideia, lançada pelo Grupo ABC de comunicação, é que a torcida brasileira vá mascarada ao estádio repetindo manifestação que havia sido realizada quando Neymar estava no Santos, em jogo contra o Colo-Colo, pela Libertadores, em 2011. Se naquela época a inspiração era o Carnaval, desta vez é o drama que está vivendo o jogador. Agregado a campanha está a hashtag #SomosTodosNeymar que, não por acaso, segue a linha do #SomosTodosMacacos criado pela mesma agência quando Daniel Alves foi alvo de atos de racismo na Espanha. Do ponto de vista promocional e motivacional tudo é válido, afinal o baque com a fratura da terceira vértebra da lombar foi enorme, pois tira no momento mais decisivo o jogador em que o Brasil depositava total confiança. Torcedores e equipe sofrem com o acontecido. Sem contar o sofrimento pessoal de um jovem que dedica a vida ao futebol, é expurgado da primeira Copa, na África do Sul, por não ter experiência suficiente e, na segunda, é abatido pela agressão traiçoeira.

 

Agora, caro e raro leitor deste blog, sabemos todos que não é preciso ser nenhum especialista no tema para entendermos que #SomosTodosNeymar #SóQueNão (usufruindo de outra hashtag de sucesso no Twitter). Ou seja, por mais que Luis Felipe Scolari procure no seu grupo de jogadores e mesmo se pudesse buscar em outros elencos não encontrará alguém à altura do craque. Neymar tem o dom, como tiveram Pelé, Garrincha, Maradona, Messi, Zidane, Beckembauer e poucos outros que fizeram a história desse esporte mais rica e bonita. Ele nasceu para exercitar a arte do futebol e por isso foi capaz de marcar gols após a sequência inimaginável de dribles naquela vitória contra o Inter (3×1) ou na derrota para o Flamengo (5×4), ambos na Vila Belmiro, quando jogava com a camisa do Santos. Se transformou em um dos maiores jogadores do mundo com pouco mais de 20 anos e alcançou marcas que impressionam vestindo a camisa do Brasil. Atualmente é o sexto goleador da seleção com 35 gols marcados, quatro nesta Copa.

 

Scolari sabe que não tem ninguém com o mesmo talento de Neymar nem procura alguém semelhante. Pode usar William, Bernard ou quem sabe três volantes. Talvez peça para Oscar ocupar o espaço do nosso camisa 10. Só saberemos pouco antes do início do jogo, pois vai anunciar em cima da hora para não dar mais munição a seleção da Alemanha. No vestiário (e deve estar fazendo isto desde que foi comunicado da eliminação do seu goleador), porém, mobilizará a equipe com o discurso de que Neymar estará incorporado em cada um dos que entrarem em campo na esperança de que consigam doar 110% das suas capacidades. De que Oscar desabroche, Hulk chute a bola fora do alcance do goleiro e Fred, em pé ou deitado, desencante de vez. E, assim, transforme em realidade o que só existe até agora na versão virtual: #SomosTodosNeymar.

Fora da Área: e se o Brasil perder?

 

 

Ao fim do único jogo da Copa que assisti ao vivo, na Arena Corinthians, fui apresentado a Matthew Cruickshank, um dos responsáveis pelos desenhos que animam a página do Google, conhecidos por doodle. Ele nasceu em Londres, na Inglaterra, país pelo qual acabara de torcer sem muito sucesso, pois os ingleses haviam perdido para o Uruguai por 2 a 1, o que praticamente os eliminou do Mundial ainda na fase de grupos. A derrota não foi suficiente para tirar o bom humor de Matthew que começou nossa conversa dizendo que o ônibus em que estávamos sacudia tanto, devido aos buracos nas vias que deixam o estádio, em Itaquera, que ele pensou estar em São Francisco, cidade onde mora e sempre ameaçada por terremotos. Ele tinha outros motivos para estar satisfeito, a começar pelo fato de pela primeira vez a equipe de doodlers ter deixado a sede americana do Google para vivenciar o evento que inspira suas ilustrações. Em lugar de planejar com dois, três meses de antecedência os desenhos, o desafio imposto a eles foi criá-los com apenas duas, três horas baseado na experiência que estavam tendo no país da Copa. Por isso, Matthew está sempre em busca de ideias. Papo vai, papo vem, ele não se conteve e me perguntou: “e se o Brasil perder, o que eu desenho?”. Confesso que fui surpreendido, pois até aquele momento não havia me passado pela cabeça essa possibilidade. Desde que o Brasil se prepara para o Mundial, e me refiro aqui a nossa seleção, a meta é uma só: ser campeão. Meta não. Obrigação que o país se impôs. É como se o título de 2014 tivesse o poder de apagar da memória do mundo a derrota contra o Uruguai na final de 1950. O que considero uma bobagem, pois uma coisa não tem nada a ver com a outra e se não vencermos a vida segue amanhã, os filhos vão para a escola, você para o trabalho e os problemas a serem enfrentados serão os mesmos de ontem.

 

No início dos preparativos, a seleção teve resultados titubiantes, trocou o técnico quando dava sinais de recuperação, ganhou novo rumo e confiança. A vitória na Copa das Confederações fez aumentar o otimismo dos torcedores e da própria seleção. Lá se enxergou pela primeira vez que, mais do que uma obrigação, tínhamos chances reais de sermos campeões. Jogar em casa nos oferecia vantagem sobre os adversários que se somava a nossa própria história no futebol, marcada por grandes espetáculos e cinco títulos mundiais. Foi por isso que, antes dos jogos se iniciarem, Parreira disse – e me parece foi mal compreendido – que tínhamos uma mão na taça. E é por isso que temos assistido a cenas explícitas de emoção, tensão e pressão protagonizadas por nossos jogadores, sobre as quais já escrevi e defendi aqui neste Blog. Jamais pensamos no risco de sermos derrotados (houve até quem acreditasse que ganharíamos apenas porque a Copa já estava comprada, sem perceber a falta de lógica da tese).

 

As partidas da Copa, nosso desempenho abaixo do esperado e a decisão levada para os pênaltis contra o Chile mostraram que não somos imbatíveis. Para muitos, abalaram a confiança que tinham na equipe brasileira. Colocaram em nossa perspectiva o risco de mais uma decepção em casa, a possibilidade de perdermos o Mundial. Fez com que muitos de nós repetíssemos a indagação do recém-conhecido Matthew: “e se o Brasil perder?” Pois vou lhe dizer sem pestanejar que, para mim, todos esses acontecimentos até aqui apenas fortaleceram a ideia de que somos capazes de superar nossas próprias fraquezas e com humildade e perseverança nos tornarmos habilitados a disputar a final. Fred, o goleador sem gols, Thiago Silva, o capitão que sabe chorar, e Hulk, o atacante que nasceu para ser Cristo, são alguns dos muitos personagens que passam por um período de provação e assim são forjados para terem sua história enaltecida. Serão transformados em heróis, lembrados para o todo e sempre (até que dure). É nisso que acredito. Por tanto, caro Matthew, invista seu tempo imaginando como ilustrar a página do Google quando o Hexa chegar – até porque se o Brasil perder, melhor nem imaginar.

Mais Brasil

 

Por Nei Alberto Pies
professor e ativista de direitos humanos

 

Desde a Copa de 98, escrevo sobre a realização das Copas do Mundo e a participação da Seleção Brasileira neste grande evento esportivo. Acredito que estádios de futebol representam para os brasileiros “espaços de construção de identidade, de cultivo de bons valores humanos e espaço para viver e experimentar os melhores relacionamentos”. Acredito que, em todas as Copas do Mundo, brasileiros e brasileiras fazem uma revisão de si mesmos, jogando com seu orgulho, sua cidadania e seu amor à Pátria como componentes fundamentais da identidade brasileira.

 

Em 2014 não faltaram aqueles que quiseram ensinar um novo jeito de torcer por esta nação e pelo futebol brasileiro, sendo contra aquilo que vem de nossa alma e nossa essência: o gosto pelo futebol. Mas “erraram o pulo”, pois para a imensa maioria, o futebol reflete as diferenças, os potenciais, os talentos e a criatividade. O futebol representa muito do nosso povo, de sua postura e de sua vontade de vencer e apresentar-se ao mundo.

 

O Brasil não precisa mais impressionar ninguém, em nenhum quesito, muito menos no futebol. O Brasil deve se fazer respeitar por tudo aquilo que tem de bom e todos os brasileiros deveriam orgulhar-se do país que somos. Esta é a atitude fundamental para continuarmos lutando, diariamente, por um Brasil cada dia melhor. Este imenso país possui um povo que não pode ser subestimado por sua inteligência, criatividade e ousadia.

 

O falso pessimismo que tentaram imprimir neste país tem a ver com a resistência às mudanças substantivas que ocorreram no Brasil nos últimos anos, para a maioria dos brasileiros. Tem a ver com a ampliação das possibilidades democráticas de vivermos a cidadania, nem sempre bem vistas por aqueles que se sentem donos desta nação. Tem a ver com um novo e importante advento que se aproxima: as eleições gerais.

 

Os brasileiros provam, mais uma vez, que a maior riqueza está na garra, na fé e na esperança que se fazem na luta cotidiana de cada cidadão e cidadã brasileira. Os brasileiros manifestaram que querem mais do que já conquistaram, mas sabem que não existem mágicas nem ideias “mirabolantes” que irão mudar o percurso da ampliação de sua cidadania.

 

Emprestamos nossa terra, nossa altivez e nossa cultura para a realização do maior espetáculo do mundo. Sem medo de expor ao mundo nossas contradições, durante a realização da Copa do Mundo, fomos nos alimentando daquilo que mais temos de bom. Apesar de excessos de uma minoria, unimos os nossos sentimentos de brasilidade nos mais equidistantes rincões e comunidades deste país.

 

A Copa do Mundo pode não trazer título à nossa Seleção, mas já nos trouxe de volta o que queriam nos tomar: a fé e a esperança de que nosso país vai dar certo! Brasileiro de verdade acredita no Brasil e age nas horas certas. Sabe que este país tem uma enorme dívida com a cidadania e com a falta de oportunidades para com a maioria dos brasileiros: pobres, explorados, sem estudo, sem trabalho, sem saúde, sem dignidade. Esta conta quem vai pagar é a nossa rica nação brasileira e quem deve exigir é a organização e a luta da coletividade, agora alimentada por um sentimento de “mais Brasil”.