Conte Sua História de SP: o prédio

 

Por Suely A. Schraner

 

 

A tarde trazia consigo melancolia de pôr-do-sol. Andara o dia todo.
As têmperas latejando. Britadeira batucando do outro lado da rua.
Demolira planos. Rompera ilusões. Nadara em águas revoltas. Nebulosas da memória. Mistura de vinho com Rivotril, as suas sinapses poéticas.

 

Ávidos edifícios o espreitam.

 

Pele de vidro e frita aves. Caleidoscópio lancinante. Lugarzinho inabitável. Áreas descomunais. A planta letal. A vida por um fio é que dá força para amar. Certificar o nada.

 

O desespero a um passo da felicidade.

 

Deu por si e estava diante dela.

 

“Não esperava te encontrar aqui”. “Ah, bem sabe que minha vida é nos cascos”. “Sei, nos sapatos e na cama”. “Andou chorando?”

 

Abaixa os olhos. “Cisco”.

 

Sinto que gostaria de me beijar. “Diga-me, será que desta vez conseguiremos? “O não, nós já temos. Agora, é tentar o sim”.

 

Passam despercebidos.

 

No andar, começara a sentir-se mal. “Você está doente? “Cisco”. Tá brincando! “Sinta o cheiro”. De morte? “Não amole, é cheiro de felicidade”.

 

Embolados. “Sabia que o corpo fala? Ás vezes faz bem ficar doente”. “É a vida chamando a atenção da gente”. Tem o dinheiro?

 

“Daqui dez dias”. “Dez dias não é possível. Até lá…”

 

Saem.

 

O sol se escondera detrás do prédio.

 

Espelhado e colorido.

 

Caleidoscópio onírico. Na planta ou próprio para morar. A vida alucinada. Certificação AQUA- alta qualidade ambiental. Áreas comuns generosas.

 

A felicidade a um passo do desespero.

 


O predio ou Suely Schraner é personagem do Conte Sua Historia de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Esta história foi reproduzida no CBN SP há dois anos, porém jamais havia sido publicada no blog. Aproveito o aniversário de São Paulo para compartilhar com você

Conte Sua História de SP: a cidade que conheci pelas pessoas e pela arte de cada uma delas

 

Por Jorge Anunciação
Ouvinte-internauta da rádio CBN

 

 

Caro Milton,

 

somos próximos por sermos do sul, eu de Cruz Alta-Passo Fundo, você portoalegrense; ligados ao esporte porque ouvia e admirava teu pai na Rádio Guaíba; também porque sou tão paulista quanto você, pelas lembranças e pelos encantos que São Paulo me mostrou desde muito cedo, por Adoniran e Jaçanã, por Hebe, cujas histórias eram trazidas pela minha tia Suely que morava em Osvaldo Cruz e por Moacyr Franco que, em Cruz Alta – terra de Érico e Justino Martins -, falavam que era o maior cantor do mundo. Depois vieram Dudu-Ademir, Gerson-Pedro Rocha, Rivelino-Paulo Borges, Pelé-Coutinho, a Rua Bariri, o Canindé de Xaxá-Enéias-Cabinho. Encantei-me também pelas músicas Lindóia, Saudade de Matão, Aurora, pelo Rio de Piracicaba e dos jeito brejeiro de um interior paulista que ainda não conheço. Um dia conheci Rolando Boldrin, um dia conheci a São Paulo italiana de Nino, o italianinho, conheci Plínio Marcos e Guarnieri. São Paulo era e é tudo, interior-capital, brasileira-portuguesa-italiana-japonesa, entre outros, entre tudo.

 

Em janeiro de 1973 descobri, ao acaso, percorrendo o rádio de válvulas de meu pai, Hélio Ribeiro, da Bandeirantes. Hélio, de São Paulo, do mundo, que todos ouviam e refletiam com ele. E São Paulo cresceu ainda mais.

 

Finalmente, em 1989, fui conhecê-la quando participei de um congresso médico, minha profissão, e fiquei pateticamente parado no cruzamento da Ipiranga com a São João procurando Caetano e Gil. Avenida São João onde dizem que o Capitão Blue teria morrido atropelado segundo o cantor Leno (de Leno e Lilian) o mesmo que cantaria em Flores Mortas, uma São Paulo em que as árvores cortadas deram lugar ao asfalto das avenidas.

 

Em razão da medicina visitei essa cidade outras tantas vezes; Ibirapuera, aeroportos, Bixiga, Brigadeiro, Consolação, Jardins, Anhembi e até o túmulo de Airton Senna. Fui até o Joelma ver o que restou daquilo que assisti pela TV em fevereiro de 1974.

 

Hoje, caro Milton, minha filha Georgia estuda Relações Internacionais na FAAP e mora na Albuquerque Lins e visito-a regularmente. Ouço você todas as manhãs junto com sua turma, Bel-Márcio-Juca-Arnaldo-Max-Carlos-Xexéo-Cony, com exceção das sextas quando amanheço de plantão no hospital. Vocês me aproximam de minha filha, de Hélio Ribeiro, dos jogadores dos meus times de botão, de Rita Lee a mais completa tradução. Amo São Paulo, agradeço por você fazer parte dessa liga que me aproxima da maior cidade do mundo, cidade pulsante e elétrica.

 

Perceba, finalmente, caro Milton (gol-gol-gol do Grêmio) que conheci a cidade pelas pessoas, pela arte de cada uma delas. Conheci pela velocidade das coisas todas, pelo árduo trabalho cotidiano. Tenho extremo respeito às pessoas que labutam. Por isso, gosto de vocês, das informações, dos debates, amo até as regiões de São Paulo que não conheço, tenho saudades das ruas por onde nunca andei, como dizia Mario Quintana, o poetinha.

 

Abraço, cara.

 


Jorge Anunciação é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Você participa enviando seu texto para milton@cbn.com.br