Tomando um cafezinho com meu poeta preferido, Mário Quintana

 

Por Milton Ferretti Jung

 

IMG_2617 (1)

 

Mílton,meu filho e âncora deste blog,que aos domingos vem publicando post cujo nome – Quintanares – foi uma homenagem prestada pela Rádio Guaíba ao poeta Mário Quintana. Modéstia à parte,atrevo-me a dizer que,tanto eu quanto o Mílton,adorávamos Quintana e até hoje,quem visita a casa do meu filho,vê a imagem do poeta em uma parede a ele dedicada.

 

Na Rádio,deram-me a honra de declamar as suas poesias. Ainda bem que o Christian,meu filho mais moço,que se dá ao trabalho de guardar o que o seu pai, descuidadamente, esquece de fazer,toma tal providência.Os áudios usados no blog fazem parte deste acervo mantido por ele.

 

Conheci de perto o poeta.

 

Nos sábados,o fechamento do jornal Correio do Povo de domingo era acompanhado bem mais cedo do que durante a semana. Mário aparecia na redação e lá ficava por bom tempo.

 

Ah,claro,ele ia entregar um dos seus poemas ao Tito Tajes. Esse,era casado com minha irmã,a Mirian,e responsável pelo fechamento, sem erros, das notícias dominicais. Eu apresentava as duas últimas edições do Correspondente Renner e,entre uma e outra leitura,visitava o Tito,sempre um bom papo. Junto com esse,já lá estava Mário Quintana.

 

Sabem o que ele fazia? Tratava de preencher as palavras cruzadas do Correio do Povo de domingo. Lembro-me que ali mesmo,sentado na redação do jornal,ele “matava a charada” com incrível rapidez e sem precisar,como eu, de dicionário.

 

Eu costumava levar os meus três filhos – a Jacque,o Mílton Júnior e o Christian para me acompanhar aos sábados. O Tito,por sua vez,levava minha sobrinha, a Claudia,hoje roteirista da Globo e que também é colunista da revista Donna. Como se viu,ela não atendeu ao desejo paterno: Tito não queria que ela fosse jornalista…

 

Dos meus,o Mílton foi um dos que mais se divertiram ao visitar a Rádio Guaíba. Os operadores,mal o Mílton chegava,tratavam de fazer uma bola com muito papel e guarnecida com fita isolante para aguentar os chutes que ele dava no corredor da Guaíba.

 

Ao conhecer o Christian,então com crespos cabelos louros,Mário Quintana,que também encontrava o meu caçula na redação do Correio do Povo,aos sábados,tratou de apelidar o garotinho de “Anjinho”.

 

Já os meus contatos com o poeta se davam quando,eventualmente,ele me ouvia declamando uma de suas poesias,as que seriam acompanhas pelos ouvintes da Guaíba ao irem ao ar. Eu ficava imaginando o que ele estaria pensando do seu “declamador”.

 

Não esqueço que ele fez um elogio ao Lauro Quadros -meu colega de rádio na época-, dizendo que gostava muito de vê-lo na televisão, não para ouvi-lo,mas porque achava muita graça na maneira como ele se sacudia.

 

Quem costumava almoçar no bar da rádio Guaíba,o que muitos faziam praticamente todos os dias, sempre podia aproximar-se de Mário Quintana,que tomava café preto e,invariavelmente,fumava um “cigarrinho”.

 

Mário Quintana não foi somente um poeta que,a meu juízo e do Mílton,foi o melhor de todos. Ele foi um jornalista dos melhores que eu cheguei a conhecer quando ainda vivo e atuando na Livraria do Globo.

 

Ah,que saudade do tempo em que tínhamos um grande poeta com quem se podia conversar e,no meu caso,ter o prazer de ser o seu intérprete no Quintanares.

 

Milton Ferretti Jung é jornalista, radialista e meu pai. Escreve no Blog do Mílton Jung (o filho dele)

O mocotó do Tito Tajes

 

Por Milton Ferretti Jung

 

titofoto_Fotor_Collage

 

Tornou-se um hábito para mim ler o caderno Donna,que vem encartado aos domingos na Zero Hora,jornal gaúcho que assinamos aqui em casa. Ocorre que,como já revelei em textos anteriores deste blog,minha sobrinha Claudia Tajes,escritora de vários livros e,mais recentemente,roteirista da Globo,em sua coluna no Donna (ou seria na Donna?),volta e meia conta histórias sobre as famílias Tajes e Jung,mas separadamente. Desta vez,juntou a dela e a minha. Nesse domingo,o assunto foi “Almoço em família”. Lembrou,com riqueza de detalhes,os ágapes que o Tito,o seu pai,promovia em uma casa de veraneio e também de invernos gelados,que pertencera ao chefe do clã dos Jung – o seu Aldo,meu pai – localizada nas proximidades do Guaíba. A propósito,continuo defendendo a sua condição de rio e não,como querem teimosos e quejandos,lago.

 

A casinha de madeira foi a parte herança do meu pai que coube ao Tito e à Mirian,minha irmã e que se transformou em uma casa de alvenaria. Hoje,tenho saudade da casa antiga e dos nossos banhos diários nas águas do Guaíba,durante o verão,um rio com águas límpidas,no qual a gente entrava sem medo de se afogar,temor que me impede de enfrentar o mar. Foi essa casa que,reformada,transformou-se mais tarde no local das nossas comilanças dominicais,nas quais o Tito deixava por um dia de ser jornalista para se transformar em exímio cozinheiro. Tios e primos se reuniam,satisfeitos da vida,para saborear o variado cardápio,composto em um domingo por churrasco,no próximo por massa,feijoada ou comida árabe,como lembra a Claudia na seu texto.

 

Ah,havia o domingo do mocotó que,conforme a Claudinha,acontecia uma vez a cada inverno. Pelo jeito,nem todos apreciavam mocotó. A culpa era do odor que danado,enquanto ficava em ebulição,horss e horas,no fogão à lenha. Não recordo,mas a Claudia garante que o cheiro saía da panela e grudava (será que cheiro gruda?)nos cabelos e nas roupas dos convivas. Não sei se o Mílton,que é o âncora deste blog,tem em sua coleção de fotos a dos Jung e Tajes em um dos almoços dominicais que eu,particularmente,jamais vou esquecer. A Claudia bem que poderia parafrasear o seu texto desse domingo chamando-o de “Conte a sua historia de Porto Alegre”. Tenho certeza de que o Mílton o leria com grande prazer.

 

Nota do Blogueiro: fotos dos almoços de domingo não temos, mas apresentamos na ilustração deste post as imagens do cozinheiro, jornalista e meu tio Tito Tajes

 


Milton Ferretti Jung é jornalista, radialista e meu pai. Às quintas-feiras, escreve no Blog do Mílton Jung (o filho dele)