De gatos, gafes e gafanhotos

A imagem de um advogado com cara de gato participando de sessão virtual em um tribunal do Texas circula na velocidade da internet e leva as pessoas às gargalhadas, onde quer que esteja sendo assistida. O caso —- vou repetir por praxe jornalística já que todos vocês, caros e raros leitores deste blog, devem ter visto o vídeo — teve como protagonista Rod Ponton que apareceu conversando com os colegas e o juiz tendo em lugar de seu rosto o avatar de um gato de pêlo branco e olho azul. O juiz bem que tentou avisá-lo, mas era tarde e enquanto buscava entender o que acontecia, saiu-se com um “estou aqui ao vivo, não sou um gato”. Ufa, devem ter respirado aliviado os coadjuvantes da cena. 

https://platform.twitter.com/widgets.js

Vídeo gravado, divulgado e viralizado —- está na hora de eliminarmos esta expressão diante de tudo que o vírus corona tem nos proporcionado —-, vieram as explicações. Na  plataforma Zoom para reuniões virtuais é possível usar filtros que cobrem a sua face mantendo as expressões dos olhos e o movimento da boca. —- uma forma de se divertir nos encontros com os amigos. Ponton alegou que usava o equipamento de uma assistente e para surpresa dele o filtro foi ativado, causando o constrangimento e a frase esclarecedora.

Estas assistente, viu! Servem sempre de desculpas para as nossas gafes.

Fui vítima de uma delas —- no papel de coadjuvante, é verdade. Em 2003, apresentava o Jornal do Terra, o primeiro ‘telejornal’ na internet. Entrevistava o procurador geral do Estado de Roraima, Darlan Airton Dias. Era coisa séria. O Ministério Público havia deflagrado a Operação ‘Praga do Egito’ que logo ganhou o apelido de ‘Gafanhoto’. 85 denúncias, 52 processos abertos e a família do governador  Neudo Campos envolvida até os bolsos —- naquele momento a mulher dele era alvo de investigação. Por ser governador, a operação lhe preservava até então. E por ironia, perguntei ao procurador se havia alguma possibilidade de toda a família estar envolvida e o governador não saber de nada. A resposta veio em forma de gargalhada com trejeitos de galanteio e seguida por um suspiro acompanhado do nome de uma mulher: “ahhhhh, Luciana!!!”.

Fiquei sem jeito apesar de logo perceber que havia uma linha cruzada. A entrevista se encerrou e a desculpa é que alguém na procuradoria, inadvertidamente, apertou o botão errado do PABX e levou em ‘rede mundial de computadores’  —- era assim que a gente chamava naquela época —- parte da sua conversa com uma das assistentes. O resultado da paquera, não quis saber. De minha parte, guardei o vídeo por curiosidade. Já o ex-governador Neudo Campos esteve preso até pouco tempo e foi libertado depois de o ministro do STF Gilmar Mendes reconsiderar a decisão que ele próprio havia tomado em favor da prisão do Rei dos Gafanhotos.

YouTube pedir ajuda aos ‘universitários’ é muito “The Social Dilemma”

Ilustração: Pixabay

 

“Isso é muito Black Mirror” foi a frase que ganhou o espaço público desde o sucesso da série de Charlie Brooker que levou à tela a distopia da sociedade contemporânea, com casos de um futuro que já convive entre nós e uma caricatura de nossas vidas com traços de realidade. Conversas por WhatsApp entre pessoas que estão na mesma sala era “Black Mirror”; gente cancelada e que desaparecia do convívio social era “Black Mirror”; coisas extraordinárias do mundo digital era “Black Mirror”.

“The Social Dilemma” chega para desbancar o “velho” jargão. O documentário de Jeff Orlowski, produzido a partir do depoimento de gente que montou a engrenagem que faz funcionar as redes sociais — e está arrependida –, logo se transformará em referência  do nosso vocabulário para quando depararmos com situações ainda estranhas à nossa mente, apesar de já fazermos parte deste cenário há algum tempo —- sem perceber.

Leia “The Social Dilemma: 14 dicas para reduzir o impacto de redes sociais e internet na sua vida”

Nesta semana mesmo, confesso que foi com estranheza que li informações publicada no Financial Times: “YouTube reverts to human moderators in fight against misinformation”. Em bom português: o YouTube voltou a usar seres humanos para moderar o que é veiculado nas redes para combater à desinformação. 

Durante a pandemia — que ainda não acabou, registre-se —-, o YouTube mandou sua turma para casa e deixou a moderação da rede nas mãos de seus robôs, que não são suscetíveis a COVID-19. Preservou a saúde de 10 mil pessoas com essa medida e deixou a rede sob controle das máquinas. Resultado: quase 11 milhões de vídeos foram retirados do ar, entre abril e junho, supostamente por transmitirem discursos de ódio, violência e outras formas de conteúdo prejudicial ou desinformação —- essa coisa infelizmente chamada de fake news. 

O YouTube não informa quantas vezes maior é esse número, mas executivo da empresa ouvido pelos jornalistas deixa claro que é uma quantidade de remoções muito, mas muito maior do que as que costumam ocorrer quando a moderação é feita por seres humanos.

“Embora os algoritmos sejam capazes de identificar vídeos que podem ser potencialmente prejudiciais, eles geralmente não são tão bons em decidir o que deve ser removido”, escreveram Alex Barker e Hannah Murphy após conversarem com Neal Mohan, diretor de produtos do YouTube. 

Na mão das máquinas, a remoção de vídeos é muito mais veloz: mais de 50% dos 11 milhões de vídeo foram tirados do ar sem que tenham tido nenhuma visualização. Em compensação, a intolerância às mensagens que supostamente ferem as regras da plataforma é significativamente maior do que quando passam pela avaliação de gente como nós, de carne, osso e alma. 

O jornal londrino diz que o reconhecimento de que o poder de censura das máquinas é maior do que o dos seres humanos lança luz sobre a relação crucial entre os moderadores — gente como a gente — e os sistemas de inteligência artificial, que analisam o material que é publicado no YouTube. Embora os algoritmos sejam capazes de identificar vídeos que podem ser potencialmente prejudiciais, eles geralmente não são tão bons em decidir o que deve ser removido —- declarou Mohan.

“É aí que entram nossos avaliadores humanos treinados … tomam decisões que tendem a ser mais matizadas, especialmente em áreas como discurso de ódio ou desinformação médica ou assédio”.

Uma especialista ouvida pelos repórteres disse que os sistemas automatizados fizeram progressos no combate a conteúdo prejudicial, como violência ou pornografia:

“…mas estamos muito longe de usar a inteligência artificial para dar sentido a um discurso problemático [como] um vídeo de conspiração de três horas de duração. Às vezes é um aceno de cabeça, uma piscadela e um apito de cachorro. [As máquinas] simplesmente não podem fazer isso. Não estamos nem perto de eles terem capacidade para lidar com isso. Até os humanos lutam. ” —- Claire Wardle, co-fundadora do First Draft.

Uma plataforma como o YouTube, com investimentos enormes em inteligência artificial, desenvolvimento de algoritmos e automatização recorrer aos ‘universitários’ — perdão, esse é um jargão muito anos 1990 — para controlar o controle sobre o mal e o bem que circulam na rede me pareceu “muito The Social Dilemma”.

Celular ao volante não é legal: vídeo usa cenas de pedestres para alertar motoristas

 

 

Cenas de pedestres usando o celular enquanto caminham são usadas para alertar os motoristas sobre os riscos de usar o telefone ao volante. O vídeo, produzido pelo governo da África do Sul, termina com imagens fortes de acidente de carro provocado por uma motorista que acessava o celular.

 

Recebi este material de um ouvinte do Jornal da CBN, motivado pela campanha “Celular ao volante não é legal”, que lançamos na semana passada no programa, durante a Semana Nacional de Trânsito.

“Ghostbusters Caça Fantasmas”: veja, mas o original é melhor

 

Por Biba Mello

 

 

FILME DA SEMANA:
“Ghostbusters Caça Fantasmas”
Um filme de Paul Feig
Gênero: Ação/fantasia/Comédia
País:USA

 

Uma respeitada cientista tem um livro de sua autoria republicado por sua colega e co-autora. Ela vai atrás desta amiga pois o livro  afirma a existência de fantasmas, coisa não muito respeitada em seu atual meio acadêmico.

 

Bom, obviamente tudo dá errado para ela que acaba se unindo a essa antiga amizade para provar a existência de fantasmas e logo depois salvar o mundo.

 

Por que ver:
É um entretenimento bacaninha sim, porém, achei fraco em alguns aspectos.

 

As piadas são feitas com uma mão muito pesada do roteiro…Sabe, daquele tipo, “gente riam, sou engraçada”…

 

Trejeitos, reboladas, caras e bocas forçadas, chegam a incomodar a ponto de dar um pouco de raiva…

 

No mais é OK e vale ver em um domingo ocioso.

 

Que fique registrado que não gostei da interpretação de ninguém…

 

Prefiro o filme original.

 

Como ver:
Relax, sem vontade de morrer de rir nem de pensar…

 

Quando não ver:
Depressivo, achando que dará altas risadas…Bom, não vai acontecer…

 

Biba Mello, diretora de cinema, blogger e apaixonada por assuntos femininos. Dá dicas de filmes e séries aqui no Blog do Mílton Jung

“A Lenda de Tarzan”: um gatão criado por gorilas

 

Por Biba Mello

 

 

FILME DA SEMANA:
“A Lenda de Tarzan”
Um filme de David Yates
Gênero: Aventura
País:USA

 

Tarzan é Tarzan…..rsrsrsr.  Enfim, é a história original. Ele é um lorde inglês que por motivo de naufrágio acabou na selva e seus pais foram mortos. Ele foi adotado e criado pelos gorilas a ponto de ter uma estrutura óssea diferente da maioria dos humanos. Ele agora está de volta a Londres, como lorde, e precisa retornar à África e salvar o Congo das garras de exploradores brancos.

 

Por que ver:

 

É um verdadeiro espetáculo de efeitos especiais, mas não sem fundamento, lógico…Um sujeito voa com cipós, luta com gorilas, anda com uma manada de guinus…

 

O roteiro é bacana e próprio de uma grande super produção…

 

Os personagens coerentes e ninguém esta over ou fora de contexto, porém sem nenhum brilhantismo.

 

O destaque especial, portanto, fica para o corpo escultural do Tarzan, o ator Alexander Skarsgard….Sorry meninos… Para suavizar, digo que a Jane é uma gata também…

 

Não vou entrar “numas”de discutir a história original x momento político atual.

 

Alguns sites questionam isto e acho que levantar a questão racial, paternalista e machista pode ser feito usando, quem sabe, uma sequência… Gostei do fato da história original não ter sido modificada e acharia legal levantar os assuntos em questão em outra fita… Uma Jane mais emponderada? O negro como o salvador da pátria? É, seria bem bacana sim…

 

Eu gostei do filme e acredito que vale como entretenimento. Sempre fui fã do Tarzan e costumava assistir com meu avô,portanto me trouxe boas memórias.

 

Como ver:

 

No fim de semana. Acho forte para vermos com crianças menores, mas acredito que uma de 10 já seja madura para tal. A censura é 12, achei exagerada, mas fica a critério de vocês.

 

Quando não ver:

 

Tá no começo de namoro? Tá meio gordinho? Se incomoda com isto? Então, escolha outro filme pois o Tarzan é viril demais, gatão demais…hahahahahahahahahahah

 

Biba Mello, diretora de cinema, blogger e apaixonada por assuntos femininos. Dá dicas de filmes e séries aqui no Blog do Mílton Jung

“Como Eu Era Antes de Você”: para amar a nossa própria vida

 

Por Biba Mello

 

 

FILME DA SEMANA:
“Como Eu Era Antes de Você”
Um filme de Thea Sharrock
Gênero: Drama
País:USA

 

Will, um playboy gato, bem sucedido, esportista, tipo a reencarnação do Jonh Jonh Keneddy, sofre um acidente e vira tetraplégico. Sua nova condicão o torna uma pessoa depressiva e cínica, fazendo seus pais contratarem Louisa, uma moça divertida e simpática para alegrá-lo.

 

Por que ver:

 

É uma comédia romântica? HUMM, não! Está mais para um “híbrido” de comédia romântica e drama pesado… Pesado pois discute a eutanásia…

 

O filme nos coloca na situação da personagem várias vezes e nos faz amar nossa própria vida! É muito louco o efeito que a desgraça alheia causa em nós.

 

Os personagens são razoáveis, em especial o Sam Caflin, que consegue fazer sem tropeços a transição do papel de galã para tetraplégico. Ponto para ele.

 

Roteiro um pouco previsível, apesar do final…Não vou contar, juro!

 

Vale o entretenimento.

 

Como ver:

 

Acho melhor ver sozinho(a).Eu chorei horrores.

 

Quando não ver:

 

Bom, vou pegar o gancho da pergunta acima…Não veja com muita gente…Vai passar vergonha…

 

Biba Mello, diretora de cinema, blogger e apaixonada por assuntos femininos. Dá dicas de filmes e séries aqui no Blog do Mílton Jung

 

Amanda Knox: assista e diga qual é o seu veredicto?

 

Por Biba Mello

 

 

FILME DA SEMANA:

 

“Amanda Knox”
Um filme de Brian Mcginn / Rod Blackhurst
Gênero: Documentário
País:USA/Dinamarca

 

A americana Amanda chega a Perugia, Itália, para  intercâmbio e conhece Meredith, sua colega de quarto. Poucas semanas depois, Meredith é assassinada. Amanda e seu namorado, Raffaele, são os principais suspeitos de um crime brutal. Muitos detalhes de um verdadeiro conto ao estilo Sherlock Holmes, vão te fazer pirar.

 

Por que ver:

 

Pessoal, este documentário teve uma importância a mais para mim pois eu morei em Perugia… É uma cidade medieval, linda, com uma vida cultural agitada,alegre, no coração da Úmbria, cheia de estudantes, enfim o lugar perfeito para ser intercambista.

 

Quando este assasinato aconteceu, pegou-me de surpresa pois jamais pensaria que algo parecido pudesse acontecer.

 

A linguagem do documentário é super estética e moderna, vale a pena! Amei!

 

O conteúdo não fica atrás e nos conduz através do raciocínio das autoridades e dos próprios suspeitos, que participaram ativamente das gravações.

 

Muitas perguntas não respondidas, muitas convicções quebradas…Convido você a dar seu veredicto aqui nesta coluna…Eles são ou não culpados?

 

Eu tenho o meu,  mas prefiro ouvir  você antes, e ai?

 

Como ver:

 

Com a cabeça aberta a muitas possibilidades. E claro, pronto para dar seu veredicto aqui!

 

Quando não ver:

 

Se você é daquela pessoas que quer sempre estar certo, não importam os argumentos…sua convicção mudará algumas vezes durante o doc, portanto sabichão, não assista!

 

Biba Mello, diretora de cinema, blogger e apaixonada por assuntos femininos. Dá dicas de filmes e séries aqui no Blog do Mílton Jung

“A Girl Like Her”: para refletir sobre o bullying e nossas crianças

 

Por Biba Mello

 

 

FILME DA SEMANA:
“A Girl Like Her”
Um filme de Amy S. Weber
Gênero: Drama
País:USA

 

Jessica e seu melhor amigo resolvem gravar tudo o que se passa com eles e fazem isto até ela tentar suicidio por não aguentar o bullying de Avery, a garota popular…

 

Concomitante a isto, uma equipe de cinegrafistas está fazendo um documentário e escolhe alguns ”personagens” para ajudar a contar o dia a dia desta escola pública que acaba de ser eleita “escola modelo”.

 

Por que ver:

 

Nunca, em tempo algum, achávamos que o bullying fosse tomar as proporções que está tomando nesta era digital…

 

Antigamente,quando sofríamos com isto, era tudo mais brando, mais humano, se é que dá para falar sobre isto nestes termos…

 

Além do assunto ser de extrema relevância, o filme tem uma narrativa interessante que mistura algumas linguagens de câmera tais como: documentário, blog, câmera escondida…Achei diferente…Um diferente bom, e bem pensado. Pontos para a direção.

 

Como ver:

 

Indiquei este filme para a reitoria da escola de meu filho. Acho obrigatório a qualquer escola que queira abordar o tema sem meias palavras…Recomendo fortemente que pais e filhos assistam a este filme juntos também. Bom para quem sofre bullying, ensinamento para quem o faz.

 

Quando não ver:

 

Não recomento para crianças com menos de 8 anos (a censura diz que é para 13), tirem suas conclusões quanto a maturidade de seus filhos, e assistam antes de mostrar aos menores.

 

Pena que é forte para menores pois percebo que crianças na idade do meu filho(5 anos) já praticam bullying!!! Pasmem!

 

Biba Mello, diretora de cinema, blogger e apaixonada por assuntos femininos. Dá dicas de filmes e séries aqui no Blog do Mílton Jung