Do cheiro do Mercadão ao grito do povo

Mercadão de SP por Fernando Stankuns, no Flickr

São Paulo é cidade para muitas sensações. Percebe-se em pesquisas formais e enquetes casuais. Quarta-feira passada, o colunista Carlos Magno Gibrail provocou os ouvintes-internautas a descreveram a cidade a partir dos cinco sentidos. Reproduzia ação da SPTuris que desenha o Mapa das Sensações.

Na pesquisa oficial, os mais de 600 internautas que deixaram suas  percepções sobre a capital paulista indicaram 2 mil e tantos locais que marcaram seus sentimentos pelo olfato, visão, audição, tato e paladar. Aqui no blog, nossos ouvintes-internautas também foram generosos nas opções oferecidas, 72 indicações.

Há cenários assíduos dentro os que mais emocionam. O Mercadão, centro da cidade, excita tanto pela língua como pela narina dos seus frequentadores. É no prazer provocado por um pastel de bacalhau, um sanduíche de mortadela, as azeitonas expostas na banca ou no conjunto da obra.

Nada supera, o pastel de feira, lembrança mais registrada entre todas. E daí tanto faz a feira.

Locais inusitados surgiram nas dicas dos ouvintes-internautas quando o tema é o olfato e o paladar: a porta do estádio. As barraquinhas no seu entorno mexem com os torcedores já devidamente tomados pela expectativa da espera do jogo. O sanduíche de calabresa da Dona Joana – com mais de 60 anos, fez questão de lembrar um dos participantes -, no caminho do Morumbi, foi lembrado duas vezes na enquete do blog (preciso experimentar). Se equipara aos cheiro e sabor provocados pelo café e o pão francês feito na hora.

Torcida na arquibancada do Morumbi por Lilit Pari, no álbum do Flickr

Nossa enquete sinaliza que o futebol é elemento importante neste cenário, não apenas pelos cheiros que exala. Aguça a visão quando as arquibancadas estão lotadas, o tato no sonhando instante de pegar a taça de campeão e os ouvidos com o som entoado pelas torcidas.

Estranhos ouvidos, registre-se. Se satisfazem com o grito de “É campeão”   no estádio e dos feirantes na Ceasa; se irritam com a sirene, a buzina e o barulho do trânsito; se emocionam com o sino da Igreja Santo Antônio,  as crianças brincando no parquinho perto de casa e o “silêncio salpicado de gorjeios no Trianon”.

Olhar, ouvir, cheirar, tocar e saborear. Nem mesmo todos os problemas que encaramos no cotidiano do ambiente urbano foram suficientes para nos tirar a capacidade de exercitar estes sentimentos. Esta aí uma notícia que me faz sentir bem.

Você ainda pode participar da pesquisa realizada pela SPTuris acessando o Mapa das Sensações.

Veja outras imagens de São Paulo no álbum do Flickr de Fernando Stankun e Lilit Pari 

5 comentários sobre “Do cheiro do Mercadão ao grito do povo

  1. Segunda feira não é fácil não, vejamos porque.

    Domingo no Morumbi:

    Vi (visão) um estádio cheio e ouvi (audição) uma torcida gritando com um time que pecava na finalização.
    Senti o cheiro (olfato) da derrota, pois quem não faz, leva.
    Não deu outra o gosto (paladar) amargo da derrota se concretizava.
    Portanto como esportista só me restava, apertar a mão (tato) dos amigos Corintianos e parabenizá-los pela classificação.

    PS: Dá-lhe SANTOSSSSS. (RISOS)

  2. Meu amigo Carlos Magno, você sabe a resposta. As duas.
    Obrigado pelo elogio. Não me importo com a derrota, porém com a forma que ela acontece. Sem vibração.

    Apostei com um amigo que o perdedor do clássico faría uma poesia, em um blog de bastante visibilidade, para o time do vencedor. Foi o melhor que consegui escrever pelo time dele.
    Nem preciso dizer quem perdeu.

    Escolhi o blog do Milton, com essa foto da torcida do SOBERANO que foi inteligentemente colocada, sobre um artigo de um certo colunista que prestigio muito.
    E que concorda que o futebol, com seus 5 sentidos, também faz parte do Mapa das Sensações de São Paulo.

    Amanhã tem Copa Libertadores de América.
    Como disse a nós Maria Lúcia Solla, a fila anda.
    Você pode me informar em qual grupo o Timão está?
    Confirmado por nós o futebol faz todo sentido (risos).

  3. Claudio , a diretoria do SPFC que sempre foi disparada a mais bem preparada, começou a fazer água.
    Imagina se um CEO com um estádio para administrar atuaria da forma como foi conduzida a gestão nos ultimos meses.
    E dar umportancia a um campeonato estadual em detrimento de um torneio continental é ignorar a geografia.
    Além disso falar com descortezia sobre um idolo nacional é no minimo indelicado.
    O Fenõmeno ganhou na corrida do Rodrigo. É ou não é um Fenõmeno?
    A torcida do SPFC é que estã de parabéns, afinal falta de pontaria e desatenção de Jorge Vagner não apagam feitos anteriores. Mesmo porque a taça Macaco Simão está com o Fabio Costa .

    Abraço

    Carlos Magno.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s