Conte Sua História de São Paulo: Eu vi o Zepellin

 


Ouça estas duas história sobre o Zepellin sonorizadas por Claudio Antonio

Na década de 1930, apenas dois anos antes do início da Segunda Guerra Mundial, o Hindenburg Zeppelin passou pela cidade de São Paulo. A imagem do monumental dirigível cortando os céus da cidade marcou a memória dos moradores na época. Alzira Paulino, nascida em São Paulo em 1931, contou suas lembranças durante uma oficina de memória do Museu da Pessoa em novembro de 2008:



Morávamos, eu e minha família, na rua da Consolação, travessa da avenida Paulista.
Deveria ter mais ou menos 7 anos quando ouvimos um grande alvoroço na rua. Era um Zepellin que estava passando lentamente, muito grande, parecia um balão. Saímos todos muito assustados, pois nunca tínhamos visto tal coisa no ar; mamãe, vizinhos, todos acenando para o alto, e éramos correspondidos; as pessoas que nele estavam também acenavam para nós. Foi emocionante, ficamos muito tristes quando soubemos que o mesmo havia pegado fogo com todos os tripulantes e passageiros. Foi um fato que muito marcou a minha infância.



Samuel Blay, nascido em São Paulo em 1922, era adolescente quando o Zeppelin passou pela cidade. Ele também se lembra da comoção na época do incêndio do dirigível. Mas o que mais o marcou foi a lentidão com que a aeronave cruzava o céu, como ele contou ao Museu da Pessoa em 1999:





Foi em 1937 que o Zeppelin Hindenburg passou por São Paulo, e depois ele pegou fogo lá nos Estados Unidos, caiu e matou muita gente.  A velocidade do Zeppelin era três vezes menor do que a de um avião e parece que tinha também compartimentos, camarotes para passageiros… Isso eu não tenho muita certeza, havia uma forma de acolher os passageiros, porque levava dois, três dias uma viagem de Paris a Nova York. O avião levava 15 horas e o Zeppelin levava, vamos dizer, umas 40 horas.


Participe do Conte Sua História de São Paulo enviando seu texto ou agendando uma entrevista em vídeo e áudio no site do Museu da Pessoa.

2 comentários sobre “Conte Sua História de São Paulo: Eu vi o Zepellin

  1. Meus pais viram ao vivo e a cores o "monstrengo" Zeppelin
    quando sobrevvou São Paulo.
    Um pouco sobre o dirigível Zeppelin

    Os balões dirigíveis conhecidos como Zeppelin, foram criados pelo alemão Ferdinand Von Zeppelin, seu primeiro dirigível o LZ1, tinha 128 metros de comprimento por 12 metros de diâmetro, dois motores de 16hp, armazenando grande quantidade de gás, tendo feito o primeiro vôo em 2 de julho de 1900.
    A partir de 1930 os dirigíveis iniciaram as escalas no Jequiá, bairro do Recife em Pernambuco, encerrado suas atividades em 1936. O primeiro pouso aconteceu em 22 de maio de 1930, inaugurando a primeira linha de transporte aéreo comercial entre a Europa e o Brasil. Era o Graf Zeppelin. No local do pouso para os dirigíveis foram instaladas uma usina de gás e um pavilhão para os passageiros; a Torre de Atracação de 19 metros de altura, que fixava o dirigível no solo, ainda hoje está em pé, sendo a única do mundo. O Zeppelin levou somente 67,24 horas no seu vôo mais rápido de Friedrichshafen (Alemanha) a Recife (Brasil). Entre os dias 18 e 21 de setembro de 1932. O dirigível Hindenburg (LZ 130) oferecia cabines de luxo para 72 passageiros. O dirigível Zeppelin (LZ 127) transportou ao todo 3.360 passageiros entre a Europa e América do Sul, fazendo escala no Recife.
    O transporte por dirigível terminou em 1937 quando o Hindenburg incendiou-se em New Jersey nos Estados unidos matando 35 pessoas."

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s