De céu e terra

 

Por Maria Lucia Solla

*Foto de Mário Castello

 

A síndrome da distância está minando e se alimentando da nossa sociedade. Imagino e espero que a doença tenha atingido seu pico, porque já nos tem divididos, nas duas margens de um rio imaginário, entre rico e pobre, Corinthians e Palmeiras, culto e inculto, branco e preto, gay e hétero, gordo e magro, alto e baixo, assaltado e assaltante, local e imigrante. Cada um tão cheio de preconceito pelo outro, que não tem tempo para mais nada, a não ser para alimentar o mal que se agiganta. Sem meio termo, sem darmos, cada um, um passo à frente. Estamos inimigos no mesmo campo, entrincheirados, armados do mesmo idioma, desconfiados da própria sombra, isolados na manifestação, implodindo na razão, no cárcere da certeza.

 

Para alimentarmos essa poderosa e maligna carcereira, justificamos o golpe baixo no nosso vizinho, com o golpe baixo no nosso quintal. Deixamos que ela tome mais espaço, e se-ele-rouba-ela-já-roubou, um-é-bandido-mas-o-outro-também-é, se-ele-entra-eu-só-saio-porque-já peguei-tudo-o-que-coube-no-balaio acabam se transformando em samba enredo da tua vida e da minha. Passamos tanto tempo engolindo o rouba-mas-faz, é-burra-mas-é-gostosa, faz-mal-mas-faz, que acabamos achando que a vida é assim, e pronto.

 

Não é.

 

Aqui já reinou monarquia, já dominou um partido só – o que dá na mesma chamar de monarquia ou comunismo. Tanto faz. É totalitarismo, onde só um lado tem as armas do poder. Nós, os menos informados politicamente, percebemos que tanto faz, porque não nos perdemos no intrincado de normas que mudam a cada piscadela de cada monarca, de cada onda de cada oceano. Não nos enredamos nos tentáculos da propaganda na tevê, lançados pelo tirano do dia. Nós, os politicamente incultos percebemos que existem regras que são ideadas para torcer o braço de regras anteriores. Percebemos que nosso barco singra levado por ventos de siglas e polpudas contribuições, não por ventos que podem levar o país a crescer, sem precisarmos ser cobaias, nem troféus, do monarco-cientista da vez, e sem precisarmos sustentar a sandice alheia. O que entra desfaz e desdenha tudo o que foi feito até então, para agigantar sua promessa de obra egocêntrica, que se alimenta do teu voto e do meu. Da tua alma e da minha. Nos pondo uns contra os outros, por nossa diferença. O côncavo rejeita o convexo.

 

Dá para ver?

 

Quem de nós conhece as siglas dos partidos? E seus integrantes, que deveriam ser o raio X do ideal do seu ‘partido’, dançam o ‘samba do crioulo doido’, pondo-se ‘no mercado’, vendendo seus passes, que são comprados com o teu dinheiro e com o meu, você sabe quem são, hoje?

 

Para você, os fins justificam os meios?

 

Pense nisso, ou não, e até a semana que vem.

 

Maria Lucia Solla é professora de idiomas, terapeuta, e realiza oficinas de Desenvolvimento do Pensamento Criativo e de Arte e Criação. Aos domingos escreve no Blog do Mílton Jung

6 comentários sobre “De céu e terra

  1. AMIGA MARIA LUCIA,
    BOM DIA.
    APESAR DOS MEUS 64 ,MINHA MÃE ME LEVAVA NA MOOCA,NA RUA SÃO CAETANO REDUTOS DE ITALIANOS QUE VIERAM COMEÇAR A VIDA NOS ANOS DE 1910/20.
    O QUE EU MAIS VIA ERAM AS ROUPAS DEPENDURADAS ENTRE VIZINHOS,QUE CONVERSAVAM NA PORTA DAS CASAS.QUE DEIXAVAM AS PORTAS ABERTAS,PARA UM CAFÉ COM LEITE COM PÃO ITALIANO.
    QUANTA SAUDADE,HAVIA UMA LEALDADE DE ANOS,UMA SOLIDARIEDADE,NA DOENÇA,NA DOR ,NO AMOR,NA VITORIA,NA DISSIDENCIA DO PALESTRA ITÁLIA,POR ESTA RAZÃO SOU CORINTHIANO.
    TUDO MUDOU,QUE PENA,,,,,,
    ABRAÇOS
    FARININHA.

  2. Querida Lú, acho que conviver com as diferenças é preciso, agora bem ou mal informados politicamente, conviver com a canalhice política é impossível. Bjs e bom domingo, Maryur

  3. Farina,

    meus avós paternos vieram meninos, numa leva de imigrantes, e viviam assim, com a família, com os amigos e eventuais vizinhos, que se tornavam amigos, semi-parentes.
    Solidão?

    Quem sabe, se a gente começar a olhar mais uns para os outros

    Sei lá

    Tempos difíceis, estes. D’us deve nos achar muito fortes e preparados para essa lição.

    Vamos em frente que atrás vem gente

    Beijo e excelente semana ensolarada,

  4. Sim, Maryur,

    conviver com a riqueza da diversidade é essencial, como a do sal e do açucar, do dia e da noite, da turba e do silência. Cada um tem o seu espaço e sua função, onde sempre deve caber a dignidade.

    Beijo, minha amiga, e excelente semana ensolarada

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s