Conte Sua História de SP: uma carta imaginária para a Vó Tutinha

 

A ouvinte-internauta Suely Schraner está de volta ao Conte Sua História de São Paulo em carta imaginária escrita à vó Tutinha, na qual compara passado e presente do nosso cotidiano:

 

 

Querida vó Tutinha,

 

A senhora me pediu para escrever amiúde. Não deu. Andei atarantada por aí. As voltas que o mundo dá. Sabe o ferro que era de ferro, que a gente punha um prego atravessado para ele não abrir? Agora é a vapor. Muito leve e ainda assim se chama ferro. Estira bem sem ser pesado. Fogão a lenha, só se for luxo. Usamos a gás. Perigoso é. De tempos em tempos explode algum por descuido do dono e vai tudo pelos ares.

 

Lembra que a gente esfriava mamadeira das crianças no rego d’água? Geladeiras são comuns. Com degelo automático. Nem dá trabalho pra descongelar. E as panelas então? Já vem tudo areada, de inox e até de vidro. Tanto progresso que só vendo.

 

As moças, vó, não usam mais casar. Só usam. E ninguém acha sem-vergonhice não. Aquilo que a senhora achava um pecado cabeludo, hoje é uma atividade normal. Assim como respirar, andar ou beber água. Engravidar? Tem perigo não. Tem remédio pra tudo. E até uma tal de pílula do dia seguinte caso dê azar. Ruim é a tal da AIDS. Muita gente que pegou. Pega no contato sexual e em transfusão de sangue também. Lembra que o pai tinha sífilis e que eu quase nasci cega? Que meu olho por dois anos era só pus? Não fosse Santa Luzia… Pois é, essa doença de quatro letras é muito pior e ainda não tem cura. Por ora a indústria de remédios é que vai lucrando.

 

A grande devoção é a uma entidade chamada Mercado. É comum a gente ouvir: “o mercado está nervoso”, “o mercado tá em crise”, “o mercado oscilou” e por aí vai.

 

Bar é oratório. Fiéis perfilam-se diante de prateleiras cheias, iluminadas com todas os matizes de cores. Lá permanecem até o amanhecer, afogando as mágoas.

 

É comum ver gente falando sozinha nas ruas, nos pontos, nos ônibus e dentro dos carros, que a senhora chamava de “máquinas”. Tão loucos não, vó. É um aparelhinho chamado celular que inventaram para a comunicação com as pessoas. Funciona como um brinco, já que ninguém o tira da orelha. É sucesso absoluto e ninguém mais escreve cartas.

 

A cidade de São Paulo é um colosso. Somos pra mais onze milhões de habitantes e a sexta maior aglomeração urbana do mundo. Cada arranha céu mais bonito do que o outro. A gente pobre espirra para os arrabaldes, se amontoando como dá. Tanta favela! Chamam “comunidade” e vivem se incendiando por aqui.

 

Especulação imobiliária é fogo.

 

A senhora reclamava dos botequins que só serviam para desencaminhar os moços. Outro dia, num boteco, ouvi perguntarem para um freguês porque ele batia na mulher. “É para ela deixar de ser feia”, ele respondeu. Tem jeito, vó?

 

Cidade grande tem de tudo. Gente boa e gente ruim. Mas, a maldade tá solta. Dizem que a violência cresce porque as pessoas não se conhecem, não se gostam e não se tocam. Solidão na multidão.

 

Um ósculo e um amplexo, da neta que muito a estima.

 


O Conte Sua História de São Paulo vai ao ar aos sábados, 10 e meia da manhã, no programa CBN SP. A sonorização é do Cláudio Antonio. E você participa com textos enviados para milton@cbn.com.br

2 comentários sobre “Conte Sua História de SP: uma carta imaginária para a Vó Tutinha

  1. Suely, da pra imaginar a vó Tutinha com os cabelos em pé, mas inocentes de nós imagimantes: ela deve estar é exibindo ‘por aí’, um sorriso maroto…

    Belezura de texto.

    Bom findi!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s