De teatro

 

Por Maria Lucia Solla

 

carta

 

Olá,

 

sigo firme na tarefa da limpeza e organização do meu apartamento. Entro em contato com cada coisa, e me entrego. Mão na massa, e haja coração. Tem de tudo, meu Pai! Fiquei muito tempo na estrada, longe de mim.

 

Encontro coisas que fazem meu coração bater mais forte, outras me fazem sorrir. Tem as que me emocionam, e as que espremem meu coração.

 

Pilhas de livros me sequestram, e eu me rendo, mas quando paro porque sinto dor no pescoço ou porque uma perna começa a roncar, de tanto dormir, já passou o dia; é hora de acender as luzes. E vou selecionando, agradecendo cada coisa de que eu não preciso mais e empilhando para oferecer a quem precisa, para ir para o lixo, para arquivar…

 

Mas falando em precisar, nem preciso dizer que meu humor e meu raciocínio andam enlouquecidos. É muita coisa. Cada objeto me conta mais de uma história, que me leva para outra, e mais outra; e me perco ao me encontrar. Como é que eu faço para dar as costas aos relatos? Sento no chão e deixo que as coisas falem comigo. Tem sido mágico.

 

E em todos estes anos, eu não me lembrava que tinha uma cópia do script da minha primeira peça infantil, no Teatro Amador do Jaguaré, em 1959. Eu era Marisa, a filha. Também estive no elenco do Rapto das Cebolinhas, e do Chapeuzinho Vermelho… enfim, fazia o que mais gostava na vida, estudava e representava, no Externato Jaguaré, que era maravilhosamente dirigido por padres canadenses, onde o grupo apresentava as peças. Eu tocava harmônica, tocava violão, cantava, fazia de tudo. Amava e ainda amo o teatro.

 

Um dia, o diretor do grupo teatral veio pedir ao meu pai para que eu, além da escola, fizesse parte do grupo, me dedicando também ao teatro.

 

Não me lembro do nome dele, nem do seu rosto, mas tenho certeza absoluta de que deve estar correndo do meu pai, até hoje. Seu Solla não era fácil, não, mas depois desse incidente, eu ainda quis ser ‘aeromoça’, e meu pai quase teve um enfarto. Eram os tempos.

 

Depois me perguntam porque eu lia no telhado, quando era adolescente…

 

Ora, mas você também deve ter os teus guardados, que provam que somos todos heróis de mil faces, com batalhas, vitórias e derrotas, gente que vem e gente que se vai. É o jogo da Vida, do ganhar e do perder.

 

Tenho percebido que se a gente não se atira e não bate os pezinhos no chão do Shopping, pela perda, sai sempre ganhando!

 

Pense nisso, ou não, e até a semana que vem.

 

Maria Lucia Solla é professora de idiomas, terapeuta, e realiza oficinas de Desenvolvimento do Pensamento Criativo e de Arte e Criação. Escreve no Blog do Mílton Jung

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s