Conte Sua História de São Paulo: a saudade que sentirei da cidade

 

Iêda Lima
Ouvinte da rádio CBN

 

IMG_1650

Iêda é autora de livro e nos visitou na CBN 

 

 

Pelos idos dos anos 1980, visitava São Paulo com frequência por razões profissionais. Um dia, de carona com um amigo do Metrô, disse que jamais moraria nesta “selva de pedras” — sem vida, poluída e engarrafada. Meu amigo, nascido carioca, porém paulistano até a alma, respondeu: “se eu fosse você não diria isto; um dia você poderá rever esse seu conceito, vir morar aqui e gostar.” Limitei-me a rir do seu comentário pelo absurdo que representava.

 

Passados 30 anos, após sair de Fortaleza e morar em Brasília e Campinas, o destino quis que eu me curvasse perante a realidade e viesse fixar residência nesta terra quatrocentona.

 

Pois bem, aqui eu descobri o Parque do Ibirapuera — que hoje chamo carinhosamente de meu Ibira —, conhecer o Horto Florestal, o Jardim Botânico, o Jardim do Museu do Ipiranga, o Parque Trianon, a Casa das Rosas, o Largo São Francisco, o Pateo do Colégio, o Largo do Arouche, o Parque Aclimação, o Parque Água Branca — e tantos outros lugares aconchegantes que provaram que eu estava errada ao apelidar a cidade de “selva de pedras”.

 

São Paulo foi conquistando um espaço no meu coração, competindo com minha terra natal, Campina Grande, na Paraíba. Fui ficando e, após oito anos, sinto-me tão paulistana quanto alguém que nasceu aqui.

 

Fiz amigos com quem nos encontramos regularmente para passeios ao ar livre ou para experimentar o melhor da gastronomia paulistana na companhia de bons vinhos, sob a condução do maior enófilo que já conheci.

 

Descobri espaços onde posso curtir o que há de melhor em arte cinematográfica no mundo, como a Reserva Cultural, os Espaços Itaú de Cinema e o Cinema Belas Artes. Fui apresentada à Casa do Bordado por uma amiga “japonesa”. Vez em quando, estou na Pinacoteca, no Museu da Língua Portuguesa, no Teatro Municipal, no MASP, no MIS, na Caixa Cultural e no CCBB.

 

Virei assinante da Orquestra Sinfônica de São Paulo — a OSESP, que me leva mensalmente, aos sábados à tarde, a apreciar a esplendorosa arquitetura da Estação da Luz e da Sala São Paulo, embalada pelos clássicos majestosamente interpretados por músicos que andam de ônibus.

 

Em dias de inverno com céu azul, saio por ai com minha câmera fotográfica, registrando os contrastes entre o novo e o velho da sua arquitetura e a diversidade que faz o povo paulistano.

 

No caminho para o Metrô — a minha principal opção de deslocamento pela qualidade do serviço —, aprecio as árvores, as flores e as pessoas que encontro no caminho, confirmando a profecia do meu amigo. São Paulo me fisgou!

 

Agora, que talvez tenha que retomar o caminho de volta, será que aguentarei a saudade!

 

Iêda Lima é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Conte você também mais um capítulo da nossa cidade. Envie seu texto para milton@cbn.com.br.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s