Conte Sua História de São Paulo: os engravatados que serviam lanche na Casa Califórnia

 

Patricia Rivarola
Ouvinte da CBN

 

 

Uso óculos desde muito pequena, o meu problema com o estrabismo e miopia foi detectado logo na pré-escola. O primeiro médico que me atendeu foi na Escola Municipal de 1º Grau Dr. Antonio Carlos de Abreu Sodré, na zona sul de São Paulo – Vila Sabará, na época em que algumas escolas públicas prestavam serviços médicos aos alunos, como dentista e oculista. E os meus primeiros óculos também foram fornecidos pela escola, gratuitamente, uma enorme de uma armação preta!
Minha mãe foi empregada doméstica por muitos anos e quando tinha folga me levava aos médicos, inclusive ao oculista — era uma grande aventura. Eu morava na zona sul e com minha mãe pegava o ônibus até o centro da cidade, cruzava a Praça do Patriarca, chegava na Liberdade e tinha a minha consulta.

 

Agora, o mais divertido e gostoso era depois da consulta: a hora do lanche.
Sabe onde? Na Casa Califórnia. Da Liberdade voltávamos ao centro: Rua Direita, 15 de Novembro até chegar a São Bento. Era um pequeno espaço com aquele piso preto e branco. Havia alguns bancos altos, uns três ou quatro; e era um milagre conseguir sentar em um deles. Logo na entrada tinha a máquina onde ficava rolando a linguiça. Do outro lado, havia um balcão onde as pessoas compravam para levar para casa a famosa “linguiça calabresa de Bragança”. No fundo da loja, um imenso balcão.

 

O atendimento era uma história à parte. Era feito por dois senhores engravatados! Eu achava aquela cena o máximo. Naquela correria da lanchonete, onde não havia nenhum conforto nem uma mesinha com cadeiras, as pessoas comiam em pé. O atendimento era rápido porque havia muitos fregueses. Esses dois senhores, vestidos em camisa de mangas compridas, calça social, sapato lustrado, bigode bem aparado, cabelos no gel e gravata. Eles ficavam no caixa, aquela máquina registradora verde, gigante. Minha mãe fazia o nosso pedido: um sanduíche para cada uma e um suco de limão. Recebíamos uma ficha de metal verde e outra preta para cada item.

 

Depois de receber as fichas, ao lado do caixa, já entregava uma delas para um senhor meio marrento, mas ligeiro, que preparava o suco em uma máquina de metal. Depois, o sanduíche. Vinha um rapaz que tinha uma fisionomia de ser do nordeste. Para mim, só ele saberia preparar meu sanduíche: espetava a linguiça com a faca, colocava no pão e incrementava com o vinagrete. Que delícia!

 

Quando adulta, voltei à Casa Califórnia, já havia mudado de lugar antes de retornar ao ponto de origem. Mas nunca mais foi a mesma Califórnia da minha época.

 

Patrícia Rivarola é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Conte você também mais um capítulo da nossa cidade: escreva para contesuahistoria@cbn.com.br. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s