Conte Sua História de São Paulo: minhas aventuras com a turma da praça da alegria

 

Por José Maria Pires

 

 

Nasci no ano de 1956, em Parelheiros, extremo sul de São Paulo, e foi onde passei os momentos mais incríveis de minha existência. Entretanto, devido a uma ótima oferta de emprego a meu pai, mudamos para o bairro de São Judas Tadeu, em 1963, e ficamos lá até 1971.

 

Em São Judas, comecei a estudar na Escola Estadual Almirante Barroso, que fica bem próximo à Igreja. O curso primário foi muito tranquilo, tirei de letra. Lembro-me que naquela época para ingressar no ginásio, tínhamos que fazer uma espécie de estágio, era o 5º ano — qual fiz ali perto numa escolinha na Rua Nereu Ramos, bem em frente à casa onde morava o Sr. Manoel da Nóbrega, que era o protagonista principal do programa de humor “A Praça Da Alegria”, transmitido pela TV nos anos de 1960 / 1970.

 

Nas tardes, quando o Sr. Manoel não estava gravando, ele se aconchegava numa cadeira de balanço na varanda de sua casa e ficava brincando com seus cães, que eram parecidos com a cadela Lassie — um seriado que passava na TV. Nesse instante, nossa professora, Dna. Maria Barbosa,  nos chamava até a janela — pois a sala de aula ficava no andar superior da escola. Nós acenávamos para o Sr. Manoel, que com um grande sorriso e simpatia nos retribuía. Era como se estivéssemos na “Praça” com ele.

 

Lembro-me também que havia uma garota, acho que era neta do Sr. Manoel, muito bonita, e quando ela estava na casa dele, e nós a víamos, na saída da escolinha, ficávamos mexendo com ela. Numa dessas, o Carlos Alberto de Nóbrega, filho do Sr. Manoel, saiu correndo atrás de nós. Consegui me esconder no interior de um empório, mas ele me achou e queria de todo jeito saber onde eu morava pra ir falar com meu pai. Eu em prantos dizia que nunca havia mexido com a garota, e ela vendo meu desespero, acho que sentiu pena de mim, disse ao tio, que eu não estava com os meninos. Só então o Carlos Alberto me deixou ir.
Dessa eu me safei.

 

Bem, ali em São Judas, como em todos os lugares até hoje, existem aquelas turmas formadas pelos garotos da rua de cima, outros da rua de baixo e assim vai. Eu era da turma da Ceci, — a Avenida Ceci, onde morei —, outros eram da Nereu — a Nereu Ramos —, outros da turma da igreja e por aí afora. As brincadeiras nessa época eram: futebol de rua, bater figurinhas, rodar pião …

 

Na Alameda dos Ubiatans, próximo a caixa d’água da Av. Ceci, era onde disputávamos o futebol de rua, e numa dessas disputas, de repente, apareceu um fusca de cor verde. Parou atrás de um dos gols e dele desceu Ronald Golias, daquele jeito brincalhão, pega a bola vai de um lado para outro driblando todo mundo, e em seguida, coloca a bola no centro do campo, entra no fusca e vai embora. Foi muito engraçado. Até então não tínhamos presenciado tanto movimento de pessoas naquela rua, que era sempre muito tranquila.

 

Bem, ao ser aprovado no curso primário, começo então o ginasial, indo estudar na Escola Estadual Cidade Vargas, hoje Cacilda Becker, em frente a estação final do metrô Jabaquara. Lá, fiz muitas amizades, e entre elas, com um garoto bom de bola, o Garrinchinha, um outro que atendia pelo apelido de Cebion, que participava de um comercial de TV, nos anos de 1970, por isso o apelido,  e também uma garota com traços orientais, de nome Jandira Tamiko, que tinha um jeito engraçado de se expressar — no primeiro momento, nos tornamos muito amigos. Mas, por faltar muito às aulas e ser muito bagunceiro, no ano de 1969 a escola enviou um bilhete a meu pai, pedindo seu comparecimento na secretaria, para tratar de minha transferência para outra escola, em Vila Fachini na Rua Godofredo Braga.

 

Lá cheguei com fama de encrenqueiro e brigão, mas estava só, a turma da Cidade Vargas já não mais existia. Foram tantas às vezes que corri, pra não levar uma coça dos garotos da nova escola. E, foi numa dessas escapadas que conheci Verinha e suas irmãs, Ana e Sonia, que moravam no final da Rua Fachini, e tornaram-se minhas cúmplices e amigas, nos momentos que me sentia desprotegido.

 

José Maria Pires é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Participe desta série e envie seu texto  para contesuahistoria@cbn.com.br.

2 comentários sobre “Conte Sua História de São Paulo: minhas aventuras com a turma da praça da alegria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s