Conte Sua História de São Paulo: da Coats Corrente à festa dos 400 anos

Por Maria Aparecida Querino Baron

Ouvinte da CBN

Inscreva-se no podcast do Conte Sua História de São Paulo

Tenho 84 anos, moro no Alto da Mooca há 64. Nasci em Guaranésia,  cidade mineira, mas a minha vida, o meu coração está aqui nesta São Paulo. Vim para cá, em 1952, autorizada pelo meu pai, para morar na casa de uma tia, trabalhar e estudar. Era uma época muito difícil, o ramo têxtil estava em desenvolvimento, e consegui um emprego no bairro do Ipiranga, na Cia Brasileira de Linhas para Coser, a “Coats Corrente”  — que chamavam de Inglesa —-, uma das que fizeram história nos primórdios da industrialização: quantas saudades, alegrias … lembro até de ter furado um dedo na máquina de costura, mas, tudo era marcado por muita perseverança e dedicação frente aos desafios.

Após algum tempo, meu pai pediu o meu retorno para Minas. Eu havia conhecido, aqui em São Paulo, e estava namorando um rapaz. Assim que parti, namoramos por cartas durante alguns anos; por fim nos casamos lá em Minas Gerais. E, em 1956, voltamos para São Paulo. Construímos toda nossa família aqui: tenho três filhos, nora, genro, irmãos, sobrinhos e um “pet neto”

Das memórias de São Paulo, guardo com carinho a comemoração dos 400 anos. Um enorme evento que se estendeu de 9 a 11 de julho de 1954 —  o Brasil estava sob o governo de Getúlio Vargas. As comemorações começaram em frente a Catedral da Sé, no dia 9 de Julho quando padres e bispos tocaram os sinos, alertando o início da festa. O Parque Ibirapuera foi inaugurado como presente do Quarto Centenário.

Outro elemento que marcou a celebração foi a Chuva de Prata, uma colaboração da Força Aérea Brasileira, que sobrevoou a cidade diversas vezes despejando pequenos triângulos de papel laminado prateado, iluminados por holofotes do exército.[ 

O 10 de julho, um sábado, foi voltado especialmente para as crianças, com atividades e brincadeiras, em frente a saudosa TV Tupi; apesar de São Paulo inteira estar ocupada por pequenos palcos, os quais iam se modificando e alternando as atividades, conforme mudavam de região da cidade.

No terceiro dia: o fim da festa. Pela manhã, o Estádio do Pacaembu abriu suas portas para diversos números artísticos circenses — palhaços, malabaristas e o Globo da Morte, que divertiram a população. Também foi palco de um jogo de futebol de palhaços, transformando o Estádio Paulo Machado de Carvalho em um grande circo.

Não esqueço quando vi a Miss Martha Rocha, a baiana, que até hoje é sinônimo de beleza, desfilando em carro aberto no Ibirapuera. Ela tornou-se uma entidade: nome de rua, viaduto, torta e tema de marchinha carnavalesca. Martha era a favorita para Miss Mundo mas ficou em segundo lugar naquela famosa história das duas polegadas a mais. 

São Paulo, minha, nossa São Paulo, também conhecida como Terra da Garoa, se aproximando dos cinco séculos de existência, a cidade que abriga todos os povos brasileiros e estrangeiros de diversas partes do mundo. São Paulo, Obrigada por tudo! Pelo seu acolhimento, por sua energia e grande vibração. Continuarei rezando por você, enquanto acordo e durmo nos seus braços escutando o pulsar do seu coração. 

Inscreva-se no podcast do Conte Sua História de São Paulo

Maria Aparecida Querino Baron (Cidinha) é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é de Cláudio Antonio. Envie sua história para contesuahistoria@cbn.com.br  e assine o podcast do Conte Sua História de São Paulo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s