Conte Sua História de São Paulo: das conversas com meu sogro

Por Pina Boffa

Ouvinte da CBN

Assine o podcast do Conte Sua História de São Paulo

Relembro histórias de João Boffa, meu sogro, nascido em 1925, descendente de imigrantes italianos e espanhóis. Conheceu e viveu coisas em São Paulo que hoje fica difícil de imaginar. Fui apresentada a ele em 1979,  tinha 54 anos e gostava de contar as histórias da infância e juventude e das transformações tecnológicas que vivenciou.

Ele e a irmã mais nova, Melitta, ficavam responsáveis por cuidar dos primos enquanto os tios trabalhavam. O que servia de boa desculpa para passarem os dias brincando, seja nas ruas de barro seja no cortiço onde os primos moravam —- segundo ele, sentindo o cheirinho da comida gostosa que as mamas preparavam em cada cômodo. Apesar de terem uma infância pobre e sacrificada, os natais eram inesquecíveis, todos os primos reunidos; a árvore de Natal decorada com chocolates …era tudo mágico para eles.

Contou-me que, certa vez, enquanto ele e os amigos nadavam no rio Tietê, os guardas da cavalaria do quartel Tobias Aguiar esconderam suas roupas. Quando saíram do rio, perderam um bom tempo para encontrá-las e se atrasaram para chegar em casa, o que  lhes rendeu uma boa surra. Os clubes de Regatas Tietê, Associação Atlética São Paulo e o Clube Esperia (Floresta) organizavam competições de canoagem. Os juízes ficavam instalados próximo a ponte das Bandeiras. Lá nesses clubes, ele praticou canoagem, nadou e mais tarde criou os filhos. Quando criança adorava jogar futebol e se destacou no time da Macedônia, sendo convidado para participar do grupo de jovens do Palmeiras, mas acabou não aceitando o convite, porque não queria dividir seu salário com o técnico.

Quando entrou na fase adulta, aproveitou a vida noturna, dançava de segunda a sexta nos “dancin” da capital, ali na avenida Ipiranga, na Libero Badaró e na rua São Bento. Ele e alguns amigos abriam os bailes, criando um clima favorável para os cavalheiros mais tímidos. Os “dancin” eram populares com suas dançarinas de cartela em punho que iam sendo picotadas pelos cavalheiros a cada dança executada ao som das grandes bandas, que tocavam Glenn Miller e Tommy Dorsey.

Circulava pela cidade de bonde; tomou o trem das onze muitas vezes; viu a cervejaria Antarctica distribuir suas cervejas de carroça, puxada por quatro cavalos, e o leite em garrafa e o jornal serem entregues na porta da casa. Presenciou o surgimento da geladeira, da televisão; viu o homem chegar à lua. 

Confesso que pelas histórias que ouvi dele, nem tudo mudou para melhor em São Paulo. Hoje, a avenida Tiradentes tem um trânsito infernal e os rios são esgotos a céu aberto, os clubes lutam para sobreviver e alguns não resistiram ao tempo. As pessoas que circulam pelo centro estão longe de estarem vestidas impecavelmente como ele descrevia nos anos 40, 50 e 60. No lugar dos trens e bondes, ônibus e metrô lotados.  A vila que morava, a travessa Lúcia, antes tombada pela prefeitura, devido as suas casas estilo inglês, hoje está desfigurada — perdeu o charme da época. As casas seguem sendo habitadas por imigrantes, a maioria bolivianos que luta para sobreviver nessa selva urbana. 

A cidade, com todas suas transformações, foi palco de uma vida intensa e feliz, onde ele conheceu minha sogra Dona  Maria, casou e teve dois filhos Meu sogro viveu e morreu os 92 anos nesta cidade maluca que ele adorava. 

Assine o podcast do Conte Sua História de São Paulo

João Boffa é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Escreva suas lembranças e envie para contesuahistoria@cbn.com.br. Para ouvir outros capítulos da nossa cidade, visite o meu blog miltonjung.com.br e assine o podcast do Conte Sua História de São Paulo.

Um comentário sobre “Conte Sua História de São Paulo: das conversas com meu sogro

  1. Lindas memórias do Sr João B, narração e sonorização perfeita!
    Tenho a sensação de que as novas gerações não têm mais tempo ou interesse em ouvir as prosas dos mais velhos, suas histórias…As histórias morrerão também ou ficarão perdidas em páginas virtuais?! Só sei que morro de saudade de ouvir aqueles que se foram.
    Parabéns por ouvir o sogro e repassar suas memórias.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s