Dia do Mestre de Cerimônia: “isso é coisa de …!”

Christian Müller Jung

O 20 de Julho é Dia do Mestre de Cerimônia, também. Também porque consta que o calendário reserva outra data para os profissionais da área: o 27 de abril. Seja lá, seja cá, o que interessa neste texto que você lerá a seguir é entender os objetivos da profissão e concodar com o autor — e com este editor do Blog — que não dá mais para aceitar preconceitos de qualquer tipo e contra qualquer pessoa (N.E)

Você que trabalha com “cerimonial” já deparou com a sentença: “isso é coisa de viado”? A youtuber Louie Ponto disse: “nascemos em um mundo onde a princípio tudo é hetero!”. Não quero discutir questões de gênero. Já escutei várias piadinhas sobre o assunto.

A maioria das pessoas que não tem polimento e até para algumas que têm, cerimonial é perfumaria. “Pra que tanta frescura” ou “que bobagem essas coisas” poluem um setor determinante na organização de eventos e na vida das pessoas.

E por que a comparação com “coisa de viado”?

Educação e os bons costumes estão ligadas ao universo feminino. Comportamento refinado, respeitoso, educado e elegante no tratar o outro para muitos é perfumaria.

Nessa sociedade machista, que ainda determina se uma atividade é de homem ou de mulher, muitos não se dão conta que a tal perfumaria é uma luta de séculos de uma sociedade pela forma civilizada de lidar com as pessoas em harmonia.

Somos por natureza um animal social, como definiu Aristóteles. Assim devemos observar que estaremos constantemente em uma relação social.  Distinguir autoridades, respeitar o dress code, entender o significado do R.S.V.P no convite, são conhecimentos que vão muito além da questão de gênero.

Para pessoas que limpam os dedos na toalha e não imaginam que Leonardo da Vinci inventou o guardanapo, no século XV, cansado que estava de ver esta mesma atitude nos banquetes da corte, é de se prever que não tenham a menor ideia que através do cerimonial expressamos respeito, profissionalismo e, até mesmo, segurança.

Tenho consciência de que não vivemos mais em séculos passados, apesar de haver quem me dê a impressão de que ainda está por lá. A evolução da sociedade suprimiu algumas formalidades em razão de um mundo menos desigual. Simplificamos coisas que foram perdendo a razão de ser com o tempo, mas trabalhamos muito ainda no sentido de respeitar as pessoas e as instituições. Levantamos a bandeira de cerimonialistas não como sendo alguma coisa feita por “eles” ou por “elas”, mas para que consigamos desenvolver um convívio social a partir de relações mais delicadas e civilizadas, menos desordenadas e brutas.

Cerimonial não é questão de gênero, é de educação — o que falta, aliás, aos preconceituosos.

Christian Müller Jung é mestre de cerimônia por profissão, publicitário por formação e meu irmão de nasceça

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s