De olho na vida alheia, você ainda descobrirá muito sobre você mesmo

Por Simone Domingues

@simonedominguespsicologa

Cena do filme “A vida dos outros”

O filme alemão “A vida dos outros” foi lançado em 2006 e retrata a época anterior à queda do muro de Berlim, quando a Alemanha estava dividida e a Stasi, polícia secreta da Alemanha Oriental, monitorava de maneira rígida a vida da população.

O destaque do filme fica por conta da interpretação do ator alemão Ulrich Mühe, no papel do agente incumbido de vigiar os passos de um dramaturgo e sua namorada, porém ele acaba se envolvendo com suas vidas, passando por uma transformação de seus próprios referenciais.

Na vida real, longe da espionagem realizada para controlar ou censurar a vida dos cidadãos, existe, muitas vezes, uma curiosidade em conhecer a vida de outras pessoas, seus segredos e intimidades.

Em outros momentos, talvez a maneira de se fazer isso seria ouvindo atrás das portas ou olhando pelo buraco da fechadura. Na atualidade, as redes sociais têm facilitado esse processo, numa exposição excessiva de imagens e informações.

Sabemos para onde fulano viajou, quem se separou, quem teve filho, o prato preferido daquela celebridade… a mesma que treina todos os dias para manter a boa forma.

Esse interesse exagerado em saber da vida alheia pode impactar a percepção que temos de nós mesmos, promovendo comparações injustas que desconsideram a nossa individualidade e história de vida.

As comparações injustas acontecem, por exemplo, quando interpretamos os acontecimentos em termos de padrões irrealistas, colocando um foco ampliado naquilo que as outras pessoas se destacam ou se saem melhores, gerando um sentimento de inferioridade.

A comparação entre a nossa vida real, essa com algumas conquistas e também cheia de limitações e tropeços, e a vida que apresenta padrões ideais, editada em fotos e narrativas, pode promover a impressão de que estamos sempre em débito e — como já ouviamos há muitos anos — a grama do vizinho é sempre mais verde.

O problema de se interessar excessivamente pela vida dos outros, é conhecer em demasia o que se passa do lado de fora, deixando de enriquecer, com experiências próprias, o que está dentro de cada um.

Entretanto, o interesse pelos outros também tem seus aspectos positivos: conhecer realidades tão distintas possibilita derrubar muros e romper com os preconceitos. Isso nos aproxima, nos torna mais humanos. Expande nossos horizontes e nos permite enxergar a vida, de tão ampla que é, para além de nós mesmos.

Isso seria a diferença entre a bisbilhotagem da vida alheia e o interesse genuíno pelas pessoas, nem sempre algo tão simples de ser atingido.

Com uma delicadeza ímpar, o filme “A vida dos outros” nos remete a essa reflexão. De um lado, nos apresenta como a vida pode ser grampeada e controlada apenas para se obter dados, como num regime ditatorial. De outro, revela como a aproximação e a descoberta de um universo distinto, de pessoas diferentes, de realidades diferentes, podem ser transformadores e nos conduzir a um conhecimento mais profundo. Não sobre o outro, mas acerca de nós mesmos.

Saiba mais sobre saúde mental e comportamento no canal 10porcentomais

Simone Domingues é Psicóloga especialista em Neuropsicologia, tem Pós-Doutorado em Neurociências pela Universidade de Lille/França, é uma das autoras do perfil @dezporcentomais no Youtube. Escreveu este artigo a convite do Blog do Mílton Jung

De descendência

 

Por Maria Lucia Solla

 

IMG_8063

 

Aos meus netos e seus descendentes.

 

Meu pai, o vovô Solla, nasceu no Brasil. Em São Paulo. Mais precisamente, na Lapa. Seus pais eram europeus jovens, que chegaram com suas famílias fugidas do caos que se abatia no continente europeu, àquela época. Guerra, escassez de tudo – principalmente de trabalho. Seus pais, meus bisavós, tomaram a difícil decisão de abandonar a vida que tinham por lá e de se aventurarem por países de outro continente, cuja língua não falavam.

 

Meu avô Pedro, pai do meu pai, nasceu na Espanha, e a vovó Deolinda, sua mulher, em Portugal. Vieram diretamente para o Brasil, de navio, como veio a maioria dos imigrantes.

 

Os pais da vovó Clélia, meus avós maternos, vieram da Itália, com um pé na Grécia – mas ficaram algum tempo em Buenos Aires, na Argentina. Amigos já estavam lá, e imaginaram que seria mais fácil enfrentar a nova vida em companhia; mas a vida não é previsível. Não sei o que aconteceu, e decidiram deixar a Argentina e se estabelecerem no Brasil, em São Paulo, e adivinha onde… na Lapa.

 

Sou péssima em História, mas eles conseguiram, não apenas sobreviver, mas viver.

 

Os avós que chegaram ainda muito jovens, o vovô Pedro e a vovó Deolinda, cresceram, se conheceram, se casaram e formaram a sua família. Os avós que vieram da Itália casados, o vovô Vito e a vovó Grazia, tiveram uma filha na Argentina, a tia Adélia, e mais dez no Brasil. Uma delas foi a minha mãe, a vovó Clélia.

 

Sem bolsa família, num ambiente totalmente estranho, língua diferente, costumes idem, mantiveram uma vida digna, de lutas, perdas e ganhos; e mantiveram unida a sua família. Colaboraram na construção de um Brasil de diversidade. Uma linda colcha de retalhos das mais diversas origens.

 

Hoje, no entanto, ficariam arrepiados se pudessem ler as manchetes dos jornais. O Brasil tem sido agressivamente assaltado, e estraçalhado, não por imigrantes, mas pela corja que se instalou nos castelos do poder.

 

Tenho medo do Brasil que vamos deixar para vocês, e tenho vergonha de fazer parte da população que é parte desta História.

 

Juízes vão para a cadeia, empresários só trabalham se pagarem propina, obras são superfaturadas, tráfico de influência é a mais nova e lucrativa profissão do mercado, jovens não têm educação minimamente decente, saúde púplica não existe, nosso dinheiro não vale nada, e agora somos nós que procuramos a via de saída para outros países onde não existam tantos ladrões.

 

A vida de vocês está começando, a minha acabando, e eu apenas confio na sabedoria da Vida, que dá a cada um de Seus filhos, o fardo que podem suportar.

 

A vovó espera que o fardo de vocês seja leve.

 


Maria Lucia Solla é professora de idiomas, terapeuta, e realiza oficinas de Desenvolvimento do Pensamento Criativo e de Arte e Criação. Escreve no Blog do Mílton Jung

A Vida dos Outros: para ver sem nenhum mala ao lado

 

Por Biba Mello

 

 

FILME DA SEMANA:
“A Vida dos Outros”
Um filme de Florian Henckel
Gênero: Suspense
País: Alemanha

 

É uma história real do sistema de espionagem existente na Alemanha durante o período da guerra fria. Nos anos 80, o Ministro da Cultura se interessa por uma atriz famosa que por sua vez é namorada de um importante dramaturgo. Com suspeitas dos dois serem infiéis às ideias comunistas, eles começam a ser espionados por um temido capitão que acaba adorando conviver com a história deles, e se envolvemdo muito mais do que deveria.

 

Por que ver:
Sabe aquele filme que simplesmente não existe a possibilidade de alguém não gostar, tipo como chocolate… Este é o caso! Sucesso total de público e critica.

 

Como ver:
Agora que começou o friozinho, você troca seu jantar por uma sopinha em frente ao sofa e aperta o play; no meu caso, que estou de regime, o filme ajudará a esquecer a fome de tão bom!

 

Quando não ver:
Se você tiver aquele amigo super mala junto! Sabe aquele que adora ser do contra? O mundo ama chocolate, ele detesta… O mundo amou este filme e ele, só para encher o saco, dirá que é ruim!!! Mala deve ficar na casa dele! A sopa será uma melhor companhia.

 

Biba Mello, diretora de cinema, blogger e apaixonada por assuntos femininos.