Amigos permitem ser quem eu sou

Por Simone Domingues

@simonedominguespsicologa

Imagem de Charles Bernie from Pixabay 

“Foi o tempo que perdeste com tua rosa que a fez tão importante”

Antoine de Saint-Exupéry

            Ao longo da história da humanidade, o convívio social sofreu mudanças importantes quanto as suas funções e características. Nos primórdios, manter vínculos com outros seres humanos é o que permitia a sobrevivência da espécie, através da colaboração mútua e da proteção. Na pandemia, o uso da tecnologia, seja com aplicativos ou através de redes sociais, se tornou uma das poucas maneiras de se estar socialmente conectado.  

            Diversos estudos destacam a importância das relações sociais, especialmente as que envolvem a amizade, durante o ciclo vital, contribuindo para o desenvolvimento cognitivo, psíquico e social.

Na infância, por exemplo, conviver com os amigos está diretamente relacionado com a formação do processo de socialização. Nessa fase, as relações estabelecidas envolvem afeto, diversão, colaboração mútua e resolução de conflitos.

Na adolescência, as amizades são importantes para a construção da identidade e da autoimagem. Nessa fase, talvez mais do que em qualquer outra, o bem-estar psicológico estará diretamente associado com a percepção da Cyro gostaria de fazer parte da sua redequalidade das amizades, por exemplo, se sentir aceito, valorizado pelo outro e estabelecer relações positivas, envolvendo confiança e disponibilidade.

No final da adolescência e início da vida adulta, as demandas que surgem, como ingressar na faculdade ou no mercado de trabalho, podem ser muito estressantes para os jovens e, nesse caso, os amigos são fontes de apoio social, auxiliando a lidar com esses desafios.

Infelizmente, na adolescência, nem sempre as relações estabelecidas são satisfatórias e muitos jovens experimentam um empobrecimento da interação social, gerando muita ansiedade. A piora do bem-estar psicológico pode favorecer o isolamento ou agravar as habilidades sociais, tornando a pessoa mais inibida, com impactos a longo prazo, como aumento da insegurança e redução da autoestima.

Na vida adulta, o trabalho, os relacionamentos afetivos mais estáveis ou filhos, podem diminuir o tempo disponível para o convívio com os amigos, mas há um aumento da qualidade das relações estabelecidas

No envelhecimento, a interação com os amigos também se modifica, se tornando menos frequente ou com encontros mais breves, porém, os amigos representam a maior fonte de proteção contra a solidão.

            A importância de se estabelecer bons relacionamentos foi evidenciada numa pesquisa realizada pela Universidade de Harvard (orginalmente Study of Adult Development), sendo apontada como um dos fatores que mais influencia o nível de saúde das pessoas, incluindo a longevidade.

            Seria possível detalhar inúmeros estudos que mostram os benefícios de se ter amigos, mas todos eles podem ser resumidos em uma frase: ter amigos torna a nossa vida melhor! 

            Em geral, as relações estabelecidas com os amigos são mais recíprocas, sofrem menos julgamentos e são menos estressantes.

            Amigos nos permitem companhia, apoio e riso solto. Amigos nos acolhem quando precisamos dividir as nossas dores, o nosso choro.

            São os laços que construímos ao longo do caminho… alguns se afrouxam, se desfazem, mas outros estão ali bem firmes. 

São presentes… Desses que a gente agradece todos os dias por ter recebido. Desses que estão sempre com a gente, não nos deixam sós.

Penso nos meus amigos e na importância que eles têm para mim. Me permitem ser quem eu sou e carregam um pouco de mim dentro deles.   

            Na impossibilidade do abraço, faço brigadeiros e envio para os meus amigos. Talvez seja sobre o tempo. Talvez seja sobre a dedicação. Mas acima de tudo, é sobre eles mesmos. 

            Feliz Dia do Amigo!

Saiba mais sobre saúde mental e comportamento no canal 10porcentomais

Simone Domingues é Psicóloga especialista em Neuropsicologia, tem Pós-Doutorado em Neurociências pela Universidade de Lille/França, é uma das autoras do perfil @dezporcentomais no Youtube. Escreveu este artigo a convite do Blog do Mílton Jung

A experiência de escrever uma carta à mão

 

old-letters-436501_960_720

 

O Natal se vai e as férias se encerram. Está na hora de voltar ao trabalho com a vantagem de a volta ser em uma semana que tende a ser tranquila, marcada pelo olhar para o ano que se inicia em instantes. Escrevo que “tende a ser tranquila” pois se sabe muito bem que não há como prever o que acontecerá amanhã, daqui a pouco ou no segundo seguinte.

 

Neste texto de volta as férias, porém, não quero falar de previsões para o futuro. Melhor deixá-las para os próximos dias – se é que me atreverei em fazê-las. Tenho mesmo é pensado em algo do passado: escrever cartas. Sim, esta forma rudimentar de comunicação que por anos nos permitiu atualizar informações de parentes, amigos e desconhecidos.

 

Escrevo sobre cartas porque me chamou atenção nesses últimos dias a cena de crianças depositando suas esperanças em uma caixa de correio em um desse grandes magazines americanos que frequentei durante as férias. Todas estavam acompanhadas pelos pais que, como eu, nasceram em uma época em que e-mail, SMS, WhatsApp e outros quetais só existiam em filmes de ficção científica.

 

Assim como aqueles gringos que visitavam a loja para deixar seu pedido ao Papai Noel, milhares de guris e gurias escreviam a sua cartinha aqui no Brasil. Leio no site dos Correios que foram mais de 20 mil cartas com os mais diversos pedidos. De brinquedos mágicos a prato de comida.

 

Curioso como a ideia de escrever uma carta ao Papai Noel persista diante das inúmeras possibilidades que a Era Digital nos proporciona. Hoje em dia, o “bom velhinho” bem que poderia ter uma conta no WhatsApp ou, no mínimo, um e-mail para receber mensagens de todo o mundo.

 

Você, que não é mais criança, lembra quando foi a última vez que escreveu uma carta? Não refiro-me a uma carta ao Papai Noel. Mas uma carta normal, contando detalhes da sua vida, momentos que você vivenciou, história que experimentou ou futilidades do cotidiano. Faz muito tempo não é mesmo?

 

Eu resolvi exercitar este hábito recentemente. Após receber uma mensagem de voz de uma amiga, com a qual não me encontrava pessoalmente há quase um ano, tive a intenção de surpreendê-la. Em lugar de uma resposta no mesmo tom e pelo mesmo meio, escrevi uma carta para ela. Foi interessante.

 

Durante muito tempo na minha adolescência e pós-adolescência mantive relacionamentos apaixonados com gurias que conheci em viagens pelo Brasil. Escrevia com detalhes meus sentimentos e descrevia minhas intenções que eram correspondidas também por carta. Todas devidamente guardadas em uma caixa de papelão no meu quarto. Em lugar de platônico, nosso amor era postal. Nosso carinho nunca ultrapassava a linha do papel (e dos bons costumes).

 

A última carta que havia escrito à mão, antes desta experiência recente, foi quando cheguei a São Paulo, em 1991. Foi para meu tio, Tito Tajes, meu padrinho e mais um dos jornalistas que tivemos na família. Eu estava intranquilo diante do desafio que enfrentava naquele ano ao aceitar o convite para ser repórter da TV Globo. Colocava em dúvida minha capacidade de me manter no emprego por aqui e revelava medo de ter de voltar ao Rio Grande do Sul assumindo o fracasso na minha aventura paulistana. Como sempre, o Tio foi preciso: por carta, me respondeu que confiava na minha capacidade profissional e, se eu tivesse de retornar para Porto Alegre, não devia explicação para ninguém. Ao fim, ainda me tranquilizou: se voltar, estarei aqui de braços abertos para recebê-lo. Sigo em São Paulo até hoje, o Tio, infelizmente, morreu algum tempo depois daquela troca de cartas, mas tenho certeza que teria todo o carinho se tivesse de, precocemente, desembarcar em Porto Alegre.

 

Tantos anos depois, escrever uma carta é quase uma aventura. Tem de encontrar o papel ideal, um envelope que faça aquela carta se parecer com uma carta e não uma mensagem comercial, procurar o endereço correto do destinatário, selar e postar no Correio ( e pagar por isso). Sem contar que entre escrever a carta e colocá-la no Correio, por total falta de hábito, demorei quase um mês. Uma eternidade frente a instantaneidade dos tempos atuais. Convenhamos, enviar um e-mail ou um WhatsApp é bem mais simples e rápido.

 

A carta, porém, tem identidade própria. Ao contrário das mensagens digitais, não existe uma fonte pré-definida. Sua letra tem a sua cara. A escrita leva o peso da sua mão, parte da sua personalidade. Você é obrigado a refletir mais cada palavra, cada frase, cada mensagem que pretende transmitir.

 

Verdade que exige alguns cuidados: é preciso capricho na letra sob o risco de o leitor não entender a mensagem do escrevinhador. Tem de se pensar bem no que vai escrever, pois se errar ou rabiscar – e eu odeio sujeira no texto – não tem tecla para deletar: tem de começar tudo de novo. Tem de separar sílabas, coisa que não faço há um bom tempo. Não tem corretor ortográfico: que perigo! Sem contar que a falta de prática faz a mão doer.

 

Até hoje não sei se minha carta chegou a minha destinatária e qual foi a reação dela ao abrir o envelope, se é que ela se deu ao trabalho de abri-lo. Mas deixo aqui o convite para você fazer este mesmo exercício: escrever uma carta à mão para um amigo. Se ele vai gostar, não sei. Mas tenho certeza que você vai curtir essa experiência.

 

Eu adorei!

O importante em uma amizade é saber conservá-la

 

Dos amigos

 

Dos amigos que ficaram dos tempos do Rio Grande do Sul – e saiba que foram muitos tempos, pois troquei o estado natal por São Paulo apenas em 1991, por necessidades profissionais -, tem um que me acompanha desde lá, mesmo que nossos encontros e conversas sejam raros. Paulinho, que é como teimo em chamá-lo a despeito da idade e da responsabilidade que lhe permite estar há 21 anos em uma das maiores forjarias do Brasil, ficou em Porto Alegre, enquanto eu, de mala e sem cuia, me despachei para a capital paulista em história que você, caro e raro leitor deste blog, deve conhecer minimamente, pois já a relembrei várias vezes – se um dia você quiser, desconfio que não queira, dedico outro post para escrever sobre aquela decisão que foi definidora na minha vida. Desde que deixei o Sul, chegamos a passar anos nos falando por telefone e apenas no dia de nossos aniversários. O dele, curiosamente, é dos poucos que não preciso anotar na agenda para lembrar: dia 2 de janeiro – apesar de os amigos sempre terem desconfiado que ele nasceu um pouco antes,e o pai, já prevendo a carreira esportiva que o guri se dedicaria, o registrou dias depois, o que lhe renderia um ano de vantagem. Essa história, claro, sempre ficou no campo da especulação jocosa dos amigos mais próximos, mesmo porque Seu Valdemar, o pai do Paulinho, é homem de uma correção que pouco se vê por aí.

 

Mesmo que nossos contatos sejam esparsos, quase toda vez que Paulinho vem a São Paulo, por compromissos profissionais, tentamos um encontro. Nem sempre é possível devido as diferenças de agenda e esta necessidade que tenho de estar cedo na cama para madrugar no dia seguinte, na rádio. O bom das férias é que podemos esquecer o relógio e, mesmo que o avião atrase e o trânsito atrapalhe, se pode esperar os amigos até a hora em que ele chegar, como aconteceu ontem à noite, quando o recebi para jantar. Como sempre, excelente oportunidade para atualizar as notícias da vida e relembrar passagens vividas juntos, especialmente porque ele foi meu companheiro de basquete, de namoros, de viagem – a maioria das vezes para Pinhal, no litoral gaúcho, ou para Garopaba, no catarinense -, e de muitas outras coisas que costumamos fazer na adolescência e juventude. Paulinho era mais sério e metódico; eu, menos organizado, me adaptava mais aos hábitos dele; ambos casamos mais ou menos na mesma época e tivemos filhos com a mesma idade; ele se separou de uma amiga da adolescência, casou de novo e hoje tem mais uma menina. Eu estou com dois meninos. Ao contrário dos pais, os filhos pouco se conhecem.

 

Por estranho que possa parecer, especialmente àqueles que desconhecem a tolerância e para os que vivem de esteriótipos, ele é colorado e eu, você já sabe, sou gremista. Diferença clubística que mais nos aproximou do que dividiu, pois as conquistas de um e de outro serviam para nos divertir, um dia em favor de um, um dia em favor de outro. Bem verdade que houve momentos em que o melhor era aguardar alguns dias antes de conversar com o amigo, mas nada que tivesse nos separado em definitivo. Para atrapalhar ainda mais o julgamento dos descrentes, apesar dele ser torcedor do Inter, desses de comparecer na arquibancada ao lado da família, fomos colegas de basquete no Grêmio, onde joguei por 13 anos, e a preferência dele pelo co-irmão não o impedia de brigar em quadra pela vitória. Até há alguns anos, ele guardava no apartamento, em Porto Alegre, uma camisa de basquete tricolor que acabou me presenteando por entender que estaria mais bem venerada na minha casa em São Paulo. Mal imaginávamos que aquela troca de endereço seria fatal para o destino da camisa de manga de regatas com o símbolo do Grêmio no peito e o número 12 nas costas. Ao ter a casa invadida por bandidos, a camisa foi roubada (assim como todo o restante da coleção, a bandeira oficial e a medalha de campeão da Copa do Brasil; além de outros objetos como menor valor sentimental tais como computadores, televisão, roupas, etc).

 

É difícil entender o que faz duas pessoas se transformarem em amigos e, principalmente, o que as faz permanecer nesta amizade mesmo com suas diferenças e distâncias. Muitos em condições parecidas se foram sem deixar história ou saudade. Às vezes, as facilidades de acesso e busca no Facebook forjam reencontros que logo se revelam fugazes. Deve haver alguma explicação baseada na filosofia ou na psicologia, porém o mais importante em uma amizade não são os motivos que a justificam, mas a própria existência dela. Portanto, conserve-a.

 

A foto que ilustra este post é do álbum de Davi_Vazquez, no Flickr

De amigos, conhecidos e afins

 

Por Maria Lucia Solla

Vivemos vidas diferentes, mesmo sendo feitos da mesma substância, mas com toda diferença, cada vida merece um olhar generoso, por respeito à vida. Não gostamos de todo mundo, e cada um dá um nome para isso.

 

Eu prefiro comparar pessoas com alimentos. Uns caem bem, outros caem mal, como feijão do dia-a-dia e feijoada com tudo o que é cacareco dentro.

 

Tem gente que você não cansa de gostar e não pode viver sem, como a água. Dá para ver todo dia, combina com tudo, se mistura com facilidade e quando está longe faz uma falta danada!.

 

Outras, dá para degustar uma vez por semana, e já está de bom tamanho. Tem as que pesam, difíceis de digerir, e só descem com muita água. Tem aquelas, feito peru, que só em dia de festa, e nos dias seguintes, até desgostar o paladar,

 

Tem as tão raras e especiais, que são saboreadas feito trufas brancas, ovas de peixe voador, lagosta com molho de manteiga temperada, como preparava minha sogra, a dona Ruth, que é rara e deliciosa como ninguém, e só faz bem.

 

E, é claro, tem as que não dá nem para passar o dedo e lamber, que causam uma alergia de deixar o cidadão de cama, ou levá-lo ao hospital. Isso se não matar. Gente venenosa, de uma forma diferente para cada um, porque alergia é pessoal, e não dá para generalizar.

 

Gosto e alergia não se discutem, mas é importante lembrar que dieta não se faz só na mesa. A principal é a dos salões.

 

E a tua alimentação, como vai?

 


Maria Lucia Solla é professora de idiomas, terapeuta, e realiza oficinas de Desenvolvimento do Pensamento Criativo e de Arte e Criação. Aos domingos escreve no Blog do Mílton Jung

De graça e agradecimento (revisitado)

 

Por Maria Lucia Solla

 

 

O fim do ano chega e bate indiscriminadamente na porta do bom e na porta do não tão bom, do amigo e do não tão amigo assim. Vem arrastando um balaio cheio de lembrança bordada com emoções que fazem sorrir outra vez, e trazendo outras que a gente prefere esquecer. Não há como fugir. É encarar e selecionar, acalentando e nutrindo as que têm um doce sabor e espantando e tentando evitar aquelas que atacam e viram do avesso o fígado e arredores. 

 

Presente de Natal então assombra grego e troiano. É um sufoco que evito porque vem com tarja de compulsório. Todo ano penso em me organizar e criar o presente certo para cada um, só que dezembro chega, me pega de surpresa, me passa uma rasteira certeira, e acabo não fazendo nada nesse sentido. Na verdade não gosto da ideia de presente de Natal.

 

Pois é nesse emaranhado de emoções que procuro aquietar corpo e mente, e agradeço. Agradeço e agradeço mais uma vez vez.

 

Agradeço ao Arquiteto de Tudo e a seus auxiliares. Agradeço aos mestres aprisionados em corpos mortais e aos que não posso ver com os olhos do corpo. 

 

Agradeço a meu pai e minha mãe, e a seus antepassados, pela oportunidade da vida. 

 

Agradeço ao pai dos meus filhos e a seus pais e antepassados, a vida dos meus tesouros mais preciosos. 

 

Agradeço aos amores que passaram pela minha vida e que me enriqueceram e me ensinaram a amar cada vez mais, quando achava que já sabia tudo sobre amor, respeito e admiração, prazer e dor. 

 

Agradeço aos companheiros de trabalho, superiores, pares e subordinados, que passaram e ainda passam pela minha vida, com quem aprendi e aprendo muito. 

 

Agradeço aos anjos em forma de gente, que me impulsionam no caminho do aprendizado e da abertura da minha consciência. 

 

Agradeço à minha tia Inês, que é a minha família presente, cuidadosa e carinhosa em todos os momentos, com quem divido alegrias, tristezas, vitórias e frustrações, e que me ouve com um amor que só ela sabe oferecer. 

 

Agradeço aos que eram amigos e deixaram de ser, pelos mais diversos motivos. Enquanto tinham amor para dar, me inundaram com ele; quando o amor secou, bateram em retirada, deixando lições que se eu souber aproveitar, cresço ainda mais. 

 

Agradeço aos professores, pelas descobertas fascinantes de um mundo cada vez maior e fascinante.

 

Se decidisse listar as bênçãos recebidas inesperadamente e as cultivadas com determinação, preencheria páginas e páginas. 

 

Se por outro lado listasse as desventuras e frustrações, não conseguiria preencher uma só.

 

Vou domando meu ego cheio de manha, e reconhecendo que sei ainda muito pouco da vida, e que há muito para aprender, mas é exatamente isso que me dá o impulso necessário para continuar vivendo. Quero mais.

 

E você?

 

Pense nisso, ou não, e até a semana que vem.

 

(Este texto foi postado, originalmente, neste blog, em 16.12.2007)

 


Maria Lucia Solla é professora de idiomas, terapeuta, e realiza oficinas de Desenvolvimento do Pensamento Criativo e de Arte e Criação. Aos domingos escreve no Blog do Mílton Jung

De condicional

 

Por Maria Lucia Solla

 

 

Ah se eu pudesse…

 

…me consertaria todinha, voltaria a fita e desfaria os males que causei, mesmo aqueles dos quais nem conta me dei. De mim isso aliviaria o fardo, mesmo que fosse muito, muito difícil, eu o faria sorrindo e de bom grado.

 

Pediria desculpas a quem magoei, mas jamais engoliria as lágrimas que chorei. Choraria ainda mais, até que o engasgo desengasgasse, até que meu coração desafogasse.

 

Ah se eu pudesse…

 

…seria melhor mãe do que tenho sido, desataria os nós que atei, faria de novo, e faria bem, tudo aquilo em que falhei.

 

Beijaria mais, abraçaria abraços apaixonados, apertados e compridos, enxugaria as lágrimas dos sofridos e dos desesperançados, muito mais, mas muito mais do que até hoje enxuguei.

 

Ah se eu pudesse…

 

…confessaria meu amor sem pudor, acariciaria o corpo do homem amado com muito, mas muito amor, sem recato, e não mais aceitaria o vazio do abstrato.

 

Curaria as feridas dos corações dos meus filhos, uma a uma, sem medo nenhum de facilitar-lhes a vida, e recolheria cada pétala de cada dor por eles sentida.

 

Ah se eu pudesse…

 

…diria todos os dias, a todos os meus amigos, o quanto eu quero tê-los sempre comigo, lhes ofereceria abrigo, mesmo que seus queixumes não fizessem, para ninguém mais no mundo, nenhum sentido.

 

Continuaria a andar, feliz, pela estrada do sonho e por aquela da realidade, viajaria e cantaria, sem medo de desafinar. E mesmo não conhecendo os caminhos, para todo canto eu iria, pelo simples prazer de andar. Sem rumo, sem idade, para pôr minhas energias no prumo.

 

Ah se eu pudesse…

 

…não abandonaria jamais o banco da escola, daria aula de graça porque essa sempre foi minha cachaça.

 

Dançaria mais, muito, mas muito mais. Todo dia rodopiaria, de noite e de dia, num crescente espiral que me transportasse em transe e me colocasse frente a frente com o plano espiritual.

 

Ah se eu pudesse…

 

…adoçaria os corações amargos, desarmaria os armados, acalentaria os desesperados, animaria os desanimados, resgataria suas almas perdidas, cicatrizaria suas feridas, uma a uma, sem hesitação nenhuma.

 

Escreveria a história da minha vida e contaria ao mundo cada momento vivido, aqueles dos quais me orgulho e aqueles inverossímeis, dos quais mesmo eu duvido. Despiria meu êxtase, meus suspiros, meus gritos mais aflitos meus impulsos contidos, meus desejos proibidos. Um a um; não mascararia nenhum.

 

Ah se eu pudesse…

 

Maria Lucia Solla é professora de idiomas, terapeuta, e realiza oficinas de Desenvolvimento do Pensamento Criativo e de Arte e Criação. Aos domingos escreve no Blog do Mílton Jung