Sua marca: a etnografia digital ajuda a entender o comportamento do consumidor, durante a pandemia

 

“Se você quer mesmo que sua marca seja um sucesso, não deixe de acompanhar seus clientes e consumidores, mesmo nesta nova fase com as restrições da pandemia” — Jaime Troiano

O distanciamento entre marcas e clientes provocado pela pandemia da Covid-19 não deve ser uma barreira na avaliação do comportamento do consumidor. Mesmo que à primeira vista o efeito seja muito ruim, é preciso aprender com a necessidade imposta pela crise sanitária. Explorar as informações que circulam nas redes sociais e investir em tecnologia são dois dos caminhos possíveis de serem explorados neste momento, segundo Cecília Russo e Jaime Troiano. Em conversa com Mílton Jung, no quadro Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, eles falaram sobre o uso da etnografia digital.

“Através do MOBE — uma ferramenta que leva este nome porque une o MOBILE e o ETHNOGRAPHY —, a gente dialoga com o consumidor durante alguns dias, troca informações e pede para que ele grave vídeos falando de suas mais diversas situações, o que nos ajuda na análise de comportamento.” — Cecília Russo

A plataforma que permite ao gestor avaliar seu cliente já vinha sendo usada antes da pandemia, e ganhou maior relevância diante das restrições atuais. Segundo Jaime Troiano, o MOBE tem um amparo conceitual e metodológico que o sustenta e, portanto, mesmo após a pandemia seguirá sendo usado:

“Bem, nós já tínhamos começado a fazer isso antes. A pandemia apenas acelerou. É um conceito novo de observação que vai continuar sendo muito útil. Agora, não vamos dispensar a convivência e as observações de caráter pessoal: ambientes de compra, fuçando na casa do consumidor, ouvindo conversas alheias nos lugares públicos”.

O Sua Marca Vai Ser Um Sucesso vai ao ar aos sábados, às 7h55, no Jornal da CBN.

Sua Marca: é preciso entender as dificuldades e medos dos clientes

 

“De tudo fica um pouco, fica um pouco do teu queixo no queixo de sua filha…” Carlos Drummond de Andrade

 

Como na mensagem de Drummond, extraída do poema Resíduos, empresas e marcas deixam lembranças em seus consumidores, que são o resultado da forma como se relacionam, se comunicam e prestam serviço. Em Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, Jaime Troiano e Cecília Russo falaram dos efeitos dessas ações, especialmente em momentos de dificuldades como as impostas pela pandemia.

“Das tantas memórias e resíduos, talvez a gente tenha exemplos ruins, mas quem fez a lição de casa, de forma legítima, verdadeira e autêntica deixou um saldo bem positivo”, disse Cecília Russo

Do pequeno mercado que passou a entregar produtos na casa do consumidor ao serviço de aplicativo que cria programas para premiar o seu usuário, cada um de sua maneira e dentro de suas possibilidades está fortalecendo sua marca — e essas ações não serão esquecidas pelos clientes. Vão se destacar, nesta pandemia, as marcas que entenderam as dificuldades e os medos que as pessoas têm vivenciado

“O resíduo que vai ficar para muitas marcas é um crescimento da fidelidade do consumidor. Como um sinal de retribuição a quem nos tem ajudado a atravessar esses momentos de tristeza”, comentou Jaime Troiano

Para Jaime e Cecília, as boas marcas são aquelas que, testadas, em situações difíceis, como estas, ficam ainda mais fortes e respeitadas.

 

O Sua Marca Vai Ser Um Sucesso é apresentado por Mílton Jung e vai ao ar aos sábados, às 7h55 da manhã, no Jornal da CBN.

Sua Marca: cinco necessidades para a vida entre quatro paredes

 


 

“As marcas estão tendo uma oportunidade de prestar um serviço importante para a sociedade” —- Cecília Russo

Com as pessoas obrigadas a permanecerem em casa para reduzir o risco de contaminação do novo coronavírus, novas necessidades surgiram e algumas marcas souberam atuar de maneira eficiente. Um relatório criado pela Ikea, marca sueca de produtos para casa, identificou cinco necessidades para a vida “Entre 4 paredes”:

 

  • Segurança
  • Pertencimento
  • Conforto
  • Privacidade
  • Propriedade

 

Com base nessa lista, Jaime Troiano e Cecília Russo, em Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, identificaram algumas ações de empresas e serviços que entenderam esse momento e estão atuando de forma empática. É o caso de uma academia que decidiu alugar seus equipamentos para os clientes, a medida que suas unidades estão fechadas. Ou de um aplicativo que se atualizou para permitir a compra à distância de remédios controlados que exigem receita médica. Ou do jovem, estudante de medicina, que viu os pais terem de fechar a loja de flores, criou uma conta no WhatsApp e tornou os produtos acessíveis aos clientes deles.

 

Existem, ainda, as grandes marcas do cenário digital como Rappi, iFood e Uber Eats que facilitaram a entrega de alimentos, mantendo a relação entre os restaurantes e seus clientes, oferecendo as sensações de pertencimento, conforto e segurança —- três das necessidades identificadas no trabalho da Ikea.

 

A tecnologia de informação através de marcas como Zoom, Weber, Microsoft Teams e Google Meet, trouxe o escritório para dentro de casa, oferecendo conforto e segurança.

“O momento é de ajudar as pessoas a ficar em casa e as marcas têm uma chance única de estar ao lado da sociedade neste momento” —- Jaime Troiano

O Sua Marca Vai Ser Um Sucesso vai ao ar aos sábados, às 7h55 da manhã, no Jornal da CBN.

Sua Marca: como as marcas se adaptaram a este Dia das Mães atípico

 

Screen Shot 2020-05-09 at 19.42.51

“As marcas continuam sendo as mesmas, mas com estratégias adaptadas a esse momento” —- Jaime Troiano

O Dia das Mães comemorado em uma situação totalmente nova para a sociedade impactou diretamente as estratégias das marcas. Com a pandemia do novo coronavírus, as operações comerciais foram majoritariamente digitais, boa parte das famílias não pode se reunir e as promoções comuns nesta que é a segunda mais importante data comercial do país tiveram de mudar de forma e conteúdo.

 

 

Em Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, Cecília Russo e Jaime Troiano identificaram algumas das ações positivas desenvolvidas por gestores de marcas:

Havaianas — a campanha para o Dia da Mães foi produzida a partir de material de vídeo gravado por mulheres de sua própria equipe no qual elas mostram como as profissionais estão se adaptando à nova rotina, tendo como aspecto mais positivo a maior proximidade com os filhos

Alme, da Arezzo —- com a campanha “Presenteie sua mãe, conforte duas”, para cada par de sapato comprado no e-commerce da marca ou pelo atendimento via WhatsApp o fabricante vai doar um par para mães que recebem o acolhimento de uma ONG

Renner —- de acordo com Maria Cristina Marçon, diretora da Renner, a empresa costuma programar suas promoções com muita antecedência, mas com a pandemia houve a necessidade de refazer a estratégia. o foco foi a ideia de que estão perto ou longe, o amor está presente na relação entre mães e filhos. O filme da ação foi produzido a partir de imagens enviadas por mães e filhos convidados pela marca.



 

As marcas que acertaram em suas ações para esta data têm em comum o fato de terem sido sensíveis ao preservar a essência do que significam os vínculos mães-filhos; respeitaram o seu posicionamento ou seja mantiveram seus valores; e a maioria delas trouxe um sentido de solidariedade e empatia, seja entendendo o que as pessoas estão vivendo no isolamento, seja abraçando outras mães que estão em situação de maior vulnerabilidade.

“É preciso situar essa comemoração atual dentro dos limites que o isolamento permite” —- Cecília Russo.

O Sua Marca vai Ser Um Sucesso é apresentado por Mílton Jung, com comentários de Jaime Troiano e Cecília Russo, aos sábados, às 7h55 da manhã, no Jornal da CBN.

Sua Marca: consumidor vai redimensionar necessidade de consumo no cenário pós-pandemia

 

 

 

“Se você quer que sua marca seja um sucesso, não perca oportunidades como essa que estamos vivendo para entender como as pessoas se relacionam com elas. Pode ser doloroso às vezes. Mas ‘tropicão’ também leva pra frente, como se diz lá em Minas” — Jaime Troiano

Um curso intensivo e compulsório sobre comércio eletrônico é o que marcas e consumidores estão vivenciando neste momento de isolamento social e restrições para o funcionamento dos mais variados tipos de lojas, devido a pandemia do coronavírus. A definição é de Jaime Troiano e Cecília Russo, comentarista do quadro Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, do Jornal da CBN.

 

Este momento tem colocado à prova muitas daquelas pessoas que eram resistentes ao mundo virtual — o que os comentaristas chamam de grupo de risco da internet. Se para consumidores é o aprendizado da compra; para as empresas, muitas descobriram o quanto a própria logística estava preparada  para essa pressão de demanda digital.

 

Outro impacto no comportamento do consumidor, identificado por Cecília Russo, é quanto a racionalização no acesso ao consumo, com a busca apenas de produtos considerados essenciais, em um fenômeno que já havia sido observado nos períodos de guerra. Soma-se agora os efeitos da compra digital que não costuma ter a mesma tentação da compra feita nas lojas, pois o consumidor tende a estar mais focado no que realmente precisa:

“Estes momentos têm mostrado que a gente pode, de fato, viver com menos. Menos produtos, menos marcas, menos contatos pessoais, menos movimentação social”

A despeito das lições que estão sendo aprendidas agora, Jaime e Cecília arriscam dizer que no cenário pós-pandemia essa necessidade de consumo começará a ser redimensionada em um ambiente social e econômico mais normal.

“Como já dissemos em programas anteriores, as marcas que amamos mas não temos tido acesso, por diversas razães, vão continuar a ser desajadas”, acredita Jaime.

O Sua Marca Vai Ser Um Sucesso vai ao ar aos sábados, às 7h55 da manhã, no Jornal da CBN, com apresentação de Mílton Jung.

Sua Marca: experiências que valorizam a proximidade com o cliente

 

“Uma loja pode ser apenas um ponto de vendas, mas pode ser um ponto de observação, análise; é um grande laboratório” — Jaime Troiano

Uma das mais renomadas consultorias do mundo, a McKinsey, decidiu abrir uma loja em um shopping de Minnesota, nos Estados Unidos, em uma ação que chamou atenção do público e de gestores na área de branding. Falamos desse tema no Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, com Jaime Troiano e Cecília Russo, em programa que foi ao ar no dia 14 de março, na CBN.

 

A principal intenção da McKinsey foi usar o ambiente físico de uma loja para observar o comportamento do consumidor no ponto de vendas. De acordo com Jaime e Cecília, desta maneira a empresa de consultoria conseguiu uma proximidade maior com a vida real dos clientes e um entendimento melhor do que fazem e como agem os consumidores no momento de comprar ou experimentar um produto.

 

A experiência da McKinsey é identificada como um modelo de extensão de marcas:

“Vai além da extensão de marca; se pensar que é um grande laboratório, faz todo o sentido: vendo produto e em troca ganho conhecimento”, comentou Jaime.

Uma outra forma de se estender uma marca para públicos e setores diferentes do original é a abertura de lojas no estilo pop-up, criadas para funcionar por tempo limitado, não muito longo, o suficiente para atiçar a curiosidade do consumidor — também úteis para testar novos mercados.

 

A Cheetos, da Pepsico, fez esse investimento ao criar uma loja, na avenida Paulista, na qual convidava o público a interagir em salas temáticas e conhecer o mascote Chester Cheetah e sua família — gerou uma experiência que apenas o consumo do seu produto não conseguiria proporcionar.

As pop-ups têm dois papeis: “mostrar a marca de uma outra forma, em geral mais interativa e criar um “buzz”, uma novidade em torno dela”, explica Cecília.

O que as experiências de extensão de marcas, destacadas pelos dois comentaristas, mostram é o valor da proximidade com o seu público.

 

O Sua Marca Vai Ser Um Sucesso vai ao ar aos sábados, 7h55 da manhã, no Jornal da CBN.

Sua Marca: a sua relação com as marcas mudará depois da pandemia?

 

“Estamos vendo parte substancial da população brasileira reagindo em termos de consumo de uma forma distinta, quase como se estivéssemos aprendendo (a consumir)” —- Cecília Russo

Forçados pelo confinamento e o risco de contrair o novo coronavírus, os consumidores mudaram sua dinâmica, relacionando-se com as marcas no comércio on-line, encomendando pelo WhatsApp ou, em alguns casos, terceirizando essa compra, através de parentes, amigos ou vizinhos mais jovens que vão ao mercado em lugar dos mais velhos e daqueles que estão no grupo de risco da Covid-19. Por outro lado, empresas —- independentemente do tamanho —- tiveram de rever a forma de vender e se relacionar com o consumidor.

 

No Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, Jaime Troiano e Cecília Russo conversaram com Mílton Jung sobre a possibilidade desse momento proporcionar uma mudança no hábito de consumo das pessoas. Para Jaime, há duas perguntas a serem respondidas diante dessa transformação:

“Será que este é um cenário pedagógico em que vamos aprender a consumir marcas com maior racionalidade, ser mais rígido com preços, etc? Ou será, que esta é uma fase em que estamos recalcando vários desejos de consumo; e eles ficarão apenas hibernando?”

Pelas experiências anteriores, no Brasil e outros países, Jaime acredita que o mais provável é que o desejo — seja de consumo, seja de relacionamento — não vai morrer, ao contrário, voltará talvez em força ainda maior, podendo ajudar a economia a se recuperar mais rapidamente do que se imagina.

 

De acordo com Cecília, já é possível identificar esse comportamento, a medida que tanto pessoas quanto empresas fazem planos para quando a pandemia terminar:

“Não seremos um novo consumidor depois da pandemia; acho que a gente sai com mais atenção a cada novo momento que nós vamos viver. E as marcas que amamos fazem parte disso”.

Como ninguém tem certeza do que acontecerá, a sugestão é que as marcas não se precipitem, vivam semana a semana, analisando comportamentos e se adaptando ao momento presente. Lembre-se, também, do que já foi dito na edição anterior do Sua Marca Vai Ser Um Sucesso: as marcas que mostrarem uma empatia com esse momento vão se sair melhor.

Sua Marca: mantenha uma linguagem empática e seja fiel a seus princípios

 

 

“Ninguém está imune aos efeitos da epidemia; de um jeito ou de outro, todos nós — e as marcas, também — precisamos refletir sobre este momento e o nosso papel neste cenário” Jaime Troiano

A pandemia do Sars-Cov-2 exige muita sensibilidade na comunicação das marcas, pois os erros vão falar muito mais alto do que os acertos. No quadro Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, conversei com Jaime Troiano e Cecilia Russo sobre os desafios dos gestores de marcas diante da crise provocada pelo novo coronavírus.

 

Para os comentaristas, as marcas não devem mudar sua personalidade nem dar qualquer passo além daqueles que já têm praticado ao longo de sua história. Ao mesmo tempo, devem compreender que não dá para fazer de conta que nada está acontecendo e precisam desenvolver uma visão empática, como explica Cecília Russo:

“Há marcas que têm demonstrado um interesse genuíno de estender a mão e transferir apoios e recursos para a sociedade, compreendendo que é preciso doar tempo e estrutura, com mudança na linha de produção e oferta de materiais que ajudam a combater a pandemia como máscaras, álcool em gel e respiradores”

Alguns riscos que as marcas correm é o de ficarem tentadas a adotarem atitudes oportunistas, assim como de negarem todas os valores que mostraram até agora. Sejam fieis a seus princípios, diz Jaime Troiano:

“Sem citar nomes, há algumas marcas em que os dirigentes saíram da linguagem habitual de cuidado e atenção com os consumidores e usaram um discurso que nega essa sua forma de se relacionar com o mercado”.

O Sua Marca Vai Ser Um Sucesso vai ao ar aos sábados, às 7h55 da manhã, no Jornal da CBN.

Sua Marca: o branding tem ferramentas para preservar a saúde das marcas

 

“O branding dá esse sentido de eternidade às marcas, mesmo sabendo que um dia ela terá de sair do mercado para dar espaço a outras ” — Cecília Russo

Assim como os seres humanos, as marcas nascem, têm seu período de desenvolvimento — quando compreendem o mercado que atuam, onde estão seus clientes e competidores —, passam por uma fase de evolução, até alcançarem a maturidade. Como trabalhar diante dessa realidade a gestão de marcas, foi o assunto que conversei com Jaime Troiano e Cecília Russo, no quadro Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, na CBN.

 

O branding é hoje um conjunto de processos e de instrumentos que permite estender muito o ciclo vital das marcas e fazer com que ela continue atendendo seus clientes e consumidores por muito tempo. No entanto, Jaime e Cecília lembram que a maioria fica pelo caminho —- pesquisas mostram que nove em cada 10 marcas não chegam a envelhecer.

 

O essencial é fazer uma profilaxia frequente, ou seja, realizar trabalhos de manutenção e prevenção da marca, para renovar essa vitalidade. E evitar dois grandes comodismos, como destacou Jaime Troiano:

“Imaginar que se está indo bem, ‘deixa como está, nada vai dar errado’; ou cair na tentação de querer mudar tudo para renovar — isso é perigoso porque despersonaliza a sua marca”.

O Sua Marca Vai Ser Um Sucesso vai ao ar aos sábados, 7h55 da manhã, no Jornal da CBN.

Sua Marca: saiba qual o índice de satisfação do seu consumidor

 

“Não deixe de saber o quanto o mercado gosta e prefere a sua marca” — Jaime Troiano

Consultorias e institutos de pesquisa usam diversas formas para medir a satisfação de seus consumidores. Um dos indicadores é o NPS — Net Promoter Score, criado por Frederick Reichheld, e publicado pela primeira vez em uma revista da Universidade de Harvard, em 2003. Desde lá, transformou-se em um sucesso e tem sido aplicado tanto para captar a opinião sobre serviços e produtos, como organizações e pessoas.

 

Para Jaime Troiano e Cecília Russo, comentaristas de Sua Marca Vai Ser Um Sucesso, na CBN, o segredo do NPR é a forma simples e acessível como a medição é feita. Para identificar o grau de satisfação e lealdade dos consumidores, o pesquisador pergunta “de 0 a 10, o quanto você indicaria a empresa, o serviço ou o produto a um amigo ou alguém que você goste?”.

 

Reichheld classificou os clientes em três grupos, conforme a nota dada:

Promotores — de 9 a 10
Neutros — de 7 a 8
Detratores — de 0 a 6

O NPS é a diferença entre o percentual de promotores e os de detratores. Por exemplo, se houver 70% de promotores e 15% de detratores, o NPS é 55. O percentual de neutros não é levado em consideração.

 

Aqui no Brasil, a opinionbox.com publicou no último trimestre do ano passado um cálculo de NPS para o mercado de fast food, após realizar 2 mil entrevistas sobre 13 marcas do setor.

 

As três empresas que se destacaram com melhor NPS foram:

McDonald’s P = 60 D = 22 NPS = 38
Burger King P = 63 D = 29 NPS = 34
Subway P = 59 D = 31 M{S = 28

Leia também o artigo “Os consumidores são os novos vendedores”, de Carlos Magno Gibrail a propósito do uso do NPR

 

O Sua Marca Vai Ser Um Sucesso vai ao ar aos sábados, às 7h55 da manhã