Liguem suas câmeras, desliguem seus microfones, vamos dar início à solenidade e sejam bem-vindos ao novo mundo

Por Christian Müller Jung

Evento virtual do Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Pelo celular, cerimônia oficial é transmitida pela internet, respeitando protocolos de saúde (foto: Christian M. Jung)


Em Atenção ao protocolo, desta vez é o Respiratório”, artigo que escrevi em 11 de março de 2020 — data em que a pandemia foi decretada pela Organização Mundial da Saúde —- já abordava as regras que impactariam nosso cotidiano e viriam a se transformar em uma obrigação para quem vive em sociedade. As autoridades de saúde alertavam para a  maneira correta com que deveríamos agir para reduzir o impacto do que chamávamos de novo coronavírus — que agora, mais íntimo, a ponto de entrar em nossas casas e contaminar nossa família, atende pelo nome de Covid-19.


Passados um ano desde a primeira morte registrada na China e dez meses desde aquele artigo, os protocolos não mudaram, foram reafirmados: limpeza frequente das mãos, uso  constante de máscaras, distanciamento social —- aglomeração é crime, festas devem ser evitadas e preservar a vida é obrigação, protegendo especialmente os idosos e com saúde fragilizada.


Ainda que estejamos assistindo ao aumento na velocidade com que o vírus se dissemina e o registro de mortes se assemelhe ao pico alcançado em agosto do ano passado, a notícia de que vacinas estão prestes a serem aprovadas no Brasil é muito bem-vinda —- isso não muda a necessidade de mantermos os protocolos. Fora brigas políticas e birras infantis que colocam em xeque a capacidade da sociedade científica, ainda teremos de assistir à discussão que nos inclui e não nos cabe. Aliás só nos atinge. 


Questionar quem trabalha com a ciência é como discordar do diagnóstico do seu médico. É decidir que comer tomate à exaustão vai aplacar o impacto do seu câncer de próstata, em lugar de se submeter à quimioterapia. É tomar decisões que atendam as suas crenças, a despeito do que dizem pesquisadores e doutores que dedicaram a vida e a carreira aos estudos com a intenção de prolongar o seu tempo de existência no planeta Terra —- que não é plano, registre-se.


Tem muita gente tocando tambor pra louco —- como dizem aqui nos meus costados — e proferindo teorias negacionistas que em nada ajudam a reduzir a sobrecarga que tem esgotado os profissionais de saúde. E dê-lhe praia e dê-lhe festas, como se nada do que assistimos no mundo fosse verdade.


Ainda bem que em meio a esta pandemia, quando imaginamos que a humanidade vai se afundar e se esforça para sextavar uma roda que girava livre e solta, temos bons exemplos: seres humanos que estão mais preocupados em realmente achar uma solução, sem temer que a vacina vai transformá-los em jacaré.


Dito isso, voltemos aos protocolos e aos eventos que fazem parte do mercado ao qual estamos inseridos, nós mestres de cerimônia e produtores. E vamos pensar no que podemos aprender em meio a essa onda negativa que fez com que muitos profissionais tivessem de encerrar suas atividades, fechar as portas e, com muita tristeza, até suas próprias vidas —- sim,  infelizmente tivemos pessoas que chegaram a esse ponto. \


Em meio ao caos estabelecido, nos vimos obrigados a destravar sistemas tecnológicos que, convenhamos, já estavam à nossa disposição, mas que  ainda não tinham sido incorporados ao nosso cotidiano. Aprendemos a desvendar os protocolos da área de forma empírica — testando, errando e acertando —- porque a comunicação é necessária e a disseminação da informação imprescindível.


Em uma função na qual o respeito ao protocolo do cerimonial é primordial, logo absorvemos os protocolos de higiene ou respiratórios, como caracterizei em artigo anterior. Em seguida, os profissionais do setor tiveram de desvendar os protocolos de rede —- dessa teia que nos interliga.

Como ensina o Wikipedia:

“…. o protocolo (em ciência da computação) é uma convenção que controla e possibilita uma conexão, comunicação, transferência de dados entre dois sistemas computacionais. De maneira simples, um protocolo pode ser definido como “as regras que governam” a sintaxe, semântica e sincronização da comunicação”

Nesse ponto que queria chegar.

Empurrados pelo caos, descobrimos em lives, videoconferências, cerimônias online tanto quanto em plataformas como o Zoom, Google Meet e Skype que, mesmo impedidos da mantermos a presença física, teríamos como acessar as pessoas de forma virtual. Entendemos o que é ter qualidade na conexão de internet, em casa ou no trabalho; que, independentemente da infraestrutura oferecida, o “delay” (prefiro chamar mesmo de atraso) faz parte do diálogo; que ao nos conectarmos de casa ou de nossos escritórios com o mundo devemos nos esforçar para criar um ambiente harmônico; que nosso olhar tem de mirar a lente da webcam e não a tela do computador; que nosso equipamento —- computador, notebook, celular ou câmera —- deve estar na mesma altura do nosso rosto, evitando que pescoço, nariz ou testa fale mais alto do que nosso conteúdo.


São detalhes e informações que já estavam à disposição, muitos até conheciam, mas que por falta de necessidade e diante de tantas outras preocupações pertinentes à época, preferimos deixar para depois  aprender —- “quando precisar, meu filho me explica”, pensamos .


Fomos empurrados em direção a um penhasco não para nos espatifarmos pela falta de oportunidade, mas pela necessidade de continuarmos, de seguirmos trilhando esse universo das solenidades, dos eventos, do aprendizado com o outro e da necessidade que temos de nos enxergarmos como cidadãos do mundo.

Enquanto ainda enfrentamos esse período triste que não nos permite o contato físico e o olhar instigante dos que participam de cerimônias, congressos e convenções, agregamos essas tecnologias que a partir de agora estarão presentes em praticamente todos os eventos, aproximando ainda mais as pessoas, mesmo que elas permaneçam em seus locais de origem, distantes umas das outras.

Apesar da expectativa —- e desejo —- de que voltaremos a nos encontrar e nos reunirmos em um mesmo espaço, essa infraestrutura que foi agregada às atividades permanecerá, facilitando o comparecimento daqueles que têm dificuldades para se deslocar, seja pelo acúmulo de compromissos na agenda seja pela carência de recursos financeiros.


Sendo assim, o que antes se iniciava com um “senhoras e senhores, bom dia …” agora se transformou em “senhoras e senhores, liguem suas câmeras, desliguem seus microfones, vamos dar início à solenidade e sejam bem-vindos ao novo mundo”. 

Christian Müller Jung é publicitário, cerimonialista, Mestre de Cerimônia do Palácio do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, colaborador do Blog do Mílton Jung, gremista e meu irmão.

Como ficam nossos neurônios-espelho e a empatia se interagimos apenas com telas de celular

Por Simone Domingues

@simonedominguespsicolog

 

Cena do filme “O Enigma de Kaspar Hauser”

 

O filme “O Enigma de Kaspar Hauser” (1974), do diretor alemão Werner Herzog, narra a história de um adolescente encarcerado até a idade de 16 anos, quando teve seu primeiro contato verbal e social. Nos dois anos seguintes, com a ajuda de uma família e de um padre, ele consegue ampliar o seu vocabulário, mas nunca desenvolveu a competência linguística de maneira plena. Aprendeu algumas atividades como tricô e jardinagem, mas não adquiriu a compreensão de regras e convenções da época, especialmente sociais e religiosas, permanecendo com habilidades sociais muito prejudicadas.

De lendas a casos reais bem documentados, crianças que passaram por privação de contato social, chamadas de crianças selvagens, em geral apresentam dificuldades na aquisição de algumas habilidades ou aptidões cognitivas, como a linguagem, apesar de todos os esforços e incentivos realizados. Isso mostra o impacto da privação social para o desenvolvimento humano. 

Diversos estudos têm sido realizados sobre a capacidade humana de aprender pela observação.

Albert Bandura, psicólogo canadense, realizou experiências nas quais crianças assistiam a vídeos de adultos que agrediam um boneco do tipo “João Bobo” e em seguida eram levadas para uma sala de brinquedos, onde também tinha o tal boneco. Nessa condição, 90% das crianças apresentavam as mesmas atitudes dos adultos em relação ao boneco, indicando que comportamentos podem ser aprendidos a partir da observação da ação realizada por outras pessoas.

Para Bandura, a aprendizagem por observação, ou aprendizagem social, acontece pela observação das pessoas com as quais convivemos, como pais, irmãos e amigos. 

Saiba mais sobre saúde mental e comportamento: inscreva-se no canal 10porcentomais no Youtube.

Em meados da década de 90, na Universidade de Parma, Giacomo Rizzolatti e sua equipe descobriram em cérebros de macacos Rhesus os neurônios responsáveis pela aprendizagem por imitação. Os cientistas descobriram nesses macacos a ativação de determinados neurônios durante a execução de uma ação e também quando observavam o experimentador realizar a ação. Daí a origem do termo neurônio-espelho.

Posteriormente, estudos utilizando ferramentas de neuroimagem, como ressonância magnética funcional, demonstraram a ativação de regiões do córtex cerebral em humanos durante a execução e/ou observação de ações  realizadas com a mão, a boca ou os pés. Semelhante aos achados com animais, a observação da expressão facial de nojo em outra pessoa, irá ativar regiões específicas do cérebro que também serão ativadas quando a própria pessoa sentir nojo.

Os neurônios-espelho estão envolvidos na compreensão da base biológica de algumas habilidades mentais, sugerindo sua contribuição na origem da linguagem humana e no desenvolvimento de funções importantes como imitação, aprendizado e habilidades de relacionamento interpessoal, como a empatia.

Em tempos de isolamento social provocado pela pandemia e numa sociedade que permanece longos períodos diante das telas, a nossa capacidade de aprender pela imitação estaria comprometida? Isso poderia prejudicar as nossas habilidades sociais?

Artigo recentemente publicado no Globo (Neurônios-Gandhi’s, em 31-10-2020), destaca a preocupação da psicóloga Kimberly Quinn, professora do Champlain College, quanto à exposição de crianças e jovens à internet, como fator que poderia reduzir a aprendizagem por imitação. Além disso, a psicóloga manifesta sua preocupação quanto ao tempo excessivo de tela e a possibilidade disso nos transformar em robôs. 

Os avanços na tecnologia da comunicação têm reduzido as diferenças entre espaços de aprendizagem virtual e presencial. Entretanto, diversos estudos envolvendo aprendizagem e realidade virtual têm demonstrado que apesar das conquistas tecnológicas, existem prejuízos no processamento de informações comunicativas, tanto gestuais quanto linguísticas, com redução de aprendizado baseado nas telas em comparação com as interações ao vivo, especialmente em crianças pequenas.

Ainda permanecem muitas questões sem respostas relacionadas à aprendizagem social, comunicação e mecanismos envolvendo neurônios-espelho em situações cada vez mais virtuais; porém, o isolamento social provocado pela pandemia é completamente diferente da privação social vivenciada pelas crianças selvagens. 

Talvez o excesso de tecnologia nos aproxime de atitudes mais robotizadas. Não sabemos. Mas possivelmente se Kaspar Hauser tivesse um smartphone ao seu alcance, possivelmente teria desenvolvido mais habilidades humanas. 

Enquanto não temos respostas definitivas, o bom senso no uso das telas ainda deve prevalecer e as interações humanas, sempre que possíveis, são muito bem-vindas.

Saiba mais sobre saúde mental e comportamento: inscreva-se no canal 10porcentomais no Youtube.

Simone Domingues é Psicóloga especialista em Neuropsicologia, tem Pós-Doutorado em Neurociências pela Universidade de Lille/França, é uma das autoras do perfil @dezporcentomais no Instagram. Escreveu este artigo a convite do Blog do Mílton Jung

O pó de pirlimpimpim na palma da nossa mão

Por Simone Domingues

@simonedominguespsicolog

Foto: Pixabay

 

“Marmelada de Banana

Bananada de Goiaba

Goiabada de marmelo”

Gilberto Gil

Quando eu era criança, lá por volta dos meus 6, 7 anos, ao ouvir a música do Sítio do Picapau Amarelo na televisão, eu corria para o sofá porque era o momento de começar um dos meus programas favoritos. A adaptação da obra literária de Monteiro Lobato, passava de segunda à sexta-feira e despertava a imaginação de muitas crianças.

Emília era a minha personagem preferida. Engraçada, intrometida, falava pelos cotovelos… de certo modo acho que me identificava com a boneca de pano, pois ouvia dos meus irmãos que parecia que eu tinha engolido a pílula falante também… por que será? 

De todas as aventuras e travessuras que Emília e sua turma aprontavam no sítio, uma das minhas favoritas era o uso do pó de pirlimpimpim como forma de se teletransportar para outros lugares, como o Reino das Águas Claras.

Nas minhas brincadeiras, adorava me imaginar como os personagens do sítio: entrava no guarda-roupa dos meus pais e dizia que ao sair de lá estaria em outros lugares, para onde a imaginação me conduzisse. Fechava os olhos, falava pirlimpimpim (que era a palavra mágica), abria a porta e pronto! Ali estava eu no mundo do faz-de-conta, com minhas brincadeiras de criança. E isso era muito divertido!

Depois que me tornei adulta, em voos mais longos ou viagens mais cansativas, sempre brincava que adoraria ter o tal do pirlimpimpim para poder fechar os olhos e já abrir em outro lugar. Ao entrar num avião sempre me lembrava daquele pó mágico. Quando o comissário de bordo fechava a porta eu pensava: quando essa porta abrir novamente já estarei em outro lugar. Que coisa fascinante. Ao escrever isso me dei conta que era semelhante ao que pensava lá nas minhas brincadeiras dentro do guarda-roupa.

Com a pandemia nos vimos impossibilitados de ir e vir, seja em viagens curtas ou destinos mais distantes. Isso nos impôs restrições que nem a Emília imaginaria.

Inspirados ou não pela literatura, nós também acabamos descobrindo maneiras de driblar as privações desse período e com o uso da tecnologia conseguimos fazer reuniões à distância, assistir às aulas, fazer happy hour com amigos, até turismo virtual por cidades e museus a gente pode vivenciar.

Nessa semana, ao finalizar um dia de atendimentos online, me dei conta que em uma tarde eu tinha ido da Alemanha para a Irlanda, de Portugal para Vitória e depois, finalmente, São Paulo.

Tempos modernos… tempos difíceis, mas que com um pouco de humor e imaginação me fizeram lembrar das histórias do Sítio do Picapau Amarelo. Eu, que sempre desejei me teletransportar com o pó de pirlimpimpim, descobri que no momento a poção mágica está ao alcance das mãos, numa telinha e num clique, que me permitem ir de um lugar a outro em segundos, encontrar pessoas que conheço apenas virtualmente. 

Na impossibilidade de viajar, minha memória foi ativada e associou vivências atuais a contextos antigos, me levando lá para o início da década de 80. Se fosse com a Emília, ela iria ainda mais longe e diria: mMinhas memórias são diferentes de todas as outras. Eu conto o que houve e o que deveria acontecer”. Não provoque Emília! Porque em plena pandemia, a gente vai desejar essa sua habilidade também. 

Saiba mais sobre saúde mental e comportamento: inscreva-se no canal 10porcentomais no Youtube.

Simone Domingues é Psicóloga especialista em Neuropsicologia, tem Pós-Doutorado em Neurociências pela Universidade de Lille/França, é uma das autoras do perfil @dezporcentomais no Instagram. Escreveu este artigo a convite do Blog do Mílton Jung

Sempre fiz questão de mostrar que usava o celular

 

texting-1490691_960_720

 

A convite da jornalista Rosana Hermann escrevi texto que foi publicado, com a devida edição, no livro “Celular, doce lar” (Editora Sextante). O livro está a seu alcance a alguns cliques no próprio celular. O meu texto, reproduzo a seguir:

 

Sempre fiz questão de mostrar que usava o celular. Jamais o contrário. Uma relação que começou com um Gradiente operado pela BCP, em 1998. Por curioso que seja, na época já antecipava o que viria ocorrer tantos anos depois: o celular era meu único telefone. Não havia linha fixa no apartamento que tomei emprestado por alguns meses até a casa nova ficar pronta.

 

A evolução dos celulares foi veloz e na velocidade com que se desenvolvia, eu tentava acompanhá-los. E se eu corria atrás deles já era um sinal de que minha estratégia de relacionamento era marcada por conflitos de interesse. Eu querendo usá-los e eles tentando provar o contrário.

 

Apesar disso, a coisa ainda ia bem enquanto sua única serventia era conversar com outras pessoas. O problema começou mesmo quando outras possibilidades surgiram, especialmente a de se divertir com jogos eletrônicos. O olhar para a tela foi se intensificando e meu propósito de convivência com os celulares foi ficando distante. Cada vez mais distante.

 

Olhava uma vez, olhava duas, três, quatro, dez … com o carro em movimento era uma tentação; no congestionamento, a salvação. Não saia de casa sem ele e dentro de casa o levava no bolso de uma sala para outra.

 

A perdição foi quando descobri o Candy Crush. Apaixonei-me pelos docinhos e brigadeiros que explodiam conforme a combinação de cores. E a cada etapa encerrada um nova tentação surgia. Gula!

 

O susto foi descobrir que seria possível passar as fases mais rapidamente, bastava comprar alguns ítens. Registre seu cartão de crédito e a próxima meta estará logo ali! Simples assim!

 

Foi quando, então, duas forças internas se encontraram: o desejo de jogar e vencer sempre e o terror de gastar dinheiro à toa. Aquele foi um momento decisivo. Um divisor de águas na minha relação com o celular. Ou eu ou ele? Quem manda em quem? Vai encarar!?

 

Não pense que meu desejo de jogar arrefeceu. Joguei Candy Crush em lugares e momentos inusitados. Durante palestra, a espera do sinal abrir, apresentando o programa de rádio, no banheiro – aí também é um clássico, né -, na academia, na sala de aula, na reunião de trabalho … incrível, até assistindo aos jogos do Grêmio me deparei dedilhando os doces e tentando superar as etapas mais difíceis.

 

Joguei e jogo muito Candy Crush até hoje – parei de fazê-lo em algumas situações de perigo, é verdade. Mas posso dizer orgulhosamente que jamais, em momento algum, gastei um só tostão neste joguinho e já passei da fase 1960.

 

Eu venci! Ou melhor quem venceu foi minha “pão-durice”. Insuperável! Se me nego a jogar moedinha na Fontana di Trevi, imagine despejar dinheiro em um joguinho eletrônico.

Cidades tentam reduzir acidentes com pedestres que usam celular

 

 

 

1024x1024

Photo: Matthew Brown / Hearst Connecticut Media

 

 

Que celular ao volante não é legal, você já sabe! Não é legal, sai caro e pode causar graves acidentes. Ainda sem conseguir tirar o equipamento das mãos dos motoristas — apesar da fiscalização e das multas —, algumas cidades começam uma nova cruzada: impedir que os pedestres atravessem a rua de olho no aparelhinho.

 

 

Parece impossível, não é mesmo !?!

 

 

Hoje cedo, na CBN, o doutor Luis Fernando Correia nos contou que uma lei que proíbe o uso do celular quando a pessoa estiver cruzando a rua foi encaminhada ao parlamento do estado de Nova Iorque. Se ao atravessar, o pedestre for flagrado enviando mensagem, checando e-mail ou bisbilhotando a rede social dos amigos vai ter de pagar multa de até U$ 50 — mais ou menos R$ 200.

 

 

Mais do que faturar, o que a proposta pretende é alertar às pessoas para o grande risco que corremos no dia-a-dia das cidades. Ficar de olho grudado no celular quando estamos caminhando na calçada já é um problema porque pode nos levar a bater em outras pessoas ou tropeçar nos buracos que têm no caminho. Imagine, atravessar a rua.

 

 

1024x1024-1

Photo: Matthew Brown / Hearst Connecticut Media

 

 

Estudo de 2015 diz que pedestres que caminham olhando para o celular perdem a noção de distância, identificam os sinais de alerta com atraso e agem como se estivessem bêbados na calçada. Um perigo!

 

 

Pesquisa feita pela Universidade de Ohio mostrou crescimento de mais de 300% no número de pedestres mortos, entre 2004 e 2010, enquanto andavam e usavam o celular.

 

 

A National Safety Council, dedicada a prevenção e atendimento de acidentes, diz que tivemos 11 mil pessoas que sofreram ao menos alguma lesão porque estavam distraídas enquanto caminhavam, entre os anos de 2000 e 2011. A organização também identificou mudança no perfil da maioria das vítimas de atropelamento: se antes eram crianças de até nove anos —- lembra da clássica imagem do menino correndo atrás da bola no meio da rua? —- agora são jovens de 15 a 19 anos, nos Estados Unidos.

 

 

Quando a cidade de Stamford, em Connecticut, fez essa mesma discussão em 2017, muitos defendiam a ideia de que seriam muito mais apropriadas campanhas educativas para evitar o uso do celular enquanto se caminha pela cidade. Foram voto vencido.

 

 

Honolulu, no Havaí, e Montclair, na Califórnia, também restringiram o uso do equipamento —- mas nenhuma das duas cidades ainda publicou algum estudo para se verificar a utilidade da medida.

 

 

china-cellphone-lane_fran-1

Cidade chinesa cria faixa exclusiva para “sem-celular”

 

 

Em Chongqing, na China, pintou-se no piso da calçada faixa exclusiva para quem caminha sem olhar para o celular, com a intenção de chamar atenção do público para a necessidade de se ter algum tipo de controle deste vício que está espalhado no planeta.

 

 

Aqui no Brasil, desconheço qualquer iniciativa neste sentido. Por enquanto, parece que a única coisa que impõe medo aos pedestres é que roubem o celular nas suas caminhadas. Sem contar que  nosso grande desafio ainda é tirar o celular das mãos dos motoristas, hábito muito mais mortal do que andar com o aparelho nas calçadas.

Mundo Corporativo: “melhor experiência, melhor venda”, diz Léo Xavier, da PontoMobi

 

 

 

 

 

“Investir em mobile é um bom negócio. Entregar experiência melhor para o consumidor é um bom negócio. Seja na sua loja física, seja no seu site de computador, seja na sua presença móvel. Pode ser um site ou pode ser um aplicativo, mas a relação é direta: melhor experiência, melhor venda”.

 
 

 

A conclusão é de Léo Xavier, CEO da PontoMobi, entrevistado pelo jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da rádio CBN.

  

 

Xavier apresentou o resultado de pesquisa que identificou o grau de mobilidade das 235 marcas mais valiosas, no Brasil. Foram avaliadas as soluções usadas em aplicativos, sites móveis, mensageria e plataforma social.

  

 

Mobile1

  

 

Deste total, apenas 10 (ou seja 4%) se encontram na categoria “Mobile Expert”, considerada a mais avançada segundo critérios aplicados no estudo. A maior parte das marcas, 112 (ou 48%), são identificadas como “Mobile Basic”, categoria que reúne aquelas que estão em estágio de experimentação.

 

 

Para ter acesso aos resultados completos da pesquisa, clique no link a seguir:

 

 

MOBILITY_INDEX_MINDEX_2017_VF

 

 

O Mundo Corporativo é apresentado, ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas da manhã, no site e na página da rádio CBN no Facebook. O programa é reproduzido aos sábados, no Jornal da CBN, ou aos domingos, às 11 da noite, em horário alternativo.

Jornal diz que número de motoristas que usam o celular ao volante aumenta 20% no DF

 

20170928103942117537o

 

O número de autuações por uso de celular ao volante no Distrito Federal aumentou 20% no primeiro semestre de 2017, em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com informações do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran), cerca de 186 condutores são flagrados diariamente cometendo a infração.

 

Ao todo, neste ano, mais de 45 mil pessoas foram flagradas no celular enquanto dirigiam. No mesmo período de 2016, ocorreram cerca de 37 mil infrações desta natureza. Os dados foram contabilizados por conta das ações de fiscalização feitas pelo órgão.

 


Leia a reportagem completa no jornal Correio Brasiliense, edição dessa quinta-feira, dia 28 de setembro.

Celular ao volante não é legal: vídeo usa cenas de pedestres para alertar motoristas

 

 

Cenas de pedestres usando o celular enquanto caminham são usadas para alertar os motoristas sobre os riscos de usar o telefone ao volante. O vídeo, produzido pelo governo da África do Sul, termina com imagens fortes de acidente de carro provocado por uma motorista que acessava o celular.

 

Recebi este material de um ouvinte do Jornal da CBN, motivado pela campanha “Celular ao volante não é legal”, que lançamos na semana passada no programa, durante a Semana Nacional de Trânsito.

Celular ao volante não é legal: apoio do ministro e tecnologia que identifica motoristas com sono

 

people-2572172_960_720

 

A campanha “Celular ao volante não é legal!” ganhou o apoio informal do ministro da Defesa Raul Jungmann. Ele foi entrevistado sobre o uso das Forças Armadas no combate à violência no Rio de Janeiro, nesta segunda-feira, no Jornal da CBN. Perguntei sobre o fato de um dos principais traficantes do país estar em prisão de segurança máxima mas, mesmo assim, ser capaz de comandar as ações de seu bando, na Rocinha. Jungmann defendeu medida que impeça o uso de celular dentro das prisões. Ao tratar do assunto, abriu um parênteses e comentou que apoiava a ideia que acabara de ouvir na CBN quando, em bate-papo com Cássia Godoy, eu chamava atenção para a necessidade de abandonarmos o celular enquanto estivermos dirigindo. Foi informal, foi voluntário, mas é sempre importante saber que o recado que transmitimos na rádio chega aos ouvidos de autoridades. Que alcance os motoristas, também.

 

Desde a semana passada temos recebido várias colaborações sobre medidas adotadas para mudar o hábito de motoristas e amenizar o impacto dessa distração. O Guilherme Muniz, da revista AutoEsporte, falou da função Driving Mode, que passa a fazer parte do iPhone com o novo sistema operacional iOs11. Quando a função está acionada, o celular não recebe notificações na tela, diminuindo os estímulos de distração do motorista. Têm ainda as tecnologias que clonam no painel digital do carro aplicativos dos celular, reduzindo a necessidade de o motorista tirar os olhos da pista.

 

 

Soube ainda que a Ford também tem apostado na tecnologia para manter os motoristas mais atentos, especialmente aqueles que dirigem com sono. O cansaço é causa de um em cada cinco acidentes de trânsito. Os modelos Fusion e Edge têm câmeras que avaliam o nível de atenção e fadiga do motorista. Se o carro começou a balançar de mais dentro da faixa de rolamento, sinal de alerta. Não por acaso, além de um alarme, aparece no painel o símbolo de uma xícara de café. Trocou de faixa com freqüência sem dar a seta, o volante treme e se não houver reação do motorista, o equipamento mesmo trata de corrigir a direção.

 

 

Mais uma colher de chá – ou de café – para os motoristas cansados. Nos modelos Fusion e Focus, pelo comando de voz do sistema de conectividade SYNC 3, basta o motorista pedir: “quero um café”. O carro automaticamente identifica cafeterias próximas e guia o motorista até o local. Se disser “quero parar”, também receberá o caminho mais curto onde possa descansar.

 

 

Caso você conheça outras experiências que ajudem os motoristas a reduzirem o nível de distração, conte para a gente. Vai ser bem legal!