O pó de pirlimpimpim na palma da nossa mão

Por Simone Domingues

@simonedominguespsicolog

Foto: Pixabay

 

“Marmelada de Banana

Bananada de Goiaba

Goiabada de marmelo”

Gilberto Gil

Quando eu era criança, lá por volta dos meus 6, 7 anos, ao ouvir a música do Sítio do Picapau Amarelo na televisão, eu corria para o sofá porque era o momento de começar um dos meus programas favoritos. A adaptação da obra literária de Monteiro Lobato, passava de segunda à sexta-feira e despertava a imaginação de muitas crianças.

Emília era a minha personagem preferida. Engraçada, intrometida, falava pelos cotovelos… de certo modo acho que me identificava com a boneca de pano, pois ouvia dos meus irmãos que parecia que eu tinha engolido a pílula falante também… por que será? 

De todas as aventuras e travessuras que Emília e sua turma aprontavam no sítio, uma das minhas favoritas era o uso do pó de pirlimpimpim como forma de se teletransportar para outros lugares, como o Reino das Águas Claras.

Nas minhas brincadeiras, adorava me imaginar como os personagens do sítio: entrava no guarda-roupa dos meus pais e dizia que ao sair de lá estaria em outros lugares, para onde a imaginação me conduzisse. Fechava os olhos, falava pirlimpimpim (que era a palavra mágica), abria a porta e pronto! Ali estava eu no mundo do faz-de-conta, com minhas brincadeiras de criança. E isso era muito divertido!

Depois que me tornei adulta, em voos mais longos ou viagens mais cansativas, sempre brincava que adoraria ter o tal do pirlimpimpim para poder fechar os olhos e já abrir em outro lugar. Ao entrar num avião sempre me lembrava daquele pó mágico. Quando o comissário de bordo fechava a porta eu pensava: quando essa porta abrir novamente já estarei em outro lugar. Que coisa fascinante. Ao escrever isso me dei conta que era semelhante ao que pensava lá nas minhas brincadeiras dentro do guarda-roupa.

Com a pandemia nos vimos impossibilitados de ir e vir, seja em viagens curtas ou destinos mais distantes. Isso nos impôs restrições que nem a Emília imaginaria.

Inspirados ou não pela literatura, nós também acabamos descobrindo maneiras de driblar as privações desse período e com o uso da tecnologia conseguimos fazer reuniões à distância, assistir às aulas, fazer happy hour com amigos, até turismo virtual por cidades e museus a gente pode vivenciar.

Nessa semana, ao finalizar um dia de atendimentos online, me dei conta que em uma tarde eu tinha ido da Alemanha para a Irlanda, de Portugal para Vitória e depois, finalmente, São Paulo.

Tempos modernos… tempos difíceis, mas que com um pouco de humor e imaginação me fizeram lembrar das histórias do Sítio do Picapau Amarelo. Eu, que sempre desejei me teletransportar com o pó de pirlimpimpim, descobri que no momento a poção mágica está ao alcance das mãos, numa telinha e num clique, que me permitem ir de um lugar a outro em segundos, encontrar pessoas que conheço apenas virtualmente. 

Na impossibilidade de viajar, minha memória foi ativada e associou vivências atuais a contextos antigos, me levando lá para o início da década de 80. Se fosse com a Emília, ela iria ainda mais longe e diria: mMinhas memórias são diferentes de todas as outras. Eu conto o que houve e o que deveria acontecer”. Não provoque Emília! Porque em plena pandemia, a gente vai desejar essa sua habilidade também. 

Saiba mais sobre saúde mental e comportamento: inscreva-se no canal 10porcentomais no Youtube.

Simone Domingues é Psicóloga especialista em Neuropsicologia, tem Pós-Doutorado em Neurociências pela Universidade de Lille/França, é uma das autoras do perfil @dezporcentomais no Instagram. Escreveu este artigo a convite do Blog do Mílton Jung

Um comentário sobre “O pó de pirlimpimpim na palma da nossa mão

  1. O Sítio era mesmo fascinante, Milton, tudo muito lúdico! E Emília uma inspiração para as crianças que viajavam na imaginação, era minha preferida também e até fiz uma boneca de pano como ela, que levei por muitos anos. Abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s