Ciro, do PTC, não pensa em dinheiro

 

Ciro Moura PTCDinheiro não é problema para o candidato ao Senado Ciro Tiziane Moura, do PTC, entrevistado desta quinta-feira, no CBN SP. Ele não está preocupado com o salário do cargo que pretende ocupar, nem quanto custa um senador para o país, o importante é que o trabalho seja bem feito – disse. Não sabe, também, quanto o Brasil gasta em saúde pública: “São Paulo eu sei, mas não lembro”. Apesar disso sua principal proposta é voltada para este setor.


Ouça a entrevista com o candidato do PTC, Ciro Moura, ao CBN SP

Trouxe para a campanha ao Senado, o mesmo discurso e proposta apresentados nas eleições anteriores, quando concorreu à prefeitura, a deputado e a Governador. Desde os tempos do Governo Collor, apoiado por ele, disputa eleição: “sou persistente” – apesar de nunca ter conseguido mais de 0,10% dos votos válidos, comentei.

Defende a criação de uma espécie de plano de saúde para o setor público que remuneraria melhor os médicos e abriria as portas dos hospitais particulares ao cidadão. Em alguns momentos, parecia apenas repetir o texto que usou nas disputas em que buscava vaga nos executivos municipal e estadual, esquecendo que, agora, pretende ser legislador.

Esqueceu, também, de se cadastrar no site do Ficha Limpa e disse não ter problema em divulgar as contas da campanha – o dinheiro até agora veio do próprio bolso e tudo será registrado, afirmou. É o terceiro candidato ao Senado que se comprometeu, durante o programa, a entrar no Ficha Limpa, nenhum cumpriu, ainda.

É contra o aborto e a pena de morte, mas quer prisão perpétua. Defendeu a redução no número de deputados federais e a permissão de apenas uma reeleição no parlamento – assim haveria mais renovação.

A propósito do funcionamento do Senado, perguntei como se sentia sendo colega de partido de Agaciel Maia, ex-diretor geral da Casa, afastado por envolvimento em irregularidades, e candidato a deputado distrital. Disse que era contra a filiação dele, mas foi voto vencido: “O que eu posso fazer, eu tentei evitar. Posso não conseguir, mas eu tento”.

Desde 1990 vem tentando, até agora não conseguiu.

Ciro Moura, PTC, na entrevista com candidatos ao Senado

 

CBN SPUm candidato insistente é como pode ser definido Ciro Moura, do PTC, que parte para mais uma eleição, apesar de em todas as anteriores não ter feito muitos mais do que 3 mil votos. Desta vez, tenta uma das duas vagas para o Senado por São Paulo e estará no CBN SP de hoje para falar sobre suas propostas e ideias na política.

Ao menos é o que se espera.

Desde que a série se iniciou dois candidatos não compareceram apesar de terem seus nomes confirmados pelas assessorias de comunicação e um chegou atrasado. Tuma (PTB) e Quércia (PMDB) alegaram problemas de saúde, enquanto Moacyr Franco chegou quando faltava um minuto para se encerrar o período reservado para as entrevistas.

Você pode participar da entrevista enviando sua pergunta para milton@cbn.com.br, pelo Twitter (@miltonjung) usando a hastag #cbnsp ou publicando aqui no blog. A entrevista começa às 10h45 e vai até às 11h.

09/08, segunda-feira, Ana Luiza Figueiredo Gomes (PSTU)
10/08, terça-feira, Afonso Teixeira Filho (PCO)
11/08, quarta-feira, Dirceu Travesso (PSTU)
12/08, quinta-feira, Netinho de Paula (PCdoB)
13/08, sexta-feira, Romeu Tuma (PTB) (não compareceu)
16/08, segunda-feira, Moacyr Franco (PSL) (chegou atrasado)
17/08, terça-feira, Alexandre Serpa (PSB)
18/08, quarta-feira, Orestes Quércia (PMDB) (não compareceu)
19/08, quinta-feira, Ciro Moura (PTC)
20/08, sexta-feira, Antonio Carlos Mazzeo (PCB)
23/08, segunda-feira, Antonio Salim Curiati Júnior (PP)
24/08, terça-feira, Ricardo Young (PV)
25/08, quarta-feira, Aloysio Nunes (PSDB)
26/08, quinta-feira, Marcelo Henrique (PSOL)
27/08, sexta-feira, Marta Suplicy (PT)

Recrutamento e seleção para presidente do Brasil

 

Por Carlos Magno Gibrail

Está chegando a hora de escolhermos o próximo presidente. É um grande momento, pois temos a chance de votarmos em alguém que venha corresponder aos nossos desejos para o país.

Numa empresa privada a área de Recursos Humanos acionaria um processo de recrutamento, levantando os potenciais candidatos. Neste ponto, é importante neutralizar ao máximo juízo de valor e preconceitos para que o recrutamento seja o mais amplo possível. Na política é mais difícil e, portanto, torna-se muito necessário este cuidado.

No caso Brasil temos os seguintes nomes:

Ciro_Gomes

Ciro Gomes: Paulista, advogado. Mudou-se para Sobral, no Ceará aos 5 anos. Ingressou no PDS em 79. Foi deputado estadual, prefeito de Fortaleza, governador do Ceará. Em 84 foi para o PMDB em 89 para o PSDB. Foi Ministro da Fazenda do gov. Itamar Franco. Em 97 foi para o PPS. Ministro da Integração Nacional.

dilmapequena

Dilma Roussef: mineira, graduada e mestranda em economia. Ministra Chefe da Casa Civil. Estudou no Sion, integrou organizações de luta pós 64. Esteve presa de 70 a 72. Foi para o Rio Grande do Sul, participou da fundação do PDT. Lá foi Secretária Municipal da Fazenda de Porto Alegre, e Secretária Estadual de Minas e Energia. Filiou-se ao PT no período em que integrou o gov. Olívio Dutra. Está com Lula desde a campanha de 2002.

serrapequena

José Serra: Paulistano, economista, governador eleito pioneiramente em primeiro turno, deputado federal, Senador, Ministro do Planejamento, Ministro da Saúde, Prefeito de São Paulo. Foi presidente da UEE e da UNE quando cursava Engenharia na Poli. Pós comício na Central do Brasil em 64, refugiou-se na Embaixada da Bolívia, 3 meses depois foi para a França onde ficou até 65. Foi para o Chile onde ficou 8 anos. Refugiou-se na Embaixada da Itália. Depois foi para os EUA voltando ao Brasil em 78 antes da anistia.

marina-silva

Marina Silva: Acriana, pedagoga nasceu num seringal em casa de palafitas, queria ser freira, analfabeta até os 15 anos, historiadora, professora de ensino médio. Ingressou na política pelas mãos da igreja católica, pertenceu a movimentos sindicais, fundadora da CUT filiou-se ao PT em 86. Foi vereadora em Rio Branco, Deputada Estadual, Senadora, Secretária Nacional do Meio Ambiente e Ministra do Meio Ambiente.
Quando Vereadora devolveu benefícios a que tinha direito no cargo.
Deixou o Ministério e o PT por perceber que estava perdendo poder. Necessário para sua gestão. Será candidata pelo PV.

Baseando-se nas pesquisas de opinião atuais, podemos considerar como efetivos ao segundo turno Dilma e Serra. Supondo que conseguiremos controlar o juízo de valor, analisemos PT e PSDB.

O PSDB defende que o governo Lula teve sorte ao pegar um período global favorável e por ter herdado a economia organizada por FHC, privatizações efetivadas, inflação controlada e contas em dia.

O PT apresenta números sociais significativos com inserção ao consumo, mas pintados com a ideia do “nunca antes neste país”. Além da intensa e inédita aprovação de Lula nas pesquisas de opinião, como também das premiações de jornais internacionais e entidades mundiais.

Entretanto FHC falhou no desenvolvimento da economia e no social. E, não teve destaque internacional inerente à importância brasileira. Lula inchou a máquina do governo, com percentuais de 2 dígitos, quantitativa e qualitativamente. Hoje o funcionalismo público é mais bem pago do que o privado.

A verdade é que acertos e erros estiveram nos dois lados.

Assim como nas pessoas de Dilma e Serra vamos encontrar áreas a considerar e ponderar.

Dilma promete a continuidade da economia, propõe semana de 40 horas e mais liberdade para os Sem Terra. Serra pode mudar a política econômica, optando pela corrente heterodoxa e não liberdade do Banco Central. Entretanto, parece que ambos tem algo em comum, são mandões.

Que a diferença da boa situação econômica atual e suas perspectivas, com inflação baixa, reserva de US$ 230 bilhões, produção e emprego crescentes, comparadas com outras eleições, possa também mudar a abordagem dos candidatos. Focando nos programas e não nos ataques pessoais.

É o que os principais órgãos da imprensa e os jornalistas de expressão começam a exigir dos candidatos. Como cabe a eles grande responsabilidade sobre o direcionamento dos debates, esperamos que melhorem este aspecto. Dos eleitores, a expectativa é que possam discernir melhor, controlando preconceitos e juízo de valor. E, argüir a respeito de tópicos que cada eleitor considere importante, tais como voto obrigatório, financiamento das eleições, educação, saúde, segurança, aposentadoria, saneamento básico, impostos, etc.

Por que não adotar um candidato a presidente e depois o próprio? Já tivemos vereadores revoltados com a adoção. Antes da eleição é o melhor momento para consolidar esta disposição. Vamos à luta?

Carlos Magno Gibrail é doutor em marketing de moda e escreve às quartas no Blog do Mílton Jung