Recrutamento e seleção para presidente do Brasil

 

Por Carlos Magno Gibrail

Está chegando a hora de escolhermos o próximo presidente. É um grande momento, pois temos a chance de votarmos em alguém que venha corresponder aos nossos desejos para o país.

Numa empresa privada a área de Recursos Humanos acionaria um processo de recrutamento, levantando os potenciais candidatos. Neste ponto, é importante neutralizar ao máximo juízo de valor e preconceitos para que o recrutamento seja o mais amplo possível. Na política é mais difícil e, portanto, torna-se muito necessário este cuidado.

No caso Brasil temos os seguintes nomes:

Ciro_Gomes

Ciro Gomes: Paulista, advogado. Mudou-se para Sobral, no Ceará aos 5 anos. Ingressou no PDS em 79. Foi deputado estadual, prefeito de Fortaleza, governador do Ceará. Em 84 foi para o PMDB em 89 para o PSDB. Foi Ministro da Fazenda do gov. Itamar Franco. Em 97 foi para o PPS. Ministro da Integração Nacional.

dilmapequena

Dilma Roussef: mineira, graduada e mestranda em economia. Ministra Chefe da Casa Civil. Estudou no Sion, integrou organizações de luta pós 64. Esteve presa de 70 a 72. Foi para o Rio Grande do Sul, participou da fundação do PDT. Lá foi Secretária Municipal da Fazenda de Porto Alegre, e Secretária Estadual de Minas e Energia. Filiou-se ao PT no período em que integrou o gov. Olívio Dutra. Está com Lula desde a campanha de 2002.

serrapequena

José Serra: Paulistano, economista, governador eleito pioneiramente em primeiro turno, deputado federal, Senador, Ministro do Planejamento, Ministro da Saúde, Prefeito de São Paulo. Foi presidente da UEE e da UNE quando cursava Engenharia na Poli. Pós comício na Central do Brasil em 64, refugiou-se na Embaixada da Bolívia, 3 meses depois foi para a França onde ficou até 65. Foi para o Chile onde ficou 8 anos. Refugiou-se na Embaixada da Itália. Depois foi para os EUA voltando ao Brasil em 78 antes da anistia.

marina-silva

Marina Silva: Acriana, pedagoga nasceu num seringal em casa de palafitas, queria ser freira, analfabeta até os 15 anos, historiadora, professora de ensino médio. Ingressou na política pelas mãos da igreja católica, pertenceu a movimentos sindicais, fundadora da CUT filiou-se ao PT em 86. Foi vereadora em Rio Branco, Deputada Estadual, Senadora, Secretária Nacional do Meio Ambiente e Ministra do Meio Ambiente.
Quando Vereadora devolveu benefícios a que tinha direito no cargo.
Deixou o Ministério e o PT por perceber que estava perdendo poder. Necessário para sua gestão. Será candidata pelo PV.

Baseando-se nas pesquisas de opinião atuais, podemos considerar como efetivos ao segundo turno Dilma e Serra. Supondo que conseguiremos controlar o juízo de valor, analisemos PT e PSDB.

O PSDB defende que o governo Lula teve sorte ao pegar um período global favorável e por ter herdado a economia organizada por FHC, privatizações efetivadas, inflação controlada e contas em dia.

O PT apresenta números sociais significativos com inserção ao consumo, mas pintados com a ideia do “nunca antes neste país”. Além da intensa e inédita aprovação de Lula nas pesquisas de opinião, como também das premiações de jornais internacionais e entidades mundiais.

Entretanto FHC falhou no desenvolvimento da economia e no social. E, não teve destaque internacional inerente à importância brasileira. Lula inchou a máquina do governo, com percentuais de 2 dígitos, quantitativa e qualitativamente. Hoje o funcionalismo público é mais bem pago do que o privado.

A verdade é que acertos e erros estiveram nos dois lados.

Assim como nas pessoas de Dilma e Serra vamos encontrar áreas a considerar e ponderar.

Dilma promete a continuidade da economia, propõe semana de 40 horas e mais liberdade para os Sem Terra. Serra pode mudar a política econômica, optando pela corrente heterodoxa e não liberdade do Banco Central. Entretanto, parece que ambos tem algo em comum, são mandões.

Que a diferença da boa situação econômica atual e suas perspectivas, com inflação baixa, reserva de US$ 230 bilhões, produção e emprego crescentes, comparadas com outras eleições, possa também mudar a abordagem dos candidatos. Focando nos programas e não nos ataques pessoais.

É o que os principais órgãos da imprensa e os jornalistas de expressão começam a exigir dos candidatos. Como cabe a eles grande responsabilidade sobre o direcionamento dos debates, esperamos que melhorem este aspecto. Dos eleitores, a expectativa é que possam discernir melhor, controlando preconceitos e juízo de valor. E, argüir a respeito de tópicos que cada eleitor considere importante, tais como voto obrigatório, financiamento das eleições, educação, saúde, segurança, aposentadoria, saneamento básico, impostos, etc.

Por que não adotar um candidato a presidente e depois o próprio? Já tivemos vereadores revoltados com a adoção. Antes da eleição é o melhor momento para consolidar esta disposição. Vamos à luta?

Carlos Magno Gibrail é doutor em marketing de moda e escreve às quartas no Blog do Mílton Jung

21 comentários sobre “Recrutamento e seleção para presidente do Brasil

  1. Sou Brasileiro com mais de 40 anos ex-isso, ex-aquilo e atual sei, lá! “Nunca neste país“, percebi tanto interesse por boa política como agora, por todas as camadas sociais. Os interessados pelo bom rumo de nosso país, não são mais apenas os barbudos que diziam: “Que é isso companheiro!!!”

    Com os últimos acontecimentos -mensalões- as piadas de velório perderam a audiência para fervorosas discussões sobre o rumo político de nossa nação. Isto é ótimo e, me faz acreditar que a próxima eleição será um marco no quesito boa qualidade do eleitor. Os marketeiros que se vierem , pois, frases do tipo: BOM DE SERVIÇO, TRABALHANDO POR VC, NUNCA NESTE PAIS e etc.; não colam mais! Propostas, debates inteligentes e sérios, o eleitor antenado agradece. Nos poupem de MARTAXAS, TAXABS, MOLUSCOS, DEMOS, BICUDOS, PETRALHAS e etc. Se o padeiro solteirão distraído queima a rosca, é problema dele. Queremos atenção no nosso pão francês.

    Carlos, muito legal a diagramação!

  2. Carlos Gibrail mais uma vez surpredendo a todos com os seus oportunos e diretos artigos.
    Porém:
    ainda estou no aguardo do Demostenes e a sua lanterna procurando “O HOMEM”
    Quem sabe poderá nos dizer em quem votar para presidente da republica.
    PT, PMDB, PSDB, DEM, PV, PCdoB, e demais partidos, todos são farinha do mesmo saco.
    Unidos até que a morte os separe.
    Pois a mamata tá muito boa para êles.

  3. “E, argüir a respeito de tópicos que cada eleitor considere importante, tais como voto obrigatório, financiamento das eleições, educação, saúde, segurança, aposentadoria, saneamento básico, impostos, etc.”

    Eu acrescentaria também o fim do horário eleitoral gratuito!

    Abraço

  4. Há uma triste e perversa realidade no quadro de formação de novos políticos, e de tal quadro sofro as conseqüências por ter tido a pretensão de pensar na possibilidade de mudá-lo.
    Sempre li, ouvi e convivi com pessoas que simplesmente abominam “políticos”, reclamam, maldizem, mas não param para refletir sobre o poder que cada um deles tem. O voto.
    Após ter refletido sobre isso e tomado a atitude de tentar modificar este quadro, avaliei com critério as opões que tinha para isso e escolhi um partido o mais próximo possível de meus anseios e me filiei, isto foi em setembro de 2009.
    Minha vida foi de trabalho, em empresas mistas e privadas, no início de março de 2008 me aposentei por tempo de serviço, em fevereiro de 2009 me vi desempregado, isto coloco só para saberem que nunca tive um histórico de causas políticas, apesar de já ter sido diretor de ONG/OSCIP ambientalista o Instituto Planeta Azul, mantida até onde meu bolso e de meus dois outros sócios puderam agüentar.
    Mas voltando, hoje sou um pré-candidato a Deputado Federal, e como tal venho me apresentado ao meu entorno e conversado com as pessoas a fim de que obtenha sua confiança e apoio.
    Dá grande maioria das pessoas que conheço e me apresento agora como pré-candidato, sou felicitado com sua confiança e seu possível voto se for candidato efetivamente.
    Ofereço primeiramente uma plena transparência de minhas atividades e avaliação de meus propósitos, idéias e planos de atuação, informo de meus princípios de ética, dignidade, honra e respeito as pessoas e ao bem comum, comprovados por uma vida exemplar de cidadania, informo que vejo tudo isso, como a oportunidade de nós como simples cidadãos, podermos agir para melhorar nossas perspectivas futuras como cidadãos, e, é o povo e ele ou ela que me ouve que devem me questionar, ser fiscalizado e supervisionado por eles, além do direcionamento do meu partido.
    Entretanto, o terreno torna-se muito perigoso, quando além do voto, se pede um esforço maior nesse apoio, para a real viabilização de minha candidatura, isso age como um “Abra-te Sésamo” onde os pedidos do toma lá, dá cá são explícitos e claros para que não se possa alegar mal entendido. Com isso só me resta “declinar” do apoio, informando que não poderia agir da mesma forma que os atuais políticos, pois estou querendo modificar o quadro atual, e todos nós falamos mal dos políticos, mas sem falar, que muitas vezem são os apoios que receberam que os forçam a agirem como tal, e eu não farei o mesmo.
    Reforço que se ele que ver uma mudança no quadro político atual, é preciso que esta mudança comece dele, seja pelo modo como apóia, e principalmente no modo como vota, se não gosta do quadro atual, não deve repetir seu voto a quem nada fez, que dê oportunidade a novas candidaturas, seja a minha ou não.
    Assim, vislumbro que possivelmente terei que ficar mesmo em meu canto, sabendo que realmente nossos políticos são nossos reflexos, se cremos que eles são corruptos, e por que na raiz de quem pode ajudar, num momento de formação de novos quadros, não dão seu devido apoio com sentimentos pátrios e comunitários, mas tão somente pensam de forma a terem retornos pessoais e isolados.

  5. Acho que com essa iniciativa que o Milton Jung teve em fazer “Adote um vereador”, vamos seguir desde o início o novo presidente. Então podemos ver e guardar tudo que os eleitos vão dizer nos debates da TV brasileira para acompanharmos isso a partir de outubro. Agora precisaremos de um link como “Adote o Presidente”.

  6. Hilton, além destes aspectos fundamentais, virão os pontuais como agora a questão de Dirceu .
    A volta deste pessoal já marcado é um retrocesso que certamente será punido pelo eleitorado.
    Velha guarda boa é a do samba, a da politica é um desastre.

  7. Nikolas Schiozer, eu concordo, daí o interesse extraordinário que adviria de tal iniciativa.
    Quem sabe não limitaria ao presidenciável e evitaria rompantes demagógicos e eleitoreiros.
    Principalmente a facilidade de enaltecer feitos próprios e diminuir conquistas dos adversários?

  8. Macsuel Carlos, muito bem, é isso mesmo.E poderiamos estabelecer um time de experimentados para municiar cotidianemente os presidenciáveis.
    É hora da verdade nos assuntos de interesse direto, como por exemplo o caso dos aposentados.
    Você sabia se não fosse o Collor os aposentados poderiam ter um teto em torno de 8mil reais?
    Que tal uma pergunta direta ao candidato sobre a aposentadoria?
    E sobre os gastos com propaganda?

  9. Penso que as coisas só vão começar a ficar sérias no BRASIL quando o voto deixar de ser obrigatório e se tornar facultativo. Quando politicos da situação e ” QUADRILHA ALIADA” forem presos e cumprirem pena, e não somente da oposição, em época de eleição. Nesse momento sim o BRASIL vai estar mudando.
    Até agora vejo um grande teatro voltado para um público que; não sabe exercer sua cidadania e se contenta com pouco.

  10. É preciso prestar atenção em fatos novos. Além da ressurreição do Dirceu, do comercial do Kassab, e da renúncia de Paulo Otávio com certeza virão outras novidades.
    Por isso, essa criação do Milton Jung da adoção de vereadores bem que pode ser aplicada no caso dos candidatos à presidência.

  11. Olá, mestre Gibrail!

    Ontem, quando li pela primeira vez o seu artigo, não pude deixar de sentir orgulho de fazer parte desse seleto grupo de cidadãos que se dispuseram acompanhar os vereadores paulistas.

    Quando o Milton, fez as chamadas para o Adote um Vereador em 2008 na CBN, compramos sua ideia, pela forma como ele tocou na nossa parestesia cidadã. Fechamos com ele -como jogadores fecham- com o técnico recém contratado.

    Hoje eu vejo o senhor falando de Recrutamento e seleção para Presidente do Brasil, adoção de candidatos e porque não do próprio Presidente da República. Quero compartilhar com vocês que já enviei perguntas e fiz considerações ao Presidente Lula que não me respondeu. Azar dele! Perdeu uma grande chance de falar comigo. Um ex-eleitor dele!
    Hoje não tenho tempo para sua (Lula) atuação parlamentar. Tem meu objetivo voltado para São Paulo!

    Sim, nós já pensamos no “Adote o Presidente” porém somos pessoas que temos nossos empregos e nos esforçamos para conciliar esses acompanhamentos com a Universidade, afazeres domésticos, família etc. Precisamos de mais voluntários para essa empreitada cidadã! Isso vai acabar acontecendo qualquer dia desses! Alguém quer apostar?Gostaria muito que outros cidadãos deixassem de se lamuriar e arregaçasse as mangas votando e cobrando do seu eleito suas aspirações!

    Quanto a sua pergunta, direcionada à mim, sobre adoção, agradeço o elogio pois estou acostumado ser chamado de futuro candidato (como se isso fosse um crime) aproveitador de ocasião do Adote um Vereador para me tornar candidato à alguma coisa e outras bobagens que não merece pontuação.

    Hoje, sou Integrante da Associação do meu bairro, do CONSEG, do Adote um Vereador, do Twíticos, do Ficha Limpa, do Cidade Democrática, ufa!
    Mantenho 5 Blogs: onde posto desde uma poda de árvore que não acontece na minha rua, passando por fiscalização à subprefeituras, secretarias, parques municipais, acompanhamento da CMSP pela TV Câmara e por fim do vereador Marco Aurélio Cunha.

    Óbvio que o meu dinheiro tem origem, já disse isso aqui aos “patrulheiros de plantão”, sou empresário e vivo do meu trabalho.
    Por isso digo à vocês, a luta diária é exaustiva mas vale a pena!
    Adotem esses parlamentares nem que seja para escrever uma linha por dia, assim como estamos fazendo agora nesse artigo do mestre Carlos Magno Gibrail.
    A memória digital é muito importante para o futuro político do nosso país. Esse comentário que acabo de escrever ficará para sempre registrado em uma página do livro digital da CBN!

    Por fim, devo concordar com o mestre Gibrail quanto aos avanços conseguidos no país. Sei que ainda é muito pouco! Calma, um degrau de cada vez!
    O POVO já foi mais indiferente à politica em geral! Hoje já se posiciona em boa parte dos assuntos que o rodeia. Graças à DEUS!

  12. Claudio Vieira, certamente o seu tempo já tomado não disponibilizará muita coisa para novas empreitadas.
    Entretanto, podemos criar um grupo que se disponha a efetivar o acompanhamento.
    O importante é haver um espaço de divulgação que obrigue os candidatos a responder.
    Perguntas simples e importantes não são feitas.
    Por exemplo, que expliquem como estão financiando as campanhas, nominalmente e quantitativamente.
    Como agirão em relação aos aposentados.
    Etc, etc

  13. A revista THE ECONOMIST mais uma vez demonstra bom conhecimento das coisas no Brasil. Fala de corrupção atualizadamente e anota que não é nada diferente do resto do mundo. Ainda cita que India e China estão com maiores problemas do que os brasileiros.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s