Mundo Corporativo: o desconhecimento jurídico trava o desenvolvimento de startups no Brasil, diz Eduardo Matias

 

 

 

Para 67% dos empreendedores a maior causa de fracasso das startups é o desentendimento entre sócios a respeito de questões que não estavam previstas no acordo prévio — a falta desses cuidados legais também faz com que boa parte dos investidores tenha receio de colocar dinheiro em um novo negócio.

 

Ao não considerar os tributos na hora de fazer o planejamento, 46% dos empreendedores dizem ter sofrido no bolso; enquanto 34,43% disseram ter dificuldade na contratação de funcionários em razão de não conhecer as possíveis modalidades jurídicas de formalização do vínculo empregatício e 39,34% encontraram problemas por já existir registro de um domínio eletrônico igual ao que pretendiam utilizar.

 

Esses foram alguns dos resultados encontrados pelo Panorama Legal das Startups, pesquisa realizada pelo escritório NELM, que entrevistou 108 companhias brasileiras. O advogado Eduardo Felipe Matias, entrevistado por Mílton Jung no programa Mundo Corporativo, foi um dos coordenadores do estudo. Ele falou, também, sobre a importância de o Estado criar condições para o desenvolvimento de startups:

 

“A gente está vivendo uma verdadeira revolução: uma revolução tecnológica —
uma quarta revolução industrial. O Brasil vai ficar para trás nesta onda ou ele vai conseguir acompanhar? E para isso o papel do Estado é fundamental. Então, como ele pode ajudar? Ele pode ajudar tornando o ambiente do negócio melhor ou pode ajudar tornando as pessoas mais preparadas para o ambiente inovador, para inovarem, para empreenderem”

O despertar dos Shoppings

 

Por Carlos magno Gibrail

 

mall-591337_960_720

 

No momento em que o comércio eletrônico chega a R$ 48 bilhõese cresce 12%, os Shoppings dão sinais que acordaram do passado e começam a enxergar o presente. A BRMalls e a Ancar Ivanhoe estão utilizando a Delivery Center para serviços de entrega — atendendo a pedidos feitos via WhatsApp ou iFood, com entregas em até uma hora. O sistema é o 020 – online-to-offline.

 

No Shopping Tijuca a BRMalls experimentou o sistema na praça de alimentação e as vendas nos 3 primeiros meses subiram 15%. Até o final de 2019 a BRMalls estará integrando à plataforma 40 Shoppings.

 

Em breve a Multiplan lançará um canal de vendas online – o MultiShopping – que inicialmente levará o BarraShopping até o cliente. A Multiplan também está operando com a FullLab de tecnologia tipo big data para atuar em soluções para o seu varejo.

 

A Cyrela está com seis Shoppings integrados no ON Stores, seu Shopping virtual, utilizando logística descentralizada, de forma que o produto comprado pela internet pode ser recebido na casa do cliente ou entregue no Shopping. Em uma única compra. De todas as lojas do ON Stores, com um único cadastro e um único pagamento.

 

E, neste ponto, podemos afirmar que esse é o sistema irreversível que deverá ser adotado por todos os Shoppings. Caso contrário aqueles empreendedores resistentes poderão ser atropelados por seus parceiros de hoje: os lojistas mais avançados.

 

A pesquisa realizada pelo GEU Grupo de Estudos Urbanos GeoMarketing, dá a ordem de grandeza das inovações:

 

A Renner está com seu e-commerce crescendo quatro vezes mais que o mercado. Além disso está se preparando para potencializar ao investir na integração com as lojas física, que já é totalmente automatizada. Simultaneamente está aumentando os investimentos em centros de distribuição.

 

A Lojas Marisa começa a validar a integração entre lojas físicas e comércio eletrônico, quando se poderá comprar pela internet e retirar a mercadoria na loja. Até 2019 toda a rede de lojas estará integrada.

 

Em 22 de agosto, foi lançada a “NOVA LOJA Amazon Moda”. A loja de moda e esportes da Amazon em nosso mercado. São 350 000 produtos que estão num Marketplace onde são disponibilizadas marcas como Reserva, Animale, Capodarte, Havaianas, Le Lis Blanc, Levi’s, e muito mais do que qualquer grande Shopping físico brasileiro.

 

Para quem, desde o ano 2000, testemunhou ouvir que ninguém compraria moda pela internet e que até hoje atesta que muitos Shoppings temem a integração com o mundo físico pela imaginária competição com o virtual, esses fatos reais são um alento.

 

Esperemos que o tardio despertar não seja lento.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

No congresso nacional de lojistas de shopping o destaque foi o futuro da política e do varejo

 


Por Carlos Magno Gibrail

 

central-embassy-498560_960_720

 

As falas de políticos e lojistas, ouvidas no WTC, no evento da ALSHOP, convergiram para o futuro — como que deletando o presente nada recomendável.

 

Os presidenciáveis Alckmin, Amoedo e Rocha, apresentaram um discurso conciso das respectivas plataformas sem ataques pessoais aos adversários.

 

Será prenúncio de novos tempos?

 

Alckmin ressaltou a desproporção entre a máquina governamental e o meio privado. Em custos e eficiência. Enfatizando a vantagem da experiência administrativa que possui para consertar este desequilíbrio.

 

Amoedo defendeu a liberalidade econômica, social e comportamental. Acredita em nomes novos em todas as áreas políticas. Ressalta seu diferencial entre todos os candidatos ao descartar o “status quo” do profissionalismo político. Aposta que as necessárias reformas somente virão através de outros legisladores. Novos deputados e novos senadores.

 

Rocha enalteceu a competência empresarial, defendendo o liberalismo na economia e o tradicionalismo no comportamento. Abomina o sistema no qual o estado onera e algumas vezes interfere no mundo privado. Situação em que já foi vítima.

 

Neste contexto macro, o lojista Sergio Zimermam da PETZ contribuiu para a elucidação da questão tributária, pois é consensual que temos uma das maiores participações de impostos sobre o PIB. Não é verdade. O 34% de tributos no PIB do Brasil está na média mundial. O problema é que o Estado não entrega os serviços devidos e, além disso, a taxação de 50% sobre o consumo e 20% sobre a renda cria um disparate. Um peso tributário maior sobre os de menor renda, causando a distorção que poderia ser mais explícita se nos produtos e serviços se destacasse o montante de imposto.

 

No âmbito técnico do Congresso se constatou uma tendência de as cadeias de lojas concentrarem as operações em FRANQUIAS, em detrimento das lojas próprias. Uma estratégia para reforçar a necessária experiência de compra como diferencial ao mundo eletrônico e, ao mesmo tempo, viabilizar os resultados usufruindo das menores taxas para o sistema fiscal das sociedades no regime simples.

 

Neste setor de FRANQUIAS haverá reforço financeiro vindo pela Caixa, na palavra de seu presidente, Nelson de Souza, que expôs o lançamento de crédito específico e de baixo custo. Fruto da parceria ALSHOP com a Caixa, estimulada por Nabil Sayon e referendada por Souza, atento aos mais de 50 mil associados da ALSHOP.

 

Sob o aspecto de LIDERANÇA ressaltou-se a presença da mulher como força inovadora. Testemunhada na presença e na palavra das presidentes da Le Postiche, Nutty Bavaria e Amor aos Pedaços.

 

A necessidade de trabalhar o CLIENTE INTERNO X CLIENTE EXTERNO também foi um dos temas marcantes, apresentado pela Ideale e ABRH Brasil, por Peterson Coli e Eliana Aere.

 

Como INOVAÇÃO, Renato Claro da Kick Off trouxe o caso da Johnny Rockets que tem apresentado mudanças constantes no conceito, no cardápio e no tamanho como forma de manter o espírito original. O Rock de Elvis Presley e seus hambúrgueres.

 

O varejo que busca ATUALIDADE não pode descartar os Marketplaces. Sotero da B2W – Submarino, Americanas, Shoptime, e Bertolazzo do Magazine Luiza, não só demonstraram números e tendências irrecusáveis, como convidaram a todos a participar desse gigantesco universo. Pequenos, médios e grandes negócios e até mesmo os inexistentes podem procurá-los para atuar nesta multiplicidade de espaços de venda.

 

Para os Shopping Centers a tendência de aglutinar mais áreas de serviço e entretenimento deverá continuar. Um novo formato chamado de Power Center tem surgido com força. Consiste em agregar sobre grandes áreas operações populares de baixo preço. Entretanto a grande novidade é o início do e-commerce de shopping centers tradicionais.

 

O SPMarket, de acordo com Sylvio Carvalho Neto, diretor, já possibilita seus clientes comprarem via internet. Nos corredores, ouvia-se sobre o Cidade Jardim e a Multiplan estarem próximos do lançamento de suas plataformas de comércio eletrônico.

 

Enfim, pelo Congresso da ALSHOP tudo indica que podemos esperar um futuro melhor.

 

A tarefa é chegar lá.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

Mundo Corporativo: 7 princípios para encarar a nova economia

 

 


 
 

 

As empresas e carreiras estão vivendo um momento de transformação entre a velha e a nova economia, influenciadas fortemente pelo avanço das tecnologias. Quem não entender esse momento perderá valor na perspectiva do consumidor. O primeiro princípio para quem pretende estar pronto para esta evolução é colocar o cliente no centro da estratégia, segundo Renato Mendes, sócio da Orgânica, uma aceleradora de negócios, que auxilia empresas a se adaptarem a esse novo cenário:
 

 

“A gente costuma dizer que na nova economia a empresa vencedora não é a que tem a melhor ideia, é a empresa que melhor conhece o seu consumidor e vai criando soluções para esse cliente; muitas vezes ele não sabe o que ele quer, mas ele sabe a dor que ele sente”

 

 

Na entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, d rádio CBN, Mendes listou o que considera ser os sete princípios que devem ser seguidos por empresas e profissionais:
 

 

  1. Cultura do cliente

  2. Sim, é possível

  3. O novo sempre vem

  4. Vamos errar

  5. Postura de dono

  6. Viva bem no desconforto

  7. Foco e obsessão

 

 

Mendes é co-autor do livro “Mude ou Morra – tudo que você precisa saber para fazer crescer seu negócio e sua carreira na nova economia” (Planeta Estratégia), no qual teve a parceria de seu sócio Roni Cunha Bueno.

O Mundo Corporativo pode ser assistido ao vivo, no site ou na página da CBN no Facebook, às quartas-feiras, 11 horas; e é reproduzido aos sábados no Jornal da CBN e domingo, às 11 da noite, em horário alternativo. Colaboram com o programa Juliana Causin, Rafael Furugen e Débora Gonçalves.

A valorização do rádio com as caixas de som inteligentes

 

amazon_echo

 

Em “Jornalismo de Rádio”, livro que escrevi, em 2004, já apostava na ideia que a internet e as tecnologia digitais ofereceriam novo fôlego para o veículo. Havia sinais claros das possibilidades que teríamos para explorar as inovações que surgiam.

 

Era uma época em que os aplicativos ainda não eram realidade, mas a internet apresentava-se como meio para levar nossa programação ao infinito e além. Apostava na ideia que os celulares substituíram os aparelhos portáteis de rádio, movidos à pilha.

 

Seja captando as ondas da freqüência modulada, seja reproduzindo o som digital pelos aplicativos, o rádio ganhou nova dimensão. Não bastasse seu produto também ser distribuído agora no formato de podcast.

 

Estou curioso para ver como as caixas de som inteligentes, que prometem comandar as casas automatizadas e já têm um competitivo mercado em disputa nos Estados Unidos, tornarão o rádio ainda mais significativo.

 

Esses alto-falantes, que deixaram de ser apenas reprodutores de áudio bluetooth, estarão conectados com dezenas de equipamentos nas residências e oferecerão fácil acesso às emissoras de rádio.

 

Acordar logo cedo e pedir para Alexia, da Amazon, sintonizar a rádio CBN poderá se transformar em comportamento tão comum quanto ir ao banheiro para escovar os dentes.

 

Emissoras americanas já incluem nos seus anúncios o pedido para que o ouvinte acesse a rádio por este meio, assim como divulga o dial ou os convida a baixar o aplicativo da emissora.

 

Randy Gravley, do Conselho de Rádio da National Association of Broadcasters (NAB), foi entrevistado pelo site Radio World e fala da expectativa de as caixas de som inteligentes darem novo impulso à audiência do rádio em todo o mundo.

 

Leia aqui a entrevista do executivo

 

A persistirem os sintomas, logo o ouvinte vai falar com o rádio. O que talvez não seja uma novidade para você, caro e raro leitor deste blog, que faz parte daquela legião de ouvintes que responde ao bom dia quando começamos o programa, e faz comentários em voz alta no carro enquanto apresentamos o Jornal.

 

Mundo Corporativo – Nova Geração: Rafael Ribeiro, da ABS, mostra como transformar sua startup em um bom negócio

 

 

“Não basta ter só uma ideia, se você não tem um time para executar aquela ideia”. O alerta é de Rafael Ribeiro, gerente executivo da Associação Brasileira de Startups, em entrevista ao jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo – Nova Geração, da rádio CBN. Para ele, muitos jovens desperdiçam boas oportunidades no mercado por não se planejarem nem desenvolverem as estratégias necessárias para se aproximar de parceiros e investidores.

 

Na entrevista, Ribeiro também convida os novos empreendedores a ouvirem mais os profissionais que já estão no mercado: “você não vai chegar a lugar nenhum sozinho, muitas das vezes você não conhece muito daquele mercado tão a fundo quanto você acha, e ignorar a experiência de executivos e de pessoas mais experientes é um grande erro”.

 

A Associação Brasileira de Startups está promovendo a Case – Conferência Anual de Startups e Empreendedorismo, nos dias 7 e 8 de novembro, no centro de exposições do Anhembi, em São Paulo. Para outras informações, acesse o site http://www.abstartups.com.br

 

O Mundo Corporativo é apresentado, ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas, pelo site e pela página no Facebook da rádio CBN. O programa é reproduzido aos sábados, no Jornal da CBN. Todo último sábado do mês, você ouve a versão do Mundo Corporativo – Nova Geração, dedicado a orientar e inspirar jovens que estejam dispostos a entrar no mercado de trabalho como empresários, empreendedores ou profissionais nas mais diversas áreas de atuação.

Mundo Corporativo: Mário Pacheco Fernandes, há 70 anos inovando e criando no mercado de trabalho

 

 

“Houve um fato novo que mudou tudo, que foi o computador, mas os executivos não mudaram muito na sua maneira de ser”. A avaliação sobre como evoluiu o mercado de trabalho é de Mário Pacheco Fernandes, que há 70 anos se dedica ao ambiente corporativo como empresário, executivo, empregado e, atualmente, orientando novos profissionais. Fernandes foi entrevistado pelo jornalista Mílton Jung, no Mundo Corporativo, da rádio CBN, quando contou curiosidades da sua carreira desde que começou trabalhar com 15 anos.

 

Hoje, Mário Fernandes está com 84 anos e na retrospectiva que fez falou de ações inovadoras adotadas ao longo do tempo antecipando tendências como o uso do merchandising e o marketing de guerrilha, além de mudar a forma de remuneração de vendedores.

 

Na entrevista, Fernandes conta a experiência que foi montar, vender e promover, no Brasil, a Romi-isetta, na segunda metade da década de 1950. Ele trabalhava para a fábrica de tornos Romi que decidiu investir na versão brasileira do carro originalmente criado na Itália, a Isetta. Apesar de já estar fora de linha há cerca de 60 anos, a Romi-isetta tem clubes de fãs até os dias de hoje.

 

 

Mário Pacheco Fernandes lançou o livro ”25.555 dias na estrada, o que aprendi administrando empresas”.

 

O Mundo Corporativo é gravado às quartas-feiras, 11 horas da manhã, e pode ser assistido no site cbn.com.br e pela página da CBN no Facebook. O programa é reproduzido aos sábados no Jornal da CBN.

Mundo Corporativo: selfie, batimento cardíaco e outras novidades para pagar as contas

 

 

Em lugar da senha, um selfie. Ou quem sabe, uma pulseira que vai medir o seu batimento cardíaco. Essas são algumas das tecnologias em desenvolvimento para autenticação de pagamentos de contas. No Mundo Corporativo, o presidente da Mastercard no Brasil e Cone Sul, João Pedro Paro Neto, fala da evolução no mercado de cartões de crédito. Na entrevista ao jornalista Mílton Jung, o executivo faz uma avaliação do momento que as empresas do setor estão enfrentando e das oportunidades de carreira.

 

O Mundo Corporativo pode ser assistido, ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas, no site cbn.com.br. O quadro é reproduzido aos sábados, no Jornal da CBN. Participaram deste Mundo Corporativo: Alessandra Dias, Carlos Mesquita e Débora Gonçalves.

Empreendedorismo: 4 passos para planejar seu negócio diante da crise

 

 

Diante da crise econômica, muitos empreendedores se vêm levados a diversificar seu negócio em busca de alternativas que façam aumentar seu rendimento. E este foi um dos temas propostos no Papo de Professor, promovido pelo Sebrae: como fazer isso sem perder a eficiência e a qualidade?

 

Partindo da premissa que empreendedorismo envolve inovação e riscos, não podemos apenas esperar que a crise nos atropele. É necessário buscar caminhos viáveis, a partir do próprio negócio que já realizamos.

 

Para planejar seu negócio neste cenário, proponho quatro passos:

 

  1. Identifique os fatores que impactam seu negócio e quais fatores seu novo negócio vai impactar.
  2.  

  3. Determine o seu limite, até onde seu produto pode chegar, qual o alcance do serviço que você presta.
  4.  

  5. Antecipe-se e mapeie os imprevistos que possam surgir no seu caminho
  6.  

  7. Jamais tire o foco do que mais importa: o cliente

 

A resposta completa você assiste no vídeo acima.

 

Aqui você assiste a outros vídeos nos quais respondo perguntas sobre empreendedorismo

Mundo Corporativo: Paulo Mól, do IEL, diz que inovação surge do trabalho de equipe

 

 

No passado, imaginava-se que a inovação era resultado do trabalho de um profissional geralmente sentado em sua mesa, isolado e introspectivo, de quem surgiam as ideias geniais. Hoje, se sabe que a inovação surge no trabalho de equipe, portanto, é preciso saber se relacionar com outras pessoas. Para Paulo Mól, superintendente do IEL – Instituto Euvaldo Lodi, ligado a Confederação Nacional da Indústria, trabalhar de maneira cooperativa é fundamental. Na entrevista ao jornalista Mílton Jung, no quadro Mundo Corporativo, da rádio CBN, Mól também fala dos cursos e treinamentos para qualificação profissional desenvolvidos pelo IEL.

 

O Mundo Corporativo pode ser assistido, ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas, no site http://www.cbn.com.br. O quadro é reproduzido aos sábados, no Jornal da CBN. Colaboraram com esse quadro Paulo Rodolfo, Douglas Matos e Débora Gonçalves.