O Estado reprovado como gestor avança como interventor

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

1097793-tmazs_abr_111320175099-1

 

A proibição total do aborto cogitada neste momento por uma minoria coloca em evidência a excessiva intervenção do Estado nos assuntos pessoais.

 

A Administração Pública não dá conta das atribuições que lhe compete, pois é má feitora, péssima gestora e interventora indevida, e agora quer ampliar a intromissão em direitos individuais das cidadãs brasileiras.

 

Ao mesmo tempo aflora a incongruência de liberar o fumo e o álcool, quando proíbe o jogo, o aborto e as drogas.

 

A proibição ao jogo é insustentável a qualquer argumento adulto. A não ser quanto a paternalismo ou estatismo.

 

O aborto tem seu melhor exemplo no caso americano da redução da criminalidade.

 

Rudolph Giuliani, prefeito de Nova Iorque, empossado em 1994, foi o herói aparente da mudança nos índices policiais. Entretanto o economista Steven Levitt e o jornalista Stephen Dubner foram os anti-heróis ao mostrar matematicamente que a causa real foi a lei que descriminalizou o aborto. Os filhos indesejáveis deixaram de nascer.

 

“O que o vínculo aborto-criminalidade nos diz é: quando o governo dá a uma mulher a oportunidade de escolha, ela pondera se está em condições de criar bem o bebê. Se não está, geralmente opta pelo aborto”.

 

O New York Times Magazine relatou:

 

“Em seu trabalho a respeito do aborto, Levitt e seu coautor avisavam que suas descobertas não deveriam ser erroneamente interpretadas como um aval ao aborto. Apesar de tudo, o assunto conseguiu ofender praticamente todo mundo. Os conservadores ficaram furiosos, os liberais manifestaram decepção com a discriminação contra as mulheres pobres e negras. Os economistas argumentaram que a metodologia não era sólida. Enquanto a mídia se esbaldava com o tema.”

 

A questão das drogas, a mais controversa de todas, não pode ignorar as pesquisas realizadas. Por exemplo, o Juiz Roberto Luiz Corcioli Filho em artigo apresenta a seguinte nota:

 

Conforme notícia publicada no jornal Folha de S. Paulo (Álcool provoca mais prejuízos que crack, heroína e maconha), “o álcool é uma droga mais perigosa do que o crack e a heroína e três vezes pior do que a cocaína e o tabaco, de acordo com pesquisadores do Comitê Científico Independente para Drogas do Reino Unido. Segundo a Organização Mundial da Saúde, os riscos associados ao álcool causam 2,5 milhões de mortes por ano”.

 

Enfim, é preciso questionar as (ile)gítimas intervenções do Estado sob o propósito de proteger o cidadão de uma conduta auto lesiva.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung, às quartas-feiras.
 

O Jogo da Imitação: o difícil é desvendar o enigma da intolerância

 

Por Biba Mello

 

 

FILME DA SEMANA
“O Jogo da Imitação”
Um filme de Morten Tyldum
Gênero:Biografia / Drama.
País:EUA / Reino Unido

 

É a cinebiografia de um gênio da matemática, Alan Turing, que é contratado pelos aliados para decifrar o “Enigma”: uma máquina criada pelos alemães que mandava códigos indecifráveis durante a guerra, combinando ataques e discutindo estratégias.

 

Por que ver:
Não tem o que falar da técnica cinematográfica do filme. Impecável e clássica. Em relação ao roteiro, os amantes de história sobre a segunda guerra vão dar cambalhotas de alegria ao assistir este filme.

 

Estima-se que esta descoberta(Enigma) salvou em torno de 14 milhões de pessoas e antecipou o fim da segunda guerra mundial em 2 anos!!!

 

Apesar de detestar fazer spoiler (se não gostarem de quem faça parem de ler agora), acho importante abordar outro aspecto da fita; Alan era gay e por sê-lo foi condenado(era crime na época, pasmem!) à castração química, resultando em um final trágico. A história também nos ensina a não repetir erros do passado. Portanto a prática da tolerância é muito importante…Vejam só, alguém tão genial foi condenado por sua opção sexual, mesmo tendo poupado tantas vidas…Inconcebível…Triste mesmo…

 

Como ver:
Aprender sobre história é sempre bom. Assista com alguém que entenda sobre a história da segunda guerra pois a mesma certamente terá outros fatos curiosos para acrescentar.

 

Quando não ver:
Proibido para menores de 12 anos.

 


Biba Mello, diretora de cinema, blogger e apaixonada por assuntos femininos. Escreve sobre filmes no Blog do Mílton Jung

Avalanche Tricolor: porque somos gremistas, meninos!

 

Inter 2 x 1 Grêmio
Gaúcho – Beira Rio (POA)

 

GremioCamisa_Fotor

 

Há três dias vejo um dos meus meninos vestindo a camisa do Grêmio. Não essa tricolor que vestem nossos jogadores em campo, mas camisas estilizadas, com destaque para o azul que nos representa, o símbolo no lado esquerdo do peito e imagens de um passado recente em que o Olímpico era nossa casa. Algumas tem dizeres impressos no tecido, mensagens enaltecendo nossa história e nossos mitos. Vestiu para ir a faculdade e a academia; para passear no shopping, também. Vestiu porque mesmo tendo nascido longe do Rio Grande aprendeu a ser gremista. Gosta de ser visto assim, identificado como tal. Os amigos mais próximos insistem em perguntar para quem ele torce aqui em São Paulo, como se torcer para o Grêmio não fosse suficiente. Ele não titubeia em responder: sou Grêmio e isso me basta!

 

Hoje, desde cedo, ele e o irmão acordaram mais atentos ao futebol do que costumam ser. Já devo ter contado aqui que, apesar da paixão do pai pelo esporte, eles preferem se concentrar nos times que disputam as competições eletrônicas, especialmente League of Legend, do que na bola rolando. No almoço, queriam saber como estávamos para a decisão e o que nos esperava na partida final.

 

Mesmo que diante do computador, torceram por mim desde o primeiro minuto de jogo, em Porto Alegre. Viram-me sofrer com dois gols que tiveram origem em falhas indesculpáveis de nossos marcadores. Viram-me vibrar no único lance em toda a partida no qual merecemos fazer nosso gol. Aproximaram-se de mim no segundo tempo para compartilhar o drama do relógio que corria para o minuto final. Lamentaram nossos erros e a falta de criatividade como lamentamos todos nós que torcemos pelo Grêmio.

 

Neste domingo, em que nossos defeitos se repetiram e nossos méritos não surgiram, assim como eu, os dois ficaram frustrados com o resultado final. É claro! Perder títulos sempre nos deixa com um gosto amargo. Tiveram, porém, mais uma lição de como um gremista é forjado. De que maneira nossa alma se constrói e nosso coração é massacrado. De que forma precisamos aprender a sofrer para nos tornarmos maior. De que o caminho até a vitória é aberto a partir dessas derrotas. Aprendizado que me fez mais forte na infância para me transformar em campeão do mundo na adolescência. E que está aí para moldar uma nova trajetória com as correções de rumo que se fizeram necessárias.

 

Independentemente do que tenha acontecido hoje e do que venha a acontecer amanhã e depois, nosso destino já está traçado: somos gremistas. E isso nos basta!

Mundo Corporativo: Flora Alves mostra como a gamificação ajuda na performance da empresa

 

 

Usar gamificação no contexto da educação corporativa significa se apropriar de elementos, estética e mecânica de games para que você possa promover a aprendizagem, engajar as pessoas e estimulá-las para a solução de problemas. É a partir deste olhar que Flora Alves, sócia-fundadora da SG, desenvolve projetos que incluem o uso de jogos para melhorar a performance de profissionais e empresas. Alves foi entrevistada pelo jornalista Mílton Jung, no programa Mundo Corporativo, da rádio CBN. Nessa conversa, ela mostra que o ideal é o desenvolvimento de estratégias específicas para cada tipo de relação que está em jogo, mas também entende que é possível usar os videogames que as pessoas têm em casa para diversão como ferramentas de aprendizagem corporativa.

 

 

O Mundo Corporativo é transmitido, ao vivo, toda quarta-feira, 11 horas, pelo site da rádio CBN, com participação dos ouvintes pelo e-mail mundocorporativo@cbn.com.br e pelos Twitters @jornaldacbn e @miltonjung (#MundoCorpCBN). O programa é reproduzido aos sábados no Jornal da CBN. O Mundo Corporativo tem a participação de Leopoldo Rosa, Carlos Mesquita e Ernesto Foschi.

O Jogo: é teste para cardíaco!

 

FILME DA SEMANA
“O Jogo”
Um filme de David Fincher.
Gênero: Ação/Suspense
País:USA

 

 

Nicholas Van Orton (Douglas), um homem de negócios mal-humorado, acaba de fazer aniversário. O irmão oferece-lhe o cartão de uma empresa chamada Consumer Recreation Services. É um presente de “vida” … Através de um jogo obscuro o participante “vai brincar” sem saber sequer qual a finalidade. Os estranhos acontecimentos começam a manifestar-se acompanhando o início do Jogo, em que os organizadores parecem monitorizar por completo a vida do participante. As linhas das fronteiras entre o real e a ficção tornam-se cada vez mais difíceis de distinguir.

 

Porque ver: O diretor David Fincher filmou os seguintes títulos: Seven, o Curioso caso de Benjamin Button, Garota Exemplar, Clube da Luta, A Rede e Os homens que não Amavam as Mulheres, etc… Bom, acho que convenci você, não? Este diretor é um fenômeno por si só.

 

Como ver: Quando estiver em busca de emoção!!!! Quando você vai a Natal andar de buggye nas dunas, eles perguntam: “com ou sem emoção”? Este, definitivamente, é “com”.

 

Quando não ver: Tem problemas cardíacos ou respiratórios? Se a resposta for sim, este não é um filme indicado a você.

 

Biba Mello, diretora de cinema, blogger e apaixonada por assuntos femininos.