Noel Rosa sabia mesmo das coisas

 

 

Os 80 anos da morte de Noel Rosa, lembrados em reportagem especial no Jornal da CBN, produzida pelo colega Gabriel Sabóia, desta quinta-feira (4/5), trouxeram à memória algumas das mais belas músicas produzidas pelo ‘Poeta da Vila’, que fez muito e fez bem, apesar de ter vivido pouco. Foram mais de 200 letras compostas com tom de poesia, em um dos maiores legados do samba brasileiro. A boemia e seus excessos, porém, deixaram-lhe doente, e de tuberculose Noel morreu aos 27 anos, no auge da carreira.

 

Gosto de uma música em especial, talvez sem a mesma fama de “Conversa de Botequim”, “Fita Amarela” e “Com Que Roupa?”, que levaram o samba para o rádio e até hoje tocam nas emissoras que dão preferência à qualidade. Gosto de “Seja Breve”, que teria sido gravada em 1932 e me foi apresentada por um ouvinte da CBN há cerca de cinco ou seis anos.

 

O ouvinte acabara de acompanhar uma entrevista que tentei fazer com um médico. Era coisa importante. O doutor havia publicado pesquisa em revista científica no exterior. Mestre da ciência, porém, exagerou nas explicações e em seis minutos de entrevista foi incapaz de descrever para mim e para o público o significado de seu trabalho. Era craque na saúde. Não tinha o mesmo desempenho na oratória.

 

Perdemos a oportunidade de esclarecer o assunto, mas ganhei um ‘causo’ para minhas palestras. Pelo Twitter, o caro ouvinte – lamentavelmente não guardei o nome dele – me sugeriu Noel Rosa e a letra a seguir:

 

Seja breve, seja breve
Não percebi porque você se atreve
A prolongar sua conversa mole
(E não adianta)
Seja breve (conversa de teso)
Não amole
Senão acabo perdendo o controle
E vou cobrar o tempo que você me deve

 

A letra reforça a genialidade de Noel. Lá nos anos de 1930, ele já nos ensinava como nos comunicarmos de maneira eficiente nos tempos de agora em que o excesso de mensagem deixa tudo nebuloso e sem relevância.

Mundo Corporativo: Reinaldo Polito ensina a falar bem em público

 

 

Quando falamos, precisamos envolver as pessoas e fazer com que elas participem da nossa causa, agindo de acordo com a nossa vontade. Para que esse objetivo seja alcançado, além de naturalidade, é preciso falar com energia, disposição, e entusiasmo.

 

“A vida não tem espaço para gente molinha, é preciso sempre falar com muito envolvimento”, ensina o professor Reinaldo Polito, um dos principais especialistas em oratória do mundo e autor do livro “29 minutos para falar bem em público e conversar com desenvoltura” (Sextante), lançado em parceria com Raquel Polito.

 

Em entrevista ao jornalista Mílton Jung, no Mundo Corporativo, da rádio CBN, que você assiste no vídeo acima, Polito apresenta algumas estratégias que devem ser aplicadas para apresentações de projetos de trabalho, palestras e reuniões.

 

O Mundo Corporativo vai ao ar, ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas, no site da rádio CBN. O quadro é reproduzido aos sábados, no Jornal da CBN. Colaboram com o Mundo Corporativo: Alessandra Dias, Douglas Matos e Débora Gonçalves.