Noel Rosa sabia mesmo das coisas

 

 

Os 80 anos da morte de Noel Rosa, lembrados em reportagem especial no Jornal da CBN, produzida pelo colega Gabriel Sabóia, desta quinta-feira (4/5), trouxeram à memória algumas das mais belas músicas produzidas pelo ‘Poeta da Vila’, que fez muito e fez bem, apesar de ter vivido pouco. Foram mais de 200 letras compostas com tom de poesia, em um dos maiores legados do samba brasileiro. A boemia e seus excessos, porém, deixaram-lhe doente, e de tuberculose Noel morreu aos 27 anos, no auge da carreira.

 

Gosto de uma música em especial, talvez sem a mesma fama de “Conversa de Botequim”, “Fita Amarela” e “Com Que Roupa?”, que levaram o samba para o rádio e até hoje tocam nas emissoras que dão preferência à qualidade. Gosto de “Seja Breve”, que teria sido gravada em 1932 e me foi apresentada por um ouvinte da CBN há cerca de cinco ou seis anos.

 

O ouvinte acabara de acompanhar uma entrevista que tentei fazer com um médico. Era coisa importante. O doutor havia publicado pesquisa em revista científica no exterior. Mestre da ciência, porém, exagerou nas explicações e em seis minutos de entrevista foi incapaz de descrever para mim e para o público o significado de seu trabalho. Era craque na saúde. Não tinha o mesmo desempenho na oratória.

 

Perdemos a oportunidade de esclarecer o assunto, mas ganhei um ‘causo’ para minhas palestras. Pelo Twitter, o caro ouvinte – lamentavelmente não guardei o nome dele – me sugeriu Noel Rosa e a letra a seguir:

 

Seja breve, seja breve
Não percebi porque você se atreve
A prolongar sua conversa mole
(E não adianta)
Seja breve (conversa de teso)
Não amole
Senão acabo perdendo o controle
E vou cobrar o tempo que você me deve

 

A letra reforça a genialidade de Noel. Lá nos anos de 1930, ele já nos ensinava como nos comunicarmos de maneira eficiente nos tempos de agora em que o excesso de mensagem deixa tudo nebuloso e sem relevância.

2 comentários sobre “Noel Rosa sabia mesmo das coisas

  1. Agora mesmo eu escutei o kenedy falando da manifestação na frente da casa do Dirceu, o infeliz disse que é contra constranger e incomodar o coitadinho, quero dizer que contrangidos estamos nos diante do mundo em colocar em liberdade um ladrão condenado, e se fosse um país sério não teríamos ele solto e comentários desse contrangidinho.

  2. Renato, Kennedy responde por seus comentários e os recebe no blog que mantém com seu nome. De minha parte, esclareço que a questão não é a manifestação na frente da casa dele, mas a tentativa de invasão do prédio e a forma violenta como o protesto se fez. Aliás, da mesma forma errada como fizeram para constranger o presidente Michel Temer, na greve da semana passada. Por maior que seja nossa indignação diante dos atos de corrupção, cometidos por Dirceu, seus companheiros de partido, e todos os demais políticos brasileiros citados e investigados na Operação Lava Jato, jamais defenderei violência ou tentativa de violência contra eles. À Justiça cabe julgar, condenar e punir. E, por enquanto, é o que tem acontecido no Brasil no caso da Lava Jato, haja vista a sentença do juiz Sérgio Moro contra uma dezena dos envolvidos, inclusive, em alguns casos, com confirmação da segunda instância e cumprimento de pena.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s